Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Escutas - 2

por Teresa Ribeiro, em 31.01.15

No escritório:

- Estive hoje com a Tânia.

- Ai sim, então como é que ela está?

- Cheia de problemas, coitada.

- Por causa da besta do namorado?

- Pois.

- Mas porque é que ela não o deixa?

- Já esteve a fazer contas e não dá. O ordenado não lhe chega para pagar casa e faculdade sozinha.

- Então por que não volta para casa dos pais?

- Os pais estão a viver na terra, em casa dos avós, porque lhes penhoraram a casa.

Tags:


22 comentários

Sem imagem de perfil

De Vento a 31.01.2015 às 13:38

Por que razão não aluga um quarto e se torna independente?
Sem imagem de perfil

De EssAgora a 31.01.2015 às 14:41

Namorado ou financiador?
Sem imagem de perfil

De xico a 31.01.2015 às 14:58

E um novo namorado?!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 31.01.2015 às 17:11

Um só não chega para manter o nível de vida.
Sem imagem de perfil

De Zé a 31.01.2015 às 16:18


Esta é de fato uma conversa ao mesmo tempo estranha, curiosa. mas tragicamente real.

Estranha- por vivermos numa NARRATIVA circular, numa sociedade para a qual parece não existe solução ou saída e á qual nós, as populações das sociedades Ocidentais, nos temos submetido, docilmente aceitando tudo o que nos é "vendido"como uma verdade inegavél e indiscutível.

Curiosa- devido ao fato de na atual NARRATIVA, o futuro se mostrar sempre e cada vez mais negro e incerto, ao nível do trabalho e das conquistas por ele conseguidas especialmente depois da 2ª G.M. saúde para todos, sindicatos, reforma para todos, democracia, férias pagas e 8 horas de trabalho ou menos é coisa de malandro, maus habitos que mais tarde ou mais cedo irão acabar.

A acreditar no que se diz por aí, a única maneira de sairmos do nosso atual marasmo de produtividade é trabalharmos por um prato de lentilhas, ordenado minimo? isso é coisa de burgues, de gente bem instalada na vida, coisa de malandro, senão mesmo de sindicalista...

Gostava no entanto de deixar algumas perguntas:

- A U.E. criou o € e Portugal entrou nele, para sermos todos mais pobres, juntamente com Espanhóis, Italianos, Franceses, Belgas, etc. e tal?

- As taxas de desemprego de 15% vieram para ficar, ou serão consideradas como estranhas apenas nos próximos 30 ou 40 anos e depois entranham-se?

- Porque é que o capital do pós-guerra, odiava os Comunistas da URSS e o capital do seculo XXI adora os Comunistas da R P China, do Vietname e de modo geral o dumping democrático e social?

- Porque é que as nossas sociedades aceitam a anterior situação como normal?

-Nos anos 80 os países comunistas eram criticados (com razão) de quererem acabar com os ricos e nivelar tudo por baixo. Curiosamente o capitalismo atual parece querer acabar com a classe média nivelando tudo pela bitola chinesa, mas agora ninguém refila, porquê?

- Finalmente a Democracia e as decisões democraticamente escolhidas pelos povos, deverão ser ou não, mais poderosas do que os mercados?

- Mas afinal que raio de Mundo e de sociedade é que estamos a construir, uma sociedade de classe média onde as pessoas têm direitos e uma vida condigna, ou uma sociedade onde a esmagadora maioria da população será tratada como escrava ou pior?
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 31.01.2015 às 17:13

Finalmente aparece um comentador inteligente neste blogue.
Sem imagem de perfil

De am a 31.01.2015 às 22:13

Ó Anonimo ... Não és o Ze?
Sem imagem de perfil

De KGB a 31.01.2015 às 17:16

Avante, camarada! A vitória será nossa!
Sem imagem de perfil

De Zé a 02.02.2015 às 09:43



Camarada?

Vitória?

A acreditar no KGB, só se for o de Setúbal ...
Sem imagem de perfil

De V. a 31.01.2015 às 19:02

Escreve-se facto, zézinho. FACTO.
Sem imagem de perfil

De Ze a 02.02.2015 às 09:33


Meu caro V, parece que não, parece que as duas formas estão corretas ...

Sem imagem de perfil

De Ze a 02.02.2015 às 09:49



Meu caro V, como sou de ciências e não de letras, dei-me ao trabalho de visitar o corretor ortográfico da Porto Editora e ao que parece as duas versões são válidas, de qualquer modo obrigado pela ajuda.
Sem imagem de perfil

De da Maia a 31.01.2015 às 19:34


É sempre aborrecido querem-nos convencer que somos todos filhos, quando a política mundial é madrasta, e por vezes pederasta.
Imagem de perfil

De Teresa Ribeiro a 01.02.2015 às 18:10

Porque é que o capital do pós-guerra, odiava os Comunistas da URSS e o capital do seculo XXI adora os Comunistas da R P China, do Vietname e de modo geral o dumping democrático e social? - bela pergunta, Zé.

Sem imagem de perfil

De Hugo Martins a 01.02.2015 às 21:17

Boa resposta Zé.
Sem imagem de perfil

De Maria a 31.01.2015 às 19:56

Isto é o pão nosso de cada dia. É o resultado dos bons governantes que temos tido, mas que saem sempre impunes, das más governações que têm feito. Porque razão estes senhores não são punidos da má gestão pública que têm feito e é sempre o povo que paga os erros deles?
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 31.01.2015 às 22:44

Porque foi o povo que os elegeu. Logo se fez asneira no voto, paga. Não é??
E olhe que o seu "porque" deve ser "por que". Não dizer (nem escrever) asneiras ... fica bem a qualquer um e analfabetos já temos em demasia.
Sem imagem de perfil

De Maria a 31.01.2015 às 23:54

Senhor anónimo, arrogante e pedante, o povo não elegeu o CDS, mas ele está lá. Senhor anónimo, sapiente q.b., o povo elegeu mediante a mentira. Fique com a sua sapiência e deixe-me que lhe diga, seja mais modesto e modesto que é algo que fica sempre bem até aos mais sábios.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.02.2015 às 10:45

Arrogante e pedante sou, é verdade. E tenho boas razões. Minha cara amiga, recomendo-lhe que estude um pouco de ortografia. Vai ver que vai gostar.
Sem imagem de perfil

De Maria a 01.02.2015 às 18:14

Estudar ortografia, eu!... Experimente a escrever num iPad, sem ler o texto e vai ver o que lhe sai. O senhor, é que podia ter umas aulinhas de civismo, já que os arrogantes e pedantes, dificilmente se integram na sociedade.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.02.2015 às 18:31

Maria, deixe-se de partes e retire a vírgula a seguir ao senhor. Esta é forte, nem o iPad a desculpa.
"Sem ler o texto"??? Pensa que eu sou um irresponsável?
Sem imagem de perfil

De F a 03.02.2015 às 10:52

Já chega?

Comentar post



O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D