Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




His master's voice de Agosto

por Pedro Correia, em 19.08.19

41GAHAmpYcL._SX425_[1].jpg

 

«A greve [dos motoristas de veículos pesados e de materiais perigosos] é completamente injusta. (...) Não faz sentido.»

«O que é que as pessoas que estão a passar férias no Algarve têm a ver com esta greve? Absolutamente nada.»

«A requisição civil é perfeitamente justificada.»

«O Governo está a fazer aquilo que qualquer Governo deveria fazer.»

«Esta é uma situação em que qualquer Governo teria muita dificuldade em lidar de outra maneira que não seja esta.»

«Houve, deliberadamente, da parte dos sindicatos e dos trabalhadores, uma "greve de zelo" aos serviços [mínimos] que estavam a prestar.»

«Os sindicatos vieram dizer que não se devem utilizar as forças armadas. Então qual é a solução para tentar resolver isto?»

«O que está em causa não justifica a greve que está a colocar o País nesta situação.»

 

Nicolau Santos, presidente do Conselho de Administração da Lusa por nomeação governamental e "comentador político", aludindo à greve dos camionistas

SIC Notícias, 13 de Agosto

Autoria e outros dados (tags, etc)


27 comentários

Sem imagem de perfil

De Anonimus a 19.08.2019 às 10:48

Fosse o Coelho (ou qualquer PSD) a ter esta linha de orientação, caía o Carmo, a Trindade e mais meia dúzia de bastiões.
Não se ouve um piu piu da esquerda defensora do trabalhador em relação à requisição civil, ao uso dos militares, ao Governo servir como representante do patronato nas negociações.
O António Costa deve estar a rezar por NAO ter maioria absoluta nas próximas eleições, este é o melhor cenário possível. Dá umas migalhas em forma de "retribuição dos rendimentos" (imediatamente sacadas através de taxas e impostos) e mantém a esquerda trauliteira açaimada. Tem de aturar umas tangas dos camaradas, mas é um pequeno preço a pagar pela paz social.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 19.08.2019 às 18:51

Nem mais. Subscrevo.
Sem imagem de perfil

De FatimaP a 19.08.2019 às 11:11

O mais possível. Mega previsível. Pensamento "simplex" e "contentex".
Sem imagem de perfil

De António a 19.08.2019 às 11:29

A HMV faliu há 2 anos.
O mais interessante desta greve deve ser o facto de ninguém saber exactamente a razão dela. Qual era a proposta do SMMP? Qual era a da ANTRAM? Detalhes.
Sem imagem de perfil

De V. a 19.08.2019 às 11:33

Igual ao assassínio de carácter dos líderes grevista, no Público. Igual ao que Marques Mendes disse. Igual ao que JPP provavelmente diria. Nada de novo. Os senhores feudais dos ministérios riem-se da mansidão dos seus servos.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 19.08.2019 às 11:44

Esclarecedor.

E premonitório do que nos espera nos próximos anos.
O país adormecido; embalado pela conivência da comunicação social curvada perante o ardil do António Costa ‘y sus muchachos’.

Isabel
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 20.08.2019 às 15:13

E mais uma bancarrota !

WW
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 20.08.2019 às 23:08

Sim, a sensação de 'déjà vu'.

Nem o elogio às contas certas do Costa falta na imprensa, como os festejos de 2006 pelo rigor orçamental do Sócrates.

Lá dizia José Gomes Ferreira (o poeta, não o da SIC): 'Viver sempre também cansa!'.

O cortejo não varia. Cansa, cansa muito. O que vale é que com o passar dos anos faz menos mossa a quem se deixou de sugestionar.

Isabel
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 21.08.2019 às 15:17

Não se preocupe , haverá sempre uma troika para os salvar , aos que sabemos, claro...

WW
Imagem de perfil

De Vorph Valknut a 19.08.2019 às 11:47

Como comentador pode ter a opinião que quiser. Agora essa de «O que é que as pessoas que estão a passar férias no Algarve têm a ver com esta greve? Absolutamente nada.» é absurda.

Como absurda foi a cobertura jornalística e o silêncio das forças antigas e modernas representativas do operariado. Já ouvi o Jerónimo dizer que o CDS esfrega as mãos de contente pela possibilidade de rever a lei da greve /constituição. Pensava que seria o PS a preparar - se para tal jogada, com a conivência do Bloco das esquerdas.

Logo,logo pensava que eram citações do Rui Rio
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 19.08.2019 às 13:17

Estou a sentir um grande "défice democrático" no continente...


lucklucky
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 19.08.2019 às 13:39

Como foi possível colocar Portugal, em termos de energia fóssil, inteiramente na dependência de camiões? Será que já não existe Caminho de Ferro?
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 19.08.2019 às 16:30

Portugal é de forma criminosa refém impotente da rodovia. O ataque ao caminho de ferro não é de agora, todos o sabemos (e alguns vêm planeando e executando com frio método, de há muito e servindo fervorosamente a ditadura do camião e do asfalto). A mais recente vaga dessa chacina começou nos anos oitenta do século passado e não parece ter fim à vista.

O devaneio megalómano do TGV teve por agora o desfecho que se sabe. Mas ainda não estamos verdadeiramente livres dele. Basta que uma das grandes "construtoras" do regime se queixe com veemência bastante da falta de investimento público e faça a devida "rotação" pelos seus quadros do, ou dos, político em pousio e que seja conveniente cativar para a causa.

O resto da ferrovia, a que realisticamente interessa, é uma maçada que os políticos ocasionalmente aturam com mal disfarçado tédio, apenas afastado se momentaneamente puder dar visibilidade e votos (há exemplo gritante e recente, na esfera do poder). Para depois, pacificamente cair de novo no esquecimento.

