Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Leitura recomendada

por Pedro Correia, em 11.12.18

 

Carta ao aluno que não lê "Os Maias". De Afonso Reis Cabral, na  Visão.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


41 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 11.12.2018 às 11:17

Ainda ontem falávamos do ensino.
Este texto, muito criativo e literário na forma, é também muito assertivo na distinção entre o ensino que temos tido e o que deveríamos ter.
Não é por acaso que deveremos ser dos que mais investem (perdão, consomem) em explicações, per capita.
E eu diria que o verdadeiro desenvolvimento de uma sociedade está na razão inversa do gasto em explicações escolares.
Para nossa desgraça coletiva, é esse mesmo o ensino que temos tido:
- O adestramento canino, visando a habilidade de preencher testes e exames, segundo as expectativas, sem o contributo minimamente suficiente da inteligência e da criatividade dos intervenientes.
João de Brito
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 11.12.2018 às 11:34

O meu filho mais velho, que entrou agora na universidade, recusou-se a ler Os Maias. Nem sequer leu aquelas súmulas que são publicadas para alunos a ensinar-lhes o básico daquilo que deveriam ter lido. Para responder nos exames recorreu a cábulas que a mãe lhe fez.

Tal como não leu Os Maias, também não leu nenhuma das outras obras de leitura obrigatória.

Ele lê; mas coisas que lhe interessam e atuais. Não lê velharias.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 11.12.2018 às 12:49

Tal pai, tal filho.
Sem imagem de perfil

De Costa a 11.12.2018 às 14:45

Tal pai, tal filho, de facto. Devem os dois sacar da pistola quando lhes falam de cultura.

Costa
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 11.12.2018 às 15:14

Não exageremos, Costa. Só sacam da bisnaga.
Sem imagem de perfil

De Costa a 11.12.2018 às 15:33

Seja. Não será então uma pistola, mas não andará longe das suas vontades uma pira ritual onde essas "velharias" todas arderiam exemplarmente. O mundo ficaria bem melhor, sem dúvida, só com "coisas que interessam". Coisas "atuais", evidentemente.

De facto andam entes distópicos por aqui.

Costa
Imagem de perfil

De Vorph Ivanova a 11.12.2018 às 16:14

Costa, desculpe pelo da outra vez.
Sem imagem de perfil

De Costa a 12.12.2018 às 13:09

Refere-se àquilo da jovem sueca? Ó homem, onde isso já vai... Tenho razões para crer que ainda por aqui trocaremos vivas linhas de discórdia sobre isto ou aquilo. E esperemos que sim.

Afinal ainda não há muito tempo isso ser-nos-ia decerto impossível (salvo no recato de um encontro pessoal e em voz baixa, ou por correspondência desejavelmente inviolada e na confiança de que um não denunciaria o outro aos poderes de turno) e, tudo visto, tão pouco tempo passado depois desse e já as coisas se encaminham para que discordar, pensar diferente, volte a ser - leve a inteligentsia dominante o seu projecto até ao fim, e parece imparável - ousadia inaceitável.

Costa

Ps. Ali em cima escrevi "atuais" deliberadamente sem "c". Pareceu-me que se deveria na circunstância, tamanha a estupidez tão orgulhosa e arrogantemente afirmada no primeiro comentário a este postal, usar o infame "patois" lavourês.
Sem imagem de perfil

De Costa a 12.12.2018 às 13:57

Peço desculpa, a tremenda lavourada está, evidentemente, no segundo comentário.

Costa
Sem imagem de perfil

De Cristina M. a 11.12.2018 às 14:32

Xiça!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 11.12.2018 às 16:25

Também.
O ensino é, ele mesmo, uma velharia.
Todo virado para trás, de costas para a vida.
Nessa exata medida constitui-se como um doloroso mau trato à nossa criançada.
Porque é o que é um dia inteiro fechado numa sala, também de costas para os colegas, e de frente para alguém que debita frases feitas e tão velhas como os fenícios, como os gregos, como os romanos... que se guerrearam em horrorosas batalhas campais... enquanto, no bolso, interdito e sequestrado, o telemóvel cala a Guerra das Estrelas.
Que tortura!
Que desumanidade!
João de Brito
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 12.12.2018 às 11:10

Fazer cábulas para os exames do filho.
Nunca tal ouvi, destrutiva e mordaz a sua afirmação.
Sem imagem de perfil

