Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




E agora, PS?

por Pedro Correia, em 03.12.14

870298[1].jpg

Mário Soares (com Salgado Zenha e Manuel Serra) no I Congresso do PS, em 1974

 

Já não há paciência para o uso e abuso de certos chavões na política portuguesa. Um deles - que escuto desde miúdo, há 40 anos - é a necessidade de "virar o PS à esquerda".

Isto encerra dois equívocos.

Primeiro: desautoriza a identidade dos socialistas como força política de esquerda, por sinal aquela que é desde sempre a mais votada neste segmento.

Segundo: pretende arrastar o PS para fora do eixo governativo, tornando-o um partido inútil.

 

A verdade é que, em quatro décadas de democracia, os socialistas sempre governaram ao centro - ou não governaram de todo. Todas as cisões "pela esquerda" ocorridas no partido - desde a primeira, com Manuel Serra, logo após o congresso inaugural, em 1974 - não conduziram a lugar algum.

Mário Soares sabia disto como ninguém: nas duas ocasiões em que chefiou o Governo, nas décadas de 70 e 80, concretizou este objectivo aliando-se à direita - primeiro com o CDS, depois com o PSD.

António Guterres, que nunca obteve maioria no Parlamento, viu os seus orçamentos viabilizados não pela esquerda mas pelo centro-direita, alternadamente, com Manuel Monteiro ou Marcelo Rebelo de Sousa.

E José Sócrates, fiel à letra e ao espírito do Tratado Orçamental, nunca deixou de ser um dos políticos predilectos de Angela Merkel - facto que alguns dos seus mais abnegados discípulos tentam fazer esquecer por estes dias. De resto, na segunda legislatura sob o seu comando, o ex-primeiro-ministro socialista só conseguiu governar porque o PSD, com Manuela Ferreira Leite e Pedro Passos Coelho, lhe viabilizou dois orçamentos do Estado.

A auto-intitulada "verdadeira esquerda" fechou-lhe a porta com o estribilho de sempre: o PS "pratica políticas de direita" .

francisco_assis_-_congresso_do_ps13450024_400x225[

Francisco Assis: o rei vai nu

 

Esquecer tudo isto é ignorar deliberadamente a contínua obstrução que as forças colocadas à esquerda dos socialistas sempre fizeram à acção governativa do PS, erigido em permanente adversário principal. Não deixa de ser irónico, portanto, que Francisco Assis seja agora o maior alvo das críticas internas no partido que acaba de sufragar a orientação política de António Costa por um voto quase unânime.

Qual é o seu delito de opinião?

Defender, como prioridade para o PS, aquilo que Soares sempre praticou: o bloco central revisitado. Algo que alguns actuais expoentes da "ala esquerda" do PS, como Ferro Rodrigues - e outros, como Vera JardimVítor Ramalho ou o ex-presidente Jorge Sampaio -, defenderam no passado.

Assis - dotado de visão estratégica - revelou para já o mérito de ter sido o único socialista de primeiro plano a anunciar que o rei vai nu. Por outras palavras, a dizer algo óbvio mas que agora quase todos recusam reconhecer: que a "viragem à esquerda" levará o PS a esbarrar contra a parede.


28 comentários

Imagem de perfil

De Pedro Correia a 03.12.2014 às 11:08

Governar "à direita", se bem entendi a sua lógica, será:
- Rasgar unilateralmente o Tratado Orçamental a que o Estado português está vinculado?
- Rejeitar todos os compromissos inerentes à nossa integração no sistema monetário europeu?
- Abandonar a União Europeia?

(corrija-me se estiver enganado)
Sem imagem de perfil

De jo a 03.12.2014 às 17:28

Governar à direita neste momento significa:
praticar uma política económica que está a parar o tecido produtivo,
usar as consequências dessa política para justificar a diminuição de ordenados, o desemprego e o desmantelamento do Estado social (chegámos ao ponto de ouvir dizer que o problema da Segurança Social é a baixa natalidade, quando temos 30% dos jovens desempregados),
controlar através do capital financeiro cada vez mais os órgãos de comunicação social,
promover uma rotação entre cargos de poder político e cargos económicos (em que os governantes fazem negócios ruinosos para o Estado a favor dos grupos financeiros onde vão trabalhar depois de saírem do governo),
pedir consensos onde o que se pretende é que a outra parte continue a mesmas políticas não aceitando alternativas,
ter a desonestidade intelectual de não aceitar sequer que se discutam certos assuntos.
Não me lembro de o Tratado Orçamental ou os tratados da União Europeia terem sido alguma vez referendados pelo povo português, também não creio que tenham sido escritos na pedra no monte Sinai por nenhuma entidade divina. Eu sei que o povo é formado por simples que não frequentam os Passos Perdidos, mas talvez o governo pelo povo e para o povo não seja um ideal de estrema esquerda.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 03.12.2014 às 17:43

