Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Enfim, um deputado liberal

por Pedro Correia, em 08.10.19

WhatsApp-Image-2019-10-07-at-13.01.39[1].jpg

 

Está de parabéns o Carlos Guimarães Pinto. Não foi eleito deputado mas viu a sua Iniciativa Liberal chegar à Assembleia da República logo à primeira tentativa, com um representante por Lisboa. Portugal era até agora o único país europeu sem uma força assumidamente liberal no seu parlamento. Esta lacuna acaba de ser preenchida. Apesar de a IL ter sido ignorada pela generalidade dos órgãos de comunicação social durante a campanha - designadamente pelas televisões, que voltaram a mostrar-se incapazes de seguir novos trilhos informativos, apostando sempre e só nos consagrados.

Tenho grande apreço pelo Carlos, que já escreveu como convidado especial no DELITO DE OPINIÃO e teve a amabilidade de ajudar a promover o nosso livro. Daqui lhe mando um forte e merecido abraço.


76 comentários

Imagem de perfil

De Vorph Valknut a 08.10.2019 às 00:22

Imagem de perfil

De Vorph Valknut a 08.10.2019 às 01:07

Pedro dei-me conta daquilo. Mas não direi nada, embora tenha sido esclarecedor. Deixou - me com uma certa mágoa , alguma desilusão, mas não indignado, ou chateado. Cumprimentos
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 11.10.2019 às 07:16

Indignado fico eu quando alguns, com ar de quem acaba de descobrir a pólvora, papagueiam agora conteúdos difamatórios e injuriosos que há vários anos foram desmentidos em toda a linha, de forma categórica, na sede própria.
Caso seja necessário, a sede própria voltará a impor-se perante novos arautos de velhas calúnias. Usem nome ou pseudónimo.
Sem imagem de perfil

De Miguel a 08.10.2019 às 08:09

Era inevitável. Em Portugal vai-se sempre a contratempo. Esse "liberalismo" era para o tempo da abundância energética e da exploração da(s) fronteira(s). Durou dois séculos e está a acabar. Um Parlamento com "ideias novas", daquelas que já nasceram velhas.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 08.10.2019 às 08:44

O lilberalismo, sem aspas, é a segunda mais forte corrente europeia. E também aquela que mais cresce - como ficou comprovado em Maio, na eleição para o Parlamento Europeu.
Que Portugal tenha sido o último parlamento na UE com um partido assumidamente liberal é uma das aberrações do nosso desequilibrado sistema político.
Sem imagem de perfil

De Miguel a 08.10.2019 às 08:49

A Europa está numa crise profunda. Por que será?
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 08.10.2019 às 09:11

Quando é que a Europa não esteve numa "crise profunda"?

A América Latina não está numa crise profunda?
O Médio Oriente não está numa crise profunda?
O continente africano não está numa crise profunda?
A China e outros países do Extremo Oriente não estão numa crise profunda?

E o que é isso tem a ver com a eleição do primeiro deputado assumidamente liberal no parlamento português, dando enfim voz àqueles cidadãos desta área política que não estavam representados na Assembleia da República?
Sem imagem de perfil

De Miguel a 08.10.2019 às 10:25

Está bem, Pedro, não se enerve. No pasa nada. Ah, a saga heróica da humanidade: sempre em crise, sempre a superar-se. Até ver. Para uma leitura que estimula a imaginação aconselho um clássico quase esquecido vindo lá das brumas que envolvem a pátria do liberalismo: "Last and First Man", de Olaf Stapledon.

(O que é que o deputado liberal tem a ver com tudo isto? Nada. E essa é, diria eu, a principal disfuncionalidade do nosso sistema político. E produtivo)
Imagem de perfil

De Vorph Valknut a 08.10.2019 às 09:17

O que é o liberalismo?
É pagarmos, com os nossos salários "da treta", tudo, como a Educação, Saúde? É privatizarmos sectores estratégicos, que asseguram a soberania nacional, como a distribuição, produção de Electricidade? Toda a Banca? As Águas?

O problema do nosso atraso não está no sistema político. O problema está no nosso atraso enquanto cidadãos. Ninguém pensa, não por ausência de tempo, mas por ausência de vontade.

Mudem - se as gentes, e o país mudará também.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 08.10.2019 às 09:21

O que é a soberania nacional?
Imagem de perfil

De Vorph Valknut a 08.10.2019 às 12:04

Isso é muito complicado e levava muito tempo.

