Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




310px-Brazil_topo_en2.PNG

 

Bolsonaro é apoiado por várias igrejas evangélicas - sobre cujas dimensões mariolas e comerciais poucas dúvidas haverá. E é certo que IURD e afins já apoiaram o PT (business as usual ...). Mas agora bolsonarizam. Que diz a igreja católica, tradicionalmente menos explícita nos seus apoios? Consulto o insuspeito Vatican News e noto que o Conselho Nacional dos Bispos do Brasil já apelara, em Abril, à participação dos católicos nas eleições, para isso evocando considerações do actual Papa e fundando-se nas perspectivas de Bento XVI. E encontro o texto produzido na Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, desta semana (23 e 24 de Outubro): "Nota da CNBB por ocasião do segundo turno das eleições de 2018". 

 

O documento é interpretável, claro. E, assim sendo, cada um o lerá segundo a sua ... decisão prévia. Está acessível na ligação que incluí mas copio a sua conclusão: "Exortamos a que se deponham armas de ódio e de vingança que têm gerado um clima de violência, estimulado por notícias falsas, discursos e posturas radicais, que colocam em risco as bases democráticas da sociedade brasileira. Toda atitude que incita à divisão, à discriminação, à intolerância e à violência, deve ser superada. Revistamo-nos, portanto, do amor e da reconciliação, e trilhemos o caminho da paz!". Cada um que tire as suas conclusões, segundo a sua ... decisão prévia. Mas, caramba, é difícil não encontrar aqui uma elíptica alusão, como é tão habitual na igreja católica, à retórica (e às intenções proclamadas) do capitão Bolsonaro.

 

Interessam-me as reacções portuguesas ao caso bolsonar. A simpatia para com ele, óbvia ainda que implícita - pois explicitá-la ainda tem custos sociais -, na comunicação social e na política. Jornalistas e bloguistas, "comunicadores" como agora se diz, e políticos que se situam na direita elaboram-se com enleios de neutralidade. Esta tendência anuncia o que um ambiente sociocultural e profissional lisboeta está pronto para acolher, caso surja a hipótese (muito implausível em Portugal, ainda assim). Dessa retórica "neutralidade" é exemplo o que li ontem de um conhecido e veterano bloguista: é "paternalismo" botar opinião sobre as eleições brasileiras! 15 anos depois do advento dos blogs, onde participou e onde nos seus blogs e em tantos interactuantes imensa opinião se botou sobre as várias eleições americanas, francesas, russas, a "hermana" Espanha, angolanas, Tsipras e Varoufakis, se calhar até brasileiras, brexits, autonomias, etc. Mas agora? É paternalismo opinar. 

 

É interessante pois este é um meio, político, social e cultural, que usualmente se revê no CDS, com mais ou menos flutuações. Partido que se reclama (ou reclamou) da democracia-cristã, da doutrina social da igreja e com ligações, muito legítimas, ao mundo eclesiástico.  Ora muito dos agora "neoneutrais", simpatizantes, militantes (e até presidentes, como Cristas, a quem referi ontem), fazem "orelhas moucas" ao (elíptico) parecer eclesiástico. 

 

Deixemo-nos de subterfúgios, a democracia-cristã portuguesa morreu. E esta direita "neoneutral" anseia por um "movimento de capitães". Deste tipo bolsonar. A igreja? Serve para a pompa do casamento dos filhos, enterrar os conhecidos, quiçá a missa do galo, para alguns só alguns ainda para um convívio dominical. Eu, ateu e nem baptizado, conheço mal a Bíblia. Mas tenho a ideia de lá ter lido "bem-aventurados os hipócritas, porque eles serão fartos" (Mateus 5: 3-9). 

Autoria e outros dados (tags, etc)


111 comentários

Sem imagem de perfil

De Pedro a 28.10.2018 às 13:00

As definições de democracia e cristão abundam. Jpt, lembra-se de D. Miguel? Um tiranete que granjeou a simpatia da Santa Madre Igreja e do povo, tendo o seu maior propagandista em Agostinho de Macedo. Já para não falar em Pinochet e do apoio que recebeu da Opus Dei.Nada de novo
Imagem de perfil

De jpt a 29.10.2018 às 05:17

Em termos gerais, os mais importantes, estou de acordo consigo, "nada há de novo debaixo do sol", para manter o registo ... E, num plano mais estrito, é óbvio que não há uma única forma de ser ... algo, católico neste caso. E muito menos serei eu, ateu totalmente alheio a essa fé (e quaisquer outras), que poderei reclamar estatuto de avaliador.

Mas, sob outro ponto de vista, que é o do postal, nada concordo consigo. D. Miguel (que ainda vive em algum patusco "monarquismo", sociologicamente retrógado, português) aconteceu há dois séculos, e a ele aludir relativamente à democracia cristã - e à moderna doutrina social da igreja - é um anacronismo. Já relativamente à relação da igreja católica e dos católicos com os regimes ditatoriais de direita, os "fascismos", da segunda metade de XX, em particular na América, é uma comparação pertinente. Mas aí o contexto era diferente, por um lado, menor, aquilo era visto como um epifenómeno da doutrina Monroe, "inconvocável" para contextos europeus (os regimes ibéricos eram sobrevivências e quando terminados não se pedia o regresso a essas situações), mas acima de tudo eram entendidos como factores positivos na Guerra Fria. Ora não há Guerra Fria agora. Há uma inflexão muito geral, talvez estruturante talvez mais episódica, apenas uma ressaca da crise da última década, talvez um novo caminho do nacionalismo. Tal como refere o Luís Naves no seu último postal "A grande viragem" - ainda que Bolsonaro não seja arquetípico dessa linha, pois as suas propostas económicas aparentam ser "mais do mesmo" no sentido liberal (mas outros mais conhecedores poderão ter opinião diversa). Ora o que me parece é que neste contexto geral uma coisa é aceitar, compreender, defender essa inflexão de recuperação do Estado-Nação, o fluxo dos movimentos soberanistas (de facto existente tanto há esquerda como à direita), e isso em nada obsta a uma filiação, mais ou menos fluída, na d-c, mesmo que esta sob "aggiornamento". Outra coisa é o óbvio "frisson", muito revanchista, com este peculiar Bolsonaro. Tanto devido às suas abrasivas declarações como, até, pelo facto de que as características do seu programa não se prendem com os outros movimentos aparentemente similares - a oposição portuguesa ao capitão, e eu referi-o, prendeu-se muito a questões de facto espúrias (o género, a homossexualidade, o racismo), pois não são componentes programáticas mas sim retóricas, sobre uma aversão às estratégias comunitaristas do neomarxismo. E com isso se obscureceu o seu verdadeiro cerne - que não é antiliberal e nacionalista no sentido dos outros (que encerramento de fronteiras propõe? nada, não é esse o rumo - veja-se as declarações sobre a Amazónia, de abertura a articulação com interesses intenracionais, em particular americanos - não invento satãs, é ele que o diz).

Em suma, Bolsonaro não é como os outros, actuais inflexões à direita. E não emerge num contexto bipolarizado como Videla ou os generais brasileiros ou os Somozas e quejandos, nem é um peão (ou cavalo ou bispo) na luta contra um comunismo internacional pujante. Como tal a simpatia da direita europeia, travestida de "neutralidade", é denotativa de uma perspectiva sobre o real e não apenas uma continuidade.
Sem imagem de perfil

De Pedro a 29.10.2018 às 08:09

Tem razão. Mas lembro-me de outro exemplo. A ligação de partidos democratas cristãos italianos à Máfia e a convivência do Vaticano, em nome da luta contra o comunismo. Século XX e XXI. Quem acabou com aquela cumplicidade foi o actual Papa.
Imagem de perfil

De jpt a 29.10.2018 às 18:20

Complicado, mas sem os conteúdos ideológicos explícitos que isto hoje tem.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.10.2018 às 13:03

A direita portuguesa só tem que ser neutra até as eleições...voces ateus que tem controlado o Brasil a unica coisa que fizeram foi perseguir a Igreja Catolica e apoiar a expansão dos evangélicos!!! Fizeram no Brasil e na Europa...por isso...
Sem imagem de perfil

De Anti-idiotas a 28.10.2018 às 19:52

Este anónimo parece um bocado alucinado... Sempre com a mesma lengalenga sobre uma alegada perseguição aos católicos. A qual sabemos que, historicamente, tem sido feita por protestantes (como na Irlanda e nos EUA) e não por ateus.
Imagem de perfil

De jpt a 29.10.2018 às 05:21

Sim, mas há ateus como eu, que somos bem insidiosos, que nos disfarçamos de protestantes (e de outras coisas - que somos polimorfos como o demo) - para perseguir os católicos, idólatras
Imagem de perfil

De Sarin a 28.10.2018 às 22:27

"Por isso..."?

