Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Na estação da queima

por Teresa Ribeiro, em 17.08.15

 210712_Incendio-em-Portugal_0[1].jpg

 

Para não variar, neste Verão os incêndios florestais multiplicaram-se de forma aflitiva. A estas calamidades pendulares costuma seguir-se o folclore das promessas dos governantes em como vão tomar medidas, sobretudo no que respeita à prevenção, mas este ano, apesar da área ardida ser muito superior à do ano passado, ainda não ouvi um sussurro por parte do governo.

Lembro-me de que em tempos prometeram pôr militares a vigiar as florestas. Pareceu-me uma boa ideia, mas pelos vistos destinou-se, como tantas outras, a fazer notícia. Em vésperas de eleições o que menos interessa aos responsáveis pela saison da queima 2015 é prestar contas. A comunicação social, convenhamos, tem sido um amor, poupando a coligação a explicações. Mas no sábado Marques Mendes surpreendeu-me com uma enorme censura à manifesta incapacidade de o governo zelar sequer pelas áreas protegidas, que estão sob a alçada do Estado.

A incúria, quando atinge elevadas proporções, é crime. Não sei como é que ainda existe país para arder.  


12 comentários

Sem imagem de perfil

De Maria Lopes a 17.08.2015 às 15:07

Para o ano, se Deus quiser, conseguiremos dar cabo de mais uns hectares! Deus nos guarde algumas árvores! E isso de tirarem os militares dos quartéis para vigiar árvores, não acho nada boa ideia. Tenho uma bem melhor: que tal deixarmos um qualquer presidente de junta de freguesia da capital, cuidar da floresta? Hein? É uma razia tal, que os maluquinhos dos incêndios acabam curados, sem se gastar um tostão que seja. Repare-se na fúria da primavera na cidade: uma rua com árvores? Arranja-se uma doença qualquer com um nome complicado e toca de cortar todas, mas todas as ditas cujas afetadas. E em caso de protesto, vão as outras que estavam na rua paralela. O quê? É centenária? Vai também que neste país não há lugar para coisas velhas, quanto mais uma árvore. Podem crer que a nossa comunicação social (qual?! a sério, qual!?) estará atenta (nem por isso, mas o povo também não está para se aborrecer quando se encontra a banhos). Incúria? Ora essa! As florestas são para arder. Quem é que paga bem por madeira queimada? Quem é? Pois....M. Lopes
Imagem de perfil

De Teresa Ribeiro a 17.08.2015 às 23:21

A floresta representa 3% do PIB e 10% das exportações,mas nem esta perspectiva meramente económica move quem nos governa. Não se entende.
Sem imagem de perfil

De T a 17.08.2015 às 15:39

Passando à frente as tiradas de Medina Carreira, que para este assunto pouco interessam, aconselho vivamente a ver esta entrevista/programa sobre a referida matéria.

https://www.youtube.com/watch?v=C36zzdKoa9o
Imagem de perfil

De Teresa Ribeiro a 17.08.2015 às 23:25

Obrigada,gostei muito. E também recomendo.
Sem imagem de perfil

De Hélder Oliveira a 17.08.2015 às 17:01

Não consigo entender como há pessoas que destroem aquilo que nos dá o oxigénio, que todos os seres vivos necessitam para sobreviver.
Não há explicação lógica possível!
Sem imagem de perfil

De am a 17.08.2015 às 19:51

É a mesma lógica do "escape do automóvel"!
Sem imagem de perfil

De Hélder Oliveira a 17.08.2015 às 21:35

Pois é verdade. Tem toda a razão.
Imagem de perfil

De Helena Sacadura Cabral a 17.08.2015 às 21:40

Teresa
Esta ministra põe-me os cabelos em pé!
Imagem de perfil

De Teresa Ribeiro a 17.08.2015 às 23:16

E vão duas!
Sem imagem de perfil

De am a 17.08.2015 às 22:31

A "ministra"

A mim poe-me em baixo!

Sem imagem de perfil

De William Wallace a 18.08.2015 às 00:48

Uma calamidade que todos os anos se repete, desde que as florestas foram abandonadas enquanto fonte de rendimento porque as pessoas arranjaram outro tipo de rendimentos.

O que não se compreende é que perante um fenómeno já identificado (nenhuma prevenção / ordenamento florestal) e que começa a deixar de ser sazonal ( últimos 3 anos) se opte unicamente por canalizar recursos no combate aos efeitos e não se gaste nada em prevenção e no ordenamento florestal.

Haveria muitas formas de começar a atacar este problema de frente mas isso iria colidir com muitos interesses instalados e por isso não interessa.

A comunicação social que obviamente sabe mais que aquilo que diz tem estado "calada" sobre esta temática e outras porque isso lhe interessa.


http :/ www.jornaldenegocios.pt /empresas/detalhe
governo_prepara_novo_regime_de_incentivos_para_a_comunicacao_social.html
Imagem de perfil

De Teresa Ribeiro a 18.08.2015 às 11:40

Pois,isto anda tudo ligado.

Comentar post



O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D