Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Consequências da época estival

por Diogo Noivo, em 25.05.18

Forças israelitas mataram cerca de 60 palestinianos alegadamente desarmados e o tonitruante coro de protestos não se fez esperar. Nem a representante de Israel na Eurovisão escapou à ira, tendo sido alvo de um boicote tão patético como ineficaz. Ontem, ficou demonstrado que a Rússia abateu um voo comercial malásio matando 298 passageiros - gente, de facto, desarmada. Ninguém saiu à rua. As redes sociais estão serenas e não há pedidos de boicote. Martins, Mortáguas e afins devem, certamente e apesar da chuva, ter entrado em fase estival.


39 comentários

Sem imagem de perfil

De Meister Von Kälhau a 25.05.2018 às 10:35

Israel e os israelitas fazem do fel dos outros o seu mel. A sua força alimenta-se dos seus ódios.

Há inimigos que se derrotam pelo sufoco do abraço

"Let me put it this way: Who wants to destroy the Jews? Who wants to grind their bones into the dust? And who wants to see them rise again? Wealthier, more successful, powerful, cultured, more intelligent than ever? Then you know what we have to do? We have to love 'em. What? Did he say ''Love the Jews''? It's strange, I know. But with these people, nothing is simple. The Jew says all he wants is to be left alone to study his Torah... do a little business... fornicate with his oversexed wife,but it's not true. He wants to be hated. He longs for our scorn. He clings to it, as if it were the very core of his being. If Hitler had not existed, the Jews would've invented him. For without such hatred, the so-called Chosen People would vanish from the earth. And this reveals a terrible truth and the crux of our problem as Nazis. The worse the Jews are treated, the stronger they become. Egyptian slavery made them a nation. The pogroms hardened them. Auschwitz gave birth to the state of Israel. Suffering, it seems, is the very crucible of their genius. So, if the Jews are,as one of their own has said... a people who will not take ''yes'' for an answer... let us say ''yes'' to them. They thrive on opposition. Let us cease to oppose them. The only way to annihilate this insidious people once and for all... is to open our arms, invite them into our homes... and embrace them. Only then will they vanish into assimilation, normality and love. But we cannot pretend. The Jew is nothing if not clever. He will see through hypocrisy and condescension. To destroy him, we must love him sincerely. If the Jews are strengthened by hate, wouldn't this... destruction that you speak of, whether it's by love or any other means... wouldn't that make them more powerful than they are already? Yes. lnfinitely more. They would become as God. It's the Jews' destiny to be annihilated so they can be deified. Jesus understood this perfectly. And look what was accomplished there with the death of just one enlightened Jew. Imagine what would happen if we killed them all."

Daniel Balint.
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 25.05.2018 às 18:22

Obsecado.
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 25.05.2018 às 10:59

A comparação é pertinente, mas há que ver que a segunda matança foi realizada num contexto de guerra, a primeira num contexto de paz.
Também se pode dizer que para conquistar Mossul e Raqqa as forças iraquianas, curdas e americanas levaram a cabo bombardeamentos maciços dessas cidades, dos quais terão provavelmente resultado muitos mortos civis desarmados e inocentes. Mas esses bombardeamentos foram realizados num contexto de guerra, portanto ninguém os condena (demasiado).
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 25.05.2018 às 18:23

Luís Lavoura a mentir, então tentar invadir outro país como o Hamas fez é "contexto de paz"...
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.05.2018 às 21:08

O Hamas invadiu quem, a Palestina?
Imagem de perfil

De Sarin a 25.05.2018 às 11:19

Fiquei chocada quando ontem li a notícia sobre o Air Malaysia. E fiquei a aguardar que uma outra qualquer notícia relatasse se foi trágico acaso de rotas, falha direccional, falha de comunicação ou macabra intenção.

Sobre Israel sei que é intenção. Bibi Netanyahu dixit.
Imagem de perfil

De Sarin a 25.05.2018 às 13:51

A minha questão sobre a macabra intenção é se foi alvo intencional ou se se deveu a ausência de controlo de rotas.
Mas da nebulosa Ucrânia vs Rússia não sairá a resposta, só mercê de apurada investigação.

Desde a Segunda Guerra que a informação e a contra-informação são cuidadas. E se antes desconfiava do que era comunicado a Leste da França, agora, e principalmente desde as armas de destruição massivas do Iraque, analiso as informações sobre armamentos e ofensivas entre poderes relativamente equilibrados usando muitas pinças.

No caso de Israel não preciso de tantas - pedras vs espingardas com balas, crianças com explosivos vs Exército e Mossad, expulsão e coerção vs invasão com poderio bélico e apoio político internacional. O crasso desequilíbrio de condições e de poder bélico e financeiro definem o desajustamento da resposta que, por muito que digam ser defesa, não passa de ataque.
Imagem de perfil

De Diogo Noivo a 25.05.2018 às 13:58

A prudência recomenda-se e é louvável nos dias que correm. Contudo, se entende que o que está em curso entre Israel e Palestina se resume, ou explica, com “pedras vs espingardas com balas, crianças com explosivos vs Exército e Mossad” temo seriamente que essa sua prudência seja um pouco sectária.
Imagem de perfil

De Sarin a 25.05.2018 às 14:47

Não leu a parte em que falo de expulsão e coerção vs invasão com poderio bélico e apoio político internacional.
Este é o fundo. O resto é desequilíbrio e tentativa de equilíbrio com ingerências várias.
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 25.05.2018 às 18:31

A única oisa que define é o "desasjustamento da sua resposta Marxista"

Pedras: matam.

