Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Delícias Conventuais

por Francisca Prieto, em 27.05.15

rebuçados de ovos.jpeg

 

A tia Elisa era, na família da minha mãe, uma espécie de Fernando Pessa: nunca ninguém a conheceu com menos de 80 anos. Leve e delicada, cresceu num convento e foi aí que aprendeu a importância do ponto certo do rebuçado.

Vivia no alto alentejo, lá para as bandas de Portalegre, de onde todas as costelas da minha mãe são oriundas.

Um dia a tia Catarina (mulher do seu sobrinho Manel) pediu-lhe ajuda para dar conta de uma remessa de marmelos. Descascaram-se oito quilos, cortaram-se em pedaços uniformes e deixaram-se a cozer no grande caldeirão de cobre da velha cozinha alentejana.

Antecipava-se, para o dia seguinte, a laboriosa operação de os desfazer em marmelada.

Só que, por uma imprevisibilidade do destino, quis Nosso Senhor que o tio Manel exalasse o último suspiro nessa noite, no conforto do seu leito.

De manhã a tia Catarina deu conta da tragédia e mandou chamar a tia Elisa. Enquanto preparava as cerimónias fúnebres, que seriam realizadas em casa, deu-lhe instruções precisas para não deixar que os marmelos se arruinassem.

A Tia Elisa ainda a tentou dissuadir, mas deixar estragar oito quilos de marmelos era coisa que estava fora de cogitação naquela família. De maneira que, vendo a sobrinha irredutível, toca de lançar para o caldeirão os oito quilos de açúcar que a receita exigia.

Só que era preciso ficar ali a dar à colher de pau e convenhamos que a tia Elisa, que devia andar pelos oitenta e cinco, já não tinha propriamente o vigor dos verdes anos.

Às tantas, a viúva resolve deixar por breves momentos a câmara ardente e dar um salto à cozinha para ver em que ponto andava a marmelada. Deu com a pobre da tia Elisa à beira das lágrimas, queixando-se de dores no braço: “Ai filha, tem paciência, que eu não consigo dar conta disto”. A tia Catarina ia tendo um treco. Que se deitassem fora os marmelos ainda ia, agora os oito quilos de açúcar, é que nem pensar.

Arregaçou as mangas, agarrou na colher de pau e, com as suas próprias mãos lançou-se à empreitada.

De quando em quando aparecia uma sobrinha na cozinha a tentar chamá-la à razão “ó tia, venha descansar um bocadinho, deixe lá a marmelada”. E a tia Catarina, sem tirar os olhos do caldeirão, resmungava “deixem-me sossegada, já aconteceu hoje uma desgraça nesta casa, era só o que faltava acontecer outra”.

Reza a história que a marmelada ficou pronta e que o enterro do tio Manel lá decorreu sem mais incidentes.

 

Passados dez anos casou-se a tia Lacas, a irmã mais nova da minha mãe. Os meus pais sabiam que a tia Elisa, na altura com uns 95 anos, fazia gosto em vir a Lisboa ao casamento e resolveram ir buscá-la a Portalegre. 

Apresentou-se no seu modo discreto, carregando um grande saco. A minha mãe simpaticamente perguntou-lhe: “então tia, esteve a fazer doces para o casamento?”. A tia, com o ar envergonhado de quem já não consegue dar conta do recado, respondeu-lhe baixinho: “não filha, só levo uns rebuçadinhos de ovos. Fiz quatrocentos.”


17 comentários

Sem imagem de perfil

De IsabelPS a 27.05.2015 às 22:17

Grande família!
Imagem de perfil

De Francisca Prieto a 27.05.2015 às 23:35

Obrigada Isabel. Gosto tanto de todos.
Sem imagem de perfil

De xico a 27.05.2015 às 23:37

Mulheres de outra estirpe.
Podia (e é) um excelente conto.
Sem imagem de perfil

De Alexandre Carvalho da Silveira a 28.05.2015 às 02:23

Na minha familia também havia uma "Tia Elisa": aprendeu num convento no Alentejo a fazer os doces conventuais mais deliciosos que alguma vez provei, ficou solteira e também morreu depois dos 90. Sempre de mangas arregaçadas, fosse verão ou inverno, só sabia fazer as coisas de uma maneira: bem feitas.
Que saudades...
Imagem de perfil

De Francisca Prieto a 28.05.2015 às 08:28

Que bom que é haver Tias Elisas nas nossas vidas.
Um abraço
Imagem de perfil

De Teresa Ribeiro a 28.05.2015 às 09:25

Uma delícia está o teu texto :)
Imagem de perfil

De Francisca Prieto a 28.05.2015 às 09:27

Obrigada, Teresa.
Imagem de perfil

De Alice Alfazema a 28.05.2015 às 17:11

Quatrocentos, são quatro mais dois zeros. Grande tia Elisa.
Sem imagem de perfil

De Maria Joana a 28.05.2015 às 18:58

Não peço licença para partilhar para não correr o risco de uma 'nega': certos tesouros são imperdíveis!
Imagem de perfil

De Francisca Prieto a 28.05.2015 às 22:10

Ó Joana, partilhe à vontade. É um gosto que me dá. É sinal de que gostou muito.
Um beijo grande
Sem imagem de perfil

De Maria Joana a 29.05.2015 às 12:56

Obrigada :)
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 29.05.2015 às 21:13

Entrada directa para a antologia DELITO, Francisca. Uma delícia.
Imagem de perfil

De Francisca Prieto a 29.05.2015 às 23:05

Obrigada, Pedro. Confesso que estas histórias de família são as minhas preferidas.
Abraço
Sem imagem de perfil

De Rita castelo branco a 18.10.2015 às 21:34

Procurava uma receita de rebucados de ovos e acabei a rir à gargalhada, de facto faz-nos lembrar de episódios engraçados que nos passam pela frente, e uma boa alentejana nunca deixa estragar nenhum alimento e é sempre uma modesta personagem que faz tudo de bom grado e com muito amor.

Obrigada pelo momento
Rita cb
Imagem de perfil

De Francisca Prieto a 01.11.2015 às 01:06

Ó Rita, desculpe ter tardado tanto tempo a responder-lhe, mas gostei tanto do seu comentário que nem imagina. Ainda bem que se divertiu com esta história antiga que, por acaso, é da minha família, mas que podia pertencer a tantas e tantas famílias alentejanas.
Um beijo grande e muito obrigada
Francisca

Comentar post



O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D