Ignorando a generalização, que faria de mim governante do Brasil (ena, esta semana estou em força nos governos sul-americanos);
Não ligando à perseguição que (também eu) lhe terei promovido na Europa (colaboro em tanta coisa, como hei-de ter tempo para fazer tudo o que de mim esperam!);
E relembrando que na Europa há Monarquias Católicas, que muitos estados laicos têm acordos com a Igreja Católica (em Portugal chama-se Concordata), e que a única Igreja do mundo com domínio absoluto sobre um território é a Igreja Católica e esse território, o Vaticano, está rodeado de Europa por todos os lados,

Explique lá essa conclusão "por isso..." Se tiver explicação, claro.
Imagem de perfil

De jpt a 29.10.2018 às 05:22

Está a pedir o impossível
Imagem de perfil

De Sarin a 29.10.2018 às 05:59

Sou uma lírica, procuro príncipes em sapos...
Imagem de perfil

De jpt a 29.10.2018 às 06:30

Tem que reclamar à empresa
Imagem de perfil

De Sarin a 29.10.2018 às 06:53

Fiquei a pensar... tinha-me esquecido da plataforma onde estava! Muito boa resposta.
Imagem de perfil

De jpt a 29.10.2018 às 05:19

Eu, ateu, confesso-me, muito tenho controlado o Brasil (nisso enriquecido) e muito tenho participado no mata-fradismo nesse país
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 28.10.2018 às 13:43

Ainda não percebeu que a democracia Portuguesa morreu em 2004?
Talvez o pico da liberdade em Portugal tenha sido nos anos 80.

Julga mesmo que um governo de direita mesmo eleito com maioria absoluta pode governar hoje?
Os jornais e "comentadores" encarregam-se logo de chamar a "rua" e consequente violência.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.10.2018 às 17:05

O último governo de direita que governou com maioria absoluta ficou no poder durante 4 anos. Não sei do que raio lucklucky está a falar.
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 28.10.2018 às 17:51

Chama ao que os Passistas fizeram aumentar os impostos, criar mais impostos ,dar ainda mais poder ao Estado : Direita!?

Só se acreditar nas fake news do jornalismo.

E já nesse por não ter 8% de défice foi chamado de todos os nomes e com ameaças de violência.


Experimente ter um governo eleito com maioria absoluta que tenha nesse programa redução do estado, por exemplo um que tenha no seu programa acabar com a RTP, ou ADSE para todos, ou cheque ensino .
Sem imagem de perfil

De Pedro a 28.10.2018 às 21:26

"Chama ao que os Passistas fizeram aumentar os impostos, criar mais impostos ,dar ainda mais poder ao Estado : Direita!?"

Privatizar empresas estratégicas é dar poder ao Estado??

E sim, existem partidos ed esquerda com agendas de Direita
Imagem de perfil

De jpt a 29.10.2018 às 05:30

Está a falar' de um governo de extrema-direita
Sem imagem de perfil

De Miguel a 28.10.2018 às 17:21

Pode. Foi o que aconteceu entre 2011 e 2015. QED.
Sem imagem de perfil

De Pedro a 28.10.2018 às 18:05

Pensava que a democracia tinha acabado em 1974.
Imagem de perfil

De jpt a 29.10.2018 às 05:29

Não morreu nada, que vocês estão aí a resmungar nos blogs e a Sapo não é incomodada. Isso é uma atoarda.
Sim, a imprensa (em particular a de "referëncia") é enviesada, com os jornalistas, acima de tudo por razões socioculturais, ligados na maioria à ideologia do patrimonialismo e as administrações sequiosas da publicidade estatal - isso convoca muito do que você diz, muito maior pendor para a "esquerda", o nepotismo do partido socialista. E faz muita oposição a governos à direita do PS - até porque é lisboeta, numa capital onde a classe média de onde vêm os jornalistas é maioritariamente estatista. Mas, de facto, em Portugal não há violência de rua que seja força de oposição aos governos e nesse exagero você retira pertinência ao que diz, dispara mais devagar do que a própria sombra
Sem imagem de perfil

De Rui Henrique Levira a 28.10.2018 às 14:45

Quando o capitalismo globalista entra em falência (por culpa das suas próprias idiossincracias, é bom que se diga), o fascismo é o próximo passo redentor. No Brasil ou em outro lado qualquer.
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 28.10.2018 às 17:42

Mas qual Fascismo, Bolsonaro acusa o período da ditadura de ser estatizante, e rejeita o controlo da comunicação social.
Sem imagem de perfil

De Rui Henrique Levira a 28.10.2018 às 20:43

Não tomou a medicação hoje, meu caro?
Sem imagem de perfil

De Pedro a 28.10.2018 às 21:31

O filho de Bolsonaro ameaça fechar o Supremo Tribunal se o pai for impugnado

E não, Bolsonaro não acusa, elogia, antes, a ditadura militar...deixe-se de merdas...e ameaça a Folha de s. Paulo por discordar dos editoriais.

https://www.publico.pt/2018/10/25/mundo/noticia/bolsonaro-ataca-media-brasileira-ameaca-liberdade-imprensa-1848903
Sem imagem de perfil

De Rui Henrique Levira a 29.10.2018 às 01:24

Isso é tudo intrigalhada da comunagem, meu caro Pedro... Aliás, o bom do Bolsonaro já deve estar a dar os últimos retoques à reintrodução daquele que é o melhor paliativo para as mentiras dos agentes de Moscou (que já não é comunista a não ser na cabeça de abjectos calhaus com olhos a la Bolsonaro): o celebérrimo pau-de-arara. A vagabundagem (e este termo é, para o marcial Jair e sua comandita, mais elástico que o látex da Amazónia) que se cuide...
Imagem de perfil

De jpt a 30.10.2018 às 22:50

Agora eleito(s) as coisas amainarão. Ficarão "no ar", talvez minando o ambiente do funcionamento institucional. Mas não vem aí a ditadura ...
Imagem de perfil

De jpt a 29.10.2018 às 05:32

Quanto muito, para alguns, parecerá a catarse redentora. E para os democratas europeus, culturalmente encartados, isso é pontapeável. Ser um desses pontapés é o anseio deste postal
Sem imagem de perfil

De Vento a 28.10.2018 às 14:57

Começo pelo fim.
Ao ir buscar o sermão da montanha fê-lo por atrevimento, pois reconhece a ignorância perante a realidade bíblica.
Se alguma comparação podemos estabelecer perante tal realidade, esta deverá ser feita pela afirmação "bem-aventurados os pobres de espírito...", do versículo 3 do capítulo referido, com uma das dietas hoje em dia bastante preconizadas.
Traduzo:
O reino não se alcança por "obesos", isto é, os que se enchem de si mesmo e de teorias impeditivas à acção do Espírito. Os pobres de espírito são precisamente aqueles que se esvaziam das gorduras que os podem esclerosar para criar espaço à essa acção.
O vazio de "si mesmo" permite, entre outros resultados, entrar na realidade do Outro. No fundo, através deste esvaziamento, o olhar transforma-se em asas que voam de um "eu" para outro "eu".
Aqui chegados, mais facilmente compreenderemos a Universalidade da mensagem de Cristo e a proposta que é feita através desta mesma característica. Esta resume-se ao facto de cada um se transformar em servidor diante do outro. Logo, a inclusão e não a exclusão é a proposta. É aqui que se compreenderá a seguinte instrução em Mateus 10, 7-13:

