Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Delito de Opinião

DELITO há dez anos

Pedro Correia, 28.10.21

21523202_SMAuI.jpeg

 

José António Abreu: «Remoendo o embaraço, lembro-me do início de O Animal Moribundo, de Philip Roth. Ao descrever a aluna por quem se sente atraído, o professor Kepesch refere que ela tem um corpo magnífico mas que ainda não sabe bem como usá-lo. Que o transporta como um miúdo de uma zona perigosa transporta uma arma de fogo carregada, tendo ainda de decidir se o faz para se proteger, se para iniciar uma vida de crime. E ponho-me a pensar que o modo como, ao longo dos meses de Verão, quase todas as mulheres trazem o armamento bem visível e tantas parecem ter optado, com uma convicção desafiante, pela vida de crime, mantém os homens alerta, antevendo duelos ferozes.»

 

Laura Ramos: «Redescobrindo terras de Vera Cruz, nessa união de língua entre os últimos povos do mundo que escrevem uma poesia direita, como dizia Vinicius, a nossa Ana Vidal vai dando uma imensa trabalheira à imprensa brasileira. Vais pagá-las, Ana, vais pagá-las.»

 

Leonor Barros: «Atentemos nestes chorudos ordenados: Fátima Campos Ferreira, 10 mil euros mensais, Catarina Furtado, 30 mil euros, Fernando Mendes, 20 mil euros, José Carlos Malato, 20 mil euros, Maria Elisa 7 mil euros, Jorge Gabriel 18 mil euros, Sónia Araújo, 14 mil euros, João Baião, 15 mil euros, Tânia Ribas de Oliveira, 10 mil euros ou Sílvia Alberto, 15 mil euros. Acresce dizer que estes e outros senhores da estação pública não sofreram a redução do ordenado quando, em Janeiro, esse bicho que dá pelo nome de filósofo grego se lembrou de dar uma ripada nos ordenados.»

 

Luís M. Jorge: «Há agora dois jornais diários abaixo dos 15 mil exemplares. E os de referência pouco ultrapassam os 50 mil. Não quero ser injusto para os projectos mais recentes: o triunfo do i seria sempre muito árduo, mesmo em tempo de fartura. Quanto à decadência do Público e do Diário de Notícias, a conversa é outra. Durante mais de uma década comportaram-se como jornais de nicho, ficaram reféns de uma ideologia ou dos Governos, ignoraram novos talentos e o poder multiplicador da internet.»

1 comentário

Comentar post