Poderei, se me permite, defini-la pelo seu contrário ("do tipo: luz, é ausência de escuridão, dor, ausência de prazer). Assim, Soberania nacional seria algo que Portugal não tem. Algo relacionado com independência, no sentido de termos, em nossas mãos, o destino da nação, a liberdade de escolhermos o nosso caminho.

Passa até por aqui, essa Soberania. Vê, é tema muito demorado e aborrecido.

https://edition.cnn.com/2019/09/12/business/china-pork-reserves-african-swine-fever/index.html


It matters not how strait the gate,
How charged with punishments the scroll,
I am the master of my fate,
I am the captain of my soul.

Imagem de perfil

De Pedro Correia a 08.10.2019 às 12:11

Isso equivale ao argumentário dos conservadores britânicos em defesa do Brexit, sedentos de "soberania nacional".
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 08.10.2019 às 10:27

A Iniciativa Liberal não propõe que paguemos com os nossos salários a educação e a saúde. Propõe sim que, mantendo o financiamento do Estado, haja liberdade de escolha dos prestadores de educação e saúde. Ou seja, que as pessoas possam escolher a que prestador de cuidados de saúde recorrer, e escolher em que escola inscrever o seu filho, mas mantendo-se o pagamento (essencialmente) no Estado.

O setor "estratégico" da eletricidade já hoje se encontra totalmente privatizado, e o setor "estratégico" da banca também é quase totalmente privado, e ninguém pode dizer que daí advenha qualquer mal especial.
Sem imagem de perfil

De Miguel a 08.10.2019 às 12:45

Socializar os custos, privatizar os lucros. Nada de novo a sudoeste.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 08.10.2019 às 15:02

A banca é controlada pelo BCE e as suas impressoras , a energia é controlada pelo poder político por via da legislação e "Entidades" e "Autoridades" , até o preço da RTP vem na factura.


lucklucky
Imagem de perfil

De Vorph Valknut a 08.10.2019 às 18:18

Luís Lavoura, a traços largos o programa da IL não é mau. Estou só com uma dúvida. O Ricardo Arroja faz parte do Partido? Se fizer sustento o que afirmei
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 09.10.2019 às 09:22

Não faço ideia se Ricardo Arroja é membro da IL ou não. Pergunte-lhe a ele.
Eu não sou nenhum manda-chuva da IL para poder espiar a lista de membros do partido.
Sem imagem de perfil

De Tiro ao Alvo a 08.10.2019 às 13:34

Toda a Banca? Para os Partidos meterem lá os seus boys? Para esses gestores darem largas à vaidade e servirem quem os indicou? Para arrajarem operações bancárias mais do que deficitárias e exigirem mais e mais impostos de todos, especialmente dos mais desafavorecidos?
Que Deus nos acuda!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 08.10.2019 às 15:15

E não é isso que acontece com ela "privatizada", mais é toda do Estado porque se a executasse as dividas da mesma ao Estado não ficavam pagas...

WW
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 08.10.2019 às 15:19

Corram com todos. Façam uma purga, uma depuração, à moda da extrema-esquerda.
No final ficam muito poucos mas todos muito puros. Talvez só dois, a dançar o tango: Rio e o secretário-geral Silvano, esse grande exemplo de ética política, que "assinava" folhas de presença em São Bento quando estava a 300km do parlamento.
Imagem de perfil

De Vorph Valknut a 08.10.2019 às 18:13

Tiro, toda não. Haver um Banco de Fomento dedicado às PME e não ao crédito puro e duro.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 08.10.2019 às 10:27

“A Iniciativa Liberal acredita na liberdade individual, de que todos os indivíduos têm direitos fundamentais onde se inclui dirigir a sua própria vida, o direito a dispor da sua propriedade e a escolher como viver em comunidade. Na sua concepção a liberdade deve ser vista de forma completa abrangendo e promovendo uma diminuição da presença do Estado na economia (liberdade económica), social e política pois na restrição de uma destas a liberdade deixa de existir. Defende as ideias políticas que permitam pessoas livres, sociedades livres, mercados livres, cidadãos livres, sustentado no facto de que a liberdade é o maior motor de geração de desenvolvimento humano, de harmonia social, e de prosperidade económica.”
Lamento a minha falta de entusiasmo, mas não vejo aqui nada de novo.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 08.10.2019 às 14:57

Pois. Você prefere um hemiciclo só com socialistas de diversos matizes. É mais "plural".
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 08.10.2019 às 15:19

Já se filiou ?
Apresse-se que aquilo ainda acaba antes da Aliança.
Elegeu um deputado independente ao que julgo saber, mas independente em quê, é mais liberal ou menos liberal :::!

