Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Mas as crianças, Senhor

por Maria Dulce Fernandes, em 04.07.19
Pelo estudo fundamentado dos valores morais que conduzem o comportamento humano em sociedade, diz-nos a ética que a liberdade, igualdade e fraternidade são extrínsecas a todos os homens independentemente da cor, raça ou credo. Já a moral, mais orientada na vertente do cumprimento de regras, tabus e convenções , direcciona a conduta dos indivíduos , determinando no fundo o seu comportamento em sociedade.

 
Se é aceite que todos os homens nascem iguais aos olhos de Deus, não quer por vezes a fortuna que alguns nasçam iguais aos olhos dos homens. Em alguns recém nascidos o reconhecimento das deficiências é imediato, noutros casos as imperfeições ou insuficiências só se revelam com o passar dos anos. O avanço da medicina muito tem contribuído para  a aceitação e integração na sociedade das pessoas que se encontram em desvantagem ; têm novos tratamentos, mais apoios, aprendem ofícios, arranjam empregos , tornam-se parte integrante do meio social.
 
Este intróito serve para contar a história do Gonçalo.
À primeira vista o Gonçalo é um homem catita, nos seus vinte e poucos anos, de altura acima da média, olhos de água,  bem constituído e desembaraçado. A ilusão acaba quando abre a boca escurecida do negro-de-fumo,  e escancara aquele sorriso  cândido  que lhe ficou da Terra do Nunca.

 

O Gonçalo é um menino no corpo de um homem feito e como todos os seres humanos, o Gonçalo tem necessidades, impulsos que não consegue reprimir, dos quais já resultaram duas crianças, cada de sua mãe, e  uma terceira a caminho.
 
Passa a vida em bolandas com processos no Tribunal de Família e Menores pelas exigências contínuas das progenitoras quanto aos montantes das pensões de alimentos,  e sonha um dia o ganhar o poder paternal.
 
Qual é a justiça, para as crianças, fruto deste tipo de relações ? Nada sabem do Génesis nem da multiplicação, não pediram para nascer ! Vão sofrer misérias sem um lar, sem uma família, sem qualquer normalidade na vida.
Para já, são três, mas pelo visto, o número tende aumentar exponencialmente.
 
Não precisa o Gonçalo de mais explicações sobre os métodos de prevenção da natalidade, porque é coisa que ouve todos os dias. Diz-se-lhe, ralha-se ... Ouve, baixa os olhos e sorri travesso e brincalhão como se fosse um catraio apanhado a fazer uma grande tropelia....


78 comentários

Imagem de perfil

De Vorph "Girevoy" Valknut a 04.07.2019 às 09:26

De um ponto de vista cientifico, sob um governo regido pela Razão, o Gonçalo deveria ser vasectomizado. De um ponto de vista moral a ideia de obrigar alguém a esse procedimento é aversivo.

É a pele, mais o estômago, e não a mente, que nos dizem quando as consequências morais, de uma escolha racional, são aceitáveis.

Corrigindo Goya, também os sonhos da Razão produzem monstros (recordemos a Aktion T4)
Imagem de perfil

De Maria Dulce Fernandes a 04.07.2019 às 11:28

A vazecotomia é reversível. Não querendo parecer nazi, penso que seria sim uma solução a considerar, Pedro. Se eu fosse a assistente social do Gonçalo, far-lhe-ia essa proposta.
Não lhe afecta a masculinidade e previne que mais crianças sejam postas no mundo sob condições adversas ao que seria considerado normal.
O Gonçalo foi considerado um indivíduo responsável, por isso todo e qualquer resolução terá quer ter o seu consentimento.
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 04.07.2019 às 11:43

previne que mais crianças sejam postas no mundo sob condições adversas ao que seria considerado normal

Que nojo de ideia: que só devam ser postas no mundo crianças em condições consideradas "normais" pela Maria Dulce. As pessoas que não estejam em condições que a Maria Dulce considere "normais" devem ser impedidas de ter filhos, se necessário através da vasectomia. Bonito. A ditadura da normalidade.
Imagem de perfil

De Maria Dulce Fernandes a 04.07.2019 às 11:54

Então venha a ditadura da anormalidade e viva a democracia. Procriemos inconsequentemente como cães e gatos, porque o que interessa é a quantidade.
Sem imagem de perfil

De kika a 04.07.2019 às 14:37

Peço desculpa, tem algo que me escapa nesta história.
As mulheres que brincavam com ele não são igualmente
responsáveis por este estado de coisas ?
Ou foi Gonçalo que deu à luz ?
( hoje estou na fase "alvoraçada )
Imagem de perfil

