Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Em louvor de Clement Attlee

por Pedro Correia, em 08.09.17

 Attlee com a mulher, Violet, logo após a vitória eleitoral dos trabalhistas em 1945

 

Clement Richard Attlee (1883-1967) era um homem destituído de carisma. Um esforçado militante de esquerda que, superando inúmeras crises nas suas hostes, alcançou em 1935 a liderança do Partido Trabalhista britânico.

Estavam então no poder os conservadores -- primeiro liderados por Stanley Baldwin, depois por Neville Chamberlain. Quando ocorreu a guerra -- a mais devastadora de todas as guerras -- outro conservador, Winston Churchill, ascendeu à chefia do Governo londrino.

Attlee podia ter-se refugiado na trincheira partidária. Mas não: assumiu uma atitude patriótica, aceitando integrar o executivo liderado por Churchill. Sempre na segunda linha, inicialmente apenas como ministro, depois como vice-primeiro-ministro -- posto até aí inexistente, criado especialmente para ele.

Foi de uma lealdade inquebrantável a Churchill durante os cinco penosos anos de guerra. O governo de unidade nacional -- que integrava ainda os liberais, além dos conservadores e dos trabalhistas -- funcionou sempre como um bloco. Sem que a liderança de Churchill fosse alguma vez discutida, sem que a lealdade de Attlee fosse alguma vez posta em causa.

 

Vencida a guerra, em Maio de 1945, a coligação dissolveu-se e realizaram-se eleições. E os mesmos britânicos que aplaudiram a gestão de Churchill durante o conflito que deixou o Reino Unido depauperado, tanto em vidas humanas como nas finanças públicas, disseram nas urnas que era tempo de confiar a outro político os destinos do país.

Ganhou Attlee, com 47,7%, contra 36% de percentagem atribuída aos conservadores: pela primeira vez o Partido Trabalhista dispunha de uma larga maioria na Câmara dos Comuns. E nos anos seguintes, sob a sua liderança, a esquerda britânica assumiu o poder. Governando com tanta eficácia a Grã-Bretanha em tempo de paz como Churchill a governara nos dias incertos da guerra.

Depois de enterrar os mortos, chegara o tempo de cuidar dos vivos -- como ensinou o nosso Marquês de Pombal. Attlee soube cuidar dos vivos: lançou as bases do Serviço Nacional de Saúde britânico, de base universal e gratuita, alargou a segurança social e delineou um ambicioso programa de habitação pública -- marcos modelares daquilo a que por estes dias chamamos "Estado Social". De tal maneira modelares que Churchill manteve-os inalterados quando regressou ao poder, em Outubro de 1951.

 

Attlee, o político sem carisma, é hoje recordado como um dos melhores primeiros-ministros britânicos de todos os tempos. Quando morreu, em Outubro de 1967, o Guardian acertou em cheio ao prever que a passagem do tempo só engrandeceria a sua figura. Assim aconteceu. Uma sondagem realizada pelo Times em 2010 considerou-o o mais qualificado de todos quantos governaram no século XX.

 

Porquê?

Porque soube agir em dois tempos, conforme as circunstâncias exigiam: baixou bandeiras partidárias quando era esse o seu dever patriótico no momento em que a soberania britânica estava em risco e foi recompensado por isso com dois mandatos sucessivos que lhe permitiram enfim aplicar o seu programa de vastas reformas sociais. Deixando o país numa situação de pleno emprego e a crescer ao ritmo de 3% ao ano.

 

Por vezes lembro-me de Attlee ao analisar o percurso de certos políticos contemporâneos. E concluo sempre que o seu exemplo ganharia em ser seguido por todos quantos, manifestamente equivocados, ambicionam o máximo para o momento seguinte. Como se não houvesse amanhã. Como se o decurso do tempo funcionasse como adversário e não como aliado. Como se a política não fosse sobretudo um exercício inteligente e laborioso de persuasão e persistência. Como se os livros de História pesassem menos do que as manchetes da manhã seguinte.

