Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




E o futuro aqui ao lado

por Sérgio de Almeida Correia, em 10.01.19

shenzhen-all-taxi.jpg

Aqui há uma década, um amigo meu quis desenvolver um projecto pioneiro na área dos veículos eléctricos, a ser concretizado no Algarve. Procurou para esse efeito obter o apoio do Governo, nomeadamente do responsável pela pasta do Ambiente, bem como sensibilizar os autarcas e a influente estrutura regional. Embateu então num muro invisível de betão, feito de desconfianças pessoais e políticas, muitas promessas e, acima de tudo, falta de vontade política. Perdeu-se o projecto e uma boa oportunidade de dotar o Algarve e Portugal de uma rede pioneira de automóveis de aluguer eléctricos.

Noutras paragens, as necessidades de combate à poluição urbana, de redução das emissões e de protecção da saúde dos cidadãos aguçaram o engenho. Sem fundos europeus a financiarem os projectos, mas com um poderoso investimento público, a opção pelo transporte eléctrico avançou. Desde logo em relação aos transportes públicos, mas com extensão aos veículos privados, sejam motociclos ou automóveis, dos mais pequenos e familiares aos desportivos.

Já em tempos neste espaço dei conta do choque, no bom sentido, que foi para mim regressar a uma pacata e atrasada vilória de pescadores que em pouco mais de duas décadas passou de alguns milhares de habitantes para mais de 12 milhões.

Quanto nessa altura voltei a Shenzhen, é esta a cidade de que se trata e hoje uma das capitais tecnológicas do novo Império do Meio, por onde aliás têm passado membros do Governo português, fiquei surpreendido com o desenvolvimento, a pujança de que a cidade dava mostras e a revolução urbana que empreendera: avenidas largas, passeios seguros, relativo equilíbrio entre zonas arborizadas e cimento e autocarros eléctricos.

Se quanto à frota de autocarros já se sabia desde o ano passado qual o nível atingido –  no final de 2017 havia mais de 16 mil autocarros eléctricos em circulação –, desde ontem ficamos igualmente a conhecer que a cidade tem agora a maior frota de táxis eléctricos do mundo. Num universo de mais de 21 mil táxis, 99% são eléctricos.

Os resultados alcançados,no seguimento do que aconteceu numa outra cidade chamada Taiyuan (Shanxi), são notáveis em matéria de redução de emissões e qualidade de vida dos habitantes da cidade e das regiões vizinhas.

Bem sei, daquilo que me dizem os especialistas, que ainda não existe uma solução que resolva de vez o problema das baterias usadas. Em todo o caso, ainda assim, creio que os ganhos são superiores aos custos e não posso deixar de pensar como é possível fazer tanto em tão pouco tempo numa cidade com a dimensão de Shenzhen.

E nesta pequena cidade onde vivo, com pouco mais de 600.000 almas e rios de dinheiro e desperdício, não é sequer possível substituir um número infinitamente menor de autocarros e táxis velhos e poluentes pelos seus congéneres eléctricos num prazo de meia dúzia de anos. 

Shenzehn é por isso mesmo a prova final, para quem ainda duvidasse, de que não basta dinheiro. É preciso arrojo, boa governança, capacidade de planificação e de decisão política, gente qualificada, transparência nas escolhas, critério no investimento público e, sobretudo, um controlo impedioso da corrupção e do tráfico de influências.

Autoria e outros dados (tags, etc)


5 comentários

Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 10.01.2019 às 13:31

O Sérgio considera que carros elétricos equivalem a qualidade de vida? Eu diria que, por não fazerem qualquer ruído, eles são um grande perigo para os peões.
Além de que a eletricidade tem que vir de algum lado. Os carros elétricos não provocam poluição na cidade, mas provocam-na alhures. Provavelmente numa central elétrica a carvão nas proximidades.
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 13.01.2019 às 11:01

Sem falar dos minerais raros que precisam de ser explorados em minas, a energia gasta para os produzir, etc. É aliás praticamente impossível saber o que é mais ou menos ecológico neste caso.

Basicamente são exportações urbanas do "mal" para a periferia.

E conhecendo alguma coisa da China tive logo um sinal de alarme quando li isto:

"Já em tempos neste espaço dei conta do choque, no bom sentido, que foi para mim regressar a uma pacata e atrasada vilória de pescadores que em pouco mais de duas décadas passou de alguns milhares de habitantes para mais de 12 milhões."

que se veio a revelar certo:

Segundo este site Shenzhen tinha mais de 2 milhões de habitantes em 1995.
https://www.statista.com/statistics/466986/china-population-of-shenzhen/

A wikipedia considera que a vila piscatória é um mito e que Shenzen é um centro administrativo desde 1953 sendo um termino de uma importante linha de caminho de ferro.

Mas concordo com o autor em pelo menos uma coisa. O crescimento e mudança na China só tem paralelo se assim se pode adjectivar ao período da revolução industrial. Boa parte dos Ocidentais não têm a noção. Se tivessem muito mais governos teriam caído...quando chegarem à conclusão que muitos novos produtos começam a chegar primeiro aos mercados asiáticos, em vez de ao Ocidente ou à Europa e como isso afecta a nossa riqueza.

Mas infelizmente a narrativa publica em curso no Ocidente é destinada a cidadãos, corporações e grupos de interesse a lutar pelo que é cobrado aos cidadãos, corporações e grupos de interesse. Ou seja. ironia, muitos dos mesmos a lutar pelo retorno do que pagaram...




Imagem de perfil

De Sérgio de Almeida Correia a 13.01.2019 às 13:41

"A wikipedia considera que a vila piscatória é um mito e que Shenzen é um centro administrativo desde 1953 sendo um termino de uma importante linha de caminho de ferro"

Não li a Wikipédia.
Eu estive lá em meados dos anos 80. E fui de comboio de Cantão para lá. Era um buraco. De tal forma que optei por ir dormir a HK. Essa é a minha memória, completada pelas fotos que então tirei.
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 13.01.2019 às 20:32

Ok mas isso já são mais de 30 anos.

https://www.researchgate.net/profile/Jianfa_Shen/publication/49466901_Urban_Growth_and_Sustainable_Development_in_Shenzhen_City_1980-2006/links/549a42d70cf2b803713591ff/Urban-Growth-and-Sustainable-Development-in-Shenzhen-City-1980-2006.pdf


Fotos
https://shenzhenshopper.com/1031-photos-of-shenzhen-from-1980-to-now.html

https://randomwire.com/shenzhen-before-and-after/

https://www.businessinsider.com/old-photos-of-shenzhen-2013-2#near-the-center-shenzhen-1980-this-photo-was-taken-near-the-busiest-part-of-town-29

Comentar post



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D