De Maria Dulce Fernandes a 04.07.2019 às 14:56

Conheço a rasparigas de vista , de irem pedir dinheiro ao Gonçalo. Como tentei explicar abaixo, sei que são todas do mesmo bairro social ali para Chelas. São novinhas, 18, 19 anos. Trabalham pontualmente mas vivem principalmente de subsídios e do dinheiro que o Gonçalo lhes paga.
Como já referi os good looks de um rapaz e o calor do momento podem embotar qualquer descernimento e depois é tiro e queda, Kika.
É por isso que pergunto, e as crianças, Senhor?
Sem imagem de perfil

De kika a 04.07.2019 às 15:38

Estava convencida que no nosso país,
as raparigas estavam bem mais informadas
de como essas " coisas " acontecem e de como
as prevenir. Pílula , pílula do dia seguinte e etc.
Compreendo a sua preocupação. Continuamos um país
de miseráveis e coitadas das crianças.
Aproveito a onda para a felicitar dos magníficos postais com
que nos tem brindado. Puro prazer . 🌻
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 04.07.2019 às 15:48

Compartilho a minha perplexidade com a Kika. Julgo que é amplamente sabido hoje em dia que há pílulas do dia seguinte, e abortos, para quem teve calores irreprimíveis e se arrependeu. Tenho a impressão de que esses filhos que a Maria Dulce vitupera foram, de facto, desejados pelas suas mães.
Imagem de perfil

De Maria Dulce Fernandes a 04.07.2019 às 15:57

Depois de saber que estavam grávidas? É capaz. Ainda há quem pense no amor e uma cabana e não tenha tido a capacidade de " perceber" o rapaz.
O Gonçalo não tem estrura emocional sequer para assumir uma família. Grande deve ter sido a desilusão.
Imagem de perfil

De Vorph "Girevoy" Valknut a 04.07.2019 às 21:52

Maria Dulce, o que por aí não faltam são cinquentões armados em valentões, possuidores de todos os traços da seriedade, mas deserdados da estrutura mental para "aguentar" a vida de familia.

Tenho como mantra de vida ser a facies da seriedade a melhor máscara da infantilidade. Por isso lhe digo, tenho fé de vir a conhecer uma pessoa mais séria do que eu.
Imagem de perfil

De Maria Dulce Fernandes a 04.07.2019 às 22:28

Não lhe posso dizer que não tem razão. Tenho plena consciência que esta nova geração é muito imatura e irresponsável, e não se pode sequer atribuir a atraso mental.
Imagem de perfil

De Vorph "Girevoy" Valknut a 04.07.2019 às 12:01

Fazer a proposta, mas não obrigá-lo, Dulce.

As Distopias são sempre ditadas pela lógica fria da razão.

Antes advogados no Parlamento que cientistas.
Imagem de perfil

De Maria Dulce Fernandes a 04.07.2019 às 12:03

Como já referi, Pedro, o Gonçalo não é inimputável, por isso todas as decisões passam por si.
Imagem de perfil

De Vorph "Girevoy" Valknut a 04.07.2019 às 12:04

Dulce, conheço pais que deveriam ser avaliados pela Serviços da Segurança Social, e só não o são porque têm como apelido Menezes, Telles, Souza, Maia, etc.....(os apelidos servem apenas para gerar um exemplo)
Imagem de perfil

De Maria Dulce Fernandes a 04.07.2019 às 12:22

Não é o apelido que conta é a capa de aparente normalidade sob a qual vivem.
É claro que tenho o meu entender do que é uma pessoa normal, famílias normais e crianças normais, que pode ser diferente do de outras pessoas, mas que não considero de modo algum distópico.
Fui criada dentro da " normalidade" que passei à minha descendência com ou meus updates pessoais e até ver tem funcionado muito bem.
Sem imagem de perfil

De Aurélio Buarcos a 04.07.2019 às 21:49

Cara Maria Dulce,
Calma, a vasectomia é reversível, não é bem assim. É um procedimento cirúrgico em muitos (na maior parte) casos irreversível.
Um homem que foi alvo de vasectomia pode voltar a ser pai?
Pode.
O esperma é-lhe retirado, directamente, dos testículos e através de inseminação artificial é possível.
Convenhamos que não é a mesma coisa.
Quanto ao caso em apreço, deixe o Gonçalo procriar à vontade, a vida é bela quando não damos cabo dela.
Sendo o rapaz, inimputável, a responsabilidade será das mães. Sendo elas incapazes de criar as crianças o Estado tem mecanismos próprios que resolvem essas situações (é para isso que pagamos impostos).
Deixe o moço tirar prazer da sua (dele) sexualidade e esqueça a parte da conversa, há alturas, há momentos, há situações que as palavras são dispensáveis.

