Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Delito de Opinião

Livros de corpo e alma

Pedro Correia, 19.09.21

Fernanda Castro.jpg

 

Quem costuma ler-me sabe que aprecio autógrafos. Se forem de escritores, tanto melhor. Recentemente, um pouco ao sabor do improviso, vieram parar-me às mãos livros com assinaturas de dois autores portugueses, ambos já falecidos: Augusto Abelaira (que ganhou fama como prosador) e António José Forte (mais conhecido como poeta). 

Também por estes dias, tentando pôr alguma ordem na minha biblioteca caseira, reencontrei este autógrafo personalizado que me dedicou Fernanda de Castro, notável romancista, poetisa, cronista e memorialista - conhecida sobretudo, algo injustamente, por ter sido mulher de António Ferro, mãe de António Quadros e avó de Rita Ferro.

Fernanda de Castro (1900-1994) deixou-nos vasta obra. Falando apenas de literatura, basta mencionar Ao Fim da Memória, saborosas evocações de uma época longínqua, centradas na Lisboa pessoana - sim, ela privou com Fernando Pessoa, entre tantos outros vultos intelectuais e políticos do século XX português. E também esta Maria da Lua, de óbvio cunho autobiográfico ambientado numa Almada ainda povoada de quintas, muito antes da construção da ponte.

Este autógrafo surge precisamente num exemplar desse romance, ao ser reeditado pela Verbo quatro décadas após a edição original, que valeu à autora o Prémio Ricardo Malheiros de 1945 - que no ano anterior distinguira Mau Tempo no Canal, de Vitorino Nemésio, e viria a consagrar prosadores tão diversos como Fernando Namora, Alves Redol, David Mourão-Ferreira, Ruben A, Agustina Bessa-Luís e Lídia Jorge.

«Ao Pedro Correia, com simpatia e apreço, oferece a Fernanda de Castro», escreve a autora, com bela caligrafia - daquelas que já não se usam nesta época em que a letra tipográfica impera. É dos livros que guardo com mais carinho nas minhas estantes. Exemplar único, irrepetível. Prova viva - mais uma - de que existe algo de perene na literatura. E que nenhum prodígio digital substitui um livro enquanto objecto físico. Que não tem apenas corpo: também tem alma.

2 comentários

Comentar post