Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Lido

por Sérgio de Almeida Correia, em 15.08.17

"O delírio é tal que basta ler duas linhas do que expelem esses ditos “comentadores” para perceber que, na maior parte das vezes, nem se deram ao trabalho de ler o que se propõem “comentar”. Para esta turba maledicente é suficiente olhar para o nome que assina a crónica (ou de quem assina um outro comentário) para dar largas à imaginação e mergulhar numa orgia de enxovalhos, capaz de enervar o escritor mais bonançoso. A crónica mais inócua sobre o tema mais inofensivo é capaz de desencadear a mais indignada das reacções destes verdadeiros cruzados da violência verbal, de modo que, o que começou como uma tentativa de promover o debate, a troca de ideias, a argumentação em torno do conhecimento nas suas diferentes formas entre quem opina e quem lê e crítica, rapidamente se transformou num antro de degradantes ataques pessoais. A tentativa mais bem-intencionada de promover discussões construtivas entre os diferentes interlocutores cai rapidamente para o chamado whataboutery, termo que só há pouco conheci, mas que define na perfeição o exercício a que muitos se dedicam: se eu escrevo um artigo sobre “árvores de fruto”, porque é que não falo de “ervas aromáticas”?, tenho alguma coisa contra as ervas aromáticas?, vê-se logo que sou xenófoba (ah, pensavam que a palavra não se aplicava, não era, vão lá ler comentários…)!"

Autoria e outros dados (tags, etc)


6 comentários

Sem imagem de perfil

De sampy a 15.08.2017 às 12:15

Caro Sérgio: se a carapuça te serve...
Sem imagem de perfil

De Julianna a 15.08.2017 às 12:17

O homem pensa antes de fazer besteira. E depois também. ( Georges Najjar Jr )
Sem imagem de perfil

De Vento a 15.08.2017 às 12:38

Sim, o whataboutery parece estar ligado a uma fábrica de doces. Usam-se ingredientes das mais diversas espécies para alcançar o produto final.

Vai daí, considero hilariante esta notícia:
http://www.jornaleconomico.sapo.pt/noticias/camaras-de-videovigilancia-nas-ruas-ja-podem-gravar-sons-198169

E mais hilariante ainda quando diz: "mas alerta para a necessidade de uma autorização do tribunal quando no raio da captação do equipamento puder atingir “casas ou edifícios habitados”. "
Qualquer um depreenderá que um equipamento desta natureza instalado nas ruas de uma cidade atinge não só os transeuntes como também os que estão em casa ou viaturas nas proximidades do equipamento.

Mais impressionado fico quando se afirma que "O gabinete de Constança Urbano de Sousa tem luz verde da Procuradoria-Geral da República, uma vez que o quadro legal português permite o recurso a este tipo de gravação caso se verifique “um perigo concreto para a segurança das pessoas e bens”.".

Significa isto que quando se sai à rua qualquer um é um perigo concreto para a segurança das pessoas e bens; e se, por exemplo, tiver uma conversa com alguém que diga respeito ao foro intimo e da privacidade das pessoas qualquer autoridade tem direito a participar na intimidade.

Esta porra do whataboutery é terrível.
Sem imagem de perfil

De Zeus a 15.08.2017 às 13:37

Precisamente, uma confirmação do meu comentário que surgiu em resposta ao comentário do João de Brito.
http://delitodeopiniao.blogs.sapo.pt/pensamento-da-semana-9483775#comentarios

Temos alguém que facilmente se descontrola emocionalmente, quase dá para imaginar "o fumo a sair debaixo do teclado" quando escreveu o poste mas, nem preciso mais do que transcrever partes desse meu comentário:

..."Se o hemisfério direito predominar, o instinto de sobrevivência desaparece e a pessoa será controlada pelas suas emoções e desenvolverá uma personalidade ingénua e de submissão."...
(mais controlada pelas emoções é impossível e se submete a uma qualquer teoria pré-definida sobre o que se pode ou não pode escrever, uma ideia perigosa que facilita quem queira impôr ditaduras)

..."Um Brinde extra, para os que, verdadeiramente, controlam, ter ovelhas a punir, incriminar, amaldiçoar, criticar, censurar, vetar e constranger... outras ovelhas."...
(dos melhores exemplos para comprovar tudo aquilo que escrevi mas, convém não tirar as palavras do contexto em que foram escritas)

Alguém que precisava aprender que o Mundo não gira à volta de uma só opinião.

"Posso não concordar com o que você diz, mas defenderei até a morte o seu direito de dizê-lo"

(Uma Frase que se liga a Voltaire mas, com a probabilidade de ter sido escrita por uma biógrafa de Voltaire, no Livro "The Friends of Voltaire", escrito por Evelyn Beatrice Hall sob o pseudónimo de S. G. Tallentyre, publicado em 1906)

Seja como for, temos o exemplo de alguém que, para garantir não haver mais Liberdade de Expressão, tomada pelo calor emocional, voltava a matar Voltaire, Beatrice Hall, e ainda queimaria todas as cópias do "The Friends of Voltaire", incluindo todos os Livros onde aparecesse o mesmo pseudónimo.

Quando através da História, passam Ditaduras e Revoluções e volta a haver pessoas como esta, assim, continuamos na mesma "roda de hamster" porque, há sempre aqueles que nunca querem aprender nada e, ainda se admiram que, o Mundo, em vez de melhorar só piore.
Sem imagem de perfil

De Justiniano a 15.08.2017 às 15:00

Mas o que é que têm contra a caixa de comentários!? Mas não se pode por lá escrever o que dá pela gana, assim sem mais!? Não concordo! Claro que não! Acho mais, muito mais e tal! E, sobretudo, acho mal, muito mal! Por estas e por outras é que o país está assim! E o escriba, aqui, devia era ir rachar lenha, de eucalipto, de preferencia que é para acabar com o eucalipto! E mais, acho que deviam subir a taxa de juro. Uma miséria, nem vale a pena poupar, assim!
E tal e mais não digo!!
Sem imagem de perfil

De glu glu a 15.08.2017 às 18:05

é protocolar, dissonância cognitiva ou simples mau feitio. mas depois abraçamo-nos todos e fazemos um jantar de bloggers.

Comentar post



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D