"Vão e anunciem isto: “O Reino do Céu está perto.” Curem os leprosos e outros doentes, ressuscitem os mortos e expulsem os demónios. Vocês receberam sem pagar; portanto, dêem sem cobrar. Não levem guardados no cinto nem ouro, nem prata, nem moedas de cobre. Nesta viagem não levem sacola, nem uma túnica a mais, nem sandálias, nem bengala para se apoiar, pois o trabalhador tem o direito de receber o que precisa para viver.
– Quando entrarem numa cidade ou povoado, procurem alguém que queira recebê-los e fiquem hospedados na casa dessa pessoa até irem embora daquele lugar. Quando entrarem numa casa, digam: “Que a paz esteja nesta casa!” Se as pessoas daquela casa receberem vocês bem, que a saudação de paz fique com elas. Mas, se não os receberem bem, retirem a saudação."

Mais ainda, é necessário compreender a realidade cultural para conhecer o que se passa no Brasil e o discurso empolgante que se faz. O Brasil não é a Europa, que hoje não se sabe o que é, e não se pode levar à letra aquilo que é expresso no calor das campanhas. Como já disse, Bolsonaro é o homem certo no momento certo, para gerar equilíbrios.
O ideal é sempre algo que continua a ser idealizado; e ao pretender-se ver externamente o padrão por que cada um se rege é procurar impor uma realidade falível.
Concluindo, o presidente Bolsonaro é uma pedra em bruto que acabará por ser lapidada ao longo de sua governação. O Brasil possui os instrumentos adequados para que assim aconteça.
Sem imagem de perfil

De Pedro a 28.10.2018 às 18:24

Nunca Jesus Cristo pronunciou o sermão da montanha. Os estudiosos acreditam que foi acrescentado muito depois da primeira versão da bíblia ter sido escrita (pela análise semântica e linguística ).Aliás a Bíblia foi sendo revista conforme a situação política vivida pelos cristãos, daí os seus ensinamentos paradoxais. Umas vezes Jesus era inclemente - situação política dos cristãos favorável - outras benévolo - situação política desfavorável.

O inventor do cristianismo foi Paulo, e não Jesus Cristo
Sem imagem de perfil

De Vento a 28.10.2018 às 19:28

Recomendo-lhe a leitura das cartas de Paulo, nomeadamente a carta aos efésios.
Aquilo que você designa por não pronunciamento do sermão da montanha faz-me lembrar as discussões estéreis e inúteis que alguns pseudo-teólogos tecem sobre se a multiplicação dos pães se refere a uma só ou a duas ocasiões. E foram duas, pois há sinais evidentíssimos que os ditos cientistas ainda não descobriram.
Desde já convido um desses a chegar-se à frente para debater a temática.

Cristo não inventou nada e Paulo também não. A designação de cristãos ocorre em Antioquia. E o cristianismo é marcado fundamentalmente pelo Novo Testamento cuja compilação toma forma a partir da denominada Bíblia dos setenta (Septuaginta) em Alexandria - ainda que se discuta sobre a existência de uma anterior tradução até agora não identificada - e que marca o início da ruptura com o judaísmo tradicional.
Sem imagem de perfil

De Rui Henrique Levira a 29.10.2018 às 05:07

Cristo não inventou nada, porque Cristo, sendo uma construção teológica sem existência terrena, nada poderia inventar. Já o homem que nasceu de uma mulher e que ficou conhecido por Jesus de Nazaré, como qualquer hodierno teólogo minimamente sério convirá, jamais foi o criador do Cristianismo, porquanto sendo um judeu devoto nunca lhe passaria pela cabeça desligar o seu movimento reformador (e, em certos casos, radical) do tronco mosaico onde ele certamente o incluía. Jesus de Nazaré nasceu, viveu e morreu judeu e unicamente judeu. O seu branqueamento como criador de uma seita antijudaica foi-lhe muitíssimo posterior e obedeceu a objectivos em que tiveram tanto peso o oportunismo proselitista de não poucos quanto o material proveito de outros tantos para quem o programa era exactamente o contrário do prescrito pelo pobre camponês crucificado - não o esqueçamos - pelo mesmíssimo Império que eles então tentavam tomar de assalto.
Quanto a Saulo de Tarso, parece-me que essa sua terminante recusa de ver nele o criador e enformador do proto-cristianismo embate num sério escolho: as cartas de Paulo - não tendo em conta, claro está, as amplamente consideradas apócrifas - são anteriores a todos os Evangelhos sinópticos. Ou seja, na formação do cânone bíblico do Novo Testamento foi a teologia do Paulo das Cartas que influenciou, informou e limitou a escolha daquilo que era a Palavra de Deus lícita (porque ortodoxa) e não lícita (porque heterodoxa).
As discussões estéreis e inúteis de alguns pseudo-teólogos foi aquilo que fez avançar, desde os séculos XVI/XVII e principalmente dentro dos movimentos protestantes - para desgosto daqueles que tratavam com a força purificadora do fogo toda e qualquer discussão (fosse ela estéril ou fértil, inútil ou útil de todo) - a exegese bíblica e os estudos sobre religião. Ser tal facto ainda hoje um motivo de aceso debate é que me causa a maior das estranhezas.
Sem imagem de perfil

De Vento a 29.10.2018 às 11:30

Rui, a sua versão interpretativa tem de ser factual. Aguardo que fundamente suas considerações para as rebater neste nível.
Até que as apresente, considero-os legitimas divagações ao som e ao tom de quem busca justificar-se.
Não é estranheza que o debate se mantenha hoje: "Os céus e a terra passarão, mas as minhas palavras não passarão".
Sem imagem de perfil

De Pedro a 29.10.2018 às 16:10

https://www.wook.pt/livro/a-evolucao-de-deus-robert-wright/10984374

O que fica com o passar do tempo é Newton.
Sem imagem de perfil

De Vento a 29.10.2018 às 20:42

Já é a segunda vez que você, usando outro nome, deixou a sugestão desse livro, que comprei e li. Pleno de equívocos na matéria a que se propõe, mas certo também no que respeita alguns dados históricos. Não acrescenta nada ao debate.
Sem imagem de perfil

De Pedro a 29.10.2018 às 22:39

Sem imagem de perfil

De Pedro a 29.10.2018 às 16:23

Vento, apresente-me dados factuais, históricos, sobre a veracidade da existência de Cristo.
Sem imagem de perfil

De Vento a 29.10.2018 às 20:45

Apresento-lhe factos da existência de 2 personagens que existiram, a saber: Moisés e Cristo.

