Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Delito de Opinião

DELITO há dez anos

Pedro Correia, 25.06.24

21523202_SMAuI.jpeg

 

Joana Nave: «Hunos é uma marca que simboliza a força de vontade, a confiança e a determinação que une os elementos de uma equipa em prol de um objectivo comum. Conheci os Hunos em 2005, quando me juntei à equipa da BP Portugal. Desde logo me fascinaram pela forma altiva, e até um pouco arrogante, com que corriam pelos trilhos desconhecidos e deixavam um rasto de pó aos que, confusos, iam caminhando um pouco à toa e a medo. Os Hunos não têm receio de perder, partilham uma sede de conquista que não lhes permite fraquezas, apenas agilidade nas pernas, destreza nas façanhas e a inteligência que completa o círculo.»

 

Luís Menezes Leitão: «Neste momento, os cidadãos já têm o IMI em valores estratosféricos, multiplicam-se as execuções fiscais, e grande parte das pessoas vai perder as suas casas por não conseguir pagar o imposto, mas isto não interessa nada. O que interessa é que a Câmara possa adquirir empresas de transportes com dívidas colossais, nem que para isso tenha que desbaratar o dinheiro dos contribuintes. Transponha-se isto para a escala nacional e ficamos a saber que um governo de António Costa pode ser ainda mais catastrófico para o país que o de Sócrates foi. Sinceramente neste momento, entre Costa e Seguro, já não sei qual dos dois é pior.»

 

Sérgio de Almeida Correia: «Num momento em que a sociedade de Macau mais precisava de instituições fortes e de uma igreja activa e actuante, ao lado da sociedade e dos seus fiéis, os péssimos exemplos que chegam da Universidade de Macau e, agora, da Universidade de S. José e do seu reitor são uma vergonha e causam repugnância à luz do legado histórico e civilizacional de Portugal. E no caso da Universidade de S. José também envergonham a própria Igreja, que em Macau nunca se coibiu de manifestar as suas posições no passado, como sucedeu pela pena do padre Luís Sequeira ou até de Monsenhor Teixeira.»

 

Teresa Ribeiro: «Ao contrário do que se costuma afirmar, as mulheres não querem modificar os homens. Pelo contrário, desejam que sejam exactamente como se descrevem.»