Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Delito de Opinião

O Brasil, a igreja católica (e os opinadores portugueses)

jpt, 28.10.18

310px-Brazil_topo_en2.PNG

 

Bolsonaro é apoiado por várias igrejas evangélicas - sobre cujas dimensões mariolas e comerciais poucas dúvidas haverá. E é certo que IURD e afins já apoiaram o PT (business as usual ...). Mas agora bolsonarizam. Que diz a igreja católica, tradicionalmente menos explícita nos seus apoios? Consulto o insuspeito Vatican News e noto que o Conselho Nacional dos Bispos do Brasil já apelara, em Abril, à participação dos católicos nas eleições, para isso evocando considerações do actual Papa e fundando-se nas perspectivas de Bento XVI. E encontro o texto produzido na Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, desta semana (23 e 24 de Outubro): "Nota da CNBB por ocasião do segundo turno das eleições de 2018". 

 

O documento é interpretável, claro. E, assim sendo, cada um o lerá segundo a sua ... decisão prévia. Está acessível na ligação que incluí mas copio a sua conclusão: "Exortamos a que se deponham armas de ódio e de vingança que têm gerado um clima de violência, estimulado por notícias falsas, discursos e posturas radicais, que colocam em risco as bases democráticas da sociedade brasileira. Toda atitude que incita à divisão, à discriminação, à intolerância e à violência, deve ser superada. Revistamo-nos, portanto, do amor e da reconciliação, e trilhemos o caminho da paz!". Cada um que tire as suas conclusões, segundo a sua ... decisão prévia. Mas, caramba, é difícil não encontrar aqui uma elíptica alusão, como é tão habitual na igreja católica, à retórica (e às intenções proclamadas) do capitão Bolsonaro.

 

Interessam-me as reacções portuguesas ao caso bolsonar. A simpatia para com ele, óbvia ainda que implícita - pois explicitá-la ainda tem custos sociais -, na comunicação social e na política. Jornalistas e bloguistas, "comunicadores" como agora se diz, e políticos que se situam na direita elaboram-se com enleios de neutralidade. Esta tendência anuncia o que um ambiente sociocultural e profissional lisboeta está pronto para acolher, caso surja a hipótese (muito implausível em Portugal, ainda assim). Dessa retórica "neutralidade" é exemplo o que li ontem de um conhecido e veterano bloguista: é "paternalismo" botar opinião sobre as eleições brasileiras! 15 anos depois do advento dos blogs, onde participou e onde nos seus blogs e em tantos interactuantes imensa opinião se botou sobre as várias eleições americanas, francesas, russas, a "hermana" Espanha, angolanas, Tsipras e Varoufakis, se calhar até brasileiras, brexits, autonomias, etc. Mas agora? É paternalismo opinar. 

 

É interessante pois este é um meio, político, social e cultural, que usualmente se revê no CDS, com mais ou menos flutuações. Partido que se reclama (ou reclamou) da democracia-cristã, da doutrina social da igreja e com ligações, muito legítimas, ao mundo eclesiástico.  Ora muito dos agora "neoneutrais", simpatizantes, militantes (e até presidentes, como Cristas, a quem referi ontem), fazem "orelhas moucas" ao (elíptico) parecer eclesiástico. 

 

Deixemo-nos de subterfúgios, a democracia-cristã portuguesa morreu. E esta direita "neoneutral" anseia por um "movimento de capitães". Deste tipo bolsonar. A igreja? Serve para a pompa do casamento dos filhos, enterrar os conhecidos, quiçá a missa do galo, para alguns só alguns ainda para um convívio dominical. Eu, ateu e nem baptizado, conheço mal a Bíblia. Mas tenho a ideia de lá ter lido "bem-aventurados os hipócritas, porque eles serão fartos" (Mateus 5: 3-9). 

8 comentários

  • Sem imagem de perfil

    Pedro 28.10.2018

    Nunca Jesus Cristo pronunciou o sermão da montanha. Os estudiosos acreditam que foi acrescentado muito depois da primeira versão da bíblia ter sido escrita (pela análise semântica e linguística ).Aliás a Bíblia foi sendo revista conforme a situação política vivida pelos cristãos, daí os seus ensinamentos paradoxais. Umas vezes Jesus era inclemente - situação política dos cristãos favorável - outras benévolo - situação política desfavorável.

    O inventor do cristianismo foi Paulo, e não Jesus Cristo
  • Sem imagem de perfil

    Vento 28.10.2018

    Recomendo-lhe a leitura das cartas de Paulo, nomeadamente a carta aos efésios.
    Aquilo que você designa por não pronunciamento do sermão da montanha faz-me lembrar as discussões estéreis e inúteis que alguns pseudo-teólogos tecem sobre se a multiplicação dos pães se refere a uma só ou a duas ocasiões. E foram duas, pois há sinais evidentíssimos que os ditos cientistas ainda não descobriram.
    Desde já convido um desses a chegar-se à frente para debater a temática.