WW
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 08.10.2019 às 15:21

Você vive obcecado com as minhas supostas filiações.
É alguma pulsão homoerótica?
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 08.10.2019 às 15:35

Uma "aranhonça" de acordo com a IL.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 08.10.2019 às 22:13

Bem sacada, essa designação.
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 08.10.2019 às 10:33

Não me parece correto felicitar em particular o Carlos Guimarães Pinto. Primeiro, porque não foi somente ele, nem sequer principalmente ele, a fazer a campanha da Iniciativa Liberal. Segundo, porque a Iniciativa Liberal teve no distrito pelo qual o Carlos concorreu (Porto) um resultado muito modesto (1,5%) (aliás tal e qual como em todos - menos um - os outros distritos do país), ao contrário daquilo que aconteceu no distrito de Lisboa (2,5%).
O mérito da IL está todo no distrito de Lisboa, não está no distrito do Porto. Quem deve ser felicitado é quem fez a campanha em Lisboa.
Perfil Facebook

De Ricardo Abreu a 08.10.2019 às 13:02

O CGP fez campanha no Porto e em Lisboa, sendo natural da Póvoa fez muito bem em ser candidato pelo Porto. No Porto o PSD teve mais 50.000 votos que em Lisboa, não é difícil perceber porque é que "migraram" menos votos neste distrito. Também é natural começar por eleger em Lisboa, exemplo claro foi a estratégia de sucesso do Livre nestas legislativas.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 08.10.2019 às 14:57

Naturalmente.
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 08.10.2019 às 15:04

Evidentemente que CGP fez bem em ser candidato pelo Porto, se é de lá natural e é lá que reside (como penso que seja o caso).

não é difícil perceber porque é que "migraram" [do PSD para a IL] menos votos neste distrito

Para mim até me parece difícil de perceber. A minha opinião é que, por a sociedade nortenha ser marcadamente mais conservadora que a do Sul, as pessoas lá têm mais medo do liberalismo - que, por definição, é anti-conservador. Também, as pessoas no Norte vivem mais agarradas às tradições familiares - uma das quais, em muitas famílias, será votar num determinado partido.

é natural começar por eleger em Lisboa

Sim, é natural que, se um partido tiver a mesma percentagem de votação em todo o país, eleja mais facilmente por Lisboa do que pelo Porto.

Agora, o que já não é nada natural são as grandes diferenças de sucesso da Iniciativa Liberal entre o distrito de Lisboa, no qual obteve 2,5% dos votos, e todos os restantes distritos do país (incluindo o distrito do Porto), nos quais obteve sempre menos de 1,5% dos votos. Parece que a Iniciativa Liberal é um partido a duas velocidades: Lisboa a grande velocidade, todo o resto do país a velocidade moderada ou baixa. E, mesmo nos distrito de Lisboa, há enorme diferença entre o sucesso da IL no eixo Lisboa-Cascais, e em todo o resto do distrito.
Imagem de perfil

De João Pedro Pimenta a 08.10.2019 às 17:24

O Luís Lavoura comete um erro de palmatória ao falar de "sociedade nortenha", como se o Norte fosse assim tão homogêneo e não houvesse grandes diferenças entre Trás-os-Montes e o Douro Litoral, por exemplo. É verdade que no seu todo é mais conservador, mas o Porto é tido como cidade liberal, até por razões históricas - não por acaso, a IL colocou cartazes nesse sentido, com a efígie da estátua de D. Pedro IV e o apelo à descentralização territorial. E havia mais figuras ligadas à IL, como um dos principais vereadores da CMP do movimento de Rui Moreira, Ricardo Valente. Estava à espera que no Porto tivessem mais votos, mas o efeito Rio, ao menos na cidade, terá desviado alguns eleitores.
Imagem de perfil

De Vorph Valknut a 09.10.2019 às 10:24

A sociedade nortenha mais conservadora, menos liberal? Veja a quantidade de PME que existem cá em cima.

