Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Enxovalho sem perdão

por Sérgio de Almeida Correia, em 30.09.15

"Das 17 mil denúncias feitas ao Ministério Público pela ministra da Justiça relativas a irregularidades nos honorários declarados pelos advogados, apenas seis desses casos foram a julgamento e nenhum foi condenado em tribunal"

 

Ela ia endireitar o sistema, fazer todas as reformas e mais algumas, correr com os vigaristas dos advogados, que eram aos milhares e campeavam impunes. Quatro anos depois o resultado foi este. A montanha nem para amostra conseguiu parir um ratinho. Nem uma condenação. Houve três ovelhas tresmalhadas, em milhares, que acabaram pagando para os seus processos serem suspensos, o que eu entendo como irregularidades que nem sequer eram graves, pois que de outro modo o MP, que também gosta de mostrar serviço ao povão, não trocaria a suspensão por euros.

Três, um número bem menor do que o de políticos do seu partido que já foram acusados e/ou condenados por variadíssimos crimes na última década; menor do que o número de membros deste Governo que foram forçados à demissão por se verem envolvidos em escandaleiras pouco recomendáveis para quem exerce funções políticas; menor do que o número de remodelações que o primeiro-ministro teve de efectuar, e muito menor do que o número de inconstitucionalidades promovidas pelo seu partido que o Tribunal Constitucional verificou durante a legislatura que agora termina. 

Paula Teixeira da Cruz, qual justiceira, armou um escarcéu para mostrar serviço no seu quintal. Mais grave porque partiu de quem envergou a toga e, quem sabe, talvez um dia volte a envergá-la. Ninguém estava à espera que depois da "argolada" (não foi a única que ficará do seu mandato) fosse pintar a cara de cor de laranja e tirasse uma fotografia para o Correio da Manhã, mas ao menos que tivesse havido a elevação de pedir desculpa a todos os que pautando a sua conduta profissional de forma honrada e séria, cumprindo escrupulosamente as leis e o seu código deontológico, foram de forma tão leviana e gratuita ofendidos quando ela recorreu ao megafone.


8 comentários

Sem imagem de perfil

De Ali Kath a 30.09.2015 às 09:44

fui roubado pelo meu ex-advogado e irmão da mesma loja do gol.
bateu-me na rua.
no julgamento o MP pediu a sua absolvição.

queixei-me em vão da juiza e do procurador

nesta republiqueta social-fascista este ramo de negócio funciona sempre
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.10.2015 às 10:34

Foi mulher que também decepcionou, são todinhos iguais
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.10.2015 às 12:16

Comentário apagado.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.10.2015 às 21:04

Distintíssimo Dr. Fernando Simões, use e abuse de um corretor ortográfico, recomendo-o!
No meio de tanto antagonismo processual, cumpre-se ressalvar dentre as demais gaffs cometidas na sua intervenção supra, que enquanto relator daquela deveria saber, que "QUEIXOZA" é inexistente.
Quanto àquilo que aqui nos descreve, instigue com meios próprios por forma a ver salvaguardados os direitos da sua constituinte.

Mui atentamente de V. exa;
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.10.2015 às 13:28

Grande Ministra
Sem imagem de perfil

De Pagante a 01.10.2015 às 14:25

"...o MP, que também gosta de mostrar serviço ao povão," - permita-me discordar desta frase, o MP não está ao serviço do "povão" mas sim, dos interesses dos procuradores, existindo uma enorme promiscuidade entre MP e políticos corruptos, sejam nacionais ou locais.
Sem imagem de perfil

De Alvaro Rosa a 01.10.2015 às 14:59

Eu tenho uma garrafa de bom wiski,com 40 graus, pois é deste que a senhora ministra gosta muito.
agostaria de lhe oferecer,só para ver se ela a certava nalguma coisa, se não acertasse que se vá embora pois só fez merda durante todo o tempo
Sem imagem de perfil

De Teresa a 01.10.2015 às 16:42

Este governo foi muito sábio ao mexer com ódios e mitos apelando aos ódios e invejas tão lusitanas.

Já Machado de Assis se referia a "impolhos formados : um haveria de ser advogado, e outro médico”, e Eça não resistiu a baralhar com Carlos da Maia.


Esta ministra é contra os advogados...

O da Educação pos os Professores a fazer ditados para mostrar que estão a dar aulas no Liceu e sabem menos que uma criança no 3º ano...

A das Finanças é contra o contrinuinte - esses malditos a viver acima das suas capacidades enquanto o País definhava...


E podiamos ir por aí fora, ministro a ministro, complexo a complexo mas o autor do blog tem mais que fazer do que (me) aturar e há sitio para se julgar estes provincianos.
Sem imagem de perfil

De João Carlos Reis a 01.10.2015 às 21:07

Por tudo aquilo que os advogados dizem nas notícias e em diversos programas televisivos e/ou em jornais, a única coisa que efectivamente, realmente e na prática lhes interessa não é o apuramento da verdade (como tanto propalam), mas ver se houve alguma falha nos procedimentos para pedir a libertação dos seus clientes...
Mas felizmente há alguns que são sérios... é pena é serem tão poucos...
Sem imagem de perfil

De s o s a 02.10.2015 às 00:21

nem gosto nada da ministra, cuja so conheço do megafone. Mas permitirá o sistema ministros diferentes ? Na atualidade cada ministro, o dos militares, o da saude, mesmo o do ensino e ate o da saude ofendem de forma leviana e gratuita o cidadao comum. Já a ministra interna ofende menos, como é como que gaga, fala pouco, pausado, pausas prolongadas. Daí perguntar-se se um ministro papagaio é melhor que uma ministra gaga ?

Comentar post



O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D