Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Convidada: ALEXANDRA MACHADO

por Pedro Correia, em 08.02.18

 

Deus nos livre das feministas

 

Tentei construir este texto inúmeras vezes na minha mente a caminho do trabalho, nas pausas do trabalho, a caminho de casa, antes de dormir, a sonhar. Tempo para concretizar as frases que se formaram nestes momentos: zero. Receio de o fazer: infinito. Esqueci-me da maior parte dos termos e particularidades que queria abordar e cheguei a pensar que não seria capaz. Detesto falhar prazos, mas detesto ainda mais entregar coisas feitas à pressa e que não são aprovados com distinção pelo meu crivo perfeccionista. Acabei a escrevê-lo no telemóvel enquanto esperava que me tirassem uns tubinhos de sangue para análise. Este texto não tem o patrocínio da CUF, mas quase podia ter.

 *

Qualquer coisa que se faça/escreva/fale e que use as palavras mulheres ou feminismo está condenada à partida. Há muito preconceito envolvido. Há quem ache disparatado. Desnecessário. Ridículo. Só lê livros escritos por mulheres? Só pode ser louca, histérica. Feminista. Deus nos livre das feministas. Então os homens não merecem ser lidos? Que bonita é a igualdade de géneros!

Vamos por partes: ao longo dos meus anos enquanto leitora, diria que cerca de 90% dos livros que li foram escritos por homens. Porquê? Porque a minha estante era maioritariamente constituída por estes livros. Nunca tive uma biblioteca cheia de livros em casa, os meus pais não tinham hábitos de leitura, e só na faculdade comecei a construir a minha própria biblioteca e a sentir um verdadeiro amor pelos livros. Mais vale tarde do que nunca, não me julguem. Procurei pelos clássicos, li muitas opiniões, formei os meus gostos. Durante muitos séculos, as mulheres poucas e raras vezes se aproximaram de uma pena, pelo que é óbvio que a maioria dos livros, clássicos ou não, que andam nas bocas dos leitores sejam escritos por homens. A tendência tem vindo a mudar, mas há um histórico de peso para equilibrar. No último ano comecei a ganhar uma consciência a respeito desta discrepância porque, de facto, há muitos livros escritos por mulheres para ler. Felizmente, aproximei-me de plataformas que pretendiam enaltecer as mulheres na literatura e esta causa fez-me muito sentido, acreditem que não foi propositado, simplesmente aconteceu e deixou uma forte marca em mim.

Fiz contas à minha estante e assustei-me. Tinha uma base muito fraca para começar o meu caminho. Na Feira do Livro de Lisboa de 2017 mudei radicalmente as minhas escolhas em termos de aquisições e tem sido assim desde então. Tenho muitos e bons livros escritos por homens, lidos e para ler, pelo que há que equilibrá-los com o universo literário feminino. Desde Julho de 2017 que tenho feito óptimas descobertas e tem sido incrível identificar-me com a escrita das mulheres em geral e com algumas autoras em particular. Não me arrependo do caminho que tomei e, para sossegar as almas mais inquietas com as minhas escolhas literárias, posso adiantar que este ano escolhi 10 grandes livros escritos por homens para intercalar com as minhas restantes leituras e estou maravilhada com o primeiro volume destes dez que escolhi.

 

20812389_iQu4Q[1].jpg

 
Voltando então aos preconceitos. Assim que um dos meus primeiros textos (sobre o livro As Coisas Que os Homens Me Explicam, de Rebecca Solnit) recebeu um destaque do Blogs do Sapo, recebi o seguinte email:

-

«Ai Alexandra, Alexandra,

Já enjoa este discurso feminista que tenta dar a ideia de que um homem que seja a favor da igualdade deve ser também ele feminista.
O feminismo tornou-se numa espécie de associação a favor dos direitos das mulheres. Têm esse direito, mas não nos venham vender a ideia de que querem igualdade de género. O feminismo não se preocupa minimamente com os direitos dos homens, certo?

O feminismo preocupa-se com o facto de os homens assumirem tradicionalmente profissões de maior risco e por isso terem muito mais acidentes de trabalho? Tenta equilibrar o acesso a essas profissões? Não. É só um exemplo. O feminismo preocupa-se apenas com a parte que prejudica as mulheres. É disso exemplo o acesso a cargos de gestão de topo. Por isso não procuram igualdade de género. Procuram melhorar a posição das mulheres na sociedade. Ponto.

Um beijinho (ou um abraço).»

