Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




No fim não existe fim

por Pedro Correia, em 21.04.19

congdon09.jpg

Quadro de William Congdon (1912-1998)

 

«Deus é existirmos e isso não ser tudo.»

Fernando Pessoa

 

Jesus teve apóstolos, todos homens. Mas, destes, nem todos o seguiram da mesma forma. Um traiu-o, outro negou-o, um terceiro duvidou que tivesse regressado das trevas da morte. Já as mulheres que sempre acompanharam o nazareno - tornando-se assim também suas discípulas - não vacilaram na fé. Talvez por isso, são elas as primeiras a observar o sepulcro vazio. Os evangelistas dão-lhes nomes: Maria Magdalena - assim chamada por ser de Magdala -, Maria, mãe de Tiago, Joana e Salomé. É Magdalena - e nenhum dos homens - a primeira pessoa a vê-lo ressuscitado. Ao contrário do que viria a fazer Tomé, ela nem por um instante duvida. À semelhança do que sucedera com Marta, ao recebê-lo em Betânia após velar o corpo do falecido irmão Lázaro: «Creio que tu és o Cristo, o Filho de Deus, que havia de vir ao mundo», relata João. 

Será Maria de Magdala a anunciar a Boa Nova naquela manhã, diferente de qualquer outra. O Mestre - como Magdalena e Marta lhe chamavam - cumprira a promessa feita pouco antes de voluntariamente se submeter às injúrias, às flagelações e à morte a que os poderes terrenos o haveriam de condenar: «Não vos deixarei órfãos.» Abrindo assim uma luz de esperança que não tornaria a apagar-se na história humana.

Nada voltou a ser igual. E disso dá testemunho São Paulo na sua Carta aos Gálatas: «Não há judeu nem grego; não há escravo nem livre; não há homem e mulher, porque todos sois um só em Cristo.» (4, 28) Assim se fundava o mais imperecível de todos os direitos: o direito universal à dignidade, baseado na suprema instância moral. Nenhum de nós é órfão.

Tudo começou, de algum modo, naquele túmulo vazio. Como escreveu Robert Lowell, «no fim não existe fim.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:


16 comentários

Imagem de perfil

De Vorph Valknut a 21.04.2019 às 06:53

"permaneçam as mulheres em silêncio nas igrejas, pois não lhes é permitido falar; antes permaneçam em submissão, como diz a lei.
Se quiserem aprender alguma coisa, que perguntem a seus maridos em casa; pois é vergonhoso uma mulher falar na igreja".

1 Coríntios 14:34,35

A Biblia é como o horóscopo. Nela podemos encontrar o que queremos encontrar e desvalorizar a contradição que nos baralha, ou nos envergonha.
Sem imagem de perfil

De JAB a 21.04.2019 às 09:08

Belo texto, porque "no fim não existe fim". E também gosto daquela perspectiva bem humorada (agora perigosamente a fugir para o politicamente incorrecto): Jesus anunciou a Madalena que tinha ressuscitado para ter a garantia de que a mensagem se espalhava depressa... E resultou...
Boa Páscoa, Pedro, e para todos os que por aqui passam.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 21.04.2019 às 12:31

Boa Páscoa, caro JAB.
Imagem de perfil

De Cristina Torrão a 21.04.2019 às 10:16

Parabéns pelo texto, Pedro.
Boa Páscoa!
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 21.04.2019 às 12:31

Obrigado, Cristina. Páscoa feliz.
Imagem de perfil

De Vorph Valknut a 21.04.2019 às 11:02

Come chocolates, pequena;
Come chocolates!
Olha que não há mais metafísica no mundo senão chocolates.
Olha que as religiões todas não ensinam mais que a confeitaria.
Come, pequena suja, come!
Pudesse eu comer chocolates com a mesma verdade com que comes!
Mas eu penso e, ao tirar o papel de prata, que é de folha de estanho,
Deito tudo para o chão, como tenho deitado a vida.

Trecho do poema "Tabacaria" de Álvaro de Campos.
Imagem de perfil

De Vorph Valknut a 21.04.2019 às 11:15

O Altar do Deus Desconhecido (Ernesto Sabato)


Chegada a hora do bando de ladrões,
ele já tinha desenvolvido as seguintes possibilidades
1. - Deus não existe
2. - Deus existe e é um canalha
3. - Deus existe, mas às vezes dorme.
Seus pesadelos são a nossa existência
4. - Deus existe, mas tem acessos de loucura. Esses acessos são a nossa existência
5. - Deus não é omnipresente, não pode estar em todos os lugares. Às vezes ele está ausente, em outros mundos, noutras coisas.
6. - Deus é um pobre diabo com problemas complicados demais para as suas forças. Luta com a matéria como um artista com a sua obra. Às vezes, em algum momento, torna-se num Goya, mas geralmente é um desastre
7. - Deus foi derrotado, antes da história, pelo príncipe das trevas.


https://youtu.be/vobU8yF-TEE
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 21.04.2019 às 14:16

«Creio que tu és o Cristo, o Filho de Deus, que havia de vir ao mundo», relata João

Repare-se como os Evangelhos são falsificações: como pode um judeu dizer que o "Cristo" (= Messias, do grego) é "Filho de Deus"? Para um judeu isso não faz qualquer sentido, dizer que Deus tem um filho, como se de um homem se tratasse!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 21.04.2019 às 18:02

Neste Domingo de Páscoa, ainda existe imprensa que releva o mundo ocidental do
cristianismo, face ao ódio medieval de certas corrente muçulmanas que atacam as igrejas!.

