Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Delito de Opinião

O cerco

Pedro Correia, 13.12.16

passos_coelho_12_16[1].jpg

 

Paulo Macedo, ministro da Saúde do XIX Governo Constitucional, aceita o convite de António Costa para liderar a Caixa Geral de Depósitos.

Jorge Moreira da Silva, primeiro vice-presidente do PSD e alegado delfim de Passos Coelho, trocou Lisboa por Paris, assumindo um posto de director-geral nesta organização internacional.

Marco António Costa, talvez a figura mais influente do partido laranja no norte do País, deixou de ser porta-voz dos sociais-democratas.

Carlos Moedas, ex-braço direito de Passos Coelho para os assuntos económicos, é hoje comissário europeu para a Investigação, Ciência e Inovação.

Luís Menezes, que chegou a ser um dos elementos mais próximos do líder e figura em grande destaque no grupo parlamentar, abandonou a Assembleia da República.

Miguel Frasquilho, outro ex-dirigente da bancada parlamentar laranja, elogia António Costa em entrevista: "Esta solução de Governo já não afasta os investidores."

Pedro Lomba, ex-secretário de Estado, acaba de renunciar à coordenação do Gabinete de Estudos do PSD, para que tinha sido indicado por Passos há oito meses.

 

São sinais dispersos. Mas que, todos somados, permitem tornar ainda mais evidente a solidão política actual de Pedro Passos Coelho.

Entrincheirado no seu bunker da Lapa, única sede partidária sem acesso directo à rua, o presidente do PSD vive hoje numa situação de cerco. Condicionado, por um lado, pelos insistentes apelos à aparição do  novo messias laranja e, por outro, pelas sondagens cada vez mais favoráveis a António Costa, Passos só poderá romper este cerco se mudar muito do que fez até aqui.

Precisa de renovar o núcleo de porta-vozes do seu partido, trocar o financês pelo social no seu discurso e mostrar-se não nos corredores palacianos mas no País real. Sobretudo junto de segmentos da população que nunca votaram nele: nada é tão supérfluo na política como pregar aos convertidos.

 

Entretanto, não deve cair nas armadilhas mais óbvias.

Primeira: continuar a fazer da Caixa um alvo preferencial - a partir de agora, em vez de disparar contra o Governo, dispara fatalmente contra Macedo, seu ex-ministro.

Segunda: hostilizar o CDS a propósito das autárquicas, terreno que Assunção Cristas elegeu para consolidar a sua ainda incipiente liderança. PSD e CDS estão condenados por muitos e bons anos a ser parceiros eleitorais: todas as parcerias exigem cedências mútuas. Em 1593, o Rei francês Henrique IV reconverteu-se ao catolicismo, abjurando do protestantismo: "Paris vale bem uma missa", declarou na altura. Salvaguardadas as distâncias e as proporções, Lisboa bem pode valer um acordo eleitoral.

Terceira, e talvez a mais relevante: manter uma relação crispada com o Presidente da República. Marcelo é oriundo do PSD, foi eleito pela esmagadora maioria dos militantes do partido e mantém elevadíssimas quotas de popularidade. Qualquer  conflito com Belém constitui um inútil desperdício de energias e está antecipadamente condenado ao fracasso - desde logo por ser incompreensível aos olhos do cidadão comum.

 

António Costa, intuitivo como poucos, percebeu isso desde o primeiro instante. Parecer-me-ia incompreensível que Passos Coelho não se apercebesse disto também.

9 comentários

  • Imagem de perfil

    Pedro Correia 13.12.2016

    Esse é uma questão que pode ser endereçada aos principais partidos, sem excepção.
    Quando é que o PSD deixou de ser "social democrata"?
    Quando é que o CDS deixou de ser "centrista"?
    Quando é que o PS deixou de ser "socialista"?
    Quando é que o PCP deixou de ser "comunista"?
  • Sem imagem de perfil

    Porfirio Tinto 13.12.2016

    Bom, Pedro, a árvore conhece-se pelos seus frutos. Teremos de ler os programas eleitorais para saber o que são
    PS - Nunca foi Socialista
    PSD = PS, ambos socias democratas.
    CDS - não percebo essa do centro. Quanto muito é o partido do Coro.
    PCP - deixaram de ser marxistas quando se apresentaram a eleições. Penso que continuam comunistas.
  • Imagem de perfil

    Pedro Correia 13.12.2016

    O CDS reivindicou-se sempre como partido "do centro". C de centro, aliás. Mas esteve sempre à direita do centro, contrariando aliás a vontade de um restrito núcleo dos seus fundadores.

    O PCP só seria comunista se fosse um partido revolucionário. Mas é um partido institucionalista, com base social no funcionalismo público a nível nacional e local. Nada tem de revolucionário.

    O PSD nunca foi social-democrata. Foi - e é - um partido liberal, conservador, com matizes populistas nas suas adjacências regionais.

    O PS meteu o socialismo na gaveta ainda na década de 70. Teve sempre uma matriz dominante - a da social-democracia clássica, com erupções sociais-cristãs sobretudo no consulado de António Guterres.
  • Sem imagem de perfil

    Bordalo 13.12.2016

    Liberal e Conservador?! Liberal em termos económico? Pois é uma contradição ser-se conservador e liberal.
  • Imagem de perfil

    Pedro Correia 13.12.2016

    Nada contraditório. Thatcher era liberal e conservadora, Reagan também.
  • Sem imagem de perfil

    Bordalo 13.12.2016

    Foi o que lhe disse. Thatcher foi liberal em termos económicos. O liberalismo de Thatcher foi o neoliberalismo, não o outro.
    Em termos sociais, assim de repente, só me lembro da carga policial sobre uma greve de mineiros, em 198....
  • Imagem de perfil

    Pedro Correia 13.12.2016

    Não confunda liberalismo com neoliberalismo. Desde logo porque boa parte dos neoliberais mamaram em bebés da teta comunista.
  • Sem imagem de perfil

    Costa 13.12.2016

    Tem que se lhe diga isso do "neoliberalismo", tão facilmente, deturpadamente e injuriosamente invocado, por dá cá aquela palha, como origem e explicação de todos os males.

    Seria talvez interessante que quem assim o tem na ponta da língua (não V., Pedro Correia, entenda) se detivesse uns minutos, por exemplo, na pág. 470 e seguintes - numa das anotações dessa página, desde logo - de um livrinho recentemente editado. Mas, bem o sei, Maria de Fátima Bonifácio e António Barreto são para a esquerda dotada da tal "superioridade moral" (e infalibilidade científica, evidentemente), seres abjectos.

    Dogmas, enfim.

    Costa
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.