Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Do Minnesota a Portugal

por jpt, em 02.06.20

Como João Campos e Maria Dulce Fernandes abordaram o caso do cidadão americano assassinado pela polícia reproduzo aqui um postal sobre o assunto que coloquei no meu mural de FB, num registo mais solto e coloquial do que o blogal, até porque lhe integro nacos do que fui colocando em comentários (dada a porrada que fui levando). Mas junto-lhe a grande canção "American Skin" de Bruce Springsteen, que se não diz tudo tudo sente sobre este acontecimento americano. E que aqui fica também para que alguns irredutíveis não resmunguem que eu estou a apoucar o inapoucável:

Leio no FB emotivas partilhas do fait-divers de que uma jornalista da TVI se comoveu ao apresentar a notícia do assassinato de George Floyd, morto por um polícia após 8 minutos a sufocar, tendo sido incapaz de a concluir. A notícia vem com fotografia e percebo-lhe o fenotipo, presumo-a mestiça ("mulata" como se diz em Moçambique, sem preocupações etimológicas) ou será negra, não posso precisar nem essa destrinça me é relevante.  Vejo também aqui vários amigos reais, e imensas ligações-FB, até académicos, mesmo antropólogos, até antropólogos com trabalho em Moçambique, a partilharem insurgências próprias e lamentos contra este horror acontecido em Minneapolis, no estado do Minnesota, EUA.

Eu tenho duas questões: 1) será que a jornalista da TVI se comoveu até à inacção quando apresentou a notícia do assassinato de um eslavo (lembrai-vos do nome dele? Ihor Homeniuk) cometido por um grupo de agentes do SEF no aeroporto da Portela, na cidade de Lisboa, distrito de Lisboa, Portugal? E, para pormenores aduzo que o tal eslavo - e, já agora, sabeis da ligação etimológica entre "eslavo" e "escravo", e do que isso deixa deduzir sobre as categorias antropológicas negativamente discriminatórias? principalmente diante de um candidato a imigrante ...-, Ihor Homeniuk, não foi asfixiado durante horrorosos oito minutos mas seviciado durante horrorosas não sei quantas horas. Será que a dita jornalista se comoveu tanto que interrompeu a locução do acontecido ali à Encarnação, antes de Sacavém? A menos de 5 euros de taxi da minha casa? E será que estes cândidos, mesmo académicos, até antropólogos com trabalho em Moçambique, se ornamentaram com insurgências, lamentos e perfis eslavófilos? Será que alguém se lembra que Ialta, o apogeu do "compromisso histórico" que obrigou a rasurar tanta da historia de XX, foi há 77 anos? Mas que o 20º congresso do PCUS foi há 64 anos e o fim da URSS há 29. E que com isso não é necessário manter o silêncio, a "dessignificação" da História. Lembrando, por exemplo, que a URSS, avatar da Rússia, e a nossa actual grande aliada Alemanha, mataram mais ucranianos, a deles alteridade, do que todos os mortos, directos e indirectos provocados pelos colonialismos europeus em África durante XX? E nem falo do passado, tão complexo naquela região, como em quase todas as outras. E aduzo, entre não-lágrimas alheias, que nenhum jogador da bola se ajoelhou em homenagem a Homeniuk, nenhum intelectual português usou ícones a propósito de Homeniuk, assassinado, repito, ali à Rotunda do Aeroporto, a 10 minutos do mercado de Alvalade, onde há um bom restaurante de peixe. E mais junto, isto da minha certeza de que um qualquer sueco, alemão ou britânico, também presumivelmente louro, não seria morto ali nos escritórios a cinco minutos da Praça Franciso Sá Carneiro, a sempre Areeiro. Se Homeniuk fosse um sírio, seria uma gritaria a propósito da morte de um "refugiado de guerra". Mas como era ucraniano, provavelmente louro, pouca foi a ira. Se fosse um magrebino, tentando passar a imigrante "indocumentado", seria uma desgraça, mas como era ucraniano, provavelmente louro, nenhuma corrente indignista brotou. Se viesse daquela "África Negra" de antanho seria uma onda de repúdio, mas vindo da eslavónia pouco conta entre os bem-pensantes nacionais. Apesar, não sei se já disse, de ter sido morto a meia dúzia de estações de metro do El Corte Ingles da pequena-burguesia lisboeta.