Imagem de perfil

De Maria Dulce Fernandes a 04.07.2019 às 22:18

A vasectomia já é reversível e o estado não ajuda grande coisa quando ambos os progenitores são considerados responsáveis. Nunca mencionei que o Gonçalo é inimputável, apenas um responsável desequilibrado que faz filho e não tem condições para si, quanto mais para criar e educar crianças, Aurélio. Tirar as crianças aos pais é uma violência maior do que as pôr no mundo sem condições para as criar.
Sem imagem de perfil

De J. L. a 05.07.2019 às 00:11

"o Estado tem mecanismos próprios que resolvem essas situações"
Concordo com muito do que diz mas com esta não. Tanto para essa situação como para outras que eu conheço.
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 04.07.2019 às 11:40

o Gonçalo deveria ser vasectomizado

Que disparate e que barbaridade. Então agora a contraceção é uma obrigação de seja quem fôr? As pessoas são, e devem ser, livres de fazerem filhos! Não vivemos numa ditadura!
Imagem de perfil

De Maria Dulce Fernandes a 04.07.2019 às 11:52

Porque há casos e casos e em alguns deles não se trata apenas do indivíduo em si mas da descendência, e que seria benéfico até para o indivíduo em questão poder controlar já que não tem controle sobre si próprio, a vasecotomia seria uma excelente solução a considerar.
Como referi, nada pode ser feito contra a vontade to Gonçalo, porque apesar de ser deficiente, foi considerado um indivíduo responsável.
Se medidas como estas pudessem ser explicadas e aceites por pessoas com os problemas mentais do Gonçalo, talvez não houvesse tanto imbecil neste mundo a falar alarvidades.
Imagem de perfil

De Corvo a 04.07.2019 às 12:35

Na mouche, Luís Lavoura. No que toca à procriação não vivemos numa ditadura, não!
Vivemos numa coelheira.
Imagem de perfil

De Corvo a 04.07.2019 às 15:24

Segundo a ideologia demográfica do Luís Lavoura, se não vivemos deveríamos viver.

Este é o país sagrado,
com verdade por cima.
Todo o inútil faz sexo,
e todo o maluco procria.
Imagem de perfil

De Maria Dulce Fernandes a 04.07.2019 às 15:37

O sexo é inerente a todas as espécies. O resto será deontológico ou apelas lógico. E depois, se leram o que se escreveu, que não lêem, não há aqui qualquer eugenia genital. O rapaz não é inimputável.
Imagem de perfil

De Corvo a 04.07.2019 às 15:52

O sexo é inerente a todas as espécies, mas só os mais capazes acasalam, e, consequentemente procriam.
Maneira da Natureza garantir a sobrevivência, sempre no sentido do aperfeiçoamento.
Connosco e porque somos muito inteligentes, abre as pernas coração e toma lá uma cria.

Não tem lar nem tem pão
Nem vida de condição
Mas respira, pois então
Sem nunca se levantar do chão.
Imagem de perfil

De Vorph "Girevoy" Valknut a 04.07.2019 às 21:54

Só os mais capazes acasalam? A que dote se refere, caro Corvo?
Imagem de perfil

De Maria Dulce Fernandes a 04.07.2019 às 22:19

Pedro, então, essas coisas não se perguntam em público
Imagem de perfil

De Corvo a 05.07.2019 às 00:00

Ao poderio que a força concede.
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 04.07.2019 às 10:25

Vão sofrer misérias sem um lar, sem uma família, sem qualquer normalidade na vida.

Ao longo da história, milhões de crianças não tiverem lar ou família ou normalidade, no entanto fizeram-se e cresceram. No passado era normalíssimo mães morrerem no parto, pais morrerem em acidentes de trabalho, e outros desastres, e os órfãos sempre foram mais que muitos.

E não sofrem necessariamente "misérias".

É também um debate entre a qualidade e a quantidade. Se queremos que haja mais crianças, não podemos simultâneamente exigir que todas as crianças tenham condições que nós consideramos ideias. Temos que aceitar que, para que haja mais crianças, algumas delas não estarão inseridas em famílias ideais.

