Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Fora da caixa (8)

por Pedro Correia, em 15.09.19

8172397_rES28[1].jpg

 

«António Costa teve sempre um papel de procura da solução e não do problema.»

Jerónimo de Sousa, em entrevista à Lusa (24 de Agosto)

 

Com a mesma cadência a que regressam as andorinhas em cada Primavera, quando surge uma campanha eleitoral logo se erguem vozes a questionar a "ideologia" de alguns partidos.

Tudo normal. Estranho apenas nunca ouvir tais vozes começarem por suscitar dúvidas sobe a "ideologia" do Partido Comunista.

Se obedecesse ao ideário marxista-leninista, aplicado em vários países com os brilhantes resultados que sabemos, o PCP seria um partido de raiz revolucionária, adversário consequente da "democracia burguesa" e dos "interesses de classe" a ela associados. Mas tornou-se afinal um partido reformista, companheiro de estrada da social-democracia que noutros tempos costumava diabolizar com a sua inflamada retórica.

Nestes quatro anos, o partido da foice e do martelo viabilizou as "políticas de direita do governo PS" plasmadas em quatro orçamentos do Estado sujeitos à disciplina orçamental ditada por Bruxelas e ao menor investimento público de sempre na democracia portuguesa. Orçamentos que o PCP aprovou sem pestanejar: nunca mais lhe ouvimos um sussurro contra o malfadado "pacto de agressão" nem a firme exigência de "renegociação da dívida".

Insolitamente, ninguém questiona os dirigentes comunistas sobre os defuntos princípios sepultados numa esconsa gaveta dum obscuro gabinete na Rua Soeiro Pereira Gomes. Sinal dos tempos: hoje, no PCP, só a "paciência" é revolucionária.


8 comentários

Perfil Facebook

De Antonio Vaz a 15.09.2019 às 20:47

«Mas tornou-se afinal um partido reformista, companheiro de estrada da social-democracia que noutros tempos costumava diabolizar com a sua inflamada retórica»
Lá está está o seu altar ego, o Naldinho de Matos, a dizer tropelias.. mas o tal Povo até lhe responde: "Quem te manda a ti, ó sapateiro, tocar rabecão?"...

PS. Escrever ainda menos do que isto?
Ah e é claro que, o ditado também é válido para o seu "post" do passado dia 9, sobre «O programa do Bloco é social-democrata.»: «E que diria o velho Trotsky, mentor da primeira geração de dirigentes do Bloco?» Nem como anedota...
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 15.09.2019 às 20:55

Não é PS: é PCP.

Aliás, CDU nos momentos eleitorais.
Desde 1976 que o PCP não se apresenta às urnas sem bengalinha.
Perfil Facebook

De Antonio Vaz a 15.09.2019 às 22:48

Caro PC (sem P, é claro... Cruzes! Vade retro, satana!), não precisava de confirmar a validade do ditado citado (Quem te manda a ti, ó sapateiro, tocar rabecão!?!) mas mesmo assim agradeço-lhe a honestidade... que fica sempre bem!
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 15.09.2019 às 22:49

És do PCP ou da bengalinha?
Perfil Facebook

De Antonio Vaz a 16.09.2019 às 01:59

Vejo que, para além de tudo o resto (ie, de insistir em querer «tocar rabecão», mesmo sendo, definitivamente, sapateiro) até insiste em (pior do que isso) martelar em tendências inquisitórias: mas porque raio até lhe interessa, a propósito dos meus comentários, saber se eu sou «do PCP ou da bengalinha» (ou até mesmo, como num anterior fórum , "inquisitou" se eu era «do extinto Conselho Português para a Paz e a Cooperação»)? A racionalidade (validade/"comentários moderados") do que aqui escrevo vai passar a depender da minha suposta filiação partidária (PCP/"bengalinha") ou cívica («extinto Conselho Português para a Paz e a Cooperação»)?
Que tristeza de argumentação...
Mas eu até nem me importo com ela e até tenho todo o gosto em o satisfazer nessa sua obtusa "inquisição", sem evocar qualquer parágrafo da nossa Constituição que proteja a minha opinião: sim e não, mas talvez até que, definitivamente, V. compreenda que 1) eu até sou, de facto, de esquerda! 2) O que é que isso quer dizer? É que não é, como V. insinua (aqui e até antes disso) que sou do PCP! e tamém que 3) porque é que raio, para si, não me resolveu arrumar na parteleira do BE mas do PCP?
Sem imagem de perfil

De Anonimus a 15.09.2019 às 22:28

Depois de mais um serão de luxo, só mesmo a esperança de uma neo geringonça para animar a noite. Haja esperança.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 15.09.2019 às 22:50

Fale por si. O meu serão não foi de luxo: foi de lixo.
Sem imagem de perfil

De Anonimus a 15.09.2019 às 22:57

O Pedro tem de interpretar melhor.
Digamos que este ano o natal chega em setembro (sem direito a subsídio)

Comentar post



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D