Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Delito de Opinião

DELITO há dez anos

Pedro Correia, 16.10.21

21523202_SMAuI.jpeg

 

Fernando Sousa: «Slavoj Zizek visitou a Liberty Plaza, em Nova Iorque, para falar aos indignados do movimento Occupy Wall Street. "Não se apaixonem por vocês próprios, nem pelo momento agradável que estamos a ter aqui. Os Carnavais custam muito pouco – o verdadeiro teste de seu valor é o que permanece no dia seguinte, ou a maneira como a nossa vida normal e quotidiana será modificada", avisou. “Dirão que estão a sonhar, mas os verdadeiros sonhadores são os que pensam que as coisas podem continuar tal como estão por um tempo indefinido, como acontece com as mudanças cosméticas”.»

 

João Campos: «Se a programação da RTP 1 é serviço público - com conteúdos noticiosos sofríveis, concursos de qualidade duvidosa, "ficção nacional", tertúlias da manhã e da tarde insípidas, novelas brasileiras, filmes repetidos e futebol - então o "serviço público" já está mais do que assegurado pela SIC e pela TVI. Privatize-se, pois, o primeiro canal, e imediatamente, que já vamos tarde.»

 

João Carvalho: «Mesmo algures na Indonésia, enquanto garotos sem futuro andam de bicicleta e operários alimentam em vão sonhos de escultores, até Buda perdeu a cabeça. Nunca a indignação colectiva foi tão global.»

 

José Gomes André: «O nosso tempo numa frase? A redução da existência à soma das acções individuais. Eu fiz isto, eu farei aquilo. Não admira que a filosofia esteja em crise. Não sobra tempo para pensar no meio de tantas experiências, de tantas acções

 

Leonor Barros: «Se tivessem resolvido isto e isto, talvez fosse mais fácil aceitar que não havia alternativa para a subtracção dos subsídios de férias e de Natal. Enquanto não o fizerem continuarei a achar que fui roubada e que são os papalvos de sempre a pagar.»

 

Rui Rocha: «A velha frase de Marx diz que o capitalismo vai enforcar-se com a própria corda. É bem possível. Mas importa também ter presente que o socialismo morreu de velho. Porque nunca foi capaz de produzir uma única corda que aguentasse o seu próprio peso.»

 

Eu: «Vários noticiários televisivos e radiofónicos revelaram-nos ontem a existência de manifestações de indignados "em todo o mundo". Isso seria, sem dúvida, uma boa notícia para o mundo. Acontece, porém, que a notícia não é verdadeira. Na China - o país mais populoso do planeta - não houve manifestações de indignados. Nem na Coreia do Norte. Nem no Vietname. Nem em Cuba. Nem no Zimbábue "socialista" do tiranossauro Mugabe. Nem na Guiné Equatorial. Nem no Iémene. Nem na Síria. Nem na Argélia. Nem na Bielorrússia, onde reina a última ditadura da Europa. Nem no Irão dos aiatolás. Nem sequer em Angola.»

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.