Moisés porque influenciou, pelas tábuas da lei, as constituições do mundo; e Cristo, pela divisão do tempo em aC e dC.
Quer mais provas?
Sem imagem de perfil

De Rui Henrique Levira a 29.10.2018 às 20:32

Ó meu caro Vento, não quererá o senhor que eu puxe de pergaminhos teológicos que eu, obviamente não possuo, ou quer?
O prezado Vento há-de conceder-me a liberdade de, não sendo eu crente, ler e pensar as coisas da religião. Certamente não julgará o meu estimado interlocutor ser necessária autorização papal para tal eu fazer, pois não? Ou incorrerei eu, tal fazendo, em pecado gravíssimo?
Para não tornarmos fastidiosa esta nossa troca de impressões, meu estimado Vento, remeto-o para as obras de Bart D. Ehrman, Geza Vermes, John Dominic Crossan, Reza Aslan, entre outros. Estou certo que, pelo menos na vasta obra dos três primeiros, encontrará farta informação que consubstanciará as minhas afirmações.
Sem imagem de perfil

De Vento a 29.10.2018 às 21:44

Ó meu caro Rui, eu não quero nada disso. Tanto que não quero que considero legítimas suas divagações.
Eu não lhe pedi credenciais literárias acerca do tema. Pedi-lhe factos. Aguardo esses factos para mano a mano mantermos esta troca epistolar ainda mais agradável. As obras que me recomenda são obras, mas os autores não estão aqui. Estamos os dois.
Sem imagem de perfil

De Rui Henrique Levira a 29.10.2018 às 22:49

Pois estamos, caro Vento. Estamos nós e as circunstâncias temporais e espaciais que nos rodeiam e nos limitam.
Quer o caro Vento provas do quê? De Jesus de Nazaré ter nascido judeu? É uma evidência tão evidente que lhe deram (erroneamente) como cidade natal a Belém do nascimento do Messias judaico.
Quer provas de Jesus ter vivido toda a sua vida judeu? Pois tanto assim foi que frequentava a sinagoga e o Templo e comentava a Torá.
Que morreu como Judeu? Assim não sendo, como explica o caro Vento o INRI que encimava a cruz? E como explicar o seu ritual fúnebre? Acaso se dava a gentios um enterramento tipicamente judeu do Século I?
Quanto à maior antiguidade das Epístolas paulinas relativamente aos Evangelhos sinópticos, devo dizer que anda o meu caro Vento desfasado umas quantas décadas na fixação da antiguidade dos textos neotestamentais, pois a versão hoje mais comummente aceite pelos académicos é a seguinte: Epístolas de Paulo; Actos dos Apóstolos; Evangelho de Marcos; Evangelho de Mateus; Evangelho de Lucas; Evangelho de João. Mais provas provadas, meu caro Vento, não lhas posso eu dar, porquanto ando um pouco olvidado e esqueci-me do estojo com o carbono 14 no trabalho.
Olhe, meu prezado Vento, parece-me que o senhor está a cair num equívoco: pretende que alguém que acredita em factos históricos filtrados pela Razão proceda à sua revisão desses factos através de um coração de crente. Isso nunca acontecerá. Já eu não tenho ilusão nenhuma de que o estimado Vento, contra os ventos e as marés dos mais profundos e honestos estudos dos mais sábios e rigorosos académicos, continuará a tentar meter o Rossio dos estudos historiográficos sobre religião na Rua da Betesga das histórias que sustentam a crença pessoal. Não me interprete mal: eu respeito a sua Fé, mas o caro Vento há-de convir que a Fé, sendo sua ou de outro ser humano qualquer, é fraca historiadora e raramente se atrapalha com achados que a contradigam.
Sem imagem de perfil

De Vento a 30.10.2018 às 11:42

Começo pelo final. Meu caro Rui, compreendo os dribles que pretende introduzir para levar o tema a duas dimensões: a da fé e a da razão.
Porém resvala nas intenções, porque a fé ilumina a razão. A questão da fé ser cega é construção dos "cientistas" para demonstrar que esta é fruto de alienação e fanatismo; e que eles mesmos, doutos e conhecedores profundos dos méritos do carbono 14 e suas virtudes, são os que se perfilam nesta ascensão ao deísmo.

Devo dizer-lhe que o instinto religioso do Homem não é histórico, é o desenvolvimento deste instinto que constitui um excelente registo histórico. Portanto, o meu caro, sem se dar conta, pretende criar um elitismo separando a fé da razão. E isto, permita-me afirmar, é bacoco, direi mesmo medievo e até mesmo que o carbono 14 - falível comprovadamente ao longo de várias experiências - não consegue medir, tampouco a denominada área da neuroteologia. Porque esta só pode constatar e ainda não explicar.
Mas o meu caro pretende explicar através da enunciação dos doutos registos históricos que não é capaz de materializar o que aí consta.

O Rui tem de me demonstrar o que os académicos preconizam. Não é enunciando etapas e títulos que demonstra ser capaz de factualizar a temática. Por favor, não encha de palavras a caixa de comentários mas de factos, foi isto que pedi.
Eu não defini em meus comentários a temporalidade dos textos, é o Rui que pretende intimidar o interlocutor tentando fazer com que um conjunto de palavras agregadas possa espantar a presa.

A jurisprudência romana obrigava a que os condenados fossem alvo dos dizeres da condenação. Portanto, Jesus de Nazaré Rei dos Judeus, foi uma das causas da condenação de Cristo, porque o único deus permitido era o Imperador.
Mas esta decisão tem outras vertentes que o meu caro não aborda.
Por outro lado, o meu caro pretende demonstrar que o facto de Jesus ter vivido num espaço e realidade cultural identificada retira toda a substância de sua Boa Nova, isto é, da novidade testamentária. Só revela que o meu caro academicamente labora num erro que é fruto de mera especulação; e, assim, confunde o movimento especulativo da razão, que tanto lhe apraz reivindicar, com factos.
É de facto verdadeiro que Jesus lia a Tora e outros manuscritos, para poder dizer, entre outras, que a afirmação do profeta Isaías se referia a ele. Este mesmo messianismo que os judeus, incluindo inicialmente os seus apóstolos, julgavam acontecer através da espada, e por via do sangue familiar, e não da forma como aconteceu.
Daqui se depreende que o Reino do Messias, não sendo deste mundo, é para este mundo através de preceitos contrários aos da tradição.
Meu caro, não me repito naquilo que afirmei sobre o que se pretende pré-anunciar com a narrativa do nascimento de Jesus. Como académico que pretende demonstrar ser, apelo ao uso da sua razão para compreender o sentido.
Continuo a aguardar a sua prezada contestação e os factos que pedi.
Sem imagem de perfil

De Rui Henrique Levira a 30.10.2018 às 13:58

Olhe, meu caro Vento, a Fé ilumina a Razão no seu mundo, certo? Quanto ao resto do Mundo, a Razão tem passado muito bem sem a Fé, e recomenda-se. Aliás, a Razão recomenda-se tanto mais quanto mais da Fé ela se afastar, mas tal coisa é difícil de explicar a quem ainda anda indisposto com o tragar a contra-gosto da racionalidade iluminista e da laicidade do Estado introduzida pela Revolução Francesa.
Quanto a factos, estará o caro Vento a brincar comigo? Onde, no seu anterior extenso arrazoado sem nexo, aponta o senhor um único facto que contradiga aquilo que eu dei como prova evidente (prova evidente neotestamentária, note-se) da judaicidade do Rabi de Nazaré? Ou aquilo que verdadeiramente lhe causa urticária é a afirmação de que Jesus era judeu? Não gosta? Tem bom remédio o meu caro amigo: chame-lhe nabateu ou parto ou outra coisa qualquer, pois vai dar ao mesmo beco sem saída da irracional - mas muitíssimo crente - negação da evidência.
Quanto ao resto, creio bem serem mais que horas de o prezado Vento ir dar um abençoado banho ao cão do pároco aí da sua freguesia. Não se prenda, estimado Vento, não se prenda...
Sem imagem de perfil

De Vento a 30.10.2018 às 22:04

Novamente pelo final. O meu caro recomenda hábitos que deve conhecer bem. Fico com a sensação que já passou por isso, o de dar banho ao cão do pároco. O seu discurso dá ares de uma revolta incontida, não obstante a dissidência.

Meu caro Rui, não me compete ainda apresentar factos. Até agora aguardei e fui argumentado alguns pontos de suas divagações racionalistas, especulativamente racionalistas. Eu tenho vindo a acompanhá-lo somente para que não se esqueça do que pedi. Mas prometo que não insisto mais. Já cheguei aonde pretendia. O meu caro gosta de retórica num tema que pretende irracional, por ignorar. Vai fazendo alusão a uns autores e exegetas para me deixar na mesma.

