Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Grandes romances (19)

por Pedro Correia, em 30.08.14

 

 

O PASSADO É UM PAÍS DISTANTE

A Marcha de Radetzky, de Joseph Roth

 

«Nasci em 1881 num grande e poderoso império, na monarquia dos Habsburgos, mas não a procurem no mapa: foi erradicada sem deixar rasto. (...) Entre o nosso hoje, o nosso ontem e o anteontem, todas as pontes foram cortadas.»

Stefan Zweig, O Mundo de Ontem

 

Faz agora cem anos, a Europa entrava numa das maiores convulsões da sua história. Ruía um mundo, outro havia de emergir das cinzas provocadas pela guerra, com o seu estendal de ideologias em confronto, radical reconfiguração de fronteiras e explosões de nacionalismos identitários.

Uma das vítimas dessa Grande Guerra que tornou irreconhecível a face milenar do Velho Continente foi o Império Austro-Húngaro, pedra angular do majestoso edifício oitocentista prestes a entrar em colapso. A coroa imperial de Francisco José estendia-se do Palácio de Schönbrunn, na Viena da dinastia Habsburgo, sobre um vasto mosaico de súbditos que integrava húngaros, alemães, eslovenos, croatas, boémios, italianos, polacos, ucranianos e rutenos russos.

Era um império demasiado vasto para permanecer incólume aos ventos de mudança que sopraram com a chegada do século XX. A sua derrocada marcou a despedida de uma época de ouro em que Viena era capital internacional das artes, das letras e das ciências. Ali se concentravam filósofos, escritores, pintores, músicos e cientistas como Sigmund Freud, Gustav Mahler, Ludwig Wittgenstein, Egon Shiele, Arnold Schönberg, Georg Lukacs, Hermann Broch, Arthur Schnitzler e Gustav Klimt.

 

Estas décadas de esplendor e decadência do Império Austro-Húngaro tiveram dois cronistas de excepção: Stefan Zweig, que nos legou em testamento O Mundo de Ontem, o mais fascinante livro de memórias sobre este período, e Joseph Roth, que celebrou as luzes e sombras do reinado de Francisco José num romance inesquecível: A Marcha de Radetzky.

Significativamente, é um romance que começa e termina sob o signo da derrota. Da batalha de Solferino (1859), em que as tropas sardo-piemontesas derrotaram o exército austríaco na segunda guerra pela independência italiana, à morte do imperador (1916), prenunciando o desfecho da I Guerra Mundial.

A acção do livro decorre entre estes dois marcos, percorrendo quase todo o reinado de Francisco José num suave declínio rumo ao desfecho inexorável. Como se, no fundo, os indivíduos nada pudessem contra a irreprimível pressão do devir histórico -- dando corpo a uma tese que teve em Tolstoi um dos principais cultores.

Guiados pelo talento narrativo de Roth, acompanhamos este percurso crucial da história do centro da Europa através de uma família de leais servidores da coroa, oriunda dos confins do império. Por mero acaso, o tenente Trotta salva a vida a Francisco José em Solferino. Ascende a capitão, é nomeado barão pelo monarca reconhecido e passa a chamar-se Joseph von Trotta von Sipolje, em alusão à aldeia eslovena onde nascera.

Nunca mais os destinos de ambos, o imperador e os Trotta, ficarão dissociados.

 

O avô do barão fora um pequeno agricultor eslavo. O pai, sargento da Guarda Nacional junto à fronteira sul do reino, perdera um olho ao defrontar contrabandistas na Bósnia, o que lhe valera a aposentação como inválido militar. Joseph Trotta, barão de Sipolje, desligava-se enfim da «longa cadeia dos seus antepassados» agrilhoados à terra: instruiu o filho Franz no alemão, língua veicular do império, e viu-se imortalizado como Herói de Solferino nos manuais escolares, que romanceavam a proeza com pormenores inventados. «O destino transformou em austríacos a nossa família de lavradores de fronteira. Assim queremos continuar a ser», escreverá por sua vez Franz ao filho, Carl Joseph. Palavras com a força de um lema. Ou de uma fatalidade.

 

 

Este é um livro com banda sonora: a célebre Marcha de Radetzky foi composta em 1848 por Johann Strauss (pai) para celebrar o fausto do Império Austro-Húngaro, simbolizando-o em Joseph Radetzsky (1766-1858), nobre e militar austríaco que se destacou em tempo de guerra e também na paz, como participante no Congresso de Viena (1814-15).