Ler ""Thank God for western values" Tom Holland in The Spectator

Boa Páscoa

A.Vieira
Imagem de perfil

De Vorph Valknut a 21.04.2019 às 20:57

Sem Religião os homens bons fazem coisas boas e os maus coisas más. Com a Religião os bons tornam-se capazes de fazer coisas más. É uma característica de todas as Ideologia dualistas
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 22.04.2019 às 18:46

Boa sugestão de leitura, caro A. Vieira.
Sem imagem de perfil

De sampy a 22.04.2019 às 08:13

Algumas precisões:

Todo o cuidado é pouco na aproximação aos relatos das aparições do Ressuscitado ( etambém, até certo ponto, relativamente às notícias do sepulcro vazio). Estamos perante textos que procuram traduzir em palavra (e recorrendo a códigos "bíblicos", digamos assim) experiências pessoais de ordem espiritual que escapam à realidade empírica. As tradições que acabaram por ser recolhidas e conservadas têm alguns elementos em comum, mas muitos outros são díspares, mesmo contraditórios. Dados geográficos ou cronológicos, mesmo obedecendo a uma lógica interna, devem ser analisados com a necessária reserva. E reconheça-se que o facto invocado continua a ser, hoje como há 2000 anos, objectivamente absurdo e inacreditável.

É preciso atenção na questão da identidade de Maria Madalena. A amálgama com outras figuras, como a mulher adúltera ou Maria de Betânia, sabemos hoje com relativa segurança quando começou e por que razões. Não é correcto mantê-la.

"Ao contrário do que viria a fazer Tomé, ela nem por um instante duvida." É uma interpretação algo forçada que acaba por trair a intenção dos relatos, que fazem questão de sublinhar os medos, incompreensões e confusão sentidas pelos primeiros seguidores perante esta "realidade", e o caminho de fé que foi necessário fazer até aderir a essa "verdade".

(Para quem tiver paciência) Vejamos o que nos é contado pelo evangelista João (o único que trata de individualizar a experiência vivida por Maria Madalena). Ela vai duas vezes ao sepulcro. Da primeira vez ("ainda escuro", pormenor não despiciendo), constata que o sepulcro encontra-se vazio. A sua imediata conclusão é natural, lógica, mas sem sinal de fé: "Levaram o Senhor do sepulcro". E é este o seu primeiro anúncio-alarme aos discípulos. Muda a cena, e descobrimos entretanto que o primeiro a acreditar vai ser esse personagem misterioso denominado "discípulo predilecto" (enquanto o próprio Pedro se mantém longe da fé). Voltamos então a Maria, que está de regresso ao sepulcro. Desta feita, vê dois anjos, que lhe falam, mas nada se altera na sua convicção: "Levaram o meu Senhor e não sei onde o puseram". Mesmo quando Jesus lhe aparece, claramente visível, e lhe fala, ela não o reconhece, Supõe que seja o jardineiro. Seus olhos só se abrem quando ouve Jesus chamá-la pelo nome. E ainda aí, é-nos sugerido que ela tem uma reacção que mais uma vez consideraríamos normal, motivada pelo amor, mas que revela ainda uma incapacidade de compreender o mistério. Terá de ser Jesus a lançar-lhe o interdito: "Não me retenhas", não me toques, não me segures, não me prendas; e a dar-lhe o mandato de ir anunciar a "Ascenção". Só aí termina a sua caminhada de fé, quando ela testemunha: "Vi o Senhor".
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 22.04.2019 às 09:15

A amálgama com outras figuras

Quando o Evangelho fala de "Maria, mãe de Tiago", refere-se muito provavelmente à própria mãe de Jesus, o qual teve irmãos e irmãs, um dos quais foi Tiago (Jacob, em hebraico), "o Justo", o primeiro líder da Igreja.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 22.04.2019 às 18:30

Por mera coincidência, partindo do princípio de que as coincidências existem, o Papa aludiu ontem ao mesmo tema:
«Maria di Magdala e le altre sono le «prime testimoni della risurrezione».
«Gli uomini, intimoriti, erano chiusi nel cenacolo», sottolinea il Papa. «Pietro e Giovanni, avvertiti dalla Maddalena, fanno solo una rapida sortita in cui constatano che la tomba è aperta e vuota. Ma sono le donne le prime a incontrare il Risorto e a portare l’annuncio che Egli è vivo».

https://www.lastampa.it/2019/04/22/vaticaninsider/sri-lanka-il-papa-condanniamo-tutti-questi-atti-terroristici-disumani-Bzv2zv9lBhvsXDvtUkNdAN/pagina.html
Imagem de perfil

De José da Xã a 22.04.2019 às 09:32

Pedro,

como católico reconheço na caminhada de Cristo para o sepulcro, carregando a Cruz e depois ajudado por Simão de Cirene, o verdadeiro caminho da fé.
Saber que vai morrer para lavar os nossos pecados é um acto de altruísmo profundo.
A Ressurreição de Cristo é deste modo o culminar de uma ventura, que não sendo historicamente comprovada tem muito mais força que os verdadeiros eventos.
É acreditar sem ver!
A Páscoa verdadeiramente iniciou-se ontem.
Forte abraço.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 22.04.2019 às 18:33

Invertendo o axioma de Tomé: crer sem precisar de ver.
Eis a verdadeira fé.

Como dizes, só agora começa a Páscoa.

Um abraço, meu amigo.

Comentar post



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D