Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Delito de Opinião

DELITO há dez anos

Pedro Correia, 25.11.22

21523202_SMAuI.jpeg

 

Gui Abreu de Lima: «- Era só esta luz bonita e hoje parece-me o mundo. O sol a ficar para trás, o horizonte de chumbo, prenúncio da tempestade. Em nós até os homens eu sinto. Os que bebem ilusão, aqueles que preferem não ver, e os que são o chá do mundo.»

 

José António Abreu: «Vi pela primeira vez o vídeo de Weirdo (oitavo tema, primeiro single) no mítico programa televisivo Pop-Off que, ainda universitário, acompanhava num televisor com um ecrã pouco maior do que o que hoje se pode encontrar num iPhone – e a preto e branco. (É verdade, crianças, embora a cor já existisse na televisão portuguesa há cerca de uma dezena de anos, ninguém avisara aquele televisor.)»

 

Miguel Serras Pereira: «Outra irredutível adversária da direita, Sophia, escreve, denunciando a incompreensão profunda do passado que cultivam os que o reduzem a certezas e exercícios de cópia, acolhendo-se à sombra de "Não discutimos" vários e carcerários.»

 

Patrícia Reis: «Estudou em Itália para se especializar na autenticação de obras de arte. Pelas suas mãos (com as devidas luvas) já passou um original de Leonardo da Vinci. O Nuno conta estas coisas sem qualquer presunção. É de uma gentileza desarmante. E a escrita, sendo da nova vaga, de uma geração que não chegou aos 40, está quase a chegar, é fruto de muito trabalho, de sensibilidade e inteligência.»

 

Eu: «Só nas novelas televisivas há tempo, oportunidade, sincronia e paciência para todos os ocupantes da mesma casa tomarem a primeira refeição do dia pausadamente sentados em lautas mesas onde nunca faltam grandes jarros com sumos de frutas tropicais, como se estivessem hospedados em hotéis de luxo. Ah, estas inesquecíveis cenas de pequeno-almoço: são um must divertidíssimo, embora absurdo, destas ficções que pretendem "copiar" a realidade e afinal estão irremediavelmente longe dela.»