Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Manobras comunistas

por Pedro Correia, em 18.10.17

O PCP nem quer ouvir falar em qualquer moção de censura ao Governo socialista, apoiado desde o primeiro instante pelo partido da foice e do martelo na Assembleia da República. Com profundo desdém, até com um certo ar de repulsa, os comunistas consideram que iniciativas como a que o CDS já anunciou não passam de "manobras parlamentares".

Jerónimo de Sousa tem particular autoridade para se pronunciar nesta matéria. Acontece que o PCP é, de longe, o campeão das moções de censura em Portugal. Nos últimos dez anos, houve nada menos de 12 - metade das quais promovidas pelo PCP, tendo uma sétima ficado a cargo do PEV, partido satélite dos comunistas.

Concretamente, nos seis anos de mandato de José Sócrates a bancada parlamentar vermelha apresentou três moções de censura. E patrocinou outras tantas durante os quatro anos do Executivo Passos Coelho.

Campeões das "manobras parlamentares", portanto. E da duplicidade de critérios. Nada de novo na frente parlamentar. 

Autoria e outros dados (tags, etc)


27 comentários

Imagem de perfil

De jpt a 18.10.2017 às 15:49

Excelente memória, esta tua.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 18.10.2017 às 23:03

Felizmente ainda não preciso de tomar Memofante, meu caro.
Sem imagem de perfil

De Vlad, o Emborcador a 18.10.2017 às 16:08

Pare lá com isso!!!
Não preciso de saber matéria a mais. Depois quer que vote em quem?
Fico em casa?
O BE desiludiu-me
Nos de direita também não voto.
O Arnaldo Matos já se pronunciou?
Sem imagem de perfil

De Costa a 18.10.2017 às 17:07

Incomodam, os factos, é isso? Ainda bem que alguém os divulga. Mas não se assuste, a divulgação é a este nível, de blogue, para muito poucos (mesmo quando muitos) leitores.

Nada disto chega às massas, aliás paulatinamente intoxicadas com a "verdade" e o maniqueísmo que por vasta e devastora maioria imperam. Algum senhor ou senhora jornalista colocou esta questão, elencando estes dados, ao representante do PCP que esta manhã perorava perante os microfones das televisões? Não.

Por simples e vastíssima incompetente ignorância, atendendo desde logo à profissão, ou por mais profundas razões?

Costa
Sem imagem de perfil

De Vlad, o Emborcador a 18.10.2017 às 18:17


Devo acreditar nestes Costa?
Na turba do PSD/CDS/PS?

O Caso Portucale refere-se a um caso de corrupção que envolve o XVI Governo Constitucional de Portugal relacionado com a aprovação de um empreendimento turístico da empresa Portucale, na Herdade da Vargem Fresca, em Benavente, Benavente.

A 31 de Maio de 2010 foram levados a julgamento onze arguidos: Abel Pinheiro, Carlos Calvário, José Manuel de Sousa e Luís Horta e Costa (estes três ligados ao Grupo Espírito Santo), António de Sousa Macedo (ex-diretor geral das Florestas), Manuel Rebelo (ex-membro da Direção Geral das Florestas), António Ferreira Gonçalves (ex-chefe do Núcleo Florestal do Ribatejo), Eunice Tinta, João Carvalho, Teresa Godinho e José António Valadas.

No decorrer da investigações do caso Portucale foram apreendidos documentos em buscas e feitas escutas telefónicas entre Abel Pinheiro, Paulo Portas e António Pires de Lima. Numa das conversas interceptadas, Abel Pinheiro conversava com Portas sobre "acordos" possívelmente com Luís Horta e Costa, então presidente da ESCOM. No despacho com que iniciou a investigação é referido que existe uma "aparente desproporção" entre os 30 milhões de euros recebidos pela ESCOM e a "real intervenção de tal empresa no negócio".

A partir de escutas a conversas envolvendo o ex-director financeiro do CDS-PP, Abel Pinheiro, Paulo Portas, e um administrador da Escom, do Grupo Espírito Santo, Luís Horta e Costa, foram levantadas dúvidas sobre alegados "compromissos" com vista a favorecer o consórcio vencedor em troca de financiamento partidário.





Sem imagem de perfil

De Costa a 18.10.2017 às 21:58

E disso que escreveu, o que é que invalida o meu comentário anterior?

Costa
Sem imagem de perfil

De Vlad, o Emborcador a 18.10.2017 às 22:59

Invalida-o na medida de tais factos serem comuns a todos os partidos. E a todos os regimes. Sendo inerências sistémicas deixam de ser atipias passando a ser propriedades de funcionamento de qualquer sistema politico/poder/partido.