Coisas que o Jornalismo Marxista não te diz: https://en.wikipedia.org/wiki/Fajr-5




Interessante para ti então defendes o desasjustamento da resposta
Sem imagem de perfil

De Meister Von Kälhau a 25.05.2018 às 22:22

E uma caneta afiada também
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 26.05.2018 às 01:03

Bingo, uso da palavra "marxista" por parte do paranóico lucklucky.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 26.05.2018 às 01:10

Ninguém diga ao lucklucky que foi a URSS (marxista!) o primeiro país a reconhecer o Estado de Israel caso contrário ele entra em curto-circuito.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.05.2018 às 11:23

Concordo consigo Diogo Noivo. É uma tolice as pessoas andarem a maçar-se só por causa de 60 palestinianos. Se fossem para aí uns 70 eu ainda concordaria.
Imagem de perfil

De Diogo Noivo a 25.05.2018 às 12:44

Ninguém o obriga, mas antes de comentar talvez não fosse má ideia ler primeiro com atenção.
Imagem de perfil

De Sarin a 25.05.2018 às 11:33

E não ficou demonstrado que a Rússia abateu - ficou demonstrado que o míssil era Russo.
Há uma pequena diferença sintáctica, uma grande diferença prática. Que Diogo Noivo acredite que tenha sido a mando da Rússia, é matéria de fé - e a fé não precisa de provas.
Mas depois há os incréus como eu e São Tomé, que opiniões teremos mas gostamos de conhecer os factos para melhor as sustentarmos.
Imagem de perfil

De Diogo Noivo a 25.05.2018 às 12:47

Por diferenças e detalhes: ficou demonstrado que o míssil pertencia a uma brigada das forças armadas russas. E que só poderia ter sido disparado através de um sistema pertencente às forças armadas russas. If it walks like a duck and talks like a duck...
Imagem de perfil

De Sarin a 25.05.2018 às 13:03

Talvez eu não tenha lido as notícias com a devida atenção, pois não me apercebi desse detalhe do lançamento estar dependente de um sistema exclusivamente dominado pelos russos, ou sequer que o Buk estaria em poder dos russos.

Não é negar evidências, trata-se de apurar factos: há histórias várias de mísseis subtraídos ao controlo das forças que os detêm, e estas nunca admitem as subtracções pois consideram quebra de credibilidade.
Não isenta os russos.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.05.2018 às 11:52

Por definição, os partidos tomam partido.
O bem comum não existe para eles.
E essa é a razão por que, com partidos, a democracia plena não é possível.
João de Brito
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.05.2018 às 13:07

"O bem comum não existe para eles." O bem comum existe? Ou o que é bem para uns é mau para outros? Essa é a questão.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 26.05.2018 às 11:51

Boa questão!
Mas quem tem de se pronunciar sobre ela são os cidadãos.
Não os partidos.
João de brito
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 25.05.2018 às 12:17

É claro que, sempre que morrem "escudos humanos", isso é de lamentar.
Os passageiros dos aviões comerciais estavam a ser utilizados pelas autoridades ucranianas como "escudos humanos", por detrás dos quais operavam os aviões de guerra ucranianos que bombardeavam os separatistas russos.
Após o abate deste avião malaio, as autoridades ucranianas abandonaram essa tática porca.
Imagem de perfil

De Diogo Noivo a 25.05.2018 às 12:45

Menos Pravda (e RT) por dia e não sabe o bem que lhe fazia.
Imagem de perfil

De João Pedro Pimenta a 25.05.2018 às 13:18

Não vou sequer comentar todo o disparate inerente à sua resposta, porque isso já é um hábito. Vou só fazer-lhe notar que escreveu "separatistas", o que significa que a haver força aérea ucraniana na zona, estava a sobrevoar o SEU próprio território e a ser atacada por material cedido pela vizinha Rússia.
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 25.05.2018 às 14:36

Naturalmente que a força aérea ucraniana estava a sobrevoar o território ucraniano e a ser atacada por material cedido pela Rússia. Não é isso que está em causa, não ponho isso em dúvida. O que está em causa é que estava a haver uma guerra na zona, que nessa guerra estava a intervir a força aérea ucraniana e que, apesar destes factos, os aviões comerciais estavam a ser autorizados a sobrevoar aquela área, o que na prática quer dizer que as autoridades aéreas (ucranianas e/ou outras) estavam a utilizar esses aviões comerciais como "escudos humanos" para proteger os aviões de guerra da Ucrânia.
Imagem de perfil