Deixemo-nos de histórias sobre famílias ideais e pais responsáveis, felicitemos sim as crianças por estarem vivas, por existirem.
Imagem de perfil

De Maria Dulce Fernandes a 04.07.2019 às 11:42

Que tipo de existência poderá ter uma criança com um pai no mínimo oligofrénico e sem apoio familiar , que é o seu principal provedor e de mais outras duas crianças e que vê em fins de semana intermitentes, e mãe de bairro social com empregos inconstantes cujo objectivo de vida é fazer o pai pagar o maismpossível em pensão de alimentos?
Que tipo de vida tem um homem com deficiência mental que ganha pouco mais do que o ordenado mínimo e que tem que se sustentar a si e a três filhos e é explorado pela própria família?
Felicitemos pois toda a gente por estar viva, claro, e deixemo-los apodrecer de indignidade porque o que interessa é que haja mais cranças.
Imagem de perfil

De Vorph "Girevoy" Valknut a 04.07.2019 às 13:51

Dulce:

O que são pais normais?

Existem anormalidaded mais subtis, mas não menos nefastas que as do pai Gonçalo. Caberia ao Estado fazer psicotécnicos aos futuros progenitores?

A partir de que salário se poderiam ter filhos? E quantos? Um casal com um rendimento de 2000€/ mês poderiam ter quantos filhos?

São perguntas que cientificamente podem ser colocadas, mas com arrepios.
Imagem de perfil

De Maria Dulce Fernandes a 04.07.2019 às 14:08

Pedro, estamos a falar de um caso concreto de uma pessoa dita não normal, que já tem 3 filhos e um futuro sem limites no que toca a procriar.
O que não se sabe, enquanto não se sabe, não se pode remediar ou prevenir e muitas vezes quando se sabe, já é tarde demais.
As perguntas que coloca não fazem qualquer sentido neste caso.
O Pedro não se considera uma pessoa normal, com uma família normal?

Imagem de perfil

De Vorph "Girevoy" Valknut a 04.07.2019 às 14:24

Não. Ao longo da minha vida tenho-me esforçado por não ser normal, e educado os meus filhos para o não serem.
Imagem de perfil

De Maria Dulce Fernandes a 04.07.2019 às 14:39

Não é verdade. Pode considerar-se diferente, mas mesmo dentro dessa diferença, pauta a sua vida pela normalidade que conhece ; não poderia ser de outro modo sem arriscar sofrer de alguma patologia psico-social.
Imagem de perfil

De Vorph "Girevoy" Valknut a 04.07.2019 às 16:10

O que me safa é que disfarço muito bem
Imagem de perfil

De Maria Dulce Fernandes a 04.07.2019 às 17:52

Ah, isso é certo, pois ninguém diria
Imagem de perfil

De Cristina Torrão a 04.07.2019 às 13:12

Por algo ter sido normalidade no passado não quer dizer que deva continuar a acontecer. É horrível para uma criança perder os pais, ou não ter quem cuide dela (seja qual for o tipo de família, o mais importante é a criança sentir-se amada e protegida). Ao longo da História, a maior parte dos órfãos sofreram abusos de todo o tipo e foram escravizados, ou caíram na criminalidade. E, hoje em dia, que tipo de futuro têm as crianças sem-abrigo, por exemplo, que vivem sozinhas na rua (um problema em muitos países)? Uma minoria consegue levar uma vida decente, em adulto. Essa ideia de que "se fizeram e cresceram" tem muito que se lhe diga. As cadeias, em todo o mundo, estão cheias de órfãos e de pessoas que tiveram uma infância do género que a Dulce prevê para este caso.
Imagem de perfil

De Maria Dulce Fernandes a 04.07.2019 às 13:19

Sem tirar nem pôr, Cristina ! Muito bem dito.
Imagem de perfil

De Corvo a 04.07.2019 às 11:42

E subitamente avivaram-se-me recordações da minha sábia mãe, nunca esquecidas mas nem sempre recordadas, que dizia.
- Quando se faz uma panela faz-se sempre uma tampa para ela.
Aplicado ao Gonçalo, até à data porque à velocidade vertiginosa que o predicado fazedor do imparável rapaz dispara, fizeram-se três tampas.
Não sabiam o que é a pílula.
Imagem de perfil

De Maria Dulce Fernandes a 04.07.2019 às 11:59

As progenitoras não são isentas de culpa, Corvo. O Gonçalo é um homem bonito e "foram na onda", acho eu.
Três crianças de três mães. O que está para nascer em breve é um rapaz... " para jogar à bola" com o pai.
Enfim...
Imagem de perfil

