Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Imagine

por Alexandre Guerra, em 21.09.16

Quando o presidente americano Woodrow Wilson enunciou os seus famosos Catorze Pontos, em 1918, no final da Grande Guerra, tinha como ideal construir uma paz global para o mundo. Rapidamente se percebeu a ingenuidade da sua proposta e Wilson ficaria para a história como um idealista. Hoje é o Dia Internacional da Paz, uma daquelas datas que têm tanto de simbólico como de inócuo. Mas imaginemos que até seria possível...

 


4 comentários

Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 21.09.2016 às 11:29

Wilson ficaria para a história como um idealista

Bem, essa é a História que nos é contada. Que Wilson foi um idealista.

Mas um historiador rigoroso não diria isso.

Na verdade prática, Wilson, uma vez tomada a decisão de intervir na guerra de 14-18, lançou uma dramática campanha de intoxicação da opinião pública americana, pintando os alemães como diabos.

E creio que na América Latina Wilson também não foi nada idealista nem pacifista.

Um historiador deve relatar a verdade dos factos, não fazer interpretações nem generalizações que não se sustentem neles.
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 21.09.2016 às 19:48

Era de Esquerda, do Partido Democrata por isso é "idealista" , outro termo por exemplo "idiota" seria usado se não fosse.

Mas vejamos outros dos seus ideais:

Primeiro filme a ser visto na Casa Branca:
The Birth of the Nation(derivado do The Clansman)

Na sua administração pela primeira vez desde a Guerra Civil os departamentos passaram a ser segregados.

Ou Eugenismo...
Sem imagem de perfil

De ariam a 21.09.2016 às 20:14

Depois de Soros, as Nações Unidas querem que 500 Milhões (500.000.000) de muçulmanos sejam recebidos pela Europa e 100 Milhões (100.000.000) pelos Estados Unidos que já receberam, à volta de 25 milhões MAS, tudo isto feito, até 2018 e, a partir dessa data, terão de acabar as Fronteiras de Todos os Países ou seja, a destruição total das Nações.

Consigo imaginar muita coisa mas, no contexto actual, o que me pede para imaginar, nem com a ajuda de música ou adoçado com outras "músicas".

Aliás, aqueles Milhões de euros, dos nossos impostos, para a construção de uma Mesquita em Lisboa ficam, finalmente, totalmente explicados, percebidos e entendidos e, a Europa estar a receber mais refugiados homens, dos 15 aos 30 anos, em vez de Famílias cristãs sírias, aqui, já nem se precisa de nenhuma imaginação, basta esperar, só um bocadinho para, ver e experimentar, ao vivo, um choque de civilizações com, o respectivo, retrocesso civilizacional. Direitos, liberdades e garantias constitucionais, desta vez, em pouco tempo, vai tudo acabar no "caixote do lixo". Quanto ao, direito à privacidade, já anda a nossa "geringonça" a tratar do assunto, nada como "adiantar trabalho".

Esta tragédia, da total transformação da cultura ocidental, em muitos casos, terá o subgênero de uma tragicomédia, as feministas radicais que tanto se queixam, dos homens não lavarem a loiça, limparem a casa ou porem o lixo na rua, até vão ter saudades dos bons velhos tempos.
Aqueles que, num país endividado, "berravam" que os direitos adquiridos, estavam garantidos. Os que nos fizeram andar a pé, com greves constantes...

Tantas alterações a caminho mas, nem vale a pena falar delas todas, ficam como as favas do bolo rei, saberão do que se trata, quem as apanhar.

Teria bastado um pouco de racionalidade e integridade, para não se ter chegado a tanta dependência mas, a maioria, dos políticos europeus, sempre preferiu mentir (excepto Nigel Farage que, até pode não ter valido de nada porque, "até ao lavar dos cestos é vindima" e, "uma andorinha não faz a Primavera") mas, a regra sempre foi, quanto "menos ondas" e mais promessas, melhor, para ganharem as eleições seguintes. Uns, ingenuamente, outros, muito deliberadamente e, todos ajudaram a construir, o caminho do nosso Futuro... Inferno.

Resta, como sempre, questionar: Com que finalidade? Para benefício de Quem?
Pela Paz?
A justificação "Pela Paz", outra velha manipulação que acaba, sempre, da mesma maneira, com mais Guerras, Conflitos e o 1% cada vez mais rico e com mais Poder e, sempre a ficarem mais perto, do Todo e do Tudo.

Há outras coisas que ficam explicadas, António José Seguro, também foi chamado pelo Grupo Bilderberg mas, não deve ter passado no "teste" porque, foi só uma vez e, se eu ainda não tinha percebido bem, a sua estranha e atabalhoada substituição, por alguém que, nem deu a maioria ao P.S., no mínimo, deve ter passado "o exame", a fazer parte da "prata da casa" e, do grupo de políticos "brilhantes" que vão ajudar a "enriquecer culturalmente", europeus e americanos.

Usando palavras do nosso 1º, antes das eleições, de que só faria um acordo com o PSD, se os marcianos viessem à Terra, agora, fico eu à espera dos marcianos ou de um milagre porque, dos políticos, já não espero nada e, para aqueles que ainda tenham dúvidas, provavelmente, tarde demais, vão ficar a saber quem, realmente, andam eles a servir.
Dizem que Judas vendeu Jesus por 30 moedas ora, mesmo considerando a inflação, o 1% paga melhor do que os romanos, uns, para a Goldman Sachs, outro, está quase nas Nações Unidas, sem esquecer o BCE e, outros no FMI mas, desta vez, quem sabe, alguém, consiga entrar no World Bank, parece que tudo depende, de um bom "serviço" prestado.

Aproveitemos, os "últimos cartuxos", de um tempo sem censura porque, o que não soubermos agora (já com dificuldade), brevemente, vamos acabar por não saber nada, apenas, sentir as consequências de políticas legislativas, económicas e financeiras que, por vezes, parecem nem fazer sentido mas, paulatinamente, sempre de mal a pior.
A treta do politicamente correto, o roubo do vocabulário, a simplificação e pouca exigência no ensino... tanta coisa que passa a "encaixar".

Depois de Saber, Antever e Visualizar, o mais difícil... é Não Imaginar ;)
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 22.09.2016 às 16:14

E a Guerra Civil no Ocidente é o que se desenha.
Enquanto na Ásia uma Guerra entre nações.

Comentar post



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D