Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Delito de Opinião

DELITO há dez anos

Pedro Correia, 24.06.22

21523202_SMAuI.jpeg

 

Da Maia: «A primeira ajuda militar inglesa só veio no tempo do Marquês de Pombal, já que a fantochada da sua política de "abalos" tinha chegado ao ponto de não termos exército, e ficámos na Guerra Fantástica à mercê dos espanhóis, que conquistaram Salvaterra de Magos, ficando à beira de Lisboa.»

 

Patrícia Reis: «Dormir mal é um aborrecimento, em especial para o corpo, embora não favoreça a cabeça, já se sabe. A mulher saiu do banho com este pensamento e, ao espelho, julgou-se numa barraca de feira popular, uma tenda de espelhos mágicos de aumentar e diminuir. A cabeça dela estava - sem dúvida - muito mais pequena e as pernas mínimas.»

 

Rui Rocha: «Depois da qualificação de Portugal, Espanha e Itália, os alemães bem vão precisar de Schweinsteiger.»

 

Eu: «A crise e o chamado "acordo ortográfico", conjugadamente, relançaram o circuito de venda de livros usados. Há cada vez mais procura desses livros entre nós. Por isso, e também para sacar uns cobres fáceis, herdeiros vendem a peso bibliotecas inteiras de pais e avós. Invoco, a título de exemplo, um escritor de que gosto muito: Vergílio Ferreira. Ainda há pouco descobri uma primeira edição do romance-chave deste escritor, Aparição (com data de 1959) por apenas cinco euros. Quem vende ao desbarato nem faz ideia do que está a vender: só quer ter o dinheiro na mão, tão cedo quanto possível. E alguns alfarrabistas de circunstância que fazem essas compras por atacado também não: só querem revender os livros, quanto mais cedo melhor. Recusar ler na grafia analfabetizante adoptada nos últimos meses pela generalidade dos editores nacionais é um acto de cidadania. Não o sugiro a ninguém, não critico quem procede de maneira diferente, mas imponho-o a mim próprio.»