De Corvo a 04.07.2019 às 12:55

Nunca, mas nunca mesmo em toda a história da humanidade uma mulher foi na onda.
A menos que seja uma das tais tampas condizentes com a panela.
Imagem de perfil

De Maria Dulce Fernandes a 04.07.2019 às 13:05

Não tem outra explicação senão o clor do momento e que sim senhor, as aparências iludem, Corvo.
O Gonçalo não tem conversa para 5 minutos.
Sem imagem de perfil

De Anonimus a 04.07.2019 às 13:46

O Gonçalo é basicamente um Catraio, sem ideia de responsabilidade.
Mas não fez os 3 filhotes a solo, pois não?

Imagem de perfil

De Maria Dulce Fernandes a 04.07.2019 às 14:18

Pois não, Anonimus.
Posso apenas especular que a beleza física do Gonçalo e o "calor do momento", tenham contribuido para encantar 3 donzelas e tenha sido tiro e queda, porque o rapaz não tem conversa paea 5 minutos.
O que eu sei é que uma está de esperanças e as outras duas têm processos contra o Gonçalo no Tribunal de Família e Menores por causa das Pensões de Alimentos.
Tem meses em que o Gonçalo fica com menos 100,00 € para si, porque dá cerca de 175,00€ para cada filho e está a pagar uma trafulhice arranjada pelo próprio pai.
As mães têm empregos pontuais. Vão trabalhando até poderem ficar outra vez no desemprego.
E as crianças, Senhor?
Imagem de perfil

De Corvo a 04.07.2019 às 16:33

O Gonçalo é, essencialmente, um incansável paladino na sua épica empreitada de engrandecimento demográfico deste carenciado país.
Tudo que se locomova em duas pernas, tenha batimento cardíaco e um par de mamas, desperta em si as infatigáveis ganas procriadoras.
Imagem de perfil

De Maria Dulce Fernandes a 04.07.2019 às 18:09

O Gonçalo foi considerado responsável mas não acredito sequer que pense duas vezes sobre as consequências que podem advir de uns minutos de sexo, se a sua satisfação pessoal estiver em primeiro plano.
Sem imagem de perfil

De J. L. a 05.07.2019 às 00:18

"O Gonçalo foi considerado responsável mas não acredito sequer que pense duas vezes sobre as consequências que podem advir de uns minutos de sexo, "
Isso acontece com inúmeros homens. Sobretudo quando há soldadesca deslocada. Quantos filhos de americanos ficaram no Vietnam? Quantos filhos de soldados portugueses ficaram nas ex-colónias? E não conto os casos de violação (uso a força sobre a mulher), considero só os que foram fabricados com o consentimento da mulher.. Há numerosos exemplos e não acredito que se resolvam com vasectomia.
Imagem de perfil

De Maria Dulce Fernandes a 05.07.2019 às 01:09

Pois é , nem todos se resolvem com vasectomia, mas muitos deviam. Os violadores, os pedófilos e muitos jovens adultos com pensar de crianças de 8 anos como o Gonçalo, que fazem filhos ao desbatato sem sequer terem a noção se poderão subsistir. Que as mulheres sconsentiram, não há qualquer dúvida. Que foeam inconsequentes devido à idade ou à educação, também não, mas e as crianças , Senhor ?
Sem imagem de perfil

De António a 04.07.2019 às 14:12

Ainda não percebi bem se nesta história o Gonçalo estava sozinho quando fez os bebés, tipo milagre, ou se estava uma mulher presente no acto. E se estava uma mulher presente no acto, e se o Gonçalo já tem historial, qual é o conteúdo do crânio da mulher quando se coloca debaixo, ou em cima do Gonçalo, sem tomar as devidas precauções. Até perceber não sei bem quem devia ser castrado.
Imagem de perfil

De Maria Dulce Fernandes a 04.07.2019 às 14:23

Isso é coisa que me ultrapassa António.
Já tentei explicar ao Anonimus acima o que no meu ver se terá passado.
As pequenas são miudas de 18 /19 anos e o Gonçalo é um rapaz muito bonito.
Planeamento familiar deveria ser reforçado na escolaridade mínima obrigatória, mas mesmo assim...
Sem imagem de perfil