2) Há um mês dois polícias espancaram até à morte um homem na cidade da Beira, capital de Sofala, Moçambique, cidade celebrizada pela calamidade de 2019. "Os dois polícias interromperam um jogo de futebol de adolescentes em cumprimento das recomendações do estado de emergência devido à covid-19, e depois começaram a jogar, o que levou Abdul Razak, que se encontrava no local, a ameaçar filmá-los.". Não vi quaisquer imagens, só posso presumir os fenotipos dos dois polícias e do cidadão Abdul Razak (e presumo-o cidadão moçambicano pois se não o fosse muito provavelmente não teria criticado a polícia e teria sido identificado pela imprensa como estrangeiro). Mas a notícia informa que ele morreu não após oito minutos de horrorosa asfixia mas após 3 horas de horrorosas sevícias na esquadra da Munhava.

A minha questão é a mesma. Será que a jornalista da tvi se emocionou até à inacção ao ler a notícia da morte de Abdul Razak? E os indignados do FB, mesmo académicos até antropólogos com trabalho em Moçambique, se ornamentaram com insurgências, lamentos e perfis moçambicanófilos? (Sim, eu sei, a notícia nem correu no rincão ...).

Não se trata de discutir a dimensão de um crime, ou a realidade de um qualquer país. Trata-se da pertinência de importar essa realidade, e os seus critérios classificatórios, para entender o resto do mundo. Para direccionar a atenção sobre o resto do mundo. Para balizar e animar os sentimentos, tão bem intencionados, da como a pobre jornalista da tvi. E dos não tão bem intencionados funcionários públicos ou privados pagos para pensarem a realidade. Utilizando este falsário molde sentimentalão para perseguir objectivos próprios em casa própria.


12 comentários

Imagem de perfil

De Vorph "Girevoy" Valknut a 03.06.2020 às 00:28

Curto, porque já cansa e são horas de repouso. A dita jornalista, porventura, emocionou-se mais com um e menos com o outro devido à existência de imagens (aquela coisa do valor das imagens) e quem sabe se por alguma experiência pessoal. Quanto à associação Eslavos - Slaves provavelmente poucos a conhecem. E depois começam as comparações e baralham-se as comunicações. No final não teremos razões para indignação. Haverá sempre algum conhecimento escondido que relativize o que choca connosco de frente. E trabalhou o meu caro em África. Que sorte.

No final este postal parece uma sentença à Neto de Moura. "Não se queixem, que há sítios piores, e o mundo está a abarrotar de maldades, .....

Boa Páscoa
Sem imagem de perfil

De Diogo Moreira a 03.06.2020 às 08:38

Só quero acrescentar que nós, humanos, reagimos diferentemente a situações de choque. Por exemplo, a comoção foi generalizada quando o corpo dum menino refugiado apareceu numa praia europeia, de face voltada para a areia, e um fotógrafo captou uma imagem poderosa - mas poucos ficaram sequer levemente tocados pelos muitos milhares que morreram em situação semelhante, crianças, adultos e velhos.

Terá alguém que ponderar a sua indignação ou revolta, porque existem situações semelhantes e não lhes é dado o mesmo nível de sentimento? Seremos nós animais racionais, sempre de régua e esquadro na mão?

Tal como a situação do 11 de Setembro e o ataque terrorista das torres gémeas. Deveríamos pesar a nossa consternação porque os Boko Harams desta vida cometem atrocidades iguais ou piores?