    Cristo não inventou nada e Paulo também não. A designação de cristãos ocorre em Antioquia. E o cristianismo é marcado fundamentalmente pelo Novo Testamento cuja compilação toma forma a partir da denominada Bíblia dos setenta (Septuaginta) em Alexandria - ainda que se discuta sobre a existência de uma anterior tradução até agora não identificada - e que marca o início da ruptura com o judaísmo tradicional.
  • Sem imagem de perfil

    Rui Henrique Levira 29.10.2018

    Cristo não inventou nada, porque Cristo, sendo uma construção teológica sem existência terrena, nada poderia inventar. Já o homem que nasceu de uma mulher e que ficou conhecido por Jesus de Nazaré, como qualquer hodierno teólogo minimamente sério convirá, jamais foi o criador do Cristianismo, porquanto sendo um judeu devoto nunca lhe passaria pela cabeça desligar o seu movimento reformador (e, em certos casos, radical) do tronco mosaico onde ele certamente o incluía. Jesus de Nazaré nasceu, viveu e morreu judeu e unicamente judeu. O seu branqueamento como criador de uma seita antijudaica foi-lhe muitíssimo posterior e obedeceu a objectivos em que tiveram tanto peso o oportunismo proselitista de não poucos quanto o material proveito de outros tantos para quem o programa era exactamente o contrário do prescrito pelo pobre camponês crucificado - não o esqueçamos - pelo mesmíssimo Império que eles então tentavam tomar de assalto.
    Quanto a Saulo de Tarso, parece-me que essa sua terminante recusa de ver nele o criador e enformador do proto-cristianismo embate num sério escolho: as cartas de Paulo - não tendo em conta, claro está, as amplamente consideradas apócrifas - são anteriores a todos os Evangelhos sinópticos. Ou seja, na formação do cânone bíblico do Novo Testamento foi a teologia do Paulo das Cartas que influenciou, informou e limitou a escolha daquilo que era a Palavra de Deus lícita (porque ortodoxa) e não lícita (porque heterodoxa).
    As discussões estéreis e inúteis de alguns pseudo-teólogos foi aquilo que fez avançar, desde os séculos XVI/XVII e principalmente dentro dos movimentos protestantes - para desgosto daqueles que tratavam com a força purificadora do fogo toda e qualquer discussão (fosse ela estéril ou fértil, inútil ou útil de todo) - a exegese bíblica e os estudos sobre religião. Ser tal facto ainda hoje um motivo de aceso debate é que me causa a maior das estranhezas.
  • Sem imagem de perfil

    Vento 29.10.2018

    Rui, a sua versão interpretativa tem de ser factual. Aguardo que fundamente suas considerações para as rebater neste nível.
    Até que as apresente, considero-os legitimas divagações ao som e ao tom de quem busca justificar-se.
    Não é estranheza que o debate se mantenha hoje: "Os céus e a terra passarão, mas as minhas palavras não passarão".
  • Sem imagem de perfil

    Rui Henrique Levira 29.10.2018

    Ó meu caro Vento, não quererá o senhor que eu puxe de pergaminhos teológicos que eu, obviamente não possuo, ou quer?
    O prezado Vento há-de conceder-me a liberdade de, não sendo eu crente, ler e pensar as coisas da religião. Certamente não julgará o meu estimado interlocutor ser necessária autorização papal para tal eu fazer, pois não? Ou incorrerei eu, tal fazendo, em pecado gravíssimo?
    Para não tornarmos fastidiosa esta nossa troca de impressões, meu estimado Vento, remeto-o para as obras de Bart D. Ehrman, Geza Vermes, John Dominic Crossan, Reza Aslan, entre outros. Estou certo que, pelo menos na vasta obra dos três primeiros, encontrará farta informação que consubstanciará as minhas afirmações.
  • Sem imagem de perfil

    Vento 29.10.2018

    Ó meu caro Rui, eu não quero nada disso. Tanto que não quero que considero legítimas suas divagações.
    Eu não lhe pedi credenciais literárias acerca do tema. Pedi-lhe factos. Aguardo esses factos para mano a mano mantermos esta troca epistolar ainda mais agradável. As obras que me recomenda são obras, mas os autores não estão aqui. Estamos os dois.
  • Sem imagem de perfil

    Rui Henrique Levira 29.10.2018

    Pois estamos, caro Vento. Estamos nós e as circunstâncias temporais e espaciais que nos rodeiam e nos limitam.
    Quer o caro Vento provas do quê? De Jesus de Nazaré ter nascido judeu? É uma evidência tão evidente que lhe deram (erroneamente) como cidade natal a Belém do nascimento do Messias judaico.
    Quer provas de Jesus ter vivido toda a sua vida judeu? Pois tanto assim foi que frequentava a sinagoga e o Templo e comentava a Torá.
    Que morreu como Judeu? Assim não sendo, como explica o caro Vento o INRI que encimava a cruz? E como explicar o seu ritual fúnebre? Acaso se dava a gentios um enterramento tipicamente judeu do Século I?
    Quanto à maior antiguidade das Epístolas paulinas relativamente aos Evangelhos sinópticos, devo dizer que anda o meu caro Vento desfasado umas quantas décadas na fixação da antiguidade dos textos neotestamentais, pois a versão hoje mais comummente aceite pelos académicos é a seguinte: Epístolas de Paulo; Actos dos Apóstolos; Evangelho de Marcos; Evangelho de Mateus; Evangelho de Lucas; Evangelho de João. Mais provas provadas, meu caro Vento, não lhas posso eu dar, porquanto ando um pouco olvidado e esqueci-me do estojo com o carbono 14 no trabalho.
    Olhe, meu prezado Vento, parece-me que o senhor está a cair num equívoco: pretende que alguém que acredita em factos históricos filtrados pela Razão proceda à sua revisão desses factos através de um coração de crente. Isso nunca acontecerá. Já eu não tenho ilusão nenhuma de que o estimado Vento, contra os ventos e as marés dos mais profundos e honestos estudos dos mais sábios e rigorosos académicos, continuará a tentar meter o Rossio dos estudos historiográficos sobre religião na Rua da Betesga das histórias que sustentam a crença pessoal. Não me interprete mal: eu respeito a sua Fé, mas o caro Vento há-de convir que a Fé, sendo sua ou de outro ser humano qualquer, é fraca historiadora e raramente se atrapalha com achados que a contradigam.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.