De J. L. a 04.07.2019 às 15:01

"Pedro, estamos a falar de um caso concreto de uma pessoa dita não normal, que já tem 3 filhos e um futuro sem limites no que toca a procriar."
Sem limites? Não precisa de colaboradora? As colaboradoras serão todas sonsas como o Gonçalo? Ou também devem ser submetidas a exame?
A tomarem-se as medidas que preconiza, não podem ser só para este Gonçalo, tem de se aprovar uma lei geral. Talvez instituir uma comissão para avaliar se cada casal tem condições para se reproduzir. Provavelmente quem tem doenças
genéticas (a doença dos pezinhos!!) deveria, não digo ser proibido, mas fortemente desencorajado (ou penalizado no IRS?) a reproduzir-se.
D. Dulce: à primeira vista as suas ideias repugnaram-me (desculpe-me utilizar palavras tão fortes) e depois de ter pensado antes de escrever este comentário, continuaram a desagradar-me profundamente. E se o Gonçalo fosse uma mulher? Que preconizaria?
Imagem de perfil

De Maria Dulce Fernandes a 04.07.2019 às 15:13

Não me consta que as mães das crianças tenham qualquer atraso mental. São miudas novas de um bairro social e o Gonçalo é um homem muito bonito.
Como já referi , terá sido o calor do momento ? Não sei. Como já referi, o Gonçalo não tem conversa para 5 minutos.
Se o Gonçalo fosse mulher, propunha exactamente o mesmo. Quantas mulheres com deficiência mental são abusadas ou indizidas aspo sexo e parem crianças quase tão crianças como elas??
E as crianças, Senhor??
Sem imagem de perfil

De Anonimus a 04.07.2019 às 18:55

Só leio que o Gonçalo era um rapaz bonito. Portanto, as raparigas foram enfeitiçadas. Noutros tempos o rapaz poderia ir à Fogueira.
Rai's parta, na minha prancha nenhuma de 18 ou 19 aninhos montava, ou era por ser feio (verdade) ou por naquela altura não haver ondas para elas irem. Não calhava nada.
As crianças? O que não falta aí é pais que tentam procriar mas não conseguem.
Imagem de perfil

De Maria Dulce Fernandes a 04.07.2019 às 19:10

O Gonçalo não era, é. É um rapaz muito bonito, o que faz pensar em todas aquelas balelas de beleza interior vs beleza exterior. Pensar que ( pelo menos!!) três raparigas foram "ingénuas" o suficiente para ficarem grávidas de um rapaz bonito mas "avariado" não é nada demais. A juventudo anda mesmo muito avariada. Houve quem alvitrasse que o ingénuo é ele e que as crianças não são suas filhas, mas isso não comento, já que perante a lei ele É o pai.
Quanto a famílias que não conseguem procriar e que optam pela adopção, nem sei se sabe que a maioria espera conseguir uma criança perfeita, e que antecedentes tais como cor de pele ( ai sim!) e atraso mental pesam muito no processo de adopção.
De qualquer modo quem detém o poder paternal são as mães, que são mães , e preferem espremer o Gonçalo muito para além do legalmente determinado.
Sem imagem de perfil

De Anonimus a 04.07.2019 às 23:02

Isso do "mãe é mãe", argumento válido em tribunal, devia ser alvo de intervenção das Capazes e restante cambada. Parece extramente sexista.
Imagem de perfil

De Maria Dulce Fernandes a 05.07.2019 às 00:11

Na questão do "mãe é mãe" dou-lhe razão. Há muito animalzinho com mais instinto maternal do que muitas mulheres.
E que tal em vez de placards, explicar-se ao Gonçalo que uma vasectomia, que já é reversível, só poderia incrementar a sua qualidade de vida. Podia ir para os bailaricos que quisesse e ter todas as brincadeiras que lhe permitissem, que não rebentava bolha ao fim de nove meses, não se punha mais um ser infeliz no mundo nem ele tinha que ser mais massacrado com outro sustento.
Isto não é defesa da eugenia ou nazismo, é lógica, pura e simples.
Sem imagem de perfil

De Miguel a 04.07.2019 às 19:00

O Gonçalo não tem culpa nenhuma, mas essa mania de fazer crianças primeiro e pensar depois vai levar provavelmente África aos três ou quatro biliões(10^9), quando eram pouco mais de 200 milhões em meados do século XX. Na Ásia já é o que se sabe, a única consolação é que com uma demografia tão robusta as contas da segurança social e as reformas estão garantidas!
Imagem de perfil

De Maria Dulce Fernandes a 04.07.2019 às 19:22

O Gonçalo só pensa nas consequências quando recebo o ordenado no final de cada mês e não tem como viver com o que recebe.
Tem alturas que anda muito em baixo porque não tem dinheiro para estar com os filhos aos fins de semana, mas nem por isso deixa de fumar um maço de cigarros por dia, apesar de ter consciência do mal que lhe faz à saúde e de que não pode suportar o vício. Ou os vícios, se pensarmos bem.
Sem imagem de perfil

