Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Hesitei antes de escrever este texto e isso raramente me acontece. E normalmente quando hesito, não escrevo. Mas, desta vez, decidi fazê-lo. Não tenho qualquer presunção de trazer mais alguma informação ao muito que tem sido escrito ou comentado sobre o percurso político de Mário Soares. Nem sequer é isso que me motiva e muito menos faço-o numa lógica de homenagem fúnebre ou de elogio póstumo ao antigo Presidente da República. Sei bem o papel que Mário Soares desempenhou na história de Portugal e de que forma é que isso se reflecte na minha vida quotidiana. Isso não esqueço e nem aqueles que prezam os valores da democracia e da liberdade devem esquecer. Sempre o considerei o maior estadista português no pós-25 de Abril, com as suas virtudes e defeitos, com os seus feitos e erros.  

 

Mas a questão não é essa. O que me levou a escrever este texto é ter percebido que na hora do adeus a Mário Soares, o povo já não está com ele. Estão os comentadores, os jornalistas e os políticos do regime, mas o povo não tem acompanhado Mário Soares na sua última caminhada. Nem sequer o povo mais idoso, o que tem uma memória mais viva dos tempos áureos da actividade daquele político. Das impressões que fui tendo desde o anúncio da morte de Mário Soares, fosse na rua, nos cafés, junto de amigos e colegas, no comboio, o tema despertou pouca comoção e muito menos debate sobre o seu legado. Podia estar errado na minha percepção, mas as transmissões televisivas desta Segunda-feira, onde fui acompanhando o cortejo fúnebre durante a manhã, confirmaram aquilo que se tornou impressivo para mim: Portugal, o do povo, não está com Soares na hora do adeus. Nas ruas de Lisboa viu-se gente acima dos 50 anos, mas poucos, muito poucos. Nos Jerónimos, igual. Quanto aos mais novos – e quando digo mais novos, estou a ser simpático para aqueles que já têm entre 30 e 40 anos –, praticamente ausentes. Jovens abaixo dos 30, nem vale a pena falar.

 

É normal em qualquer parte do mundo que à medida que os políticos vão envelhecendo se distanciem da memória das pessoas, que vão seguindo as suas vidas, no tempo presente, com as suas alegrias e problemas. As memórias políticas, essas, ficam para os protagonistas do regime que, nestes dias, se têm atropelado uns aos outros para “reagir” e mostrar toda a sua sabedoria em relação à essência de Mário Soares. Nas televisões, rádios e jornais falam uns para os outros e nem percebem que o povo está noutro registo.

 

Mário Soares é e será sempre uma grande referência para Portugal e o povo ficar-lhe-á eternamente agradecido mas, neste momento, para a maioria das pessoas, é já um apontamento histórico que há muito ficou lá atrás. Os tempos pós-modernos são assim, implacáveis na preservação de um sentimento vivo de proximidade com alguém que teve um papel importante na nossa História. As elites vão guardando essas memórias de Mário Soares e os livros de História o registo do seu papel enquanto político português, mas a verdade é que as pessoas comuns parecem cada vez menos entusiasmadas com as tradicionais figuras políticas contemporâneas, as mortas ou as vivas. E quem achar o contrário, é porque vive numa realidade alheada, preso na glória do passado, sem a noção daquilo que o rodeia no presente. E um dia vai perceber que o povo já não se lembra dele, já não quer saber... As honras do adeus serão feitas pelos decrépitos do regime.


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D