É com indisfarçável nostalgia que Joseph Roth a invoca, ao ponto de lhe atribuir o título do romance. Não custa perceber porquê: judeu de expressão alemã, jornalista conceituado, observador atento da sociedade do seu tempo, Roth escreveu A Marcha de Radetzky no início da década de 30, com a Europa novamente em turbulência. Em 1932, quando o livro é publicado em Viena, já os tambores nazis ameaçavam agrilhoar a Alemanha e, a partir dela, todo o continente. A evocação da época imperial tornara-se um doce anacronismo.

 

O fascínio de Radestzkymarsch -- incluída no cânone de literatura alemã -- deriva precisamente da pulsão nostálgica que se desprende das suas páginas, sem ignorarmos desde muito cedo que os protagonistas serão tocados pela tragédia em doses crescentes, à medida que se aproxima o crepúsculo do império.

É um mundo rígido, protocolar, organizado, de gestos contidos e poucas palavras, dominado por códigos masculinos e onde as mulheres perpassam apenas como sombras efémeras.

É um mundo que desfila ao som de Strauss. Um mundo em que se criam o comissário distrital Franz von Trotta, governador civil numa cidade da Boémia, e o seu filho, aluno da escola de cavalaria, fadado para a vida militar, como o avô, e já com o destino traçado. «Sentia-se em parte família dos Habsburgos, cujo poder o pai aqui representava, e pelo qual ele próprio um dia marcharia para a guerra e para a morte. (...) A melhor das mortes seria morrer por ele [imperador] ao som da Marcha de Radetzsky(p. 29 da edição portuguesa, com chancela da Difel e tradução de Maria Adélia Silva Melo)

O  fim dos Van Trotta simboliza mais do que a irreversível decadência da coroa imperial: simboliza a extinção de uma certa ideia de Europa, mais integradora, mais cosmopolita, mais plural, mais tolerante, mais fervilhante de ideias. A Europa que vigorou durante cem anos exactos -- de 1814, ano em que Napoleão ruma ao desterro em Elba após a derrota em Leipzig, até 1914, quando começaram a soar os canhões da Grande Guerra.

«Este reino tem de acabar. Logo que o nosso imperador fechar os olhos, desmanchamo-nos em cem bocados. Os Balcãs vão ser mais poderosos do que nós. Todos os povos vão fundar os seus estadozinhos miseráveis, e até os judeus vão aclamar um rei na Palestina», vaticina uma personagem do romance, sem ilusões sobre os ventos da História. (p. 132)

 

Filho de pai austríaco e mãe russa, Moses Joseph Roth nasceu em 1894 em Brody, na actual Ucrânia Ocidental -- noutra das extremidades do império, onde a cultura judaica era preservada e socialmente aceite. Estudou Filosofia e Literatura Alemã na Universidade de Viena, quando «toda a cidade não era mais do que um gigantesco pátio do palácio» de Francisco José.

Ainda muito jovem, testemunhou dois acontecimentos históricos que o marcaram para sempre: a I Guerra Mundial, onde serviu como voluntário na frente oriental, e o colapso do império, que o deixaria órfão de pátria.

Em 1920, era jornalista em Berlim: ao serviço do Frankfurter Zeitung percorreu grande parte da Eurpopa. Com a ascensão de Hitler ao poder, em 1933, abandona de vez a Alemanha, acabando por instalar-se em Paris, onde morreu prematuramente em Maio de 1939, consumido pelo álcool e pela saudade do seu mundo que ruíra.

Stefan Zweig, que lhe sobreviveu menos de três anos, descreveu esse tempo desta forma bem expressiva: «Não havia país para onde se pudesse fugir, silêncio que se pudesse comprar. Sempre e em todo o lado a mão do destino nos apanhava e puxava de volta ao seu jogo insaciável.»

 

O êxito literário alcançado por Roth na última década de vida não lhe atenuou a mágoa provocada por uma dupla deserção: primeiro o pai, que abandonou a mãe ainda grávida e nunca o conheceu; depois a História, que lhe roubou a identidade e até grande parte da memória de infância (Brody tornou-se território da Polónia e em 1940 foi um dos palcos mais sangrentos da guerra sovieto-polaca).

