Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Divisões na Europa

por Luís Naves, em 13.02.15

AriadneDionysusPan.jpg

 

Após trinta anos sem perturbações de maior, o consenso nacional em torno da política europeia foi ontem desfeito. Uma carta assinada por notáveis provocou mais barulho do que a análise serena dos factos. O texto era suficientemente lírico e impreciso, mas levou a um enorme clamor de críticas contra o Governo. Os signatários não tinham elementos sobre o plano grego (se aceita ou não o resgate) ou sobre os pormenores dos bastidores, mas presumiram que a posição portuguesa em Bruxelas era errada. Chegou a parecer neste debate que os nossos interesses na cimeira seriam defendidos com maior eficácia por uma delegação estrangeira.

Nas últimas duas semanas, a estratégia portuguesa foi a de separar o problema da Grécia do problema português. A estratégia de Alexis Tsipras e do seu ministro das Finanças foi a inversa: ligar o problema de Atenas aos restantes países resgatados, incluindo o nosso. Os dirigentes gregos fizeram declarações hostis, susceptíveis de criar excitação nos mercados e de fazer subir o custo do financiamento da dívida portuguesa. Lisboa respondeu com dureza semelhante, deixando bem claro que o problema grego não era o nosso e que tinha de ser discutido isoladamente.

 

 

O problema grego é mesmo diferente do nosso e foi discutido isoladamente. Atenas está a negociar um eventual terceiro resgate e, mais tarde ou mais cedo, terá talvez de negociar uma saída da zona euro, calamidade que equivale à melhor maneira de cumprir um programa radical de esquerda. A Grécia não consegue regressar aos mercados, não consegue pagar as dívidas nem fazer as reformas exigidas, embora tenha obtido substanciais descontos e complacência dos credores. O dinheiro que recebe dos europeus mantém o Estado a funcionar, mas sem alterações de fundo. Não será o novo governo a fazer as reformas, pelo que o problema não tem solução visível. Para os europeus, existe também um dilema: mantém-se o país a flutuar ou faz-se a ruptura? A segunda hipótese pode resolver de vez a crise de confiança no euro, mas também pode afundar a moeda única. O risco é substancial e há indicações de que alguns países querem tentar esta possibilidade.

Ao longo da crise, sempre com enormes sacrifícios, Portugal conseguiu demonstrar que tem uma situação diferente da grega: terminou com êxito o programa de ajustamento e a sua dependência da troika é ligeira (continuam credores, mas há margem de manobra para lhes desobedecer). Portugal financia-se nos mercados a baixo custo, ou seja, a estratégia da credibilidade funcionou e pode prolongar-se por anos, até que o crescimento seja substancial e reduza o rácio da dívida. No ano passado, a economia portuguesa cresceu 0,9%. O valor vai acelerar este ano.

Lembro-me do tempo em que a Grécia recebia sempre mais dinheiro em subsídios europeus do que Portugal. Aliás, a Grécia recebia sempre mais dinheiro per capita do que qualquer outro país. Lembro-me do tempo em que a lamentável classe política grega, não contente por ter levado o seu país à falência, travou todas as reformas exigidas por quem lhe emprestava dinheiro. Lembro-me do perdão de dívida, dos sinais de corrupção, da histeria dos mercados, dos governos instáveis, da incerteza política e do efeito de arrastamento do Sul com que os gregos sempre sonharam. Tudo isto foi esquecido ontem em Portugal, no dia em que as tácticas e as ambições internas acabaram com um consenso de 30 anos na política europeia do país.

 


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D