O risco de nada dizer ou nada fazer é a banalização do mal. O risco de dizer ou fazer algo é ser apontado como inconstante. Ainda assim, prefiro de longe a segunda opção.
Imagem de perfil

De jpt a 03.06.2020 às 09:22

Respondendo a ambos: cada um comove-se ou ilumina-se com o que julga querer, mas as sensibilidades são construídas. Continuo na minha, que as pessoas andem em romaria por um crime cometido nos EUA quando não o andaram há dois meses por um crime que tem as mesmas características (os agentes podem não ligar "eslavo" a "escravo" mas desconsideram um ucraniano pobre como não desconsideram um noruguês ou um suíço, insisto nisso), acontecido no centro de Lisboa? A diferença está apenas em que estão treinadas para sobrevalorizarem o critério "cor negra da pele" para olhar a injustiça sob um olhar sentimental. O que não seria grave se não escondesse a realidade. E, já agora, se não servisse para alimentar movimentos reactivos que são (e virão a ser ainda mais) tétricos.
Imagem de perfil

De Vorph "Girevoy" Valknut a 03.06.2020 às 10:12

A diferença é que ditos agentes /Inspector do SEF serão acusados e condenados, em Portugal, por homicídio qualificado. Nos USA dito agente está acusado de homicídio em 3° grau ou seja involuntário. A situação jurídica dos comparsas é-me desconhecida. Quanto à condenação, veremos.

https://www.google.com/amp/s/www.jn.pt/mundo/amp/estado-do-minnesota-apresenta-queixa-contra-o-departamento-da-policia-12269535.html
Sem imagem de perfil

De Anonimus a 03.06.2020 às 11:08

Neste caso em particular as imagens são determinantes.
Não se viu o ucraniano a ser agredido, não se ouviram as suas palavras. No caso do Floyd, foi ao vivo e a cores, o que muda a percepção.
A questão americana é muito moldada não pela violência policial, mas pela falta de consequências. Por um lado há um corporativismo enorme, em que os polícias se protegem uns aos outros (aqui, nós portugueses devíamos sentir empatia), e por outro não existe pressão suficiente no sistema judicial para punir este tipo de comportamentos.
Imagem de perfil

De J.S.M.suave e nas tintas a 03.06.2020 às 05:12

Pois é caro JPT. Sabe... vivemos tempos muito estranhos. Eu já nem sei que mais dizer, sentir ou pensar! Mas o que mais me custa é este jogo orwelliano de manipulação do pensar-sentir a que nos vão expondo os diversos OCS: já nem discuto se é ou não intencional - porque ela veio para ficar e é muito mais teimosa do que o raio do coronavirus.
A questão é simples: desde quando é aceitável um pivot chorar durante o acto de divulgar uma notícia? Se é mais " um novo normal", então mais vale encerrar a tasca: ninguém o suportaria muito tempo - até porque motivos há-os todos os dias - e as discussões passariam a ser: porque choram os pivots? E porquê por isto e não por aquilo?! A comoção passaria a ser opinião e a notícia ficaria para segundo plano!
E já nem falo dos repórteres em cenários de grandes catástrofes naturais ou de guerra.
Valha-nos a santinha!
Quanto às opiniões de académicos e intelectuais sobre estes assuntos, nada de novo: selectivas ( ou distraídas ) quanto baste!
Long live The Boss
Cumprimentos
Imagem de perfil

De jpt a 03.06.2020 às 09:23

No FB alguns amigos aventaram a hipótese de que a choraminguice locutora seja já uma metodologia para incrementar audiências. Talvez o seja.
Imagem de perfil

De Maria Dulce Fernandes a 03.06.2020 às 09:27

Já tinha lido as suas excelentes publicações . Não posso dizer que, de um ou de outro modo não inspiraram a minha "odiosa" publicação da tarde de ontem.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 03.06.2020 às 11:34

"Clubites", se me permite uma talvez excessiva simplificalção semãntica...
E hipocrisia ignorante, ou ignorância hipócrita, firmemente manipuladas de acordo com " l air du temps" .
E , independentemente da época, "as coisas " continuam a chegar-nos através dos moderníssimos e tecnológicos paquetes do Havre...
Cpmts.