Passam de problemas, nos sentido de perturbação, a leis de funcionamento de qualquer sistema politico normal.

E considerando que o PCP nunca esteve no poder, talvez devêssemos olhar para outro lado se pretendermos avaliar quem são os responsáveis pelo estado do Estado.







Sem imagem de perfil

De Costa a 19.10.2017 às 10:10

Nunca esteve no poder? Onde andava você nos tempos do PREC e da destruição da economia a que então deliberada e metodicamente se procedeu?

Mas percebo que para você esse partido é entidade credora de todo o respeito e não o representante fanático de uma ideologia demonstradamente falida e em nome da qual se cometeram as maiores atrocidades e se matou mais do que no nazismo, e para quem a democracia que nos permite aqui trocar impressões é coisa de burguesia decadente e absolutamente repugnante. Útil apenas na medida em que permita alcançar o objectivo de lhe pôr termo.

Quanto ao resto, o mal que uns fizeram não me impede de ver e apontar o mal que outros fazem. E optar pelo mal menor (que é manifestamente o que nos resta, sem ilusões, ir fazendo).

Divergimos, nós dois, está visto, no que tomamos como mal menor. E podemos demonstrá-lo. Já com o PC no poder - e anda lá bem perto, por estes dias - eu pelo menos não o poderia fazer.

O que deve estar muito bem para si.

Costa
Sem imagem de perfil

De Vlad, o Emborcador a 19.10.2017 às 11:39

Deve estar a brincar comigo! O PREC?? O PREC durou meses. Depois disso passaram-se 41 anos!!!!!!!!!!!!!!!!!

Talvez devesse dar mais importância aos 40 anos da ditadura atávica, dos avés-marias, em que Portugal morreu.

Claro que houve nacionalizações e perseguições aos que se tinham alimentado e sido coniventes/suportado o Estado Novo. Estava à espera do quê? De palmadinhas nas costas?

Um mata-borrão na memória, daqueles que sofreram na pele as perseguições politicas e pidescas, as torturas, a destruição das suas famílias, pela vida na clandestinidade, por ousarem levantar a voz contra um regime anacrónico e persecutório?
(não só comunistas, mas também muitos republicanos militares).

Daqueles que perderam o emprego por ousarem levantar a voz contra o esbulho a que eram submetidos?

Qual o grupo económico estabelecido que apoiou o 25 de Abril de 1974? Todos eles viviam da mama do Estado Novo, das suas tarifas e proteções alfandegárias.

Qual a Revolução a que não se lhe segue um período de ajuste de contas/guerra civil? A de Portugal teve a particularidade de ser muito mansa e muito breve.

Depois disso entregaram-se tudo aos mesmos de sempre, pela mão do PS e de Mário Soares. E vejam o que eles fizeram?

O Costa olha para a história apenas com o intuito de achar nela argumentos, acidentes, que justifiquem aos seus preconceitos apriorísticos. Assim não se vai a nenhuma parte. Nada se aprende. Uma perda de tempo
Sem imagem de perfil

De Vlad, o Emborcador a 19.10.2017 às 12:01

"ideologia demonstradamente falida e em nome da qual se cometeram as maiores atrocidades"

O capitalismo está aí pujante, bem se vê. E em nome dele as guerras que se travaram foram sempre em nome da liberdade, correcto?

Quanto a Mao e a Estaline eram psicopatas que em nome do comunismo procuravam apenas o Poder. Era tão cristãos como o Papa Alexandre VI.

Como referência fica Rosa Luxemburgo, uma comunista que criticou todas as formas de violência operadas, hipocritamente, em nome do povo.

"A liberdade apenas para os partidários do governo, só para os membros de um partido - por numerosos que sejam - não é a liberdade. A liberdade é sempre, pelo menos, a liberdade do que pensa de outra forma (...). Sem eleições gerais, sem uma liberdade de imprensa e de reunião ilimitada, sem uma luta de opinião livre, a vida acaba em todas as instituições públicas, vegeta e a burocracia se torna o único elemento ativo. [...] Se estabelece assim uma ditadura, mas não a ditadura do proletariado: a ditadura de um punhado de chefes políticos, isto é uma ditadura no sentido burguês [...]".

(Rosa Luxemburgo; em "A Revolução Russa")

Mas isto nada lhe interessará.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 19.10.2017 às 16:54

viva o comunismo. a esquerda é que mais endireita, camarada Vlad.
enfim, é como Fátima. há sempre quem acredite.
a corrupção é inerente ao sistema. esta fez a delícia desta minha tarde entediante. na União Soviética era o homicídio. portanto até estamos bem.
Sem imagem de perfil

De Vlad, o Emborcador a 19.10.2017 às 17:26

Aprenda a ler.
Onde é que eu defendo a URSS?