A questão da judaicidade que refere está aí como um fait-diver, em tom de quem tem de dizer algo. Quero que contrarie a novidade testamentária. As restantes interrogações não passam de exercícios de imaginação para alimentar um não sei quê.

Eu dei-me conta que o caro Rui está bem preparado para os bitaites. Até chama a revolução francesa à colação, pois não vá ficar sem apoios.
Sem imagem de perfil

De Rui Henrique Levira a 31.10.2018 às 01:08

Banhito ao canito do Senhor Padre, está bem, prezado Vento?
Sem imagem de perfil

De Vento a 31.10.2018 às 14:58

:-)
Sem imagem de perfil

De Rui Henrique Levira a 28.10.2018 às 21:24

Paulo, esse grande espertalhão... O bom do nativo de Tarso lá concluiu que a coisa, restrita ao seio do Judaísmo que a excluía, não dava, e, vai daí, lançou-se, muito "empreendedoristicamente" como hoje sói dizer-se, à conquista de novos mercados espirituais.
Uma incomensurável ajuda ao êxito da empresa foi, sem dúvida, a destruição do Templo, no ano 70 da nossa Era, que definitivamente deixou o Judaísmo cristão-palestiniano sem sede nem eixo. Na luta pelo poleiro espiritual definitivamente levou a melhor Saulo, o renascido do Caminho de Damasco, sobre Cefas, o pescador das margens do Mar da Galileia.
Sem imagem de perfil

De Vento a 29.10.2018 às 11:35

Rui, tem de ler as cartas de Paulo depois da "queda do cavalo" para comprovar o percurso, as duas viagens feitas a Jerusalém, e a razão que o levou ao encontro daqueles que ele designava como "os pilares da igreja".
Paulo transformou-se no que é porque teve a coragem de se entregar nas mãos dos romanos para que decidissem sobre sua vida.
Sem imagem de perfil

De Rui Henrique Levira a 29.10.2018 às 20:14

Sim, meu caro Vento, os mesmos "pilares da igreja" (leia-se Pedro/Cefas e a própria família de Jesus, na pessoa de Tiago) com quem ele manteve insanáveis polémicas no como, onde e a quem devia levar a singular leitura da Lei de Moisés que o Rabi de Nazaré espalhara na sua passagem pela Terra.
E, meu prezado Vento, se Paulo se entregou nas mãos dos romanos, entregou-se ele às mãos dos seus, porquanto Saulo de Tarso era um cidadão romano. Essa cidadania, bem como a sua educação greco-romana, explicam, por si só, a clara opção de Paulo de alargar aos gentios aquilo que era mais uma (entre tantas) corrente do Judaísmo.
Sem imagem de perfil

De Vento a 29.10.2018 às 22:04

Começo pelo fim. Não explica nada disso. O que explica a sua acção são as cartas conhecidas. Recomendo-lhe novamente a leitura.
A transfiguração diz tudo, e desmonta esse seu argumento. A figura central na transfiguração é Cristo. Se conhecesse o que para a tradição judaica significa os lugares, bem como o significado de cabeça e pés, não afirmaria uma aberração como essa de que a "Lei de Moisés que o Rabi de Nazaré espalhara na sua passagem pela Terra". ´É uma aberração na medida em que a morte de Cristo também é fruto dessa lei. E o facto de ter sido crucificado fora de muros de Jerusalém indica a sua contradição. Recomendo a leitura de Eclesiástico para compreender o sentido dos condenados o serem fora de muros da cidade.

Mais ainda, se o Rui entendesse o significado dos lugares como Belém e Nazaré mais facilmente compreenderia o sentido do texto neotestamentário.
A título de exemplo, para que explore: não é por acaso que em torno do nascimento de Jesus em Belém surgem os pastores. Porquê? Porque era em Belém que se criavam os cordeiros que se sacrificavam no templo de Jerusalém. E a partir daqui compreenderá não só o significado do termo "Cordeiro de Deus" como também o que se pretende pré-anunciar nesta narrativa ao nascimento.
Finalmente, as polémicas ficaram sanadas exactamente no que ficou designado pelo concílio de Jerusalém. E daí? Onde pretende chegar? Polémicas sempre houve e existirão. A crucifixão é fruto de uma grande polémica.
Compreendo a sua visão naïf em torno de algo que leva muitos anos a estudar. Direi mesmo a vida toda. Todavia não é a literatura e o conhecimento profundo destes temas que nos torna cidadãos do Reino. O que nos atribui essa cidadania é o Amor que colocamos no que fazemos, e também nas intenções do que dizemos.
Sem imagem de perfil

De Rui Henrique Levira a 29.10.2018 às 23:19

Sempre achei digno de maravilha, meu caro Vento, a estonteante ironia que é tentar explicar de forma racional aquilo que com a racionalidade nada tem a ver. Aliás, podemos dizer que toda a Teologia católica é um portentoso monumento a essa paradoxal ironia.
Sabe que mais, meu estimado Vento? Tem o senhor toda a razão: a minha visão é ingénua. Tão ingénua, mas tão ingénua, que acredito em coisas tão extraordinariamente ingénuas como as virgens não darem à luz, os mortos jamais voltarem à vida, e Jesus ter sido... um observante judeu do século I da nossa Era. Para me elevar deste estado de ingenuidade (ou será de ignorância?), ainda não tive eu a graça de ter visto essa luz que a si o ilumina, meu caro Vento, para que consiga, com propriedade, escrever um comentário altamente lógico e racional (e factualíssimo, há que acrescentar) como aquele que este precede.
E, meu caro Vento, se a vida toda eu precisasse para aprender as banalidades sem nexo que o meu caro senhor anteriormente escreveu, ao fim dela chegaria eu a perguntar-me de que me valera tal vida.
Passe bem, estimado Vento.

Sem imagem de perfil

De Vento a 30.10.2018 às 10:53

Passo, sim, muito bem. O seu comentário leva a concluir que o meu caro não passa nada bem com os iluminados.
Como quem não quer a coisa, lá vai mostrando que o pézinho de dança que pretende dar é para chegar ao catolicismo e não à teologia, ainda que com ingenuidade afirme ser "teologia católica" o que inspira a tradição cristã nas mais diversas vertentes do cristianismo.
Portanto, o seu discurso redondo só cria vertigens em quem entra na roda. E é natural que a lógica e a racionalidade, pergaminho típico dos que pretendem elevar-se aos altares da luz, acabe sempre prisioneira do mesmo círculo.
Retribuo o generoso voto.
Imagem de perfil

De Sarin a 28.10.2018 às 22:30

Não deixas pedra sobre pedra... :)
Imagem de perfil

De jpt a 30.10.2018 às 07:21

um verdadeiro Átila, flagelo de Deus
Imagem de perfil

De Sarin a 30.10.2018 às 09:05

Mas nestas discussões é quase ser Atlas, rolando pedra montanha acima...
Imagem de perfil

De jpt a 30.10.2018 às 20:38

Estou a seguir a conversa teológica com muito interesse, o meu silêncio de autor do postal nada mais significa do que consciência do meu desconhecimento da temática
Imagem de perfil

De Sarin a 30.10.2018 às 21:56

Já me excomungaram tanta vez que se me acabaram as vidas para tais discussões. Ler o Pedro é sempre bom; felizmente ainda lhe sobram uma ou duas e ele não é incréu, o que à partida lhe dá uma vida de bónus :)
Imagem de perfil

De jpt a 29.10.2018 às 05:37

Eu não propus que lapidassem o Bolsonaro ...

