Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Neste tempo

por João André, em 20.05.15

Neste tempo o mundo é novo. As pessoas vestem-se de forma diferente umas das outras, já não há gosto nem jeito. Há telefones portáteis que nem botões têm e internet e já quase ninguém conhece as ligações fixas. Há formas de comunicar mas todos falam ao mesmo tempo e ninguém se entende. As cidades grandes absorveram algumas pequenas que são os novos subúrbios. Há água e electricidade, mas a primeira parece que está sempre com má qualidade e a segunda é cara. Há muitas linhas de metropolitano mas nem sabemos por onde ir para chegar mais depressa ( para quê?). Há carradas de autoestradas, mas custam os olhos da cara e nem têm grandes alternativas. A verdade é que tirando umas ilhas de cosmopolitanismo o país continua tão insular como sempre. Os comboios modernizaram-se entre Lisboa e Porto mas desapareceram. Não ram grande coisa, mas ainda se conseguia fazer uma ou outra viagem sem ter que ir ao expresso. Aquelas velhas estações onde o tempo parecia ter parado agora parecem ruínas que o tempo abateu.

Construíram-se muitas fábricas, grandes e pequenas, mas agora há poucas. Os bairros de apartamentos são os mesmos mas ninguém se conhece, nem sei o que faz o meu vizinho do 3º G. Há rádios para todos os gostos mas não sei qual escolher. Quase toda a música é permitida (diz que a Renascença ainda controla) mas nem toda é boa. Parece que somos católicos, mas pouco praticantes; lemos jornais livres de todo o mundo mas nem sabemos em que notícias confiar e vamos recebendo informação completamente em bruto, sem filtros de qualquer espécie. Os discos são objectos ainda mais valorizados que antes por quem deles gosta e o seu suposto carrasco está quase desaparecido. Os computadores vieram substituir as máquinas de escrever e aumentaram a eficiência, mas há quem suspire pelo matraquear. As impressoras e os computadores transformaram todos em potenciais autores de literatura e música. As estantes de livros transformaram-se em estantes de bibelôts desorganizados trazidos pelos almigos quando visitam outras partes exóticas do mundo. Os livros resumem-se a meia dúzia de aparelhitos. A única enciclopédia que parece interessar pode ser lida no telefone e os vendedores de enciclopédias, se os houvesse, receberiam pouco mais que um sorriso complacente.

Neste tempo o país continua de coração cinzento, tal como muitas fardas, mas os carros oficiais preferem o preto. Sotainas são olhadas de soslaio e o preto e branco é do domínio dos pseudo-intelectuais. Muita gente emigra e regressa no verão, para recuperarem o falar da meninice. Continuam a trazr mulheres loiras mas agora dizem que aqui é que é bom, que não há sítio como a terrinha com o seu sol e praia e café na esplanada. Por aqui ouve-se ainda algum fado e vê-se muito futebol, mesmo que não seja daqui. Respira-se a melancolia de um mundo que teve sempre os dias contados e suspira-se pelo mesmo que os nossos pais e avós suspiraram, aquele que chegaria na sebastiânica manhã. De África já não vem guerra, só a esperança de dinheiro daqueles que tendo sido servidores almejam ser mestres. De sexo e política fala-se demais. Por vezes parece que não se fala de outra coisa, misturando as duas. Este é um país de cidades mal feitas e habitadas pela nostalgia de cidades pequenas e aldeias perfeitas, todas lindas e parecidas umas com as outras, invariavelmente banhadas pelo sol e com pessoas afáveis e alegres. É também o país que sonha ser outro, com alamedas ladejadas por árvores verdes, carros novos, lojas luxuosas, monumentos antigos em estado impecável, pessoas cosmopolitas, conservadoras mas liberais, simpáticas e afáveis mas reservadas, cosmopolitas mas nada intrometidas, de restaurantes modernos a servir comidas tradicionais, de tabernas escuras banhadas pelo fado e com picapaus cheios de mostarda devidamente controlados pela ASAE.

Nota: este post não é qualquer crítica ao do Luís. Antes é inspirado por ele e serve como pobre homenagem à beleza do que se pode ler ali abaixo.


8 comentários

Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 20.05.2015 às 17:08

Estou a ver que o João André se está a converter, na sua escrita, à mesma estética simbolista-surrealista já utilizada pelo Sérgio Almeida Correia.
Imagem de perfil

De João André a 21.05.2015 às 09:55

Caro Luís:
se foi um elogio, muito obrigado
se não foi um elogio, então meta o simbolismo surrealista na pipe de Magritte
Sem imagem de perfil

De William Wallace a 20.05.2015 às 18:19

Bonito e SINCERO !
Imagem de perfil

De João André a 21.05.2015 às 09:55

É uma visão, simplesmente.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 21.05.2015 às 00:19

Os vossos dois textos dialogam muito bem um com o outro. Pintam retratos expressivos do mesmo país separados por algumas décadas.
É um exercício intelectual muito estimulante. Para quem escreve e para quem lê.
Imagem de perfil

De João André a 21.05.2015 às 09:56

A minha ideia foi precisamente usar o texto do Luís para criar o diálogo. Ele leva naturalmente a vantagem pela originalidade e pela escrita (que não se veja nisto qualquer falsa modéstia).
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 21.05.2015 às 20:28

"vamos recebendo informação completamente em bruto, sem filtros de qualquer espécie."

Como se a AP, Reuters, Lusa e outras não fossem filtros.
É só ver o que censuram.
Imagem de perfil

De João André a 22.05.2015 às 08:58

Caro lucky: o seu comentário é prova suficiente que a informação também pode seguir sem filtros. Já ouviu também falar de twitter e quejandos?

Comentar post



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D