Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Isto está a animar

por Sérgio de Almeida Correia, em 22.02.17

Divida_Publica_bruta_em_percentagem_do_PIB_entre_1

 

Pois é, contra factos não há argumentos, diz ele. 

Então e a dívida, que Passos Coelho, Gaspar e Maria Luís Albuquerque andaram durante quatro longos anos a fazer que encolhiam, e que António Costa está aflito para conseguir controlar, isso não interessa?

Já nem falo dos 10 mil milhões que entre 2011 e 2014, a Autoridade Tributária, na altura sujeita aos olhinhos da coligação PSD/CDS-PP, deixou sair de Portugal para paraísos fiscais, porque lá virá o tempo em que também mais essa roupa se lavará. Temo é que haja nódoas e odores que já não saiam e que também não possam ser imputadas aos antecessores.

O melhor mesmo, enquanto não sair o segundo volume da nova edição da sebenta do Prof. Cavaco, é aguardar pelas explicações do Prof. Bambo, personalidade de reconhecido mérito junto dos meios judiciais. Ele deverá ser, neste momento, o único capaz de se pronunciar sobre o que está a acontecer, e sobre o que mais irá acontecer aos portugueses, sem correr o risco de lhe serem chamados nomes feios. Por exemplo, como "burlão". 


3 comentários

Sem imagem de perfil

De Fernando S a 22.02.2017 às 12:12

Não percebo porque lançam os foguetes !!...
Por causa da "geringonça" o pais já perdeu pelo menos 2 anos : o ritmo de crescimento da economia, do investimento, do emprego, etc baixou em vez de aumentar, o estado das finanças públicas piorou (divida, taxas de juro, déficit excessivo, etc), as necessárias reformas estruturais de modernização do Estado e da economia foram revertidas ou adiadas,...
Mesmo os resultados menos negativos (déficit orçamental, desemprego, exportações) dependem mais do que foi feito anteriormente pelo governo anterior (consolidação das contas públicas, reformas estruturais com destaque para a flexibilização do mercado de trabalho, etc) e de factores externos favoráveis (politica monetária do BCE, preço do petróleo baixo, crescimento das economias dos parceiros económicos, aumento do turismo na Europa do Sul em resultado da insegurança ligada ao terrorismo, etc) do que da acção do governo actual.
Podemos mesmo dizer que estes resultados aconteceram apesar dos erros de politica e da inacção reformista do governo actual.
O pais está hoje pior do que estava em 2015 e muito pior do que poderia estar se não tivesse tido a "geringonça" : os portugueses vão pagar por isso mais cedo ou mais tarde !!
Sem imagem de perfil

De jo a 22.02.2017 às 21:07

O azar que os governos PSD CDS têm!

Durante o governo deles não conseguem cumprir um único dos objetivos que se propuseram por causa dos governos anteriores e, após saírem do governo, deixam tudo tão bem que os governos seguintes fazem um brilharete.

Uma injustiça! São os únicos governos que se seguem a outros governos e são seguidos por governos.
Sem imagem de perfil

De Fernando S a 23.02.2017 às 10:53

O governo PSD-CDS de Passos Coelho conseguiu cumprir o objectivo principal a que se propôs : tirar o pais da emergência financeira ("resgate") e da recessão herdadas dos governo PS de José Sócrates (com António Costa como n°2).

E se não tivesse sido substituido pela "geringonça" (ou seja, o mesmo PS da bancarrota agora aliado à extrema-esquerda) teria continuado a melhorar a situação, com contas públicas mais consolidadas (o déficit orçamental sem Banif teria certamente ficado abaixo dos 3% em 2015 e seria em 2016 certamente ainda mais baixo ; a divida pública, que tinha começado a descer em % do Pib, estaria hoje certamente abaixo dos 130% ; o pais teria saido do "lixo" e as taxas de juro estariam hoje muito mais baixas ; etc, etc) e com um crescimento da economia muito mais forte, provávelmente ao nivel dos paises que, como a Irlanda, sofreram processos de ajustamento semelhantes e que não foram interrompidos e revertidos abruptamente (a taxa de crescimento da economia no primeiro semestre de 2015, isto é, antes dos receios de um impasse e de uma mudança de politica em resultado das eleições legislativas, já tinha atingido os 2% anualizados e tudo apontava para que continuasse a aumentar ainda mais nos anos seguintes).

Com o governo da "geringonça", e apesar deste ter herdado contas públicas mais consolidadas e uma economia ajustada e em franca recuperação, esta dinâmica já foi perdida (mesmo as evoluções mais positivas como o emprego e as exportações perderam ritmo e poderiam ser hoje ainda mais favoráveis se o governo actual não tivesse parado completamente e mesmo revertido as reformas estruturais), o pais voltou a estar na primeira linha dos paises problemáticos e em risco de falência (pior só mesmo a Grécia).

Ou seja, o nosso pais (ou melhor, uma parte dos portugueses suficientemente inconsciente ou interessada para permitir a actual maioria de governo) não aprendeu ainda a lição da bancarrota e voltou a pôr o pau nas mãos do bandido !!

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D