O "vazio de si mesmo", para o citar, é um gajo que em 2018 diz que vai acabar com "reservas indígenas", entenda-se, abrir ainda mais a Amazónia à destruição.
Diante disso "bem-aventurados os hipócritas ..." é mesmo possível de ser uma versão bíblica, ainda que você a diga "atrevida". Atrevimento é virem-me cantar loas, em melodia gregoriana que seja, ao energúmeno, vero Anti-Cristo
Sem imagem de perfil

De Vento a 29.10.2018 às 11:23

Admira-me que numas ocasiões se refira "a César o que é de César e a Deus o que é Deus" e se pretenda a construção virtual de um César quando um César não dá jeito.
Quem sabe o que é o mal menor? E que loas são essas ao energúmeno? São as suas ou as que não lhe são favoráveis?
Daqui por um ano espero ler as suas opiniões.
Imagem de perfil

De jpt a 30.10.2018 às 07:21

Loas minhas ao energúmeno? Francamente, onde as pode encontrar?
Se, daqui a um ano, Bolsonaro tiver surpreendido esta velha carcaça e feito um trabalho positivo eu não farei um postal. Filmar-me-ei a comer um chapéu e botarei nas redes sociais.
Sem imagem de perfil

De Vento a 30.10.2018 às 12:06

A filmagem a comer o chapéu será uma boa posta.
Imagem de perfil

De jpt a 30.10.2018 às 13:58

Julgo que será um "destaque" da SAPO.
Sem imagem de perfil

De Rui Henrique Levira a 28.10.2018 às 15:14

Quanto ao resto, não deixa de ser enternecedor ouvir e ver aqueles que aplaudiram de pé o espectáculo obsceno da destituição de Dilma Rousseff - por um "crime" que, em Portugal, teria metido nos calabouços todo e qualquer elenco governativo pós 25 de Abril - chorarem agora lágrimas de crocodilo face à onda do "populismo" (na era da pós-verdade, as palavras servem para encobrir aquilo que lá está, e o que lá está tem um nome que designa exactamente o seu referente: esse referente chama-se Fascismo) de Bolsonaro. Mais uma vez nos é dado assistir - ao vivo e a cores - à ópera bufa de lusos políticos, comentadores e analistas de toda a sorte a praticarem aquilo que melhor sabem fazer: exibir em todo o seu esplendor a inimputabilidade que inexoravelmente nasce da sua inenarrável incompetência e ignorância. Já vimos isso anteriormente, e os nomes Kosovo, Iraque e Líbia, vêm-me, vá-se lá saber porquê, à lembrança...
Aquilo que esteve no subterrâneo golpe palaciano que decapitou Dilma Rousseff é exactamente aquilo está no que leva Bolsonaro aos ombros: Bullets/Bible/Cattle.
É caso para dizermos "Perdoa-lhes, Pai, porque eles - lá e cá - sabem exactamente o que fazem".
Sem imagem de perfil

De Rui Henrique Levira a 29.10.2018 às 04:10

"... é exactamente aquilo que está..."
Imagem de perfil

De jpt a 29.10.2018 às 05:39

Os americanos não é? O Boaventura também já disse isso. Mas juntou-lhe o colonialismo ...
Sem imagem de perfil

De Rui Henrique Levira a 29.10.2018 às 11:43

Os americanos? Não... Aliás, foram os marcianos, eles sim, mais a sua SNA, que puseram o telefone de Dilma Rousseff e de meio governo brasileiro sob escuta e entregaram o resultado da sua "investigação" a um juiz muitíssimo imparcial. Quando ouço gente a invectivar o "populismo" de Bolsonaro, só me pergunto que espécie de "populismo" leva um juiz (um órgão de soberania) de um país independente e soberano a investigar os seus cidadãos com base nas escutas ilegais feitas por uma agência de espionagem estrangeira à chefe de Estado da sua própria nação.
Para nós portugueses a coisa ainda se torna mais absurda quando notamos que um ex vice-presidente da nossa Assembleia da República se recusa a ir ao Brasil responder por uma grave acusação de alegado homicídio argumentando que a justiça brasileira não é justa nem imparcial. Pelo vistos, aquilo que não serve a Duarte Lima é óptimo para Lula da Silva e para Dilma Rousseff.
Quanto a colonialismo, creio que o termo é um pouco desadequado quando se fala das relações dos EUA com qualquer nação da América Latina, pois melhor será tratarmos a coisa - pelo menos desde o estabelecimento da Doutrina Monroe - por neocolonialismo.
Finalizando, há que fazer um aviso à navegação: eu não sou nada apreciador das ideias do Dr. Boaventura.
Sem imagem de perfil

De Rui Henrique Levira a 29.10.2018 às 21:28

Não "SNA", mas sim "NSA".
Imagem de perfil

De jpt a 30.10.2018 às 07:18

Sob o tão democrata Obama não andaram a escutar a então nazi Merkel? Não se ouviram grandes críticas locais.
A explicação dos males do mundo pela causa americana tem todos os conteúdos da explicação feitícica.
"Colonialismo" para explicar modernidade e contemporaneidade não (me) serve. Nem "colonialidade". Mas enfim, são visões do mundo muito consagradas nos tempos correntes.
Sem imagem de perfil

De Rui Henrique Levira a 30.10.2018 às 13:11

Eu referi-me a neocolonialismo. E quanto à Merkel (a quem eu jamais chamei, chamo ou chamarei nazi) é mesmo esse o problema de todos os povos neocolonizados: a páginas tantas, assumem a "superioridade"dos seus amos como algo inquestionável e piam baixinho, não vá o patrão zangar-se. Ser esse patrão Obama ou Trump ou o Capitão América vai dar ao mesmo. Se hoje a Europa é uma vasta colónia de bases militares, não me parece que nessas bases militares ondeie a bandeira do Kirguistão.
Quanto à explicação dos males do mundo pela causa americana, é, nesse particular, o caro JPT mais papista que o Papa, pois o que não falta é vasta obra académica "made in USA" que esmiuçadamente aponta o mar de bem-aventuranças que a hegemonia americana trouxe ao Mundo desde o fim da Segunda Guerra Mundial.
Mas não nos apoquentemos, prezado JPT, pois essa hegemonia está a ir, rapidamente e com a prestimosa ajuda do complexo militar/industrial/financeiro/mediático dos próprios EUA (com inimigos destes, quem precisa de amigos?), pelo cano dos resíduos (chamemos-lhe assim) da História. Recoste-se, estimado JPT, e aprecie o espectáculo.
Imagem de perfil

De jpt a 30.10.2018 às 14:03

O sarcasmo não é sempre bom amigo. Só funciona bem quando não assenta no adulterar prévio do que o outro, a quem se atira a pedra, botou; Eu referi a ideia, que BSS escreveu por extenso e que muitos agitam, de que a culpa do que se passa no Brasil é dos EUA, seus malévolos interesses e práticas. A tese vale o que vale, para os folóeres do analista e para os antiamericanos do feitiço. O resto é apenas vontade sua de atirar umas bocas Ok, estaão aí escarrachadas ...
Sem imagem de perfil

De Rui Henrique Levira a 30.10.2018 às 15:10

Vai perdoar-me a sinceridade, caro JPT, mas a minha vontade de de "atirar umas bocas" anda pela mesma intensidade volitiva por si demonstrada de fazer o mesmo.
E engana-se o senhor ao crismar de "antiamericano" aquilo que eu escrevo, pois tenho tanto contra o povo americano contra contra outro povo qualquer tenho, ou seja, nada. O que eu detesto é uma classe governativa que, desde muito cedo, levou os EUA a construírem um império sem alguma vez se dizerem imperialistas.
Quanto ao sarcasmo, fará o senhor a fineza de determinar o como e o quê há-de escrever e deixar-me a liberdade de o mesmo fazer, certo? Se assim não for, também algum muito pouco urbano reparo estilístico terei eu de fazer ao colorido "atirar umas bocas" que por aqui ficam "escarrachadas", que, convenhamos, está uns furos abaixo daquilo que se lhe exige a nível intelectual, porquanto "bocas" mandam os trolhas do cimo dos andaimes.
Imagem de perfil