Talvez quisesse dizer que os nortenhos vão mais à missa. Mas isso pode ser positivo. Aliás, talvez por isso os nortenhos, os portuenses, em particular, confiem muito mais uns nos outros do que os lisboetas. Por essa razão o Porto é a Cidade Liberal por excelência.
Imagem de perfil

De Vorph Valknut a 08.10.2019 às 18:24

Ricardo, também é natural começar por eleger em Lisboa, exemplo claro foi a estratégia de sucesso do Chega nestas legislativas.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 08.10.2019 às 18:31

O CGP é natural da Póvoa? Pensei que era de Espinho.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 08.10.2019 às 22:15

De Paramos, concelho de Espinho.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 08.10.2019 às 22:37

Não sei se o País aguenta com dois líderes partidários naturais de Espinho. O que se perfila no PSD dá entrevista amanhã para gáudio da trupe da intriga.
Lá vem a "tralhada" toda outra vez brincar com o destino do único partido que poderia fazer efectiva diferença.

Isabel
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 08.10.2019 às 23:10

O que é que tem contra Espinho?
Já se sentiu infeliz lá?
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 08.10.2019 às 23:46

Pelo contrário, sempre achei Espinho um ponto de partida promissor. Não estou tão certa é da chegada. Um dia trocarei isto por miúdos.

Isabel
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 08.10.2019 às 23:52

Em tempo de rosas, convém haver alguns espinhos.
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 09.10.2019 às 09:24

Espinho, dizia-me um dia uma pessoa que era de lá, é uma cidade em que as pessoas têm mentalidade de aldeia.
Tenho todas as razões para crer que assim é, de facto.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 09.10.2019 às 11:19

'Lesboa' é que é. Nem há "mentalidade de aldeia" em 'Lesboa'.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 09.10.2019 às 13:37

Lisboa é a soma dos muitos Espinhos do País.

Isabel
Sem imagem de perfil

De marta a 08.10.2019 às 13:15

As reacções aos resultados da IL no "tuítér" e afins mostram bem a maturidade, a responsabilidade e o carácter dos nossos democratas de turno. Vê-se como estão tão abertos à diferença, à diversidade, ao confronto de ideias e à mudança.

Desejo a maior sorte à Iniciativa Liberal nos próximos quatro anos.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 08.10.2019 às 14:58

Não frequento isso e pelo que vou sabendo não perco nada.
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 08.10.2019 às 16:31

Como assim? Perde os tuítes do presidente Donald Trump!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 08.10.2019 às 13:43

“A Iniciativa Liberal … Na sua concepção a liberdade deve ser vista de forma completa abrangendo e promovendo uma diminuição da presença do Estado na economia (liberdade económica), social e política pois na restrição de uma destas a liberdade deixa de existir…”

A subvenção de campanha é diferente da subvenção pública?
É.
A IL abdicou da subvenção de campanha?
Abdicou.
A IL vai abdicar da subvenção pública?
Não.

https://www.msn.com/pt-pt/video/sicnoticias/iniciativa-liberal-abdica-da-subvenção-partidária/vi-AAIqOPw
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 08.10.2019 às 14:58

Subvenção de campanha é naturalmente diferente de subvenção pública após eleição.
A IL esteve bem antes e está bem agora.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 08.10.2019 às 15:27

O anónimo porque é que não faz a pergunta aos Comunistas, Bloquistas e Socialistas de diversas cores quando compram produtos de produção capitalista?


A IL é obrigada a ter praticas socialistas pela violência de uma lei logo tem todo o direito a receber tudo o que está na mesma lei.


Note-se que quando um apoiante do Bloco de Esquerda compra um Samsung <- malvada empresa capitalista - está a fazê-lo de livre vontade, não tem a violência da lei para o obrigar.

Mas os Comunistas e Socialistas precisam sempre de obrigar os outros que não são. Criarem uma Comuna onde provariam o bem das suas ideias é que não fazem.

Espero ver o anónimo ser coerente e defender a Objecção de Consciência no pagamento de impostos.



lucklucky
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 08.10.2019 às 14:57

A maior parte dos partidos "liberais" Europeus não tem nada ou muito pouco de liberal. É assim como chamar ao PSD de "direita" eles que têm aumentado os impostos e o poder do Estado sempre que vão para o Governo.

É aliás uma nódoa negra a Iniciativa Liberal ter aderido ao ALDE.

Se o ALDE fosse Liberal faria tudo para facilitar o Brexit e fazer com que as coisas funcionassem.

Ao invès temos um importante representante do ALDE a fazer discursos a favor de um Império Europeu.


lucklucky

Imagem de perfil

De Pedro Correia a 08.10.2019 às 15:00

Caramba, só um deputado já incomoda tanta gente.
Bom sinal.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 08.10.2019 às 15:16

Não me parece que tenha contestado o que disse.
Apenas contestou o que eu não disse nem penso.