De xico a 15.12.2018 às 22:01

Eu, que embirro com o Eça, leio-o sempre só pelo prazer de ter motivos para embirrar com ele. Só para ter o prazer de lhe dizer que o Camilo era melhor! Mas leio sempre.
Sem imagem de perfil

De Manuel Alves a 11.12.2018 às 12:12

"Só o facto de te meterem o livro à frente, de o analisarem contigo; pior, de o limitarem àquele tipo de estudo muito vazio que visa o exame, só isso já te estraga a vontade"
Aquele tipo de estudo muito vazio que visa o exame.!! Para ser sincero não percebo lá muito bem o que isto quer dizer. Mas tenho ouvido isto com tanta frequência que já cansa.
Imagem de perfil

De Vorph Ivanova a 11.12.2018 às 12:50

O problema principal, a meu ver, relaciona-se com a perda de importância da cultura ( o pensamento pelo prazer do pensar), em sentido lato, relativamente ao conhecimento tecnológico (o pensamento ao serviço da produção material). Mas também à proeminência de um certo tipo de ser - Homo economicus, um Homem egoísta, "pragmático", não reflexivo, quanto aos meios usados para alcançar um determinado fim, que ser quer imediato - derivado do que a modernidade, via publicidade, entende como realização pessoal / natureza humana/sucesso. Uma consumação pelo consumo.

Quantos usam a contemplação e não a aquisição na busca da felicidade? Uma minoria hoje e sempre

Porventura o "problema "dos Maias é mais antigo, não sendo de "hoje" . Penso que há 40 anos haveriam alunos que o liam e outros que o tresliam. Assim como os Lusiadas, ou a obra de Fernando Pessoa.

São velhos problemas recursivos.

Sem imagem de perfil

De lucklucky a 11.12.2018 às 13:56

Mas depois queres os "Serviços Públicos" que existem por causa do Homo economicus...
Imagem de perfil

De Vorph Ivanova a 11.12.2018 às 15:37

Aponto-te as estrelas e tu fixas-te no dedo!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 11.12.2018 às 16:00

Há uma grande vantagem que reconheço aos conhecimentos tecnológicos relativamente aos humanísticos.
Vantagem que reside na avaliação.
Nas tecnológicas a avaliação é direta e cristalina - se funciona, está certo; se não funciona, está errado.
Nas humanistas, tudo se torna muito subjetivo.
E nós adoramos esconder-nos, do mérito, atrás do subjetivismo.
Por um lado, tudo é relativo.
Por outro lado, somos todos iguais... todos funcionários públicos!
Perguntem aos sindicatos.
João de
Imagem de perfil

De Vorph Ivanova a 11.12.2018 às 18:09

Para o bom uso da tecnologia é fundamental um aprofundado conhecimento humanístico.
E o maior ou menor conhecimento humanístico determina o sentido da investigação cientifica - ex: telemóveis, ou sondas espaciais.
Sem imagem de perfil

De Manuel Alves a 11.12.2018 às 21:37

" haveriam alunos " Que grande calinada!!!! Imperdoável.
Imagem de perfil

De Vorph Ivanova a 12.12.2018 às 08:36

Havia...e é perdoável....pois ainda aqui estou.
Ou vai dar-me um tau tau?
Imagem de perfil

De Sarin a 11.12.2018 às 15:12

Sedução, nunca imposição.

E é esse um dos graves problemas da nossa sociedade, pois impõe mais do que seduz, obriga mais do que convida.
Pola lei e pola grei.

Aprender pode ser divertido, e não afasta o dever de dedicação. O direito ao ensino tem sido garantido, falta cumprir o direito à educação.

Significando mais do que juntar letrinhas, Ler é a porta entre brincar lá fora e crescer cá dentro.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 11.12.2018 às 16:54

"O direito ao ensino tem sido garantido..."
Isto é ser muito otimista.
O ensino tem sido tão mau que deixou de ser um direito para ser um dever.
E a prova está na obrigatoriedade até ao 12º ano.
Um pouco como na política e pelos mesmos motivos - não tardará que o voto deixe de ser um direito para ser um dever.
É assim o mundo às avessas em que vivemos.
Temos de reagir.
Com ou sem colete.
João de Brito




Imagem de perfil

De Sarin a 11.12.2018 às 18:02

Repare na distinção que fiz entre direito ao ensino e direito à educação.
Penso que responde e transforma o seu comentário em adenda e não em contestação.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 12.12.2018 às 15:17

