Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Frases de 2014 (33)

por Pedro Correia, em 14.12.14

«O BES não faliu. O BES foi forçado a desaparecer.»

Ricardo Salgado


4 comentários

Imagem de perfil

De cristof a 14.12.2014 às 17:44

Se lhes derem tempo a narrativa ainda consegue ajeitar as coisas de modo a que o erario publico(vulgo Zé) acabe por pagar a conta. Olhando para os troll´s sobre a narrativa do PEC IV a coisa vai entranhando-se e faz caminho.
Nas propriedades existe uma lei semelhante que se chama usucapião
Sem imagem de perfil

De Vento a 15.12.2014 às 10:36

Parece-me que anda uma nuvem por Portugal a fazer desaparecer bancos. Começou com o BPN, depois avançou para o BPP, causou estragos no BCP e avançou para o BES.
Presumo que seja a mesma nuvem. Alguém tem conhecimento dela?
Sem imagem de perfil

De Alexandre Carvalho da Silveira a 15.12.2014 às 18:27

Muita gente ficou surpreendida por Ricardo Salgado ter recebido 14 milhões de euros "por baixo da mesa" ofertados por um "pato-bravo" da construção civil, sabe-se lá porquê.
Eu não fiquei, porque soube sempre como se comportaram as elites portuguesas ao longo da História de mais de oito séculos do rectângulo onde nascemos e vivemos, pondo sempre os seus interesses imediatos à frente dos interesses do país e dos portugueses, mesmo quando o que estava em causa era a independência nacional.
Esta excelente entrevista do Publico a um historiador espanhol confirma isso mesmo, na parte que diz respeito à época dos Filipes.

http://www.publico.pt/culturaipsilon/noticia/-o-portugal-dos-filipes-e-uma-criacao-portuguesaisabel-de-braganca-e-a-primeira-encarnacao-de-uma-rainha-moderna-para-a-nacao-espanholaas-comunidades-tem-direito-as-suas-proprias-memorias-mesmo-que-elas-nao-tenham-grande-rigor-historico-1679297

Sem imagem de perfil

De Vento a 15.12.2014 às 23:00

A sua ligação, Alexandre, é um excelente contributo para que compreendamos este Portugal da Alemanha, que se inicia com Sócrates e consolida-se mais ainda com Passos. Mas também este Portugal de um qualquer investimento chinês que serve para tentar encher o olho de pedintes e manter monarcas no activo (vai tudo dito em tom irónico). Mas também este Portugal do FMI e BCE que está aí para justificar políticas desejadas por pedintes que se encaixam na vida por reprodução do mais do mesmo e que tudo fizeram para que o status se mantivesse.
Perante a derrocada dos estranhos, os cortesãos pretendem agora usar o argumento que são os autores dessa mesma queda alegando que sempre entenderam aquilo que demonstravam não entender e não querer que era um Portugal dos portugueses.
Na realidade não temos um Portugal de "Filipes", mas de um grupo de aias que argumentando sobre "Filipes" e pretendendo fingir que são diferentes das aias anteriores lá vão governando com o beneplácito de um "vice-rei". Ainda assim justificaram que tudo isto devia ser feito pois não fossem os "Filipes" zangarem-se.
Mas quem se zangou a sério foram os czares, e com isto fizeram deslocar a fronteira do equilíbrio, que os arrogantes pretendiam manter como arma de chantagem, mais para leste.
E os traidores vendo em si os erros dos "Filipes", que sempre desejaram, e pretendendo disfarçá-los lá começam a propaganda para ver se recuperam a moral que perderam e fingir que agora desejam um Portugal de libertos.

Tenho dito e puta que pariu para esta política de merda.

Comentar post



O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D