Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




É preciso ter memória quando se fala do OE 2016 (7)

por Sérgio de Almeida Correia, em 16.02.16

«As projeções para a evolução da economia portuguesa encontram-se rodeadas de uma enorme incerteza e, portanto, com uma margem de erro superior à habitual, pelo que não será de excluir que os efeitos recessivos das novas medidas de consolidação orçamental possam vir a ser superiores aos projetados pelas entidades oficiais», diz a unidade numa análise preliminar à proposta de Orçamento do Estado para 2013 enviada ainda na terça-feira aos deputados." - TVI24, 24/10/2012


8 comentários

Sem imagem de perfil

De V. a 16.02.2016 às 11:44

É preciso é indicar o contexto em que essas coisas são ditas — todo este rol de citações inúteis que vem fazendo: um no contexto da bancarrota em que se sabia que era necessário haver cortes e uma reforma do Estado que a Esquerda insiste em não permitir (porque ela alimenta o Estado para sobreviver) e o contexto de "fim" e "corte" com a austeridade com que o PS e as Esquerdas usurparam o poder por via Parlamentar.

Mas é claro que isso a si não lhe interessa uma vez que é um comentador faccioso. Resta saber porquê quando a verdade e o bom-senso falam por si-próprios.
Sem imagem de perfil

De João de Brito a 16.02.2016 às 14:42

E o contexto atual é um contexto em que a oposição diz exatamente o mesmo...
Sem imagem de perfil

De William Wallace a 16.02.2016 às 17:48

A série de citações que o SAC em boa hora nos tem trazido estão todas datadas e o link para as mesma existe logo estão perfeitamente contextualizadas!

Quanto á reforma do estado a mesma NÃO EXISTIU apesar de prometida na campanha eleitoral de 2011 pelos comparsas da Puf e a que se aludiu novamente após o irrevogável D. Portas ter sido encarregue da mesma (nem um guião teve coragem para fazer).

OS 38 % por cento de votos ( em 2015 ) do Paf deveram-me á incompetência do PS que conseguiu apresentar um programa ainda mais neoliberal que o Paf e ao "cheiro" a rosas que se prolongou desde o final de 2014 até ás eleições consubstanciado no diluir da austeridade para não espantar a caça como disse o vidente da SIC, traziam-nos tão apertadinhos que nem um esboço de orçamento apresentaram em Bruxelas. a reforma do estado era cortar mais 600 milhões nas reformas, enfim... cambada de traidores e mentirosos.

" A lealdade é a verdade do sentimento: é impossível ser desleal sem mentir à consciência, sem ludibriar a consciência alheia."
Sem imagem de perfil

De FF a 16.02.2016 às 13:54

Pois é caro Sérgio, "...as projeções para a evolução da economia portuguesa encontram-se rodeadas de uma enorme incerteza..." mas este ano não, está tudo sob controlo: as medidas adicionais vão ser preparadas mas "de certeza que não vão ser necessárias".
Sem imagem de perfil

De Tiro ao Alvo a 16.02.2016 às 14:24

Pelo menos eu não sabia que o actual governo tinha tomado "novas medidas de consolidação orçamental" que podem ter efeitos recessivos...
Sem imagem de perfil

De Jorg a 16.02.2016 às 17:32

Não dever ser porém, a memória bem se entende, objecto de argumentação de destilação do contemporâneo "xico-espertismo" do 'tempo novo'...

Por exemplo, nem indo tão longe no tempo de esgravatanço de 'memórias', uma das esganiçadas de um dos pilares que justifica o ocupanço da Geringonça do odierno Capatraz Xuxa Costa, então candidata a Presidência da Nação, vociferava contra as subvenções vitalicias de Politicos - que, segundo a proposta de Orçamento do Estado para 2016, disparam de 700 mil euros (2015) para os 18,8 milhões de euros este ano. O candidato oficioso do 'tempo novo' da xuxalada veio logo clamar a um microfone que lhe puseram a frente que tal era inaudito.
Passou ainda nem um mês, e nem aceno de iniciativa ou mesmo fronda parlamentar que se deveria seguir a tal alvoroço, para poupar á nação tais calores e ordenhas!!! Ainda para mais que seria facil obter uma maioria de 2/3 pois a tributação que acautelaria um tal abuso foi apoiada em 2014/15 pelo PSD e CDS.

Mas esta supra mencionada 'memória', tão rentavel no 'populismo' de tretas que tem o mundo avassalado e com acelarado 'medrar' no tempo dos "You Tubes" do ex-alcaide, é porventura assinalada com a aquela sentença da D. Guilherme dos 'reality shows' da TVI, aka. como lusa 'Maria Machadão' do Bataclan de "Gabriela, Cravo e Canela" - "isso agora não interessa nada!"
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 16.02.2016 às 17:38

Qual o argumento que está subjacente a mais esta citação?

É que se há alguma coisa que não falta à Esquerda é certezas.
Sem imagem de perfil

De Fernando S a 16.02.2016 às 22:38

"os efeitos recessivos das novas medidas de consolidação orçamental"

O que é agora mais provável é que, apesar do saldo das medidas do novo governo não ser de consolidação orçamental (sem medidas adicionais e rectificativas o déficit real vai disparar em 2016), vão mesmo assim ter efeitos recessivos (tudo aponta para que a economia vá pelo menos crescer menos do que em 2015).

Comentar post



O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D