Os filhos n' A Marcha de Radetzky nunca recebem manifestações de verdadeiro afecto dos pais: a comunicação entre eles processa-se através de carta ou de monossílabos. O grande progenitor da nação austríaca acaba por ser aquele monarca que parecia eterno -- figura tutelar dos povos do império e presença viva neste romance de que acaba por ser protagonista e suscita algumas das suas páginas mais brilhantes. «Não gostava de guerras -- porque sabia que as perdia -- mas gostava das coisas militares, dos jogos de guerra, dos uniformes, das paradas, dos desfiles e dos exercícios de campanha.» (p. 208) «Durante toda a sua vida tinha-se levantado quase sempre antes de o sol nascer, como o soldado se levanta sempre antes do seu superior.» (p. 211)

Também ele enviuvou cedo, como sucedeu aos Van Trotta. Também ele perdeu o filho, como virá suceder a Franz.

 

 Francisco José e a imperatriz Sissi

 

Era um tempo de fronteira: nada do que veio depois seria igual.

«Naquela altura, antes da Grande Guerra (...), ainda não era indiferente o facto de um ser humano viver ou morrer. Quando alguém se apagava no bando dos terrestres, não entrava logo outro para o seu lugar, para fazer esquecer o falecido, mas ficava um vazio no lugar onde ele faltava, e as testemunhas próximas ou longínquas do morto calavam-se sempre que viam esse vazio. Quando um incêndio destruía uma casa de um bloco de uma rua, o lugar do incêndio ficava ainda durante muito tempo vazio. Porque os pedreiros trabalhavam devagar e pensativos, e os vizinhos mais próximos, assim como os transeuntes de acaso, lembravam-se, quando olhavam para o local, da forma e das paredes da casa desaparecida. Era assim naquela altura! Tudo o que crescia precisava de muito tempo para crescer; e tudo o que desaparecia precisava de muito tempo para cair no esquecimento. Mas tudo o que alguma vez tivesse existido deixava vestígios e vivia-se antigamente de recordações, como hoje em dia se vive da capacidade de esquecer rápida e forçosamente.» (p. 109)

Destinos individuais entrelaçados com o destino colectivo naqueles anos de ilusória paz que dariam lugar à mais mortífera das guerras.

 

...........................................................................................

 

Últimos textos desta série:

 

Martin Eden - Não há sucesso como o fracasso

O Leopardo - O sono em vez do sonho

Agosto - Um mar de lama

O Homem que Via Passar os Comboios - Fora dos carris

O Adeus às Armas - Frágil como o mundo

A Oeste Nada de Novo - Geração perdida


12 comentários

Imagem de perfil

De Teresa Ribeiro a 01.09.2014 às 11:49

O Mundo de Ontem está no top ten dos livros que mais gostei de ler na última década. Agora, que se assinalou o centenário do início da I Guerra Mundial, tenho andado com vontade de voltar a ele. Em contrapartida desconheço o romance que trouxeste a esta tua excelente série, aliás nunca li nada deste autor. Mas ecos das primeiras décadas do séculos XX devem merecer-nos toda a atenção nestes tempos que em tantos aspectos evocam o clima social e político que se viveu dos alvores da I Guerra ao eclodir da II.
Abreviando: vou ler este Roth um destes dias.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 01.09.2014 às 18:05

É um excelente romance, Teresa. E, como assinalo, uma das obras que nos fazem entender melhor toda aquela época que se pensava ser a primeira que estaria imune ao vírus da guerra desde os confins da História. Uma perigosa ilusão, como hoje sabemos.
De Joseph Roth conheço 'Hotel Savoy' e 'Fuga Sem Fim', outros livros recomendáveis. Mas este é superior: estamos perante uma obra-prima.
Sem imagem de perfil

De Maria Dulce Fernandes a 01.09.2014 às 15:20

É por textos como este, que adoro a sua série Grandes Romances, Pedro.
Confesso que não li este livro, mas depois de ler o que escreveu sobre ele, contextualizando-o magistralmente, sinto-me em falta para com a história e para comigo própria, falta essa que sinto urgência em colmatar. Já tenho sete para duas semanas, mas com a sede de boa leitura que levo na bagagem, talvez um oitavo não seja exagero. Este . :)
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 01.09.2014 às 18:22

Muito obrigado pelas suas palavras, Dulce. Confesso que regressei a certos temas e certas obras motivado pelo centenário da I Guerra Mundial. 'Adeus às Armas', 'A Oeste Nada de Novo' e este romance de Joseph Roth formam uma espécie de trilogia: foram publicados entre 1929 e 1932 e têm a Grande Guerra como tema, no todo ou em parte.
Sem conhecermos bem esse período não conhecemos verdadeiramente o mundo de hoje. Isto anda tudo ligado.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.09.2014 às 20:51