Todos os regimes, toda a ideologia tem esqueletos no armário.
Sem imagem de perfil

De Costa a 20.10.2017 às 13:39

Aprecio, Vlad, a sua simplista, maniqueísta, asséptica e tão politicamente correcta visão do imediato (não apenas tão imediato, muito mais do que um punhado de meses e com efeitos até hoje - efeitos que você tanto apreciará) pós-25 de Abril de 1974.

Só quem o mereceu - e ninguém mais - sofreu com as loucuras desses tempos. Que de loucura nada tiveram, pois o caminho e as acções foram correctíssimos. Ficamos entendidos.

E registo também a sua lição sobre a beatitude do comunismo. Ainda que nem um dos seus seguidores que tenha alcançado o poder, curiosamente, se recomende.

Está então muito bem. Fiquemos assim. Não vale de facto a pena prosseguir esta troca de comentários.

Costa
Sem imagem de perfil

De Vlad, o Emborcador a 18.10.2017 às 16:13

O Pedro, com tanto arquivo, também tem alguma pasta à la Hoover com os escândalos sexuais desta malta?
Sem imagem de perfil

De Maria Dulce Fernandes a 18.10.2017 às 16:36

Assim uma espécie de Wag the Dog à Portuguesa?
Ter memória eidética ou ser A Man Called Shenandoah...destes hà-os aos milhões...
Sem imagem de perfil

De Vlad, o Emborcador a 18.10.2017 às 19:27

"memória eidética ou ser A Man Called Shenandoah"

Tive que ir ao Google tradutor
Sem imagem de perfil

De Maria Dulce Fernandes a 18.10.2017 às 22:11

E eu que já me tinha convencida que o Vlad não era um alter ego do Putin....
Sem imagem de perfil

De Vlad, o Emborcador a 18.10.2017 às 23:01

Mas agora deu-lhe para falar como um oráculo?
Que tisana anda a tomar?
Sem imagem de perfil

De Justiniano a 18.10.2017 às 16:41

Esta é inolvidável. Há-de vencer registo nos anais da lata política!! Foram desflorados, perderam a inocência, coitados!!
E a voz tremula do Oliveira, em defesa da Ministra, que as demissões não resolvem nada. O PCP que detém, isolado e destacado, o record de pedidos de demissão de ministros, quando não de governos inteiros!! Algo verdadeiramente intrigante, esta coisa do PCP. Temo chegarmos ao ponto em que o PS deixará sozinho o PCP em defesa deste governo!!
Imagem de perfil

De Robinson Kanes a 18.10.2017 às 17:45

Pedro, não se esqueça de acrescentar as moções do BE... Eu sei que andam desaparecidos, mas... :-)
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 18.10.2017 às 23:08

O BE é um caso diferente, meu caro. Também apresentou várias moções de censura (três nos últimos dez anos) mas pelo menos, tanto quanto sei, não anda agora a equiparar essa moções - quando são apresentadas por outros - a "manobras parlamentares".
Imagem de perfil

De Robinson Kanes a 19.10.2017 às 00:49

Tem razão. Mas não andam lá longe...
Sem imagem de perfil

De jerry khan a 18.10.2017 às 17:59

as múmias não ressuscitam
Sem imagem de perfil

De João Marques a 18.10.2017 às 18:19

Se bandidagem não fosse epítome de "política portuguesinha" talvez ficasse surpreendido com a mera incoerência de irracionais que ainda louvam o grande líder.

A presença na AR deveria ser indissociável de uma carta de estupidez por pontos.
Perfil Facebook

De Rão Arques a 18.10.2017 às 21:08

Quando esta gente fala em manobras parlamentares alguém lhes lembre que é preciso estabelecer a diferença entre aquilo que se discute a céu aberto no parlamento e os arranjinhos de caserna na sombra dos corredores ou no segredo dos recantos escondidos e sombrios. Uns bem ou mal estão na casa da democracia sem esconderijos, enquanto outros se acoitam envergonhados na preparação de tramoias sem decoro nem coluna vertebral. O mínimo que se exige a estes é que quando alegam manobras alheias, melhor seria que se deixassem estar de bico calado.
Sem imagem de perfil

De singularis alentejanus a 19.10.2017 às 09:53

Quero lá saber dos fdp dos comunas e quejandos, neste momento o mais importante para mim é que já está nas bancas um novo Astérix.
(Só para arejar o ambiente, tão carregado tem estado desde Junho)

Comentar post



O nosso livro





Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D