E "governar à esquerda" é... ?
Sem imagem de perfil

De jo a 03.12.2014 às 23:13

O Pedro Correia está a ver mal a questão.
Isto não é um Sporting-Benfica em que o que interessa é a cor da camisola.
Só no futebol é que a definição da equipa define imediatamente a qualidade do trabalho (e só para adeptos fanáticos). Na política é bastante mais complicado, não basta dizer que é esquerda ou direita para dizer se é bom ou mau.
Aliás no caso do nosso centro esquerda e do nosso centro direita, só têm mudado as moscas porque a substância é igual.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 03.12.2014 às 23:44

O problema é que a "verdadeira esquerda" foge como o diabo da cruz de assumir responsabilidades governativas: prefere protestar contra o que há em vez de criar algo de novo.
Sem imagem de perfil

De jo a 04.12.2014 às 11:28

Talvez a esquerda pense que se não ganhou eleições não deve governar com o programa dos outros.
Acusou a esquerda de não ser coerente, quando a única coerência que define é a "ida ao pote" seja com que pretexto for.
Aceitar como linha programática qualquer coisa desde que se possa colocar ministros é mais característico de um partido de "irrevogáveis às vezes".
A questão que se põe é que se o PS quer governar com a Esquerda, está disposto a seguir uma política de esquerda?
Ou quer governar com os votos dos deputados de esquerda e com o programa de Passos Coelho?
Ou é lhe indiferente o programa que segue, porque o que interessa é controlar a máquina do estado que dá muito dinheiro?
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 04.12.2014 às 14:31

A "verdadeira esquerda" não quer ganhar eleições. Porque isso a obrigaria a governar.

Não quer ganhar eleições mas quer impor o seu programa maioritário aos partidos vencedores. E quer sobretudo impor as suas teses ao PS que em todas as eleições realizadas em 40 anos de democracia foi sempre o partido vencedor à esquerda.
Há uma regra de ouro em democracia: governa quem ganha. Não quem perde.

Aliás, onde governa, a "verdadeira esquerda" chegou ao poder sem eleições e fazendo tábua-rasa da democracia. Na China, na Coreia do Norte, em Cuba.
Sem imagem de perfil

De jo a 04.12.2014 às 16:26

Se governa quem ganha e a esquerda não ganha, não percebo o seu problema.
O PS quer ganhar dizendo o que agrada às massas (e começa a haver muita gente a gostar do que diz a esquerda), por isso quer o apoio da esquerda.
Mas depois quer seguir o que acha realista e pensa que a esquerda não tem direito a condicionar a sua política.
Não seria mau que o PS em vez de andar a propor "Socráticos", "Seguristas", "Costistas" e "Assisistas", apresentasse uma ideia que fosse para variar.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 04.12.2014 às 21:54

Mas não considera que o PS seja um partido de esquerda?
Sem imagem de perfil

De jo a 05.12.2014 às 15:06

É política, não é futebol. Isto não é coisa de apoiar a equipa lá da terra, faça ela o que fizer, é mais complicado.
Não sei se reparou que esquerda e direita são relativos. Pode-se estar à esquerda de uma pessoa e à direita doutra ao mesmo tempo.
Preocupa-me muito mais o que os partidos fazem ou o que pretendem fazer do que saber que lateralidade têm.
Se me conseguir apresentar as ideias que o PS e PSD têm sobre governo, sem ser o "deixem-ir para lá" ou treta de circunstância, agradeço.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 06.12.2014 às 23:04

Revejo-me afinal em várias das suas palavras. Estas, por exemplo: «Esquerda e direita são relativos. Pode-se estar à esquerda de uma pessoa e à direita doutra ao mesmo tempo.»
É verdade.

Comentar post



O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D