Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Delito de Opinião

DELITO há dez anos

Pedro Correia, 27.05.21

21523202_SMAuI.jpeg

 

Ana Lima«Embora peque, na minha opinião, por ser demasiado longo, Quem vai à Guerra é um filme que nos informa; que nos diverte, através de olhares de quem, apesar de tudo, sabe usar o humor; e sobretudo que nos lembra que à guerra ninguém escapa, que da guerra, mesmo que passem 50 anos, ninguém se esquece.»

 

Carlos Carvalho: «“Troika não. Triunvirato” – corrigiu-me o João, numa destas noites em que costumamos jogar conversa fora no bar do António. Fã confesso de Paulo Portas, não vale a pena retorquir-lhe com a sensibilidade variável de Portas aos estrangeirismos consoante a sua geografia. “Troika” não que é feio (é russo e basta), mas vai-se ao seu manifesto eleitoral e lá encontramos, a espaços é certo, americanices tão fashionable como “cluster”, “outsourcing”, “task force” e “benchmark”. Inglês técnico, passemos à frente.»

 

José António Abreu: «Parece que o «direito à indignação» de outros tempos é agora "não saber respeitar a democracia".»

 

Luís M. Jorge: «A partir de agora, para satisfazer a minha curiosidade e talvez — no futuro — a curiosidade dos leitores, procurarei compreender um pouco melhor o relacionamento entre o grupo Espírito Santo, ou outros grupos económicos, e os governos da república. Estou interessado em aceder a notícias que nos permitam avaliar a influência política destas organizações: casos, esclarecidos ou por esclarecer, zonas de sobreposição entre os interesses dos grupos e as decisões de titulares de cargos públicos, contratações e nomeações — enfim, tudo o que, legitimamente, e dentro dos limites do interesse público, nos permita iluminar uma zona ainda opaca da nossa vida democrática.»

 

Sérgio de Almeida Correia: «A culpa de tanta ingenuidade é do "espertalhão" do José Sócrates. A da ignorância do candidato é do próprio. E deve ser aplaudida, posto que até esta é invulgar num candidato a primeiro-ministro. A irresponsabilidade, também ela invulgar, será dos partidos e dos eleitores que permitiram que se chegasse até aqui.»