Costa
Imagem de perfil

De Vorph Valknut a 19.08.2019 às 16:49

Costa, veja em que sector dos transportes se vê mais a força do PC.

Mas concordo consigo. Até ambientalmente faz mais sentido.

Parece que agora querem fazer um oleoduto que atravessará o país.

https://www.google.com/amp/s/amp.expresso.pt/dossies/diario/2019-04-16-Oleoduto-para-Lisboa-custa-10-milhoes-mas-esta-na-gaveta-ha-cinco-anos-1
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 19.08.2019 às 23:44

Meu caro Vorph, tento aceder à ligação que me sugere e em segundos aparece uma sugestão/imposição para que me registe num tal "Nónio". Paciência, não o faço. Estou, digamos, cansado de fornecer dados sobre quem sou para aceder a "sítios" da internet onde além de me bombardearem com publicidade me presenteiam com o nojo do AO90.

Em todo o caso, se esse oleoduto é o que penso ser, dizer que atravessará o país é talvez um exagero. Creio ser aquele que, se construído, trará combustível de Aveiras de Cima até ao aeroporto de Lisboa. A ser isso, enfim, não atravessará propriamente o país.

E ele que venha, permita-me o voto. Seguramente que os patrões do transporte rodoviário não subscreverão este meu desejo (e com eles os seus motoristas de "matérias perigosas"; cuja profissão e especialização, note, muito respeito). Mas sucede que ganho a minha vida nessa indústria recentemente diabolizada - logo depois do diesel para que fomos metodicamente empurrados por fabricantes e estados que agora hipocritamente se descartam das suas responsabilidades - pelo politicamente correcto, por exemplo, de uma jovem escandinava que atravessa o Atlântico à vela numa golpada de auto-promoção (faça o favor de me insultar, caríssimo) e que todavia não vive sem o cosmopolitismo que só a aviação proporciona.

Esse oleoduto, arrisco dizer, atenuaria - atenuará, espero, de forma não exactamente irrelevante a carga poluente suportada pela região de Lisboa. Mas adiante.

Quanto ao PC e sua força, a ex-URSS e todo o "bloco de Leste" - como bem sabemos o Sol do Mundo, na consagrada e nunca desmentida liturgia dos seus devotos - tem as mãos mais que imundas em matéria ambiental.

E você, Vorph, do que de si leio, vive - ou frequenta com assiduidade - numa região onde a ferrovia teve um papel absolutamente extraordinário: na economia, na engenharia, na história, na literatura até, e hoje é de forma ignóbil humilhada. Por interesses largamente inconfessáveis.

Costa
Sem imagem de perfil

De Tiro ao Alvo a 20.08.2019 às 12:38

Folgo por o meu comentário sobre energias fósseis, que saiu como "anónimo", ter proporcionado este seu comentário, com o qual me identifico plenamente.
Portugal, ao afastar-se do caminho-de-ferro e ao entregar-se nas mãos das construtoras de autovias, criou este sarilho de que não nos livraremos tão cedo: as nossas estradas andam entupidas de camiões, muitos deles transportando mercadorias muito perigosas, para gáudio dos “donos” das auto-estradas, que tiram das portagens rendimentos pornográficos, e até das chamadas SCUTs, cujo processo de cobrança não passa de mais uma forma habilidosa de certas entidades arranjarem umas rendas chorudas.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 20.08.2019 às 15:21

Estou em sintonia consigo !
O lobby do betão e do asfalto actuou impunemente como se sabe.
Os investimentos estrurantes deste nosso Portugal foram todos começados / realizados no tempo da outra senhora.

WW
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 19.08.2019 às 15:46

Costumo por vezes acrescentar os meus comentários aos seus posts, basicamente porque considero que, dum modo geral, coloca as questões de um modo equilibrado. Tem opiniões, tem uma visão, a sua visão, das coisas, mas dum modo geral é possível a partir dos seus postas desenvolver alguma argumentação civilizada, o que já não é pouco nos tempos que correm. No caso deste post, não diz a sua opinião e também não é preciso, percebe-se qual é. Claro que o Nicolau Santos foi colocado pelo PS onde está, mas admitirá que pouca gente neste país que emite opinião não foi "colocado" por alguém, basicamente PS ou PSD, em lugar que lhe permite emitir essa opinião. O Nicolau, de quem se lembra dos textos dele no Expresso, é mais ou menos de centro esquerda, seja lá o que isso for hoje em dia, na prática um desalinhado das correntes liberais que monopolizam a opinião económica ensinada e publicada nos dias de hoje e que são tão totalitárias nas suas certezas, no fundo, como era o marxismo-leninismo na esfera URSS. E se o "cientifismo" do materialismo dialético deu no que deu, também não sei se o credo cego nas virtudes do mercado não acabará por desembocar numa grande asneira.
E ainda a propósito das declarações do Nicolau, há uma questão que lhe gostaria de colocar desde o primeiro post que colocou acerca desta greve, a saber: - Perante o possível cenário de catástrofe e o ar triunfante do senhor Pardal, exatamente o que é que o PSD faria diferente? Pode elucidar-me?
Sem imagem de perfil

De V. a 19.08.2019 às 18:25

Claro que o Nicolau Santos foi colocado pelo PS onde está, mas admitirá que pouca gente neste país que emite opinião não foi "colocado" por alguém

Ah, pronto, então está bem. Faltava a velha volta no parafuso do argumentário dos do costume.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 19.08.2019 às 17:54

O Prof. Doutor Artur Baptista da Silva nunca desilude.
É o lacaio ideal de qualquer regedor de freguesia...


JSP

Comentar post


Pág. 1/2



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D