De J. L. a 04.07.2019 às 19:45

"pensa nas consequências quando recebo o ordenado no final de cada mês e não tem como viver com o que recebe. "
O que diz é muito justo mas penso que não podemos olhar só para este caso. Tenho pensado no assunto e verifiquei que conheço (directa ou indirectamente) muitos casos parecidos. Portanto ou se faz uma lei geral ou ... nada feito. Um subsídio de invalidez? Internamento psiquiátrico? Alguém (assistente social) que olhe por estes casos? Quanto a internamento cheguei á conclusão de que há casas óptimas para o efeito (exemplo a casa de Alba) que chegam a ser luxuosas. Mas mesmo as não luxuosas só servem para gente (muito) rica. Depois de o seu post me ter levado a meditar nisto encontrei muitos casos, alguns até em parentes próximos. Resumindo: havendo dinheiro tudo se resolve. Não havendo a solução é ir para sem abrigo. E casos de famílias com um membro esquizofrénico? Toda a família é desestabilizada. Todos os casos que conheço me parecem bem piores que os do Gonçalo.
Imagem de perfil

De Maria Dulce Fernandes a 04.07.2019 às 20:58

Este caso do Gonçalo é igual a muitos outros e diferente de todos, J.L.. O Gonçalo foi avaliado por uma junta médica e considerado responsável. Tem emprego, paga impostos e teria direito a viver modesta mas tranquilamente, não fora não poder. Ser internado porquê? Tirar a liberdade a uma pessoa que até está integrada na sociedade sem ter cometido quaisquer crime?.
Os impulsos sexuais todos os seres vivos têm e seguem-nos com maiores ou menores consequências. No caso do Gonçalo e das 3 ( que se saiba) raparigas as consequências têm direitos, como os têm as mães e o pai, por muito inconsequentes que tenham sido.
A vasectomia não é um bicho papão, caramba! Nem a isso pode ser obrigado, mas que pode e deve ser a isso aconselhado, ah pode.
Pode continuar a sua vida complicada e cheia de problemas, sem ter que a complicar ainda mais.
Nos casos de famílias com membros que tenham psicopatologias graves identificadas, seguramente estão medicados e a família organiza-se para assistir a pessoa doente em momentos de crise. O Gonçalo não não família que o apoie, apenas o explora o máximo que pode.
Tem assistência social, claro, mas por lá não têm soluções para todos os problemas do Gonçalo. Ajudam com a medicação dele e com apoio de creche para as crianças. Mas pergunto-me o que acontecerá se as coisas continuarem como estão . E as crianças Senhor?
Imagem de perfil

De Vorph "Girevoy" Valknut a 04.07.2019 às 21:59

Não se preocupe, Miguel! Em África as pessoas ainda morrem com doenças de cães.
Imagem de perfil

De Maria Dulce Fernandes a 04.07.2019 às 22:24

É bem verdade, infelizmente.
Sem imagem de perfil

De Vento a 04.07.2019 às 22:05

Com alguma ironia, Dulce, por aquilo que percebi e tenho percebido em seus comentários, o problema parece ser a obsessão que elas sentem pela beleza do Gonçalo. Elas também sabem que podem engravidar.
Que tal propor ao Gonçalo uma cirurgia plástica que lhe altere a beleza, para ver no que dá?
Será que elas, no calor do momento, terão filhos de um outro bonitão a quem se deva equacionar a mesma solução (cirurgia plástica)? Se ocorrer, elas também precisarão de alguma solução.

Bem, enquanto não existir consenso, talvez não fosse má ideia alguém vigiar as crianças. Pois o Senhor coloca em outras mãos, e não só dos pais, o destino delas.
Imagem de perfil

De Maria Dulce Fernandes a 04.07.2019 às 22:23

O problema, Vento, é a incapacidade que estas pequenas têm em "ler" o Gonçalo. É para elas um homem de sonho ? provavelmente, caramba! Mas e o resto ?
Só mesmo um comentário sobre outro tipo de cirurgia para evitar males maiores para me fazer rir.
Sem imagem de perfil

De Vento a 04.07.2019 às 22:32

Bem, então, estamos perante dois incapazes, a seu ver. Que tal colocar um tabuleta pendurada no Gonçalo com os seguintes dizeres: Atenção, muita atenção, eu só sou bonitão!! Quiçá todas as demais consigam ler melhor.
Imagem de perfil

