Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Delito de Opinião

Isto está para piorar... e muito

João André, 23.03.20

Isto não vai melhorar tão cedo, na realidade a vida vai piorar. Mesmo que amanhã, por milagre, se anuncie que não há mais novos casos, continuará a haver casos nos outros países. E os que existem no própro país poderão continuar a contaminar outras pessoas. E aqueles que estão assimptomáticos poderão continuar a ser vecotres de transmissão. E as crianças podem não ser tão afectadas mas até por isso mesmo poderão contaminar outras pessoas se tiverem o vírus mas não a doença. Não, não vai melhorar tão cedo.

Mas vai piorar. Os locais mais óbvios para o ver são os restaurantes e hóteis e cinemas e teatros e cafés. Mas há também as empresas de transporte de passageiros ou mercadorias a serem afectadas. As fábricas que estão paradas por não fabricarem nada de fundamental para estes momentos. O desporto que não pode continuar porque vive do contacto. Até mesmo empresas que vivem da publicidade online porque não vale a pena comprar anúncios para atingir pessoas que gora não são consumidores.

Isto vai demorar, e muito. As pessoas vão recebendo salários por inteiro ou perto disso, mas a certa altura os cofres dos estados vão dizer chega. A solução será ir ao mercado e contrair dívida, mas também os bancos estão apertados, tendo já perdido biliões e biliões (sim, o bilião português, não o billion inglês) com as quedas nos mercados. Os bancos centrais ajudam dentro do que podem, mas é dinheiro virual que arrisca criar depois uma inflacção desenfreada. Vai demorar.

E depois de a produção retomar o seu caminho, nada vai ser como antes. Muitas empresas poderão simplesmente reenviar os seus trabalhadores para os seus postos de trabalho e voltar ao que faziam antes, ams pdoerão descobrir que o mercado já não existe. Uma empresa de automóveis vai descobrir que as poupanças dos consumidores desapareceram ou que o crédito apertou. As pessoas esperarão para comprar. Uma empresa de sumos pode descobrir que fornecedores não aguentaram o período e desapareceram, além de os consumidores provavelmente hesitarem antes de escolherem o seu Compal de pêssego em vez de um copo de água da torneira. As empresas que vivem de melhorar processos - de ajudarem outros a fazer mais com menos - poderão descobrir que os seus clientes não têm liquidez para comprar os seus produtos ou serviços e que estão a colocar todos os seus esforços em voltar a ganhar dinheiro.

E isto antes de vermos o realinhamento no panorama empresarial. Muitas empresas não sobreviverão, nuns sectores mais que noutros, e as que sobrevivam irão aproveitar-se para melhorar a sua posição. Isso a certa altura levará provavelmente a aumentos de preços. Basta imaginar que a TAP iria à falência. A Air France poderia aumentar as rotas para os voos para Paris mas, sem concorrência, poderia tentar espremer mais lucro de cada passageiro, especialmente sabendo que quem fizesse a viagem provavelmente iria pagar mais por necessidade.

E isto é no cenário de a vacina aparecer ou de os governos avançarem com a decisão de aceitar mortes em troca de um módico de normalidade. Até lá tudo será ainda mais complicado, com ou sem achatamento da curva.

Sim, vai demorar. E o pior está para vir. A doença que mais matará não será o covid-19.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.