Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Fez a diferença mas tenho pena

por Sérgio de Almeida Correia, em 26.12.15

"Aos 38 anos, presidiu ao maior aumento do turismo em Portugal. Só que não gostou da política. Não se candidatou a uma carreira de ócio como deputado e, quando o Governo caiu, voltou alegremente à sua profissão." - Vasco Pulido Valente, Público, 26/12/2015

 

Não discuto os méritos do "maior aumento do turismo em Portugal", mas tenho a noção de que foi um dos poucos que sobressaíram e foi capaz de fazer diferente, sem golpadas nem aldrabices, fazendo alguma coisa de jeito em prol do País. Tinha uma carreira e uma vida fora do partido, não dependia da política e podia entrar e sair sem se tornar dependente. Tinha tudo para poder prosseguir e continuar a fazer a diferença num parlamento cinzentão, oligárquico e aparelhístico. Optou por desistir da política activa e abdicou de uma carreira parlamentar. Compreendo perfeitamente a sua opção, pois provavelmente teria feito a mesmíssima coisa. Mas por não haver gente com o seu desprendimento na política, gente que escolhe os seus próprios suspensórios e aventais, é que o país está como está e tem tido os políticos que conhecemos. Ele e José Ribeiro e Castro são duas baixas de vulto no CDS/PP e no paupérrimo panorama da vida política nacional. Boa sorte, Adolfo. E volta quando puderes.


7 comentários

Imagem de perfil

De Helena Sacadura Cabral a 26.12.2015 às 12:50

Meu caro Sérgio
Texto como sempre para meditar Partilho inteiramente do que dizes acerca do Adolfo. Foi sempre assim que o conheci. Já tenho de Ribeiro e Castro opinião diferente e para mim ele nunca se desligou verdadeiramente da política. Apenas está num intervalo que lhe permita voltar a ela. No CDS ou fora dele.
Imagem de perfil

De Sérgio de Almeida Correia a 28.12.2015 às 10:45

Minha cara Helena,

Acredito que sim, mas quer num caso quer no outro perdemos dois excelentes parlamentares. É esse o meu ponto.
E obrigado pela atenção:)
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 27.12.2015 às 00:39

Um texto que demonstra bem onde chegou o totalitarismo da Política na mente das pessoas.

Porque raio para vocês (incluindo o velho bardo do VPV) sempre que acontece acontece alguma coisa boa foi a Política?

Se o Turismo cresceu não foi por causa do Ministro mas com mais probabilidade apesar dele. Mas o que que quer que seja que ele fez teve uma importância mínima isto se excluirmos que ele fez parte de num regime que tenta atrapalhar e punir quem faz, cria , inventa.

Internet a funcionar faz muito mais pelo turismo.
Nível de crime baixo faz muito mais pelo turismo
Violência em alguns destinos turísticos faz muito mais pelo crescimento.
A prosperidade noutros países faz muito mais pelo turismo.

Mas percebe-se, os jornais de "referência" são jornais que existem para vender a Política e fazer querer que ela faz muito por nós.
Para nós assim darmos mais e mais poder à Política.
Até ter tanto que é Totalitária.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.12.2015 às 00:17

luckluckyl, tendo vivido muitos anos no estrangeiro, ganhei o hábito de googlar regularmente a palavra Portugal para ver o que a imprensa internacional (anglófina, que os meus computadores falam todos inglês) dizia. Durante anos era só futebol e um ou outro artigo turístico, depois foi a crise esó desgraças. A certa altura apercebi-me de excelentes artigos sobre o país, de várias páginas, nos chamados jornais de referência (New York Times, Guardian, Telegraph, Independent, etc). Artigos que davam MESMO vontade de ir a Portugal, e não era um ou outro desgarrado: foi precisamente por serem 2 ou 3 seguidos, em geral ao fim de semana, que a coisa me chamou a atenção. Tinha de ser uma estratégia combinada!
Mais tarde li que era mesmo uma estratégia de utilização da internet, de publicidade nos canais genéricos (porque estudaram o assunto e viram que era aí que as pessoas se informavam, e não em revistas sobre turismo) de desvio das verbas das feiras internacionais para este tipo de publicidade.
Procure na internet e vai ver se não encontra isto que lhe estou a dizer. Não, desta vez não é nada verdade que os políticos não fizeram nada. Fizeram sim, e foi muito bem feito.
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 27.12.2015 às 00:50

E na mesmas senda esqueci-me de referir um dos mais importantes vectores do sucesso do Turismo em Portugal: quem trabalha na área.
Quem constrói, quem investe, quem serve uma bica, quem faz uma cama, quem prepara uma refeição, etc etc...
Sem imagem de perfil

De IsabelPS a 27.12.2015 às 16:37

Sem dúvida o meu hêroi no passado governo.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 27.12.2015 às 21:47

O turismo cresceu porque outros, estão na mó de baixo e não por ser mérito de A ou de B. A Tunísia, Egipto... Ficaram sem ele e nós e outros, usufruímos disso mesmo. Também é bom que se diga que Lisboa está muito mais bonita e tem aquilo que não tinha e aqui, o Adolfo não tem nada a ver com o assunto. Pode ter mérito, reconhecido ou não, mas daí a dizer-se que foi ele o impulsionador do turismo em Portugal vai uma grande diferença.

Comentar post



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D