 

Daqui a um mês, a 8 de Outubro, assinalam-se os 50 anos da morte de Attlee

Autoria e outros dados (tags, etc)


8 comentários

Sem imagem de perfil

De Alain Bick a 08.09.2017 às 11:26

assisti à criação do estado social em pirâmide
baseado em pressupostos errados:
3% de crescimento
império colonial
esperança de vida
......
Sem imagem de perfil

De Vlad, o Emborcador a 08.09.2017 às 12:43

Sobre o Esquema de Ponzi assenta toda o negócio financeiro/criação de capital através do sistema de reserva fracionário....
Sem imagem de perfil

De Vlad, o Emborcador a 08.09.2017 às 11:42

A lógica empresarial infectou a lógica política. O que interessa é o curto prazo, desprezando-se quer a sustentabilidade, quer os não nascidos, aos maduros e fora de época....o Poder e a Politica criaram uma lógica auto-referente onde o ser humano e qualidade de vida foram fagocitados
Sem imagem de perfil

De jose pires a 08.09.2017 às 16:53

Boa tarde,
Gosto bastante deste seu texto, que daria pano para muitas mangas.
Permita-me apenas dois comentários:
- Não, a política não é, nem nunca foi, um exercício inteligente e laborioso de persuasão e persistência; é, e sempre foi, o mais brutal e evidente exemplo de darwinismo, em que os machos alfa lutam permanentemente entre si para decidirem quem conduz a manada.
- Em tempo de guerra é fácil baixar bandeiras, como fez Attlee; acresce que a Inglaterra tem séculos de tradição democrático - parlamentar, e isso conta, e muito. Portugal tem 40 anos (um pouco menos se descontar-mos o PREC :-))).
Cumprimentos.
Sem imagem de perfil

De sampy a 09.09.2017 às 14:44

"assumiu uma atitude patriótica, aceitando integrar o executivo liderado por Churchill".

Depois de ter rejeitado integrar o executivo de Chamberlain, e de o ter fragilizado com uma moção de censura a ponto de o levar à demissão, arrastando ainda o "natural" sucessor.

Portanto, é consequente com o facto de terem sido os trabalhistas a por Churchill no governo, o terem aceitado integrar o seu executivo. Sendo que Attlee deixou bem claro que tal não significava que ele renunciasse às suas políticas programáticas. E foi a sua implementação (e primeiros resultados) durante o período de guerra que lhe valeram a conquista do poder em 1945.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 09.09.2017 às 14:45

Ah, o Chamberlain, esse herói da cerviz dobrada. Que saudades de Munique.
Imagem de perfil

De João Pedro Pimenta a 09.09.2017 às 17:39

Boa lembrança, Pedro, de um homem que não sendo de um carisma indiscutível (se fosse hoje diriam que não seria "mediático") era um verdadeiro estadista e um patriota, que sabia de que é que o Reino Unido precisava em tempo de paz (e os britânicos também, ao concederem-lhe o voto). Do tempo em que os socialistas não tinha medo de impôr a austeridade se necessário fosse para recolher os frutos mais tarde. A França teve poucos anos antes um primeiro-ministro socialista de igual valor, Léon Blum, mas que estava acossado entre o radicalismo de direita e de esquerda, problemas que Attlee felizmente não teve de enfrentar.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 09.09.2017 às 18:25

Gosto de invocar o exemplo de Attlee precisamente por isso, João Pedro. Por me parecer ao mesmo tempo tão acertado e tão fora de moda - a começar pela ausência de carisma, como acentuas.
E gosto de verificar como estes estadistas, independentemente de opiniões diversas e até de confrontos de personalidades, mantinham grandes linhas condutoras nas traves mestras do regimes. Foi assim com Attlee em relação à política externa de Churchill, por exemplo, naqueles anos quentes da Guerra Fria. Foi assim também com Churchill em relação ao Sistema Nacional de Saúde criado na legislatura anterior.

Comentar post



O nosso livro





Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D