Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




De Belém, com afecto

por Diogo Noivo, em 26.01.17

MRS.png

 

O conceito "pós-facto" já entrou no léxico diário. Trump é a epítome desse mundo detestável onde a realidade é torcida e retorcida com o intuito de servir agendas próprias, ignorando os interesses nacionais e, por definição, os factos. Cá, em Portugal, não temos disso. Ou se calhar temos, mas a coisa é menos grave porque é feita com abraços, afecto e votos de saudinha a quem passa.

Autoria e outros dados (tags, etc)


7 comentários

Sem imagem de perfil

De Jorg a 26.01.2017 às 10:51

Nas terras fundas da minha meninice, o conceito já era conhecido e integrado no léxico - e estendia-se em frase: "vender água sem caneco".
Roubando prosa a Francisco José Viegas, tal conceito implicava que, algumas vezes, na prosápia de adro de igreja (o forum que se perdeu para as profusas difusões electromagnéticas) "as palavras [eram] aquilo que patetas queriam que elas fossem, independentemente do que significassem. O último reduto da verdade – as palavras com que designávamos as coisas e a sua dignidade – (..) tinha (...) sido abatido" para a circunstância que, mais das vezes, era fogacho para iluminar o pateta palrador. Nos tempos de então, porém, o fogacho, mais que iluminar, tisnava. E assim os patetas eram facilmente topados por caracteristica tromba farrusca e pivete de chamusca. Isto releva uma das limitações da mediatização - a maquilhagem desmacula o tisno e, adicionalmente radio, tv, 'display', disco e cassete pirata não privilegiam o olfacto e assim permitem liberal confusão entre pegulho e pensador.
Sem imagem de perfil

De jo a 26.01.2017 às 12:41

Um relógio parado está certo duas vezes por dia.
Se eu prever a morte de alguém todos os dias e não morrer antes, de certeza que há um dia em que acerto. Resta saber se gosto do facto ou o lamento.

Faz impressão este anunciar desesperado do crash da dívida portuguesa.
Há mais de um ano que andam nisto e ninguém lhes faz o gostinho.
Sem imagem de perfil

De Jorg a 26.01.2017 às 18:11

Não se impressione... um amigo xuxa, simpatizante do Assis, consegue ser mais acertado no sarcasmo - disse-me contemplando estes trailers do Prof. Rebelo de Sousa de mote "Always look on the bright side of life!" que branqueam a farsa do farsolas xuxa Costa y sus geringonços "Os fins de Março estão a chegar... e, desta vez, já nem há Ti Ricardo para aconselhar nem o gajo de Boliqueime a quem pedir que se interceda junto da Banca; só lhes resta o Constâncio, coitados..."
Sem imagem de perfil

De Alienado a 26.01.2017 às 14:25

Marcelo Rebelo de Sousa, já não é o Professor como sempre lhe chamámos, mas tem dado uma lição a todos de como unir, fazer a diferença, sem deixar de ser sério. Muitos criticam o facto de ele falar de tudo. Sempre falou. Deixou claro que seria a mesma pessoa. Mas Presidente”, elogia.

http://www.msn.com/pt-pt/entretenimento/celebrity/marcelo-rebelo-de-sousa-tem-dado-uma-li%C3%A7%C3%A3o-a-todos/ar-AAmfaXb?li=AA5a2t&ocid=spartandhp
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 26.01.2017 às 14:38

Muito boa tarde.
Salvo melhor opinião, a coisa é grave. O que o PR fez/ disse é muito grave, mas a "bovinidade" "mansa" dá nisto.
Antes do AO havia duas palavras que definiam bem isto: mentira, vigarice.
Se calhar com o novo AO desapareceram. Estou à vontade para escrever isto, pois já escrevi publicamente o que penso de positivo e de negativo do actual titular da Presidência da República. Cumprimentos.
António Cabral
Sem imagem de perfil

De amendes a 26.01.2017 às 15:02

Há dias vieram-me as lágrimas aos olhos:

Ver o nosso Papa Marcelo a ajudar uma velhinha a estender a roupa no estendal da varanda.... "

Veio-me à memoria o filme : Aldeia da Roupa Branca ( já li o Livro e vamos ver muitos filmes idênticos)
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 26.01.2017 às 21:18

"O conceito "pós-facto" já entrou no léxico diário. Trump é a epítome desse mundo detestável onde a realidade é torcida e retorcida com o intuito de servir agendas próprias, ignorando os interesses nacionais e, por definição, os factos. "

Nasceu ontem? 1984 foi escrito quando?
Vamos comparar com Obama e "workplace violence" para designar vários ataques Islamicos. E isto é só um exemplo entre muitos.

"Cá, em Portugal, não temos disso."

Não? O que é que a palavra "austeridade" , o que é que é a palavra "populismo vs social" , o que é a palavra "extremista vs activista" ou "fome vs jejum"

Comece por se perguntar porque é que o Presidente ainda não foi chamado de "Populista"...

Comentar post



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D