Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





48 comentários

Imagem de perfil

De Pedro Correia a 11.10.2015 às 00:07

Mas se vocês afinal querem postos ministeriais e apoiam agora as "políticas de direita" do PS, preparem-se para fazer como o Tsipras: acolhem o Tratado Orçamental, submetem-se às regras do Banco Central Europeu, esquecem a "reestruturação da dívida" e nem pensem em abandonar o euro.
A não ser que seja tudo joguinho de faz-de-conta para entreter as plateias nestes dias pós-eleitorais.
É bem capaz de ser este o caso, como muitos socialistas já perceberam.
Sem imagem de perfil

De PS Esquerda a 11.10.2015 às 01:33

Ninguém quer postos ministeriais, querem-se governos que olhem o país e os seus cidadãos. Há vida para lá da dívida e isso, nunca interessou a este governo que massacrou, expropriou e vendeu tudo, para no fim termos uma dívida bem maior. Ainda bem que falou da reestruturação da dívida. Diga-me sem rodeios, como é que vamos pagar uma dívida impagável, sem reestruturá-la. Não faça rodeios e diga de forma bem clara, de maneira que todos que por aqui passam, percebam como se vai pagar a dívida, da qual, ainda não se pagou um cêntimo, apesar de tanta austeridade. Uma coisa pagámos, com fartura, juros e mais juros e enquanto pagávamos juros, a dívida crescia e os empréstimos bancários não param para pagar a dívida, o que quer dizer que passamos a vida a pedir a uns para pagar a outros. Explique, com clareza! Para todos entendermos.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 11.10.2015 às 09:47

Clareza é o que falta da parte dos defensores de um "governo de esquerda".
Dizem que querem "correr com a direita" disponibilizando-se para apoiar um partido que sempre teve "políticas de direita" - primeira contradição.
Garantem desde já que não irão para esse governo mas asseguram que ficarão de fora, a brincar aos treinadores de bancada - segunda contradição.
Antecipam que não votarão moções de rejeição a esse governo oriundas da direita, mas omitem o que farão no caso do principal instrumento da acção governativa, que é o Orçamento do Estado - terceira contradição.
Finalmente, olhemos para o passado. Soares, Guterres e Sócrates, socialistas que lideraram executivos minoritários, nunca - nunca mesmo - contaram com um só voto oriundo da "verdadeira esquerda" - quarta e fundamental e definitiva contradição.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 11.10.2015 às 12:24

Não se consegue é fazer com que Pedro Correia ou qualquer político de direita explique como pagar a dívida impagável. Por acaso tenho muita curiosidade em saber mas ninguém me esclarece.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 11.10.2015 às 12:46

Como é que se paga a dívida? Paga-se com blablablá. E se for preciso vamos berrar à porta dos credores com um megafone: "Não pagamos, pá!"
Fica tudo resolvido.
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 11.10.2015 às 13:55

"Não se consegue é fazer com que Pedro Correia ou qualquer político de direita explique como pagar a dívida impagável. Por acaso tenho muita curiosidade em saber mas ninguém me esclarece."

Qual dívida impagável?
Défice Zero e paga-se a Dívida sem problemas. Coisa que populistas de esquerda como você não quer.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 11.10.2015 às 12:30

Não se consegue é fazer com que Pedro Correia ou qualquer político de direita explique como pagar a dívida impagável. Por acaso tenho muita curiosidade em saber mas ninguém me esclarece.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 11.10.2015 às 12:47

Você insiste em vir com a mesma conversa, Dupont. Já respondi ao Dupond, ali mais acima.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 11.10.2015 às 13:07

Pois mas não explica. Fico ignorante como dantes. Agradeço o seu esforço.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 11.10.2015 às 16:16

Quem é que está a comentar agora? O Dupond ou o Dupont?
Sem imagem de perfil

De PS Esquerda a 11.10.2015 às 12:41

Parece não conhecer como governam os países do Norte da Europa. Ao que parece a esquerda está pronta a mudar, nem que para isso abdique dos seus ideais, mas não foi nesse ponto que me foquei. Perguntei-lhe e pedi-lhe que explicasse como se vai pagar uma dívida impagável reconhecido por todos de " impagável" sem resstruturá-la. Repito-lhe, não desconverse e diga de forma clara de maneira a que todos que por aqui passam, fiquem elucidados, de como se vai pagar a dívida, da qual, ainda não pagámos um cêntimo, apesar de tanta austeridade e de tanta venda, ficando Portugal sem nada de seu, a não ser cidadãos. Uma coisa temos pago com fartura, juros e mais juros e enquanto pagamos juros, a dívida cresce e os empréstimos bancários não param para pagar a dívida, o que quer dizer que vamos passar a vida a pedir a uns, para pagar a outros e a maldita austeridade nunca mais vai parar. Explique com clareza, para todos percebermos!
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 11.10.2015 às 12:54