De João Pedro Pimenta a 25.05.2018 às 13:21

Infelizmente não, Diogo. E a isso podíamos juntar a total ausência de indignação pela sorte de outros povos, como os curdos. Tirando os próprios, nunca vi uma indignação como os ataques que esse povo sofre, como acontece com a Turquia (o caso não é assim tão diferente de Israel). E ainda me lembro quando, aqui há uns anos, houve manifestações maciças contra a cimeira da NATO, em Lisboa. Dias depois veio cá o presidente da China - penso que era Hu Jintao - e só meia dúzia de tibetanos se manifestaram, e mesmo assim foram obrigados pela polícia a afastar-se.
Imagem de perfil

De Diogo Noivo a 25.05.2018 às 14:47

Pois é, João Pedro. Como os presos políticos que não existiam na Venezuela (parece que o BE já iniciou o processo de inflexão nesta matéria), mas que existem em Espanha.
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 25.05.2018 às 18:36

Não consta que os Curdos queiram destruir a Turquia como os Palestinianos querem destruir Israel.

E como a Turquia não representa o Ocidente logo está a salvo do jornalismo Marxista Ocidental.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.05.2018 às 21:10

Emigre para a Turquia, lucklucky. Vai adorar viver lá. Já demonstrou que não merece viver na civilização.
Sem imagem de perfil

De Meister Von Kälhau a 25.05.2018 às 22:25

Não. Os curdos só querem comer uma parte da Turquia.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 26.05.2018 às 01:08

E fazem os curdos muito bem até porque têm sido eles a dar uma coça no Daesh (no entanto os hipócritas imperialistas rotulam os curdos de "terroristas" apesar de fazerem muito mais contra o terrorismo que os imperialistas). Assim como o povo palestiniano tem o direito às terras que o estado fascista de Israel lhe roubou em 1967.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.05.2018 às 13:25

Não! Só estão distraídas.

Num passado muito recente chamavam-lhes (aos mais novos) - "A rapaziada que nos governa" - , mas agora já não se trata de rapaziada.
Ah, mas não é bem assim. São intolerantes, pouco simpáticas e ávidas de protagonismo-
Não há pachorra!
Sem imagem de perfil

De Costa a 25.05.2018 às 14:33

Israel, como bem se sabe, é por definição uma aberração, por definição agride e por definição é o único responsável pelos males daquela região do globo. É simples, fácil e reconforta na certeza de se encontrar de forma cristalina o culpado. É, enfim, de facto uma questão de fé.

Na linha, aliás, do elevado pensamento do Grande Mufti de Jerusalém, Amin al-Husseini, amigo e protegido do terceiro Reich e do fascismo italiano.

Costa
Sem imagem de perfil

De Meister Von Kälhau a 25.05.2018 às 15:46

Ou no seguimento dos pensamentos desse famoso judeu, Reinhard Heydrich
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.05.2018 às 16:46

E lá tinham que vir as teorias da conspiração típicas da extrema-direita israelita de Netanyahu que, em vez de culpar os alemães pelo Holocausto, resolve culpar os palestinianos.
Já é sabido há muito que o estado fascista de Israel não quer saber minimamente da comunidade judaica, caso contrário não apoiaria um presidente americano que se refere aos neonazis do seu país como "very fine people".
Ganhe vergonha! Para um "Costa" a verdade é que não tem nem metade da integridade do outro.
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 25.05.2018 às 18:58

Ninguém fala dos Assírios: https://en.wikipedia.org/wiki/Simele_massacre

Só um Marxista chama Fascista a Israel. Já vem desde que Karl Marx escreveu "O Problema Judeu" e mais uma data de textos anti-semitas porque julgava que os Judeus estragariam sempre o conformismo socialista com que sonhava.

Conspiração? os Judeus não foram expulsos do Iraque e do Irão no seguimento de golpes pro-nazis?
https://en.wikipedia.org/wiki/Farhud
Os Palestinianos pelo seu Mufti não se aliaram aos Nazis.
A Fatah e o Hamas não querem destruir Israel?

Vejam lá quem está na foto da entrega da bandeira ao Raggruppamento Centro Militare A

https://it.wikipedia.org/wiki/Raggruppamento_centri_militari

"...Il Centro "A" ricevette la bandiera di guerra offerta dal Gran Muftì(...)"
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.05.2018 às 21:13

Ah a final a culpa era do Marx! Tinha que vir a obsessão de lucklucky com Marx, apesar de Marx ter ascendência judaica.
O Marx é o bode expiatório de lucklucky para tudo.
Quando o seu pai traiu a sua mãe, a culpa também foi do Marx.
Sem imagem de perfil

De Costa a 26.05.2018 às 02:35

O outro Costa que você refere, ó anónimo, é o primeiro-ministro presentemente de turno? Na verdade, se você me tem em tal conta e por tal bitola, devo é ficar aliviado. Ser assim tão mau, pelo seu critério, é coisa absolutamente desejável.

É coisa de elementar decência.

Costa

Comentar post



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D