Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Dinheiro em Caixa

por Rui Rocha, em 21.10.16

Muito curiosa a argumentação sobre os vencimentos na Caixa. Ah e tal que para gerir o banco público é necessário escolher os melhores e, por isso, as remunerações têm de estar em linha com as praticadas nos bancos privados. Certo. Já para chefiar o governo do país serve um borra-botas qualquer, disponível para ganhar 5 ou 6 mil euros mensais, a que nenhuma empresa privada confiaria sequer um par de mangas de alpaca.


9 comentários

Sem imagem de perfil

De Ana Mª a 21.10.2016 às 10:56

É isso mesmo, Rui.
E quanto mais o 1º Ministro argumenta mais se enterra. Valha-nos Deus!
Sem imagem de perfil

De pita a 21.10.2016 às 14:08

Deve-se laudar o monhé que nada pagou (que se saiba) sobre o seu apartamento de *** na av liberdade; nem do arrecadar sem declarar de €€€ duma caca duma tv.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 21.10.2016 às 11:16

Já tinha saudades destes temas neste espaço.
Este sítio está a tornar-se muito cultural e pouco atual.
Mas reconheço que nada obsta a que tal aconteça.
Por isso não critico.
Apenas lamento.
Indo ao post:
- Não admira, portanto, que sejam esses mesmos políticos a defender essa mesma política salarial. Como se houvesse uma relação direta entre vencimento e competência. Basta citar Rendeiro, Costa (outro) e todos os que têm passado pela mesmíssima CGD... e Bava... e Granadeiro...
Por favor, não ultrajem a minha inteligência!
Sem imagem de perfil

De am a 21.10.2016 às 11:19

Tudo não passa da sacrossanta inveja portuguesa...

Desde que o homem assentou o traseiro na cadeira da secretária da administração, a Caixa aumentou os lucros em 0.003%!

É um verdadeiro Ronaldo da "massa" ! Bem que será merecedor do Cheque d'Ouro!

Sem imagem de perfil

De AntónioF a 21.10.2016 às 12:14

Caro Rui,
aproveitando o facto de ter comigo o romance de Nobel de Literatura atribuído este ano (requisitei-o numa biblioteca pública), este seu texto faz-me lembrar um outro que consta nesse livro. Os dois textos casam na perfeição, se me permite:

«(Inútil como Uma Bruxa)
vem devagarinho para esta luz abraão... o que é que se passa com o teu patrão? & não me venhas dizer que fazes apenas o que te pedem! posso não estar à altura da tua linguagem gestual mas venho em paz. ando à procura de conhecimento, em troca de algumas informações, vou oferecer-te os meus discos do fats domino, algumas das toalhas dele & dela & uma assessora de imprensa só para ti... vá lá. vem até aqui. não consigo pensar em nada. não te quero fazer mal. os meus olhos são dois parques de estacionamento usados, vou oferecer-te uma tigela com detergente para urnas - podemos aprender um com outro/ não toques é no meu miúdo

fiquei muita bêbado a noite passada, devo ter bebido
demasiado, acordei esta manhã
a pensar na liberdade & a minha cabeça parecia
o interior de uma ameixa seca... estou
a pensar dar hoje uma aula sobre violência
policial, aparece se conseguires pirar-te.
vemo-nos quando chegares, escreve-me
a dizer quando vens

o teu amigo,
homer a badalhoca»
Sem imagem de perfil

De AntónioF a 21.10.2016 às 12:32

Peço desculpa pela omissão da referência bibliográfica.
Aqui fica:
DYLAN, Bob - Tarântula. 1ª ed. Vila Nova de Famalicão : Quasi, 2007. p. 20
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 21.10.2016 às 12:30

Um borra-botas qualquer, no cargo de PM, sabe que sempre pode contar com um amigo para equilibrar o parco vencimento. E se souber fazer as coisas depois de PM, mesmo que de 1/2 PM, sempre pode seguir para outros altos voos por esse mundo fora. Melhor que isso só o vender ouro dos outros.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 21.10.2016 às 14:23

Muitos dos comentários sobre os vencimentos são ligeiramente exagerados.
Para ser Primeiro Ministro é preciso militar num partido, subir no partido até ao cimo (não é fácil, há muitos a quererem mas só há um secretário geral) e depois ganhar eleições ou obter resultados que em coligação permitam chegar lá. Não me parece nada fácil.
Sem imagem de perfil

De JS a 21.10.2016 às 14:54

Desde quando o ordenado de PM é a sua aspirada, sonhada, desejada, forma de rendimento, a sua motivação ?.
Como explicar a implacável "rat race", facada nas costas (no pun), nos partidos por uns míseros 5 ou 6 mil euros mensais ainda por cima sujeitos à devora da AT ?.
Será que o sonho de Trump ou Hillary é salvar os EUA?.
Será que o sonho de Costa é salvar Portugal?.
Dáhhaa ?.

Comentar post



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D