Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Intolerâncias

por José António Abreu, em 25.03.15

Alastram, são cada vez mais assumidas, tornam-se moda. Quem, há vinte ou trinta anos, ouvira falar da intolerância à lactose ou ao glúten?


36 comentários

Sem imagem de perfil

De mariana a 27.03.2015 às 11:44

Não desejo mal nenhum a este senhor nem a ninguém, mas este tipo de pessoas deveria de ter estas doenças para dar valor a quem passa por elas. Sou mãe de um alérgico à proteína do leite de vaca, lactose, ovo e soja. Por esse motivo, sei o que é ter um filho muito mal e com risco de vida por estas alergias todas. Além das alergias tem inúmeros problemas derivados desta situação. Desejo que o sr. José António Abreu nunca conheça ninguém nesta situação. Pois tenho dúvidas se acodia a pessoa ou lhe matava. Sendo mãe de uma situação destas sei o que é as pessoas, e a própria família, dizeram que são manias. Mas felizmente tenho cá o meu filho por tantos cuidados que tenho com ele. Já dei importância a mais a uma pessoa sem raciocínio lógico.
Imagem de perfil

De José António Abreu a 27.03.2015 às 16:01

"Não desejo mal nenhum a este senhor nem a ninguém, mas este tipo de pessoas deveria de ter estas doenças "

Isto é um paradoxo, em que a primeira parte da frase apenas serve para aliviar a consciência. Lamento a sua situação (e, mais ainda, a do seu filho) mas não muda o meu ponto de vista. Começa a não se poder brincar com a saúde, já não se pode brincar com a religião (mas, evidentemente, somos todos Charlie), é melhor não brincar com a morte e o Pedro Mexia contava há umas semanas que até uma analogia meio disparatada - e totalmente inocente - que fizera envolvendo (se bem me lembro) tecelagem de tapetes de arraiolos ou algo similar (talvez fosse renda de bilros) gerara um protesto indignado.
E permita-me que lhe diga mais uma coisa. É natural que, perante situações que nos tocam, não gostemos de certas piadas ou posições. Mas se pensar um pouco vai chegar à conclusão de que:
1. O humor - todo mas especialmente o negro - é uma forma de defesa;
2. São normalmente as pessoas que levam tudo muito a sério que colocam bombas ou fazem despenhar aviões.

Comentar post



O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D