É fácil.
1. Constitui-se um "governo verdadeiramente de esquerda".
2. Este governo determina um aumento brutal da despesa pública, em salários e prestações sociais.
3. O mesmo governo determina uma quebra radical da receita pública, decretando uma redução generalizada dos impostos.
4. O diferencial entre o aumento da despesa e a redução da despesa é compensado com dívida externa, aproveitando o facto de Portugal ter reconquistado o acesso ao financiamento autónomo a juros baixos no mercado internacional.
5. A dívida faz disparar o défice, entrando o Estado português em incumprimento com o Tratado Orçamental.
6. O défice provoca a subida as taxas de juro a que nos financiamos no mercado externo.
7. A crescente dificuldade em obter financiamento externo leva à pré-rotura da situação financeira interna.
8. Segue-se um quarto pedido de resgate, a assinatura de um Memorando de Entendimento e a consequente tutela do País pelas instituições internacionais.
9. O governo "verdadeiramente de esquerda" cessa funções, seguindo-se uma eleição legislativa da qual sai um governo de direita.
Sem imagem de perfil

De PS Eswuerda a 11.10.2015 às 13:50

Isto é resposta de quem não sabe responder nem tem como responder e depois responde com disparates. Estamos a falar dum governo da coligação e o Pedro Correia não tem resposta porque o PSD/CDS nunca quiseram fazer nada para a pagar a não ser endividar mais e mais o país. É grave escrever o que escreveu, pois parece desconhecer como se faz ou pode fazer uma reestrturação de dívida. No mínimo veja como se fez a da Alemanha. Melhor, sabe, não interessa é fazer isso porque a UE, Eurogrupo, FMI, BCE e a Alemanha, impõem que assim seja. Mais, informe-se, pois parece desconhecer que a Holanda é um dos maiores devedores da zona Euro, dito pelo próprio presidente do Eurogrupo, de nacionalidade holandesa mas aparece sempre como um exemplo a seguir. Tudo isto é gravíssimo, mas a direita mais não faz que vender ilusões e mentir deixando os portugueses na ilusão e na mentira. Um jornalista tem de informar e não apoiar este ou aquele governo que é o que aqui se passa.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 11.10.2015 às 16:20

Quando alguém recorre ao insulto ("responder com disparates"), informa-me que ficou sem argumentos e perdeu por completo a capacidade de argumentar.
Foi o que sucedeu consigo.
Sem imagem de perfil

De PS Esquerda a 11.10.2015 às 18:20

Nunca na vida o "disparate" foi insulto, muito menos quando estamos a falar do governo de coligação e o Pedro não responde, respondendo desconversando, pondo à baila, governos de esquerda. Quantos disparates fazemos na vida e não estamos a insultar ninguém! Se para si é insulto, é grave. Insulto é fazer dos portugueses parvos e escondendo-lhes o que fazem, para se aumentar o impagável. Não fiquei sem argumentos porque continuo com eles todos, até ser esclarecido. Lamento é que não tenha resposta para o contraditório do que argumentei e não consiga esclarecer. Estes comentários elucidaram-me bem daquilo que já sabia que o governo PSD/CDS, não pagará nada porque não tem como e os senhores de Bruxelas, impõem-lhes austeridade, à qual obedecem sem olhar a meios porque eles não conseguem e não sabem negociar.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 11.10.2015 às 18:59

Você até agora limitou-se a deixar aqui um chorrilho de disparates.
Sem imagem de perfil

De PS Esquerda a 11.10.2015 às 20:13

Diz que eu deixei um chorrilho de disparates. São disparates para si porque são verdades incomodativas. Eu limitei-me a dizer verdades e o Pedro limitou-se a não responder, a desconversar, a desviar-se do tema ou então, responde, como respondeu a outro comentador, sobre o mesmo tema que a dívida paga-se com blablabla. Isto é que não é correcto, para quem tanto se orgulha de ter um blog com tanta popularidade.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 11.10.2015 às 20:30

Limitei-me a devolver-lhe o qualificativo, nada mais.
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 11.10.2015 às 13:53

"Há vida para lá da dívida e isso, nunca interessou a este governo que massacrou, expropriou e vendeu tudo, para no fim termos uma dívida bem maior."

É claro que temos um dívida bem maior, temos défice sabe?

Agradeça ao seu PS Esquerda, pois se não tivéssemos de pagar o juros da Dívida monstruosa feita em 4 anos de sucessivos , os 10 e 12% de défice do Governo PS Esquerda, hoje já estávamos em superavit a poder reduzir a dívida.


Ainda mais lata é um tipo de esquerda a falar em "expropriações". Já a palavra "nacionalizações" estaria bem?

Comentar post



O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D