É uma boa notícia o IL ter eleito o deputado pena não ter eleito mais.


lucklucky
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 08.10.2019 às 16:35

Se o ALDE fosse Liberal faria tudo para facilitar o Brexit

Que disparate. O Brexit tem tudo a ver com nacionalismo, nada com liberalismo.

A União Europeia tem que defender os seus interesses, em particular e muito em especial os interesses dos seus pequenos países, neste caso a Irlanda. Não tem nada (a União Europeia) que defender os interesses nacionalistas dos ingleses.

Se amanhã Espanha fizesse um referendo em que decidisse sair da UE, eu esperaria e desejaria que a UE defendesse os interesses de Portugal. Tal e qual como agora está a proteger os interesses da Irlanda.
Imagem de perfil

De Vorph Valknut a 08.10.2019 às 18:30

Andam todos baralhados. Existe um Liberalismo filosófico, político, que nada tem a ver com o liberalismo económico.

O liberalismo político, relaciona - se com autonomia dos países, em termos de soberania, tal como o liberalismo económico relaciona - se com a autonomia do indivíduo, relativamente ao Estado.

Um exemplo de um Estado político liberal, mas não económico, era a Inglaterra Vitoriana. Um exemplo de um Estado económico liberal, mas não político, era o Estado de Utah, até Abril deste ano.
Imagem de perfil

De Vorph Valknut a 08.10.2019 às 23:42

Talvez o Período Eduardino e não a Era Vitoriana
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 08.10.2019 às 19:39

O Liberalismo é o direito de pessoas e comunidades escolherem o seu caminho. Isso incluí fecharem-se.

Pode-se ser Comunista e Liberal : Criar uma Comuna com as pessoas que acreditam nessa ideia em vez de como fazem todos os Partidos Comunistas obrigarem os não Comunistas a serem-no.

Para o Luís Lavoura o Nacionalismo da União Europeia está bem. Mais uma demonstração que os anti-Nacionalistas só querem é um Nacionalismo geograficamente maior.

Quando os Checos e Eslovacos se separaram não houve dramas. O que se passa prova como a União Europeia é uma força anti-liberal. Como se já não bastasse como se comporta com a Suíça.

lucklucky
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 09.10.2019 às 15:12

(1) O liberalismo nada diz sobre comunidades. Muito menos sobre "comunidades" inventadas e involuntárias, como sejam países.

(2) A União Europeia não é nacionalista.

(3) O Reino Unido é perfeitamente livre de sair da União Europeia, e esta não o impede de tal, aliás a saída está prevista nos tratados da União. Agora, a União defende os seus interesses e os interesses dos seus Estados-membros. O Reino Unido pode sair, mas a União só dará o seu acordo a essa saída se ela não aruinar a economia da Irlanda, e se não violar um tratado internacional - os Acordos de Sexta-Feira Santa - que esse Estado-membro assinou, tratado esse em que o Reino Unido e a Irlanda se comprometeram a que não existisse uma fronteira física entre as duas Irlandas. E decorre desse tratado que o Reino Unido tem que estar na mesma união aduaneira em que a República da Irlanda se encontra. É somente isso que a União Europeia exige do Reino Unido - que este permaneça na união aduaneira europeia. Afora isso, a União Europeia dá completo assentimento a que o Reino Unido se vá embora.
Imagem de perfil

De Vorph Valknut a 10.10.2019 às 15:25

(1) O liberalismo nada diz sobre comunidades. Muito menos sobre "comunidades" inventadas e involuntárias, como sejam países.


Mas o liberalismo defende as criadas se voluntárias, contra as inventadas e involuntárias
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 10.10.2019 às 15:31

Então você prefere o pré-liberalismo. Ou seja, o absolutismo.
Enfim, cada um come do que gosta.
Imagem de perfil

De Vorph Valknut a 10.10.2019 às 15:52

Eu disse isto :

Mas o liberalismo defende as criadas se voluntárias, contra as inventadas e involuntárias

Penso que andam por aqui linhas, respostas, cruzadas
Imagem de perfil

De Vorph Valknut a 10.10.2019 às 14:54

O Liberalismo é o direito de pessoas e comunidades escolherem o seu caminho.