De Maria Dulce Fernandes a 05.07.2019 às 00:18

E que tal em vez de placards, explicar-se ao Gonçalo que uma vasectomia, que já é reversível, só poderia incrementar a sua qualidade de vida. Podia ir para os bailaricos que quisesse e ter todas as brincadeiras que lhe permitissem, que não rebentava bolha ao fim de nove meses, não se punha mais um ser infeliz no mundo nem ele tinha que ser mais massacrado com outro sustento.
Isto não é defesa da eugenia ou nazismo, é lógica, pura e simples.
Sem imagem de perfil

De Vento a 05.07.2019 às 11:23

Quer a Dulce dizer: um vez que elas não se acautelam, bóra lá tratar do Gonçalo.
O que eu ainda não consegui compreender é essa sua ideia de que o Gonçalo, o insano na sua perspectiva, é o culpado da insanidade calorosa, sã na sua perspectiva, das que o acompanharam, mas a dele, a calorosa insanidade, não é. Elas caíram por ele ser um bonitão; ele terá provavelmente entendido que elas eram boas.
A questão é simples, Dulce, o Gonçalo não engravida, e não consta em seu postal que seja um violador e tenha forçado alguém.
Imagem de perfil

De Maria Dulce Fernandes a 05.07.2019 às 11:41

Vento, o Gonçalo não cometeu qualquer crime. Fez o que fez, com consentimento de quem fez com ele. A questão aqui é que provavelmente voltará a fazer. Elas que se cuidassem, diz o Vento. Claro que sim, mas não são elas quem se lixa nesta história toda, caramba! São as crianças, Senhor Vento.
Sem imagem de perfil

De Vento a 05.07.2019 às 11:51

Eu já apontei solução para as crianças, é necessário vigiá-las. Qual é a sua? Vasectomia do Gonçalo? E elas, as mães, o que preconiza para elas? Esterilização?

Claro que sim, elas que se cuidem: são elas que engravidam. Se o sexo é consentido, são elas que têm de se cuidar, e de duas formas: ou pedindo que eles andem com e comprem preservativos ou andando elas com preservativos.
Imagem de perfil

De Maria Dulce Fernandes a 05.07.2019 às 12:04

Se os espermatozóides do Gonçalo em vez de genes defeituosos pudessem contaminar alguém com uma doença grave sem ele ter disso consciência e elas muito menos, elas que se cuidassem, claro!
Num mundo perfeito, as crianças teriam vigilância. Nos projectos em Chelas (onde as progenitoras cresceram e vivem) , isso parece anedota Vento.
Desligue o machismo por 5 minutos e pense que se uma das mães fosse sua filha e o seu neto nascesse como o pai, não pensaria como eu.
Sem imagem de perfil

De Vento a 05.07.2019 às 12:13

Isso que agora aponta não é argumento. São exercícios de imaginação para manter a sua perspectiva que elas, coitadinhas, o sexo fraco e fragilizado, por muito conscientes que sejam não podem resistir à insanidade que a beleza é. Não vá pela onda do feminismo, que em tudo encontra argumento para fragilizar a mulher. Neste caso, e em outros também, escudando-se com crianças.
Imagem de perfil

De Maria Dulce Fernandes a 05.07.2019 às 12:22

Vá lá, Vento, deixe-se disso. Eu não sou feminista, nunca fui, nem pretento apoiar excessos.
Qualquer pessoa com cabeça consegue perceber que neste caso particular as miudas foram ao engano e tramaram-se. A consequência são 3 crianças, 3 mães, o mesmo pai, para já duas com "atrasos de aprendizagem " . E o Vento acha normalíssimo que o rapaz continue por aí a fazer filhos. Benza-o o santo sexismo masculino.
Sem imagem de perfil

De Vento a 05.07.2019 às 12:32

Não é feminista mas dá uns toques.

Dulce, elas engravidaram não através da respiração mas por contacto efectivo. Quer a Dulce dizer que elas colidiram com o Gonçalo por ter o "veículo" muito bem artilhado. Ou seja, queriam ver o tuning mais de perto.
Já estou benzido há muito, pois sou um ser divino.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 05.07.2019 às 14:19

"Desligue o machismo" Machismo???
Imagem de perfil

De Maria Dulce Fernandes a 05.07.2019 às 17:10

Ena tanta interrogação, caramba!
Também me interrogo quem estará por detrás de tanto ponto.

Comentar post



O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D