Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




DELITO há dez anos

por Pedro Correia, em 26.01.21

21523202_SMAuI.jpeg

 

Ana Margarida Craveiro: «O Estado português trata mal os cidadãos. Assume que todos são falcatrueiros, uns sacanas que só querem é roubar à primeira oportunidade. Isto nas finanças, na segurança social, etc., etc. Pelos 2% de pecadores, pagam os 98% de justos, que são tratados a pontapé. O que é triste é ver a sociedade a assumir o mesmo erro: como conhece o Zé que tem um BMW e foge aos impostos, trata de assumir que todos os Zé fogem aos impostos, tenham ou não um BMW. A confiança é um factor de qualidade da democracia. Neste ponto, ainda não saímos do Estado Novo, lamento informar.»

 

Ana Vidal: «Fico muito mais descansada. Afinal não há pedófilos em Portugal, como também não há corruptos nem vigaristas. Poupa-se nos tribunais e nas prisões, uma beleza. Gasta-se só um bocadinho mais nos media, com tanto diz-que-disse-mas-afinal-não-disse, mas isso até tem graça. E o povo gosta de festa.»

 

Bandeira: «Se não quer que toda a gente olhe para si no restaurante, evite sentar-se sob o televisor.»

 

Filipe Moura: «Por muito que o Sporting não ganhe tantos títulos como os outros, a postura de vencedores na vida que até ganham de vez em quando é o que mais irrita os nossos adversários (particularmente os benfiquistas). Desde que ganhem – os benfiquistas detestam que o Sporting ganhe; os sportinguistas adoram que o Benfica perca. O que mais irrita os benfiquistas é que no fundo eles admiram os sportinguistas e adorariam ser como eles.»

 

João Carvalho: «Todos sabemos que estamos num país surpreendente, em que o factor sorte é essencial para se estar bem na vida. Neste momento, por exemplo, palpita-me que a estrutura do metro de Coimbra possui a equipa mais sortuda do país: meia dúzia de administradores e uma dúzia de funcionários, mais-coisa-menos-coisa, pagos para gerir coisa nenhuma. Espera-se que não tenham sofrido grande corte nos salários da crise, por causa da concorrência com os imensos nadas nacionais.»

 

Rui Rocha: «Acho piada a certos comentários que sublinham a possibilidade de a revolução da Tunísia e a agitação social que já existe no Egipto e se adivinha em outros países do norte de África darem origem a regimes ainda piores. Digo que é o mesmo que afirmar-se, antes do 25 de Abril, que era melhor não o fazer devido ao perigo de Portugal se tornar um país comunista.»

 

Teresa Ribeiro: «Olhou as paredes e embora não tivessem espelhos viu-se reflectido nelas, deitado no sofá, revistas e jornais espalhados à volta, alguns no chão, junto do prato onde pousara o copo, agora vazio. Seria a solidão a única mulher com quem ele conseguia viver? - ironizou. Às vezes cansava-o. Mas não o cansavam todas? Olhou para o telemóvel, aceso pelo último sms recebido. Escreveu "amo-te" e enviou. No ar ainda se respirava o perfume que lhe oferecera no Natal. Reparou nesse momento que ela se esquecera das luvas, sinal evidente de que tencionava voltar, apesar de ter saído a bater com a porta. Bocejou. A diferença - pensou - é que a solidão não é reivindicativa.»

 

Eu: «Logo após terem sido conhecidos os resultados eleitorais, José Sócrates revelou-se um digno aprendiz de Maquiavel. Em poucas frases colou-se ao vencedor, com o pragmatismo de um jogador de casino ao reconhecer que os dados estão lançados. E deu um abraço de urso a Manuel Alegre, como se nunca tivesse amarrado o PS a estratégias erráticas e derrotistas em dois sucessivos escrutínios presidenciais. Lesto em sacudir a água do capote, o primeiro-ministro proclamou: "Estas são eleições presidenciais e os portugueses sempre souberam distinguir entre opções políticas nas legislativas - em que os partidos estão directamente envolvidos - e eleições presidenciais, que são baseadas em candidaturas individuais". E logo a seguir, com aquela ligeireza que o caracteriza, acentuou: "Foi com orgulho que todos os socialistas estiveram ao seu lado [de Manuel Alegre]." Esta frase, além de contradizer a anterior, estava totalmente longe da verdade, pormenor irrelevante no habitual fio discursivo do primeiro-ministro, um hábil manipulador de pessoas e factos.»



O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2011
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2010
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2009
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D