E o Anarquismo?
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 10.10.2019 às 15:03

É o oposto disso.
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 10.10.2019 às 11:48

Se o ALDE fosse Liberal faria tudo para facilitar o Brexit

É o próprio Reino Unido que pode e deve facilitar o Brexit. Basta fazer uma coisa muito simples - colocar uma fronteira física entre a Irlanda do Norte e a Grã-Bretanha. Essa fronteira (que seria controlada por guardas fronteiriços da União Europeia) garantiria que as fronteiras aduaneiras da União Europeia seriam entre a Irlanda e a Grã-Bretanha, e não entre a Irlanda do Norte e a do Sul - o que aliás é probido pelos Acordos de Sexta-Feira Santa.

É simplicíssimo. Mas o Reino Unido rejeita liminarmente essa possibilidade.

Sendo o Reino Unido quem pediu para sair, é ele quem tem a obrigação de facilitar a saída. Nomeadamente, fazendo isto - uma fronteira entre a Irlanda do Norte e o resto do Reino.

A União Europeia não tem culpa nenhuma de que, devido aos estúpidos problemas políticos do Reino Unido, este não seja capaz de facilitar ele mesmo a sua saída da União.
Sem imagem de perfil

De Isabel a 08.10.2019 às 17:24

Os partidos liberais do parlamento europeu têm um alcance muito mais lato do que os partidos liberais dos séculos XIX e XX. É o grupo parlamentar do partido de Macron que defende o fim das nações europeias e uma Europa Federal, de regiões, comandada pelo eixo Franco/alemão. Defende ainda o fim das fronteiras no mundo, liberdade total de circulação de capitais, pessoas, bens e serviços em todo o planeta. Foi dentro desta ordem de ideias que ele vendeu o aeroporto de Toulouse aos chineses e, há pouco tempo, queria privatizar a empresa « Aéroports de Paris » mas as oposições foram tão fortes que a ideia foi adiada.
Para os liberais europeus, também chamados de mundialistas ou globalistas, o conceito de nação não tem qualquer significado tal como o conceito de cultura nacional e, nas suas palavras, a colonização foi um crime contra a humanidade. Não sei se é esta a ideologia do IL mas penso que não.
Imagem de perfil

De Vorph Valknut a 08.10.2019 às 18:21

Sim, há uma certa confusão entre liberalismo e libertanismo (anarcocapitalismo) que muitos confundem.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 08.10.2019 às 18:34

"Para os liberais europeus, também chamados de mundialistas ou globalistas, o conceito de nação não tem qualquer significado tal como o conceito de cultura nacional e, nas suas palavras, a colonização foi um crime contra a humanidade. Não sei se é esta a ideologia do IL mas penso que não"

Encaixa mais no Partido Libertário
Sem imagem de perfil

De Isabel a 08.10.2019 às 21:45

Macron identifica o seu partido como liberal e progressista e aqueles que formam o grupo liberal do PE assim também se definem.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 08.10.2019 às 23:50

Segundo maior grupo no Parlamento Europeu. E aquele que mais cresceu nas eleições de Maio.
Portugal está finalmente também inserido, a partir de agora, nesta grande família política europeia.
Imagem de perfil

De Vorph Valknut a 09.10.2019 às 10:29

O Fidesz também se considera liberal.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 09.10.2019 às 11:17

Esse partido é parceiro do PSD de Rio no PPE.
Nada tem a ver com os liberais.
Imagem de perfil

De Vorph Valknut a 09.10.2019 às 16:08

Assumem-se como Conservadores Liberais. Trocado por miúdos, politicamente, significa o quê?
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 09.10.2019 às 22:51

Boa pergunta para fazer ao doutor Rio, que em Portugal se proclama de "centro-esquerda" enquanto mantém o PSD filiado no PPE - família política conservadora.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 08.10.2019 às 19:04

Não votei no IL, mas acho que o resultado deste partido foi a única boa notícia das eleições. Era preciso um reforço da direita em Portugal e o IL conseguiu. A ver vamos se o facto de ter representação parlamentar permite que a existência de uma voz liberal autêntica em Portugal. Todos conhecemos, concordemos ou não com as suas posições, quem defenda mais liberdade individual e menos Estado, e todos sabemos que não tinham voz em Portugal. A questão é saber se chegaram tarde. Na perspectiva económica é difícil acreditar que baste menos Estado para existir um mercado livre e justo. Na perspectiva dos direitos individuas é impossível não registar que degeneraram na pantominice das identidades.

Isabel

Comentar post


Pág. 1/2



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D