-

Na altura, este senhor andava ainda indignado com a polémica dos cadernos de actividades da Porto Editora e resolveu mandar este email em tom de desabafo (disse ele) porque queria perceber o fenómeno do feminismo. Não considerei, nem considero, o tom deste email como um desabafo, mas adiante. Resumidamente, decidi dar-lhe resposta, ele ainda fez uso de mais alguns lugares comuns para criticar o feminismo durante mais alguns emails (os do primeiro aparentemente não chegavam), mas lá acabámos por concordar que a vertente radical e tóxica do feminismo pode ser tão má como o machismo e cada um foi à sua vida. Apesar deste desfecho, todo aquele episódio mexeu profundamente comigo. Confesso que fiquei receosa, adivinhando que aquele fosse tornar-se o pão nosso de cada dia. Não se tornou. Até à data não voltei a receber mais emails deste género, mas adivinho que depois de ter usado neste texto as palavras “vertente radical e tóxica do feminismo” talvez chegue um ou outro.

20819583_Qia0n[1].jpg

 

Uma das coisas que soube que queria abordar neste texto, desde o momento em que recebi o convite do Pedro Correia, consiste precisamente na luta frequente que, aparentemente, temos (alguns de nós) de travar à custa de quem deturpa a causa feminista. Deixa-me profundamente triste todo o aproveitamento e radicalização que algumas pessoas, pelo mundo inteiro, associaram ao feminismo. O feminismo é essencial para mudarmos enquanto civilização, mas tem uma tendência auto-destrutiva absurda. Uns lutam para construir, outros para gerar o caos e entropia. Há dias em que não quero ser feminista. Não quero ser feminista nos dias em que há mulheres que se aproveitam de um movimento fundamental, como é o incentivo para que se denunciem comportamentos abusivos e se perca o medo de falar, para denegrir a imagem de alguns homens pelos mais variados motivos. Há histórias ridículas que atingem proporções e consequências demasiado graves para serem tratadas tão levianamente em praça pública. Assisto incrédula ao que se tem vindo a passar, dando voltas e voltas à cabeça numa busca incessante por uma solução que termine com este aproveitamento. Busca utópica, clichê, infantil, bem sei, mas que não me abandona, mesmo nos dias em que não quero ser feminista.

Um dos documentários mais interessantes que assisti sobre feminismo foi She’s Beautiful When She’s Angry (2014) e gostava muito de o recomendar a quem ainda não o viu. Além de conter informação preciosa sobre o movimento feminista nos Estados Unidos na década de 60 e 70, relatada por algumas das intervenientes, mostra como também naquela altura houve dúvidas, erros, lutas inglórias, oportunistas. É deveras importante interiorizar que tudo aquilo que se passou na época e se volta a passar agora faz parte disto, de sermos humanos. Que é natural, que nunca vai ter solução, mas que vale a pena continuar a lutar pela igualdade, por mais que os desvios nos consumam. Lutar lado a lado, mesmo nos dias em que perco a esperança e não quero ser feminista.

 

 

Alexandra Machado

(blogue MAIS MULHERES, POR FAVOR)

Autoria e outros dados (tags, etc)


18 comentários

Perfil Facebook

De Rão Arques a 08.02.2018 às 11:11

As mulheres não precisam de favores, foi o que me ocorreu depois de ler e gostar.
Sem imagem de perfil

De maria madeira a 08.02.2018 às 11:58

Alexandra, gostei muito de ler este seu texto. A Alexandra deixa-se ir nisto de escrever e penso eu que essa parte genuína é a que mais aquece a alma quando se lê alguém.

Esta sua parte do texto tem muito que se lhe diga, parte essa com a qual concordo o mais possível:
"O feminismo é essencial para mudarmos enquanto civilização, mas tem uma tendência auto-destrutiva absurda. Uns lutam para construir, outros para gerar o caos e entropia. Há dias em que não quero ser feminista. Não quero ser feminista nos dias em que há mulheres que se aproveitam de um movimento fundamental, como é o incentivo para que se denunciem comportamentos abusivos e se perca o medo de falar, para denegrir a imagem de alguns homens pelos mais variados motivos."
Imagem de perfil

De Alexandra a 08.02.2018 às 21:41

Obrigada, Maria, era um texto que já andava a ser alinhavado na minha mente há algum tempo e que precisava mesmo de colocar por escrito.
Sem imagem de perfil

De Filipa Santos a 08.02.2018 às 23:21

É muito simples, Alexandra. O facto de haver feministas idiotas não deve demover ninguém de querer ser feminista. Se me perguntam: "És feminista, como a Rita Ferro Rodrigues?", respondo: "Deus me livre. Sou feminista, como a Margaret Atwood."
Imagem de perfil

De Alexandra a 12.02.2018 às 12:20

Era bom que fosse assim tão fácil, Filipa. Infelizmente há coisas a acontecer fora de Portugal bem mais revoltantes.
Sem imagem de perfil