E pensa muito bem.
Adenda: se nem sequer se ensina como deve ser, como deve ser a educação?!...
João de Brito
Imagem de perfil

De Sarin a 12.12.2018 às 15:51

Auto-consciência também educa para a busca da educação. Ninguém nasce ensinado, mas todos nascemos com curiosidade mínima, todos. É talvez o que nos leva a abrir os olhos mesmo quando privados de visão.
Imagem de perfil

De Sarin a 12.12.2018 às 16:34

Caro joão de brito, por acaso não terá um blogue e um email onde o possa contactar? Acredite que me daria um jeitão... não a mim, mas a uma ideia. Se ambas as respostas forem afirmativas, agradeço-lhe que siga as letras vermelhas acima e escreva para a @ que encontrar.

Obrigada :)
Imagem de perfil

De Sarin a 12.12.2018 às 21:38



João de Brito, ali o brincalhão teve piada mas falei a sério - e garanto que só o vou assediar um bocadinho, mas não assim :)
Imagem de perfil

De Teresa Ribeiro a 11.12.2018 às 16:54

Em boa hora recomendaste a leitura deste texto. Além de ter toda a razão e de saber interpelar os jovens a quem se dirige com inteligência, que maturidade e que elegância no estilo! O seu trisavô ficaria orgulhoso.
Fiquei com vontade de o ler.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 11.12.2018 às 19:34

"Ganda" Lavoura!
O Sousa Neto e o Dâmaso estarão orgulhosíssimos consigo !
E o Abranhos, o Abranhos também - mesmo sendo de outro "filme"...


JSP
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 11.12.2018 às 21:14

E o Eusebiozinho. O leitor Lavoura, por vezes, lembra-me o Eusebiozinho.
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 12.12.2018 às 12:31

Os argumentos que Afonso Reis Cabral aduz para se ler Os Maias são válidos igualmente para muitos outros livros. Com a vantagem de que esses outros livros são menos longos e tratam de temas mais atuais e de uma sociedade e uma cultura que os jovens compreendem melhor.
Imagem de perfil

De Sarin a 12.12.2018 às 16:41

Quem descuida a História hipoteca o Futuro. Vale para o concreto como para as artes, sendo que as artes cristalizam um pouco a visão do tempo em que são criadas as obras - e Eça fá-lo magistralmente e com abundância.
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 12.12.2018 às 18:18

Eu não digo que se deva descuidar a História. Mas, será necessário ou conveniente ou, sequer, possível, ensiná-la toda a todos os jovens ou crianças? Não será mais proveitoso deixar que algumas partes dessa História sejam apenas aprendidas e apreendidas por algumas pessoas (não por todas), e somente quando forem adultas?
À medida que a sociedade progride, certos conceitos e relações que para os nossos antepassados eram óbvios tornam-se muitíssimo complicados de explicar, porque já estão muito longe daquilo que agora se faz. Será necessário estarmos a exigir a todas as crianças e a todos os jovens que procurem compreender esses conceitos e relações, e interessar-se por eles? Não será mais correto que eles sejam aprendidos somente mais tarde e somente por aqueles que mostrem inclinação para isso?
Imagem de perfil

De Sarin a 12.12.2018 às 21:48

Se plantar uma macieira ou um limoeiro e não retirar os ladrões nem não orientar os ramos mais soltos, a árvore cresce, sem dúvida, mas os seus frutos serão irregulares, maioritariamente pequenos e terão uma maturação dificultada pelo excesso de folhagem. Talvez desbastando folhas e frutos consiga obter uma produção melhor, mas não tão boa como poderia ter sido - e terá muito mas muito mais trabalho e a árvore terá consumido muitos mais nutrientes e água. E não terá produzido muito mais oxigénio.


Assim acontece com as crianças e adolescentes que não são estimulados nem orientados.
Sem imagem de perfil

De André Miguel a 12.12.2018 às 19:57

Quem nunca leu Homero e Platão não sabe sequer ler.
Imagem de perfil

De Vorph Ivanova a 12.12.2018 às 21:36

Em grego clássico?
Sem imagem de perfil

De Manuel Alves a 12.12.2018 às 22:06

Ena pá, então eu sou analfabeto?? Só hoje o descobri (e em jovem fiz um doutoramento).
Sem imagem de perfil

De André Miguel a 13.12.2018 às 06:36

Se o Sr. Dr. não entendeu o meu comentário, sim, é analfabeto.

Comentar post



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D