De jpt a 30.10.2018 às 20:41

"bocas" monopólio dos trolhas? enganou-se no interlocutor, cagança elitista comigo não pega. "bocas" abaixo de trolha, bem mais rasteiro do que o sarcasmo que lhe estava, calmamente, a atribuir é a desonestidade de amarfanhar o que o outro escreve e gozar sobre isso - exactamente o que acima faz. Fica a conversar sozinho, com os burguesotes adamados. Eu vou com os trolhas, foda-se
Sem imagem de perfil

De Rui Henrique Levira a 30.10.2018 às 21:39

É lamentável que aqui chegue, até porque creio que jamais lhe faltei ao respeito. Contudo, devo afirmar que Vossa Excelência acabou por revelar-se - com o seu último elevadíssimo comentário - o realíssimo monte daquela matéria que atrai as moscas que realmente é.
"Caganças" (?!!!) não sei se são consigo, mas no que a cagadas se refere basta Vossa Excelência olhar-se ao espelho para ver que têm tudo a ver consigo.
E não se esqueça, sobretudo, de tomar a medicação, porquanto essa sua hiper-sensibilidade delirante só a psiquiatria a pode explicar.
Por fim, a esse seu "foda-se" (polida palavra suas que me vejo obrigado a reproduzir) substitua Vossa Excelência a vogal temática por um "e", ao reflexo "se", substitua-o por um "me", e enfie-o naquela sua parte do corpo onde o sol não brilha.
Sem imagem de perfil

De Rui Henrique Levira a 31.10.2018 às 01:24

Veja se, pela alminha do grama de honestidade intelectual que lhe resta (à sua educação nem vale a pena apelar), publica o meu comentário à sua anterior javardice. Agradecido.
Imagem de perfil

De jpt a 31.10.2018 às 10:25

Como já escrevi, e recentemente, aqui não me é costume barrar comentários. E quando o faço assinalo-o - ou porque são só insultuosos ou porque são insultos ou alusões malévolas a outrem. Neste caso você está apenas demasiadamente apressado.
Sem imagem de perfil

De Rui Henrique Levira a 31.10.2018 às 12:43

E Vossa Excelência é, pura e simplesmente, demasiado ordinário. Se insultos e alusões malévolas a outrem o fazem barrar comentários, junte a essas duas razões a sua luzidia javardice e seja consequente barrando aquele comentário que me dirigiu.
Quanto a esse "você" que o senhor me dirige, "você" é estrebaria, sete fardos por dia.
Vossa Excelência é, nitidamente, um crasso erro de "casting" nas aquisições do "Delito".
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.10.2018 às 15:53

Excelentissimo Senhor Doutor JTP

Bolsanaro vai vencer as eleições... quer os JTP (S) queiram ou não....E o seu "amigo"
Lula continuará na prisão!
Amen!

AM
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.10.2018 às 21:22

Não é preciso ser amigo de Lula (que foi condenado sem provas) para saber a diferença entre um democrata e um aspirante a ditador.
Imagem de perfil

De jpt a 29.10.2018 às 05:40

Pois, isso da prisão do bom do Lula, meu grande amigo (atrevo-me a dizê-lo) desde os meus tempos de Moçambique, muito me tem prejudicado os negócios ...
Imagem de perfil

De Sarin a 28.10.2018 às 22:44

Se não estava à espera de algumas destas respostas andou distraído, jpt... e foi logo terminar com pecado maior, valham-lhe os santos e as pedrinhas da calçada!


Sobre o postal, acrescento apenas: também a Igreja Católica vive esta fractura ideológica - Francisco está numa cruzada cristã contra a igreja conservadora, é natural que os conservadores cristãos também se sintam impelidos a cruzar outras fronteiras onde, aliás, muitos sempre flanaram.
Imagem de perfil

De jpt a 29.10.2018 às 05:42

As derivas da igreja católica ultrapassam-me Ainda assim tive o cuidado de referir no postal que os bispos brasileiros evocaram (e invocaram?) o actual papa e o anterior Bento XVI. Para não me virem dizer que são "comunistas" (sob este Francisco I) ou "nazis" (sob Bento XVI)
Imagem de perfil

De Sarin a 29.10.2018 às 06:17

Ateia agnóstica (houve um comentador que, aqui mesmo no DO, me afirmou ser isto contradição nos termos... a sério, anda uma pessoa sem a disponibilidade que gostaria e ainda leva com isto?!)
Mas dizia, ateia agnóstica que sou, tento acompanhar o que se passa na Igreja C. quer pela influência que tem na sociedade e ainda no Estado (e não me refiro à questão de invocações em programas televisivos) quer porque, pela primeira vez na minha vida, vejo um Papa a colocar a cristandade antes do Vaticano - pelo menos, aquilo que entendo sobre cristandade (sem a parte das ascensões e parentalidades e outras questões assimétricas). Só por isto, já valeria a pena - não é todos os dias que se assiste à dinâmica evolutiva em impérios milenares.
Imagem de perfil

De jpt a 29.10.2018 às 21:58

Eu sou só ateu e não posso colaborar nestes debates, vou sem quaisquer saberes Mas gosto de ler ...
Imagem de perfil

De Sarin a 29.10.2018 às 22:07

Não discuto liturgia ou interpretação das 1001 noites das parábolas, mas a história e a política da IC interessam-me sobremaneira - até porque temos uma sociedade condicionada e ainda actuante segundo esta. O mesmo espírito que me meteu na caverna dos Leões em tempos de convulsões também elas sociais...
Imagem de perfil

De jpt a 30.10.2018 às 07:15

Eu não posso colaborar. Mas nestes últimos postais há, nos comentários, umas discussões teológicas - só posso acompanhar, até com desvelo por terem brotado de arrazoados meus
Sem imagem de perfil

De Rui Henrique Levira a 29.10.2018 às 00:35

Consumatum est: abriu oficialmente a época do tiro ao pobre em terras de Vera Cruz. Quando o sangue começar a correr, as inevitáveis cândidas almas do costume assobiarão para o lado e farão de conta que a coisa nada teve a ver com elas. Tal como com elas nada tem a ver o grande avanço civilizacional que ocorreu na Líbia após a grande cruzada democratizadora da NATO (da qual fazemos parte): compra-se, hoje, em Trípoli, robustos escravos negros por verbas muito em conta.
Imagem de perfil

De jpt a 29.10.2018 às 05:43

Isso não é verdade mesmo, e é vontade de a ela fugir: foram também os pobres que bolsonaram. E ser pobre não é ser estúpido (ou vítima de whatsapp)
Sem imagem de perfil

De Rui Henrique Levira a 29.10.2018 às 12:10

Ser pobre não é ser estúpido, mas ser pobre no Brasil é quase sinónimo de não ter instrução. Se o senhor acha que analfabetismo e iliteracia são condições "sine qua non" para se fazerem escolhas avisadas, então comecemos o trabalho mesmo aqui por casa: há que dar ao camartelo todo e qualquer estabelecimento de ensino deste país, para que verdadeiramente possamos dar o decisivo passo em direcção à plena e verdadeira democracia.
Devo confessar que uma dúvida me assalta: quantas daquelas esclarecidas almas (muito longe de serem analfabetas e ainda mais longe da pobreza abjecta de não pouca da população brasileira) que compunham o "Volk" alemão em 1933 e que votaram nos Nazis (e, por favor, não me venham agora dizer que comparo Bolsonaro a Hitler, pois eu bem sei que tais equilibradas analogias são hoje reservadas, no Ocidente onde vivemos, a... Vladimir Vladimirovich Putin) anteciparam o que eles lhes fariam no futuro?
Por fim, devo sublinhar que mantenho aquilo que anteriormente disse: abriu oficialmente a época do tiro ao pobre em terras de Vera Cruz.
Sem imagem de perfil

