Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Delito de Opinião

Mundial no sofá (10)

João André, 03.07.14

Antevisão dos quartos de final, parte 1.

 

Alemanha - França

 

Este é o duelo que vai ser mais interessante. É o único entre duas equipas que se preocupam mais com jogar futebol do que em interromper o adversário. Será também o duelo mais imprevisível do ponto de vista táctico. Deschamps tem alternado a composição do meio campo de acordo com o adversário. Contra a Nigéria jogou num híbrido de 4-3-3 e 4-3-1-2 que não resultou até Griezmann entrar. No jogo contra a Alemanha não imagino Griezmann a jogar de início, mas é muito provável que Deschamps aposte em Moussa Sissoko para apoiar o lado direito e permitir as subidas de Débuchy. Do lado esquerdo deverá apostar nas subidas de Matuidi e, talvez, de Evra, que provavelmente não terá alas fixos que o ocupem. Além disso, um meio campo Sissoko, Pogba e Matuidi, apoiados pelos passes e posicionamento mais defensivo de Cabaye, terá enorme flexibilidade táctica.

 

Do lado alemão a grande questão passará pelo nome do jogador para ocupar o lado direito da defesa. Hummels deverá regressar depois da gripe que o impediu de jogar contra a Argélia (outros jogadores estarão neste momento com sintomas) e fica por saber se Löw opta por recolocar Boateng do lado direito ou se prefere fazer entrar Khedira e recolocar Lahm (Boateng deverá sempre jogar, seja onde for). A opção mais provável, assumindo que Hummels está bem, será um regresso ao estilo habitual, com Boateng na direita e Lahm no meio campo. Se assim for, e se Schweinsteiger jogar de início, o meio campo alemão bem se poderá ressentir da falta de força física, sendo que o tipo de arbitragem terá grande influência (será à inglesa ou parará o jogo por tudo e por nada?).

 

Pessoalmente vejo este jogo como acabando com uma vitória francesa que só exibições individuais fantásticas dos alemães poderão evitar. Se assim for, Löw perderá certamente o lugar.

 

Brasil - Colômbia

 

Um jogo para os românticos. O eterno Brasil contra a cinderela deste mundial. O problema é que este Brasil não é nenhum representante do "jogo bonito". O onze inicial brasileiro será desconhecido (entra Paulinho?, Fernandinho?, Ramires?) mas a táctica será óbvia: interromper o jogo com faltas sempre que a bola chegue aos pés de (especialmente) James Rodriguez e Cuadrado. Depois é uma questão de a dar a Neymar e esperar que ele resolva. Uma outra questão táctica será a de saber se Scolari jogará com Neymar na esquerda ou pelo centro. Na esquerda ele daria liberdade a Óscar (que está visivelmente cansado) e poderia controlar melhor as subidas dos laterais (essenciais para dar largura ao jogo de uma Colômbia em 3-5-2). No centro ele segue a táctica habitual de Scolari para o mundial e Óscar, que é melhor a defender, terá como missão ser mais defensivo. Uma alternativa seria a entrada de Willian, que trabalha imenso e está em forma, mas Scolari não gosta muito de se desviar dos planos que tem (eu prefiro dizer que é teimoso).

 

Gostaria de prever uma vitória da Colômbia e espero que assim seja, mas as tácticas de Scolari (que têm tido algum apoio de árbitros um pouco caseiros) e o apoio do público, bem como a presença de Neymar, poderão mudar as coisas.

4 comentários

Comentar post