JSP
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 03.06.2020 às 14:05

jpt,
Como não o costuma fazer, a partir de agora e por favor, não comece a titubear.
Arnaldo de Matos que foi o grande educador [para todos os que lhe davam atenção], escreveu mesmo, no 'seu' jornal, 'isto é tudo um putedo'. Referia-se a políticos. E nós só não o seremos se estivermos quedos, surdos e mudos.
Com apreço, cumprimenta
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 03.06.2020 às 14:08

jpt, falhei o mais importante — quem sou:
mewtwoand2 @ gmail.com

Perdoe. A desculpa para tal é eu estar envenenado por analgésicos. Fica-se 'parvo'.
Cumprimenta
Perfil Facebook

De Antonio Vaz a 03.06.2020 às 21:08

Em algumas cidades dos EUA, alguns polícias têm tido reacções (que, no mínimo, diria eu, até são) surpreendentes como nos dá conta esta notícia: https://globalnews.ca/news/7008678/police-join-george-floyd-protesters/.
Sim, de facto, é sempre de exaltar pequenos gestos públicos de alguns (supostos) verdadeiros seres humanos que se acham cidadãos de uma república democrática, como os do xerife Chris Swanson, de Flint, no Míchigan, ou os do Chefe de Polícia Joe Wysocki, do "county" de Camden, em Nova Jersey, mas infelizmente, eles são apenas verdadeiros grãos de poeira que vão surgindo numa engrenagem construída a partir de uma situação muito mais complexa que, não só os ultrapassa como até, evidentemente, se serve deles para tentar adocicar a sua verdadeira realidade.
Só este ano, em menos de 5 meses, a opinião pública estado-unidense até foi obrigada a confrontar-se com 3 casos (apontados como) de violência racista extrema: em Fevereiro, o caso de Ahmaud Arbery; em Março, o de Breonna Taylor e, por fim, em Maio, o de George Floyd.
Claro, há sempre quem, querendo proteger-se com uma armadura feita de superioridade tente rebater com ingenuidade, a evidência da questão racial com que eles foram apresentados: são os muitos "Amy Cooper" que até têm o cuidado de usarem a designação, "PC oblige", de "afro-americano" contra o maldito preto que teve a ousadia de a confrontar numa sua plena actividade criminosa!
Sobre a violência das manifestações em localidades onde não há polícias como o Chris Swanson ou o Joe Wysocki, que até tanto têm indignado os nossos "brancos" democratas aqui do DO (e, pelo que me apercebi, até já cá "cantaram" uns 3 deles), pouco até há para adiantar de construtivo, já que eles, supostamente, varreram da sua história toda a violência que foi necessária (e registada na História) para construir a "sua" Democracia... digo supostamente porque tal como diria Freud, a propósito da violência de qualquer parto, na verdade ela apenas foi "arquivada" no seu subconsciente e, infelizmente, não consegue deixar de, a qualquer momento, voltar à superfície, reemergida das suas profundezas mais desconhecidas, como aconteceu no caso da Amy Cooper que, para defender os “direitos” do seu querido e fofinho cocker spaniel (que até, nesse seu empenho, quase o deixava estrangular), resolveu recorrer à arma secreta dos "brancos" democratas, denunciando o raio do preto atrevido que não percebeu qual o seu lugar na "democracia" de que ela, não só se julga especial herdeira mas, acima de tudo, no caso, como a única intérprete capaz de a compreender totalmente: é que nela, onde supostamente até todos somos iguais, a nenhum "afro-americano" deve ser reconhecido o direito de alertar um "americano", para a ilegalidade (jurídica ou, até acima de tudo, cívica) de passear as necessidades do seu cãozinho de estimação em jardins da “sua” república democrática...

Comentar post



O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D