Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O amadorismo na política.

por Luís Menezes Leitão, em 26.06.17

Um líder da oposição não pode soprar um bitaite que acabou de ouvir de uma pessoa ao lado. Especialmente quando esse bitaite seria uma notícia em primeira mão, que ninguém até então tinha dado, e que portanto não se poderia repetir sem ser confirmada. Passos prejudicou objectivamente o PSD com este amadorismo e permitiu que o PS saísse por cima. Mas já se sabe que haverá muitos militantes a tudo perdoar, sabe-se lá à espera de quê. Para mim, há muito tempo que Passos Coelho deveria ter percebido que a sua oposição está a ser totalmente ineficaz e dar lugar a outro. O dia de hoje foi apenas infelizmente mais um exemplo de algo que tem sido recorrente e que explica as sondagens dramáticas que o PSD tem. Agora Passos Coelho vai ter pelo menos que passar a pasta a outra pessoa na questão de Pedrógão Grande, pois já ninguém dará qualquer crédito ao que ele disser sobre este assunto. Vamos ver quanto tempo durará até que venha a ter que passar a pasta nas restantes matérias.

Autoria e outros dados (tags, etc)


7 comentários

Imagem de perfil

De Pedro Correia a 26.06.2017 às 22:28

Tudo errado nesta lamentável história. Como é que PPC dá ouvidos ao primeiro rumor que lhe sopram? Como é que fala levianamente em suicídios? E como não entende que mesmo que fosse verdade jamais deveria mencionar o assunto com semelhante ligeireza e tanta indiferença à dor humana?
Partidarizar a tragédia de Pedrógão, que tanto dilacerou os portugueses, é um erro colossal. Que PPC, com mais de 30 anos de experiência política, seja incapaz de perceber ísto escapa ao mais elementar entendimento.
Sem imagem de perfil

De AntónioF a 27.06.2017 às 09:52

É a sede de sangue, caro Pedro.

Porém, esta «história» não deixa de ter o seu lado caricato.
Pedro Passos Coelho dá esta... informação, baseado num qualquer boato, estando ao lado da pessoa que indicou para o... Conselho de Fiscalização dos Serviços de Informações da República Portuguesa.
Fica a pergunta: Se essa senhora não consegue «fiscalizar» uma simples informação baseada, repito, num boato - deixando o seu líder partidário fazer a figura ridícula que fez -, estaria em condições de fiscalizar as informações de um Conselho de Fiscalização dos Serviços de Informações da República Portuguesa?

Comentar post



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D