Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O comentário da semana

por Pedro Correia, em 15.07.18

«Mas afinal quem é que privatizou a EDP? Quem é que foi o campeão das privatizações em Portugal? Foi o Cavaco, dirão alguns; desinformados, digo eu. Não, não foi o Cavaco, o campeão das privatizações em Portugal foi o Guterres, que privatizou a maioria da banca, dos seguros, dos cimentos, a EDP, a Galp, a PT, a Brisa e tutti quantti. Há quem jure que Guterres fez 48 mil milhões em privatizações! O que é que ele fez com esse dinheiro, continua a ser um mistério. Sabe-se que uma pequena parte, por imposição de Sousa Franco, foi para a divida publica e o resto não se sabe. Sabe-se apenas que não serviu para investir.
Quanto ao Passos Coelho, privatizou o capital que restava nas mãos do estado, pouco mais de 20%, cuja mais-valia estava associada à golden share, que teria de acabar mais cedo ou mais tarde porque era ilegal.»

 

Do nosso leitor Alexandre Policarpo. A propósito deste texto do Diogo Noivo.

Autoria e outros dados (tags, etc)


12 comentários

Sem imagem de perfil

De O Gajo a 15.07.2018 às 23:45

Ilegais?

m toda a União Europeia (UE), de acordo com um levantamento feito pelo PÚBLICO, há pelo menos outros nove estados-membros que ainda detêm golden shares e direitos especiais em grandes empresas, protegendo-as de investidas estrangeiras e controlando algumas decisões estratégicas dos accionistas. É o caso da Alemanha e do Reino Unido.

https://www.google.pt/amp/s/www.publico.pt/2011/07/25/economia/noticia/golden-shares-acabam-em-portugal-mas-mantemse-em-nove-paises-da-ue-1504551/amp

Quanto ao resto :

Relvas e Ricciardi escutados a falar sobre privatização da EDP

https://www.google.pt/amp/s/www.publico.pt/2012/10/14/politica/noticia/relvas-e-ricciardi-escutados-a-conversar-sobre-privatizacao-da-edp-1567305/amp

Há muita gente por aqui com as orelhinhas quentes
Imagem de perfil

De Sarin a 16.07.2018 às 09:59

Uns abafam e outros é que são abafadores... de orelhas :)
Sem imagem de perfil

De Isabel a 15.07.2018 às 23:49

Em % do PIB Guterres manteve o peso da dívida nos 58% mas em valor absoluto aumentou-a do equivalente a cerca de 30 milhões de euros. Isto correspondeu a aumentar a dívida per capita em mais de 50%. Tudo, a preços constantes. A propaganda leva as pessoas a esquecer que quem lançou o país no pântano, de onde nunca mais saiu, foi Guterres. Apesar de ter tido a sorte de governar no período de maior expansão internacional, no final do século.XX.
Sem imagem de perfil

De O Gajo a 16.07.2018 às 00:21

http://visao.sapo.pt/actualidade/economia/conheca-os-responsaveis-das-ppp=f689608


Quem destruiu as Pescas e o Sector Produtivo em Portugal?

https://arrastao.blogs.sapo.pt/2833902.html
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 16.07.2018 às 14:53

Quem destruiu?

Foram os portugueses por baixa produtividade.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 16.07.2018 às 00:00

Tiveram todos culpa. Por uma vez o Policarpo tem razão.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 16.07.2018 às 09:15

O problema das privatizações de Guterres, a que se atrelou a profusão de PPPs, nem foram as privatizações e as PPPs em si.
Foi o ignorar alegre do 'reverso' da medalha que se seguiu - a indisciplina orçamental para controlar o "monstro", a racionalização/modernização dos serviços públicos, o atalhar de destrambelhos na banca, a baixa produtividade endémica, a pouca competitividade fora de portas, etc, até o minimo "acerto" no 'investimento público'. As privatizações criaram rentistas e, nos casos piores como no caso da PT, um bando de chupistas provavelmente criminosos, o crescimento do "monstro" tornou as finanças públicas insustentáveis [algo que se mantém até hoje], a banca tornou-se uma espécie de "cash cow" das natas da capital e do para-Estado, a baixa produtividade era reiteradamente ignorada nas análises de risco e nas projecções económicas, desprezando-se todo o esforço empresarial por esse País fora, especialmente a Norte [é desses tempos que janotas da Capital falavam de Belmiro de Azevedo como o "merceeiro do Porto" ou da necessidade de "pôr uma rolha" em Américo Amorim ], e o investimento "publico" era calibrado por técnicas de polegar - um dos exemplos que, com uma ou outra excepção, as 'nomenclaturas' dos governos socialistas alardeavam, era que os investimentos em 'infraestruturas", e.g. auto-estradas, eram todos equivalentes, como se a construção de uma A1 no tempo de Cavaco Silva fosse "equivalente" em termos de racionalidade económica [ou de retorno e desenvolvimento económico que permitisse recuperar pelo menos recuperar investimento] dos multiplos enxertos de infra-estrutura que se seguiram.


Jorg
Sem imagem de perfil

De Tiro ao Alvo a 16.07.2018 às 19:41

Inteiramente de acordo.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 16.07.2018 às 12:35

A dinheirama foi canalizada para os refugiados e expatriados das guerras deste mundo da Tr*mpa...

Má lingua

Amendes
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 16.07.2018 às 14:57

O dinheiro das privatizações assim como licenças do estado e vendas de património deveria ir directamente para o bolso dos portugueses em vez de para o bolso do Governo para este comprar votos.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 16.07.2018 às 18:11

Para o bolso dos portugueses? Até parece um marxista a falar!
Sem imagem de perfil

De V. a 16.07.2018 às 19:13

Não me parece — os marxistas inventaram o ordenado mínimo.

Comentar post



O nosso livro





Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D