Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Frente fria de esquerda

por José António Abreu, em 08.10.15

Afinal, António Costa não apenas está muito longe de constituir o Salvador da Pátria anunciado com trombetas e panegíricos pelos seus apoiantes como se revela muito pior do que os seus adversários afirmavam. Entende-se o motivo por que se agarra à liderança do PS - para onde iria, abandonada a Câmara de Lisboa e a hipótese de uma candidatura às presidenciais? - mas não é bonito ver alguém tão desesperado por manter a relevância após uma derrota clara, ainda por cima tendo forçado a saída do líder anterior com o argumento de que este ganhava «por poucochinho». Evidentemente, os estados de alma de Costa seriam um detalhe irrelevante, um momento de reality show merecedor da mescla de pena e desprezo com que se encaram os mini-dramas do Big Brother ou da Casa dos Segredos, não fosse apesar de tudo o PS essencial ao sistema político português - em qualquer instante e em particular num cenário como o resultante das eleições do passado domingo (a que acresce a fragilidade da situação económica). Mas Costa parece considerar mesmo a hipótese de vir a liderar um governo formado por Partido Socialista, Bloco de Esquerda e Partido Comunista. Tratar-se-ia, como qualquer pessoa com dois dedos de testa percebe, de um governo colado a cuspo: que entendimento seria de esperar entre os três partidos nos assuntos europeus, na resposta aos compromissos assumidos junto da NATO ou mesmo perante as reivindicações da CGTP? Na verdade, a «solução» apresenta tais possibilidades burlescas que quase me fazem desejá-la. Mas convém manter algum bom senso. Seria um desastre para o país. E também para o PS. Se, em 2011, PSD e CDS obtiveram 50% dos votos, nas próximas eleições atingiriam 55% ou 60%. E o PS desceria para cerca de 20%. Haja alguém por lá que meta juízo na cabeça do homem.

 

 

Nota sobre o título: a frente é fria porque me provoca um arrepiozinho - entre o horror e o prazer mórbido.


8 comentários

Sem imagem de perfil

De queima beatas a 08.10.2015 às 11:52

Simples. Passos não deve atemorizar-se com as golpadas de Costa não cedendo nem um milímetro, mandando-o de imediato pastar caracóis com a dita esquerda. Na assembleia na hora de tirar as medidas até pode acontecer que o figurão chantagista se estatele com estrondo.
Imagem de perfil

De José António Abreu a 08.10.2015 às 18:34

Passos deve ser sensato e, se necessário, ceder nos pontos que não comprometam os objectivos de controlo do défice e da continuação da aposta nas exportações. Não sei bem que tipo de acordos poderiam ser obtidos com um PS liderado por um cata-vento como Costa e ainda pejado de radicais socráticos mas é sempre de tentar - e com seriedade. Concordo, porém, que não se deve levar o bluff do PS, apertado pela esquerda, demasiado a sério.
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 08.10.2015 às 12:04

É natural que o José António, como pessoa de direita que é, esteja em pânico perante a possibilidade de o PCP e o BE virem a fazer parte do próximo governo.
Porém, ao contrário do que o José António sugere neste post, tal hipótese não seria necessariamente menos estável nem mais contraditória do que uma aliança entre o PS, e o PSD, como a que mais provavelmente ocorrerá.
Imagem de perfil

De José António Abreu a 08.10.2015 às 18:38

Absolutamente em pânico. Mas explique lá como é que PS, BE e PC se entenderiam melhor do que PSD e PS, que em 1983 até já se entenderam para aplicar um programa de austeridade. Só se o PS tiver mudado mesmo muito e renegar hoje grande parte do que sempre afirmou defender. Ou será que é o PC que mudou?
Sem imagem de perfil

De Vento a 08.10.2015 às 15:30

Está a ver o que pode acontecer quando um PR é incapaz de perceber o que significa a representação democrática no parlamento?
Imagem de perfil

De José António Abreu a 08.10.2015 às 18:54

Está a dizer que Costa age desta forma porque ficou chateado com Cavaco? Não seria uma explicação mais digna para ele do que estar a fazê-lo para manter o lugar, dando esperança a uns quantos iludidos no PS de ainda poderem chegar ao poder. (Quero acreditar que Costa não acredita mesmo poder assumir o lugar de primeiro-ministro de um governo PS/PC/BE, porque isso entraria já nos domínios da patologia.)
Mal por mal, que esteja a tentar ganhar força negocial junto da coligação.
Sem imagem de perfil

De Vento a 08.10.2015 às 20:07

Quem não fica chateado com uma atitude deste tipo por parte de Cavaco? O único elemento agregador, como referi há muito, neste parlamento é o PS.

O que o JAA não quer ver é que o parlamento deixou de ser uma coutada maioritária e deixou de se submeter aos ditames do PR.
Não é isto que dizem ser a democracia? Que o assento no parlamento define a vontade popular, incluindo a dos abstencionistas que por não votarem aceitam qualquer coisa?
Só que o PR não compreende que a República não se circunscreve a um alinhamento e/ou filiação partidária.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 08.10.2015 às 22:21

"Em 1987, o líder socialista Victor Constâncio, convenceu-se que o Presidente da República Mário Soares o indigitava como primeiro-ministro após o governo minoritário de Cavaco Silva cair com uma moção de censura. Mas Soares trocou-lhe as voltas, dissolveu o Parlamento e marcou eleições que renovariam a confiança a Cavaco com maioria absoluta. "

Comentar post



O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D