De Pedro a 29.10.2018 às 17:20

O anti-semitismo era mais antigo que o nazismo. E a Alemanha foi dos últimos países europeus a adoptar um sistema politico parlamentar moderno...o tipos do norte da Prússia tem Esparta como modelo.
Sem imagem de perfil

De Rui Henrique Levira a 29.10.2018 às 20:49

Pois, meu prezado Pedro, tem o senhor toda a razão ao afirmar a anterioridade do anti-semitismo face ao mais recente racismo anti-semita nazi. Só que, aos dois anti-semitismo anteriores ( a saber: o clássico, nascido da rejeição das prescrições dietéticas e da endogamia de cariz religioso mosaicas por parte das outras civilizações mediterrânicas para as quais a comensalidade, a hospitalidade e a troca de esposas era sagrada; o cristão, nascido da acusação de serem os Judeus deicidas ) acrescentaram os nazis uma componente "científica" baseada nas teses eugenistas ( que, diga-se, não foram somente acarinhadas na Alemanha nazi) e na deturpação da teoria de Darwin (deturpação essa que, diga-se em abono da verdade, não começou com eles).
Quanto ao resto, caro Pedro, concordo largamente consigo.
Imagem de perfil

De jpt a 30.10.2018 às 07:13

outros, sem tantas teorias, também lhes dava para acabarem com eles ...
Sem imagem de perfil

De Rui Henrique Levira a 30.10.2018 às 12:23

Que "outros", prezado JPT?
Imagem de perfil

De jpt a 30.10.2018 às 07:12

é a sua opinião sobre a caça ao pobre. Apenas me cumpre esperar que seja errada.
Não percebo essa conclusão que retira do que eu disse, isso do "sine qua non" - onde botei eu que ser analfabeto ou iletrado é condição para escolha avisada? Continuo na minha - quando os pobres, iletrados ou analfabetos que sejam, votam no que o "culto" defende estão esclarecidos, quando votam ao invés são alienados porque ignorantes. Isso é um discurso incompetente, desculpe a franqueza. Não conheço o Brasil mas conheço bem Moçambique, onde a iliteracia é muito maior do que no Brasil. E onde as pessoas são bastante conscientes das suas opções de voto, com grande diversidade das razões e na densidade das reflexões, como é óbvio. Portanto esse tipo de discurso, ilegitimador (pois irracionalizador) das opções alheias não me satisfaz nada.

Já agora, na Europa de XXI, com pouco analfabetismo e nada total iliteracia não houve um povo, seus académicos cientistas quadros médios e superiores, que elegeu e reelegeu um tal de Sócrates? Saber ler e escrever não é isso do "sine qua non", como a história pátria recente nos mostra
Sem imagem de perfil

De Pedro a 30.10.2018 às 08:28

Deixo aqui uma sugestão :

The Myth of the Rational Voter: Why Democracies Choose Bad Policies is a 2007 book by Bryan Caplan, in which the author challenges the idea that voters are reasonable people that society can trust to make laws. Rather, Caplan contends that voters are irrational in the political sphere and have systematically biased ideas concerning economics.

Existe a versão gratuita na net, em PDF. É vinhos, é livros....dou-lhe tudo
Sem imagem de perfil

De Rui Henrique Levira a 30.10.2018 às 12:22

Pois, meu caro JPT, tem o senhor todo o direito a pensar como pensa (e as minhas desculpas se eu - é sempre uma provável hipótese - o interpretei mal). Eu, por minha parte, mantenho tudo o que disse: só mesmo gente alienada e irremediavelmente manipulada vota em quem irá fazer da sua já pobre vida um inferno.
Quanto ao exemplo de literacia da lusa gente, convirá o prezado JPT que o exemplo, posto contra a luz contrastante do resto da Europa Ocidental, tem as suas limitações: por volta de 1900, a taxa de analfabetismo da Inglaterra aproximava-se dos zero por cento; em Portugal essa taxa andaria por volta dos setenta a oitenta por cento. Isso explica. a meu ver, não pouco do devir histórico do Portugal do século XX e algumas das nossas idiossincrasias, não sendo a nossa inevitável queda por homens com um piquinho a autoritarismo - chamem-se eles Sócrates ou Cavaco - a menos nefasta delas.
Cumprimentos, caro JPT.
Imagem de perfil

De jpt a 30.10.2018 às 14:04

os austriacos, que têm escolas espalhadas, votaram Haider - a velha teoria sobre a quantidade de cultura transmitida na educação escolar e a pertinência das decisões cívicas, está por demais gasta para ainda ser discutida
Sem imagem de perfil

De Pedro a 30.10.2018 às 14:49

A comunidade médica, incluindo Konrad Lorenz, prémio nobel, adorava o eugenismo. Era necessário eliminar a escória da sociedade, diziam eles
Imagem de perfil

De jpt a 30.10.2018 às 20:42

eram muito radicais; não tinham humores. Há certas manhãs que concordo com isso Depois passa-me
Sem imagem de perfil

De Rui Henrique Levira a 30.10.2018 às 15:17

Pois, a coisa só tem um problema: a sofisticação intelectual, comunicacional e teórica do Haider anda para a do Bolsonaro como os dotes vocais do Camané andam para os do Quim Barreiros. Uns untam a coisa com banha da cobra que,à vista desarmada, passa por manteiga; outros besuntam a vontade do eleitorado com banha da cobra que parece aquilo que é.
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 29.10.2018 às 17:02

O mapa que acompanha este post ilustra bem uma caraterística geográfica do Brasil que muita dificulta o seu desenvolvimento económico.
A toda a largura da enorme costa brasileira (exceto na Amazónia e no extremo sul), há um maciço montanhoso muito alto e muito próximo da costa, o qual impede a penetração para o interior do continente. Forma uma espécie de muralha ao longo de toda a costa, que impede que haja rios navegáveis ou que se construa facilmente estradas e (sobretudo) caminhos-de-ferro que liguem a costa ao interior.
Neste particular, o Brasil está em completa diferença com a América do Norte, na qual o rio Mississipi permite aceder a quase todo o interior do continente.
Sem imagem de perfil

De Pedro a 29.10.2018 às 19:02

Veja o mapa da Suíça. Sem acesso ao mar e rodeado por montanhas e no entanto ela move-se
Sem imagem de perfil

De Rui Henrique Levira a 29.10.2018 às 21:38

E move ainda mais dinheirinho cosmopolita para dentro de si, acrescente-se...
Imagem de perfil

De jpt a 30.10.2018 às 07:05

com sofreguidão, até
Imagem de perfil

De jpt a 30.10.2018 às 07:04

Desde que abriram a lavandaria move-se imenso. No tempo da Heidi era muito imóvel
Sem imagem de perfil

De Pedro a 30.10.2018 às 08:47

Jpt, os suíços são famosos pelos seus aparelhos de precisão incluindo para a indústria naval. Não são só lavandarias

https://en.m.wikipedia.org/wiki/Merchant_Marine_of_Switzerland

https://www.swissinfo.ch/eng/maritime-transport_switzerland---the-discreet-shipping-giant/33256356
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 30.10.2018 às 09:21

Você não deve conhecer bem a Suíça.
A maioria (2/3) da população suíça vive no "planalto suíço", a norte dos Alpes e a sul das montanhas do Jura. Quase todo esse planalto é servido pelo rio Aar e pelos seus afluentes; o rio Aar aflui ao Reno, que dá saída excelente para o mar (por barcaças de enorme capacidade). Ademais, como o planalto é plano (e mesmo nos Alpes, há vales por entre as montanhas), há comboios (os quais têm grande dificuldade em subir montanhas) para praticamente todo o lado. Por isso o transporte interno na Suíça é muito mais fácil do que noutros países.
Sem imagem de perfil

De Pedro a 30.10.2018 às 14:51

O que é que isso tem a ver como que eu disse? Ainda têm as marcas relojoaria de luxo, ourivesaria, chocolates, óptica, motores, e o diabo a quatro

Comentar post


Pág. 1/2



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D