Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Delito à mesa (14)

por Pedro Correia, em 06.04.19

Café Lisboa 2 (2).jpg

 

Requinte e tradição conjugam-se à mesa, a poucos metros do local onde decorre uma cena fundamental desse monumento do romance português que é Os Maias. Eça haveria de gostar.

 

Não podemos deixar de pensar que pouco metros acima de nós se desenrolou uma cena fulcral do melhor romance português de todos os tempos, Os Maias, quando Carlos é apresentado à fogosa Condessa de Gouvarinho. Eis-nos num dos mais belos recantos de Lisboa, marcado por referências melómanas, ou não estivéssemos no rés-do-chão do Teatro Nacional de São Carlos, e também literárias: no majestoso prédio fronteiro, num 4.º andar, nasceu a 13 de Junho de 1888 um tal Fernando António Nogueira Pessoa, figura cimeira da nossa poesia.

Mas o que hoje aqui nos traz é algo prosaico: comer. Neste Café Lisboa – um dos estabelecimentos com a marca de José Avillez, cada vez mais influente no circuito gourmet do Chiado – tudo é recomendável. O cenário, o ambiente, o serviço, o vinho JA (exclusivo dos restaurantes deste chefe, em produção conjunta com o enólogo e gastrónomo José Bento dos Santos), os preços razoáveis para tão inspiradora localização, no centro cultural e turístico de Lisboa.

Aconselha-se reserva: a oferta de lugares não é escassa, mas a procura abunda. Se o tempo estiver convidativo para tomar um copo para celebrar o fim da tarde, prefira a esplanada. Onde poderá jantar também.

 

Café Lisboa 2 (1).jpg

Bacalhau à Brás com azeitonas explosivas

 

Tem muito por onde escolher em matéria comestível, de matriz bem portuguesa.

Nas entradas, por exemplo, tártaro de polvo ou favinhas de coentrada.

Nos pratos principais, bacalhau à Brás com azeitonas explosivas (ou moleculares, segundo a patente registada por Ferran Adrià no mítico El Bulli), bacalhau assado com cebolada, pastéis de Lisboa com arroz de grelos, cachaço de porco com favinhas guisadas e enchidos.

Confesso: o meu preferido é bife de atum com manjericão – servido sobre migas de batatas.

 

Café Lisboa 3.jpg

Bife de atum com manjericão

 

Nas sobremesas, queijos vários. Para os mais gulosos, torta de laranja com sorvete de laranja ou toucinho-do-céu de Lisboa com sorvete de framboesa. Ou um simples pastel de nata - outra forma de promover a doçaria nacional e alfacinha.

Para degustar num ritmo compassado, apreciando o panorama circundante e o prazer da companhia. Este Café Lisboa não merece menos.

 

Restaurante Café Lisboa

Largo de São Carlos, 23, Lisboa

Telefone 211 914 498

Horário: do meio-dia à meia-noite, todos os dias


9 comentários

Imagem de perfil

De Vorph Valknut a 06.04.2019 às 14:14

Optaria pelo bife de atum
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 06.04.2019 às 17:43

Também eu. E nunca me arrependi.
Sem imagem de perfil

De Cristina M. a 06.04.2019 às 14:35

azeitonas explosivas são uma experiência única.
Imagem de perfil

De Vorph Valknut a 06.04.2019 às 17:34

Pelo nome também me parece....só se vive uma vez
Sem imagem de perfil

De Cristina M. a 06.04.2019 às 21:58

agora à 3.a é que me pareceu que foi uma piaducha, foi?
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 07.04.2019 às 19:18

Ironia queirozeana, talvez.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 07.04.2019 às 00:59

Há muito Brás. Onde se comerá um À Gomes de Sá ou umas pataniscas ? E Eça
pede um arroz de favas com elas,se não com a tal galinha primordial. Deixem as moléculas,presentes em tudo o que mexe e estufa.
Abrenúncio.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 07.04.2019 às 09:50

Há muito Gomes de Sá recomendável. Pataniscas não tanto, mas encontra: na Varina da Madragoa, em Lisboa, por exemplo.
Aliás ambos os pratos constam da tradição gastronómica alfacinha. Que é mais vasta do que muita gente imagina.
Arroz de favas "à Eça" é mesmo em Tormes. No cenário natural d' "A Cidade e as Serras".
Mas se quer pratos também alusivos à literatura queirozeana encontra-os no Lawrence, em Sintra. Lascas de bacalhau com broa d'ervas, lombos de bacalhau assado no forno à Alencar, empada de perdiz com ervilhas estufadas e tomilho fresco.
Sem moléculas.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 07.04.2019 às 22:55

Agradecido pelas recomendações.
Cheirarei a Varina da patanisca depois do rissol no Em ponto de Rebussado.
Teodolito o velho.

Comentar post



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D