De A. C. Leo a 08.02.2018 às 13:40

Nunca me preocupei pelo género do autor, mas pelo género da obra.
Ana C. Leo
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 08.02.2018 às 14:50

Eu quero aplaudir. Para mim há cidadãos, não há homens nem mulheres. Embora haja especificidades. Nas minhas leituras incluindo científicas, nunca me ocorreu pensar no sexo do autor.
E ler sobre feitos militares? Qual o género a escolher? E sobre maternidade? Coisa muito diferente de paternidade. Não assino para que ninguém saiba se sou homem ou mulher. Ou nota-se o meu sexo pela opinião que aqui deixo? Quem adivinha?
Imagem de perfil

De Alexandra a 08.02.2018 às 21:26

Bom, não poderia discordar mais deste tipo de pensamento. Não há homens nem mulheres, mas sim cidadãos? Felizmente, há homens e mulheres, cada um com as suas particularidades, e isso pode notar-se (ou não!) na literatura, ou noutras áreas como o cinema ou a música, e ainda bem que assim o é.

Não espero mais nem menos de um livro quer este seja escrito por um homem ou por uma mulher, mas senti necessidade de rever a quantidade de livros de mulheres que lia, porque de facto lia muito mais homens do que mulheres e quis tornar a minha estante mais equilibrada porque considerei que estava a passar-me muita coisa ao lado. Percebo que haja quem não pense no sexo do autor e respeito essa decisão, mas eu decidi ter isso em conta quando escolho os livros que leio, apenas isso.
Sem imagem de perfil

De Lucklucky a 08.02.2018 às 18:15

Idem.
O Corporativismo sexual deixaria cheio de orgulho um Estado Novo do Sec.XXI.
Será que a autora considera homens que se consideram mulheres?
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 08.02.2018 às 14:46

"temos (alguns de nós) de trava" Alguns??
Imagem de perfil

De Alexandra a 08.02.2018 às 21:28

Por acaso travamos todos as mesmas lutas? Ou estava à espera que escrevesse "algumas"? Em todo o caso, não estou de acordo com nenhuma das hipóteses por isso, sim, alguns de nós (homens e/ou mulheres) travamos essa luta.
Sem imagem de perfil

De Fatima MP a 08.02.2018 às 16:54

Lamento, Alexandra, gostei de ler o seu texto mas, sinceramente, nunca comprei um livro, ou deixei de comprar, por o autor ser homem ou mulher. Para mim, isso nunca será critério. Era só o que faltava (bem ... melhor não dar ideias ...) se as Editoras passassem a ser obrigadas (sei lá ...) a observar cotas de autores de acordo com o sexo, como forma de "corrigir" o menor número de mulheres publicadas ...
Sem imagem de perfil

De António a 08.02.2018 às 18:10

Com o sistema de quotas ainda estávamos à espera da publicação do Philosophiæ Naturalis Principia Mathematica, com a Teoria Geral da Relatividade em lista de espera. Quotas não são solução, são discriminação. J.K. Rowling foi publicada porque alguém acreditou que dava lucro - e foi recusada em várias editoras, eu sei, mas até a Decca recusou os Beatles.
Imagem de perfil

De Alexandra a 08.02.2018 às 21:39

Fátima, compreendo perfeitamente que não compre/leia conforme o género do autor e gostava de acrescentar que sou totalmente contra o sistema de cotas, nesse ou noutro molde qualquer.
Tratou-se apenas de uma decisão pessoal. Tal como expliquei no texto, senti essa necessidade ao analisar aquilo que leio (gosto de o fazer). Não pretendo que todos façam o mesmo que eu, longe disso. É um projecto, como outro qualquer, onde destaco livros escritos por mulheres (que leio), sendo que continuo a ler homens.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 08.02.2018 às 21:50

Não me admiraria, já há quem defenda cotas para laureados do Nobel. Agora têm que ser mulheres até igualarem!!
Sem imagem de perfil

De Maria Dulce Fernandes a 08.02.2018 às 17:56

Os livros não se julgam pela capa, mas pelo conteúdo. Há excelentes autores de ambos os sexos. Um dos meus livros favoritos de todos os tempos, To Kill a Mockingbird, foi escrito por uma mulher, mas se tivesse sido escrito por um homem, teria feito diferença? Não creio.
Gostei do seu texto.
Eu defendo a igualdade social absoluta de géneros. Trabalhos iguais, salários iguais, iguais oportunidades. Tudo com base na competência. Apenas e só.
O feminismo fundamentalista é uma vergonha e um retrocesso.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 08.02.2018 às 22:03

Obrigado pela visita, Alexandra. Com um texto que dá muito que pensar. E ainda bem.
Imagem de perfil

De Alexandra a 12.02.2018 às 12:11

Obrigada pelo convite, Pedro.

Comentar post



O nosso livro





Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D