Tal como a Teresa, nunca li nada do Joseph Roth, mas fiquei com imensa vontade de o conhecer. Em contrapartida li imensos livros do Zweig (a começar, como é óbvio, pelo Maria Antonieta, que aliás não tem nada a ver com os outros). Sempre achei uma pena aquele duplo suicídio no Rio, salvo erro. Ainda recentemente reli a Novela de Xadrez, que acho admirável.
Tenho andado entretida com os Nobel (já vou nos 62), tendo feito um intervalo para ler a "Ernestina" do Rentes de Carvalho, que me deixou absolutamente fascinada: cada vez gosto mais da escrita dele.
:-)
Antonieta
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 01.09.2014 às 23:58

Do Stefan Zweig também já li alguns livros, designadamente uma novela interessantíssima - 'Vinte e Quatro Horas na Vida de uma Mulher'. Mas a grande obra-prima dele é o livro testamento 'O Mundo de Ontem', Antonieta. O livro que acabou de escrever nas vésperas do suicídio em Petrópolis.
Um livro que apetece sempre reler
(Quanto aos Nobel, não há hipótese: desisti de apanhá-la...)
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 02.09.2014 às 00:24

Afinal foi em Petrópolis, eu sabia que tinha sido no Brasil e não fui confirmar a cidade. Era um escritor muito em voga na minha juventude, felizmente está agora a ser reeditado.
Eu vou parar com os Nobel, já li as quatro Ladies que tinha em falta, e também o Prudhomme que era o primeiro.
E tenho imensos livros meus que quero muito ler.
Nesta série passei de 13/4 para 13/6, ou seja não li os dois últimos, sendo que do Remarque apenas li o Arco do Triunfo.
Também nunca mais o apanho, Pedro.
:-(
Antonieta

p.s. Já li o Deserto dos Tártaros.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 02.09.2014 às 11:55

Sim, Petrópolis - um dos locais mais improváveis para alguém cometer suicídio. O desespero dele - sem pátria, sem raízes físicas, sem vestígios concretos de todo o seu passado - devia ser enorme, na fase da II Guerra Mundial em que o poderio nazi parecia mais forte que nunca.
É arrepiante.
Espero escrever em breve sobre 'O Deserto dos Tártaros', um livro que me deslumbrou. Mas para isso terei de o reler. Lá ficam os Nobeis relegados para melhor oportunidade...
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 02.09.2014 às 14:10

Eu li a edição da Cavalo de Ferro, que trouxe da Biblioteca, depois da sua sugestão, e gostei imenso; tal como vou gostar de ler a sua recensão.
Destes 19 magníficos, faltam-me ler 6: Santuário do Faulkner, Pais e Filhos do Turguéniev, Fahrenheit 451 do Bradbury, Martin Eden do Jack London, A Oeste Nada de Novo do Remarque (nenhum destes cinco existe na Bib), e a Marcha de Radetzky do Roth (espero que tenham este).
Comecei hoje um livro de contos do Calvino: Os Amores Difíceis e, para já, estou a gostar.
Aqui na Beira hoje está de ananases. E eu à espera do fresquinho de Setembro...
:-)
Antonieta


Imagem de perfil

De Pedro Correia a 02.09.2014 às 15:46

Vai ser um Setembro quente. Mais propício a leituras leves do que pesadas.
Sem imagem de perfil

De David Israel a 14.09.2014 às 16:54

Também li "A Marcha de Radetzky", numa tradução inglesa. Tem-se mesmo a sensação da nostalgia e do transporte a um mundo que acabou - e que agora, no centenário da eclosão da I Guerra Mundial, tanto tem sido referido. Mostra também que, apesar do nacionalismo então ao rubro, o Império Austro-Húngaro concitava fortes sentimentos de lealdade por parte de muitos seus súbditos que não eram austríacos ou húngaros.

PS Como decerto sabe, "o passado é um país distante" é a frase introdutória do romance "The Go-Between" de L.P. Hartley ("The past is a foreign country; they do things differently there"). Que tal uma recensão aqui?
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 14.09.2014 às 19:51

Gosto muito dessa frase, uma das melhores que conheço de início de um romance. E também gostei do filme, com Julie Christie e Alan Bates. Obrigado pela sugestão, David.

Comentar post



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D