Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




As flores de estufa

por Pedro Correia, em 09.04.19

«Frio em Abril... Neve na Primavera...»

Às vezes questiono-me em que país - e em que planeta - vivem estes editores e difusores de informação, que nos telediários lisboetas apregoam como flores de estufa as frases que citei acima, todas proferidas em tom dramático.

Como se fossem notícia. Neste mês de Abril ou no de outro ano qualquer.

Autoria e outros dados (tags, etc)


36 comentários

Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 09.04.2019 às 12:06

Sempre foi normal haver dias de frio e neve (na serra) em abril. Quase todos os anos há.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 09.04.2019 às 16:03

Já apanhei um nevão na Guarda no final de Maio.
Nesse tempo ainda não havia aberturas de telejornais com "notícias" dessas.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 09.04.2019 às 12:34

A uns faz muita falta o "memofante", a outros o "kit" de juízo e bom senso, a outros uns litros de chá, e a outros que lhes digam onde podem ir comprar espelhos para poderem observar o fácies em casa.
António Cabral
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 09.04.2019 às 16:04

E a quase todos falta conhecerem o país real. E saírem do eixo Chiado-Príncipe Real, que continuam a confundir com Portugal.
Sem imagem de perfil

De jo a 09.04.2019 às 13:08

A juntar a isso temos a declaração de "avisos amarelos, laranjas e vermelhos" por dá cá aquela palha.
Não sei se é uma perceção só minha mas tenho a impressão que já nunca se diz simplesmente que vai haver chuva moderada ou forte, ou descida de temperatura, anuncia-se um "aviso amarelo", e dá-se uma quantidade de conselhos óbvios: se não quiser ficar molhado não saia de casa, se tiver frio vista um casaco.

O resultado disto é que não se consegue distinguir um aviso de furacão dos conselhos da avozinha.

A nossa Proteção Civil à força de não querer ser responsabilizada por não ter avisado, transformou-se no rapazinho que grita LOBO.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 09.04.2019 às 16:05

Bem observado. De facto, não faz o menor sentido.
Sem imagem de perfil

De Tiro ao Alvo a 09.04.2019 às 17:05

Tem razão, com frequência não se entende a razão de tantos avisos e tão coloridos.
Além disso, os avisos têm custos (ou proveitos para os membros da protecção civil...) não negligenciáveis.
Eu também estranho o grande número de especialistas que nos aparecem na TV a fazer previsões meteorológicas. Noutros tempos só conhecíamos duas ou três caras, agora... é o que se vê, sobretudo na TV. Até rima.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 09.04.2019 às 17:28

Eu continuo a confiar mais no meu ex-professor Costa Alves do que nestes mabecos que agora falam o tempo todo em "bom tempo" e "mau tempo", como se fosse informação rigorosa.
Imagem de perfil

De José Manuel Faria a 09.04.2019 às 18:57

Verdade. Assim como os exageros climáticos.Tem havido "estados de tempo irregulares" - não se trata de clima: são médias de elementos atmosféricos durante três dezenas.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 09.04.2019 às 21:41

Há muita treta por detrás desse alarmismo baseado em amostras temporais demasiado curtas.
Meter medo às pessoas é o que está a dar. A propósito dos mais diversos temas.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 09.04.2019 às 22:08

Boa noite Pedro Correia.
No seguimento da sua justíssima referência ao professor Costa Alves, permita-me também prestar a devida homenagem ao meteorologista Anthímio de Azevedo.
Um abraço.
A. Oliveira
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 09.04.2019 às 22:55

Justa e oportuna, a sua adenda.
Um abraço.
Imagem de perfil

De Corvo a 09.04.2019 às 13:14

Não estou a compreender muito bem, Pedro Correia: ou pelo menos a miolar em pleno.
Questiona-se sobre a irrelevância do mês, ou sobre a entoação dramática difusora da informação?
:)
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 09.04.2019 às 16:07

O dramatismo e a falta de memória.
Há um ano, por exemplo, o clima estava exactamente como tem estado: temperaturas baixas, períodos de chuva forte, neve acima dos 800 metros em zonas do interior.

Mas isso hoje é pedir de mais a um certo "jornalismo" lisboeta: um ano equivale a uma eternidade.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 09.04.2019 às 18:11

Sim, e esse desfasamento com os equinócios e solstícios mostra que é a temperatura dos oceanos que manda. E também mostra que quando acabar o efeito moderador do degelo das calotes há razão para o tal dramatismo.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 09.04.2019 às 21:42

A teoria da conspiração agora aplicada às calotes polares. Isto anda tudo desligado.
Imagem de perfil

De Pedro Vorph a 09.04.2019 às 13:53

Já não vejo telediários e televisão opto pelos conteudos on line. Fica aqui a sugestão de um excelente canal alemão, DW documentary, disponivel pelo youtube:

https://m.youtube.com/channel/UCW39zufHfsuGgpLviKh297Q
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 09.04.2019 às 16:07

Boa sugestão para o comendador Lavoura, que não perde uma oportunidade de alegar que é fluente no idioma de frau Merkel.
Imagem de perfil

De Pedro Vorph a 09.04.2019 às 16:49

Está traduzido no idioma da "Senhora de Ferro".


Já agora alguém me aconselha algum bom Fundo de Investimento?
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 09.04.2019 às 17:27

O comendador Lavoura é a pessoa adequada para o efeito.
Sem imagem de perfil

De Cristina M. a 09.04.2019 às 17:49

uma dúvida, Pedro Correia: LLavoura já é comendador?
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 09.04.2019 às 21:43

Está quase, Cristina. Vem aí o 10 de Junho.
Sem imagem de perfil

De Cristina M. a 09.04.2019 às 21:45

bilhetes à venda? reservas? sei lá.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 09.04.2019 às 16:12

O tempo é aquilo de que se fala quando não há nada para dizer.
Pior é ouvir as previsões meteorológicas na rádio.
Um exemplo acabado de como se baralham as frases e as ideias.
Uma autêntica seca.
Quem será responsável por tal linguagem?!
João de Brito
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 09.04.2019 às 16:30

O mais ridículo é ouvirmos nas rádios e nas televisões alguns papagaios de turno repetirem que "está frio" com temperaturas de 14 graus.
São mesmo flores de estufa.
Imagem de perfil

De Corvo a 09.04.2019 às 17:05

Depende, Pedro Correia.
Se odiarem o frio como eu até 20 graus é um frio glaciar.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 09.04.2019 às 17:26

Então deve ser isso. Tudo gente friorenta. Talvez por esse motivo, quando a temperatura ultrapassa 35 graus em dias de Verão, os mesmos digam que está "bom tempo".
Perfil Facebook

De Antonio Maria Lamas a 09.04.2019 às 16:18

Já no tempo da outra senhora, e para caricaturar o slogan do SNI, Abril Em Portugal, para atrair turistas, havia um poster com um guarda chuva fechado e com o título ABRI-LO EM PORTUGAL.
Os jornalistas urbanos, noticiam sempre com base no "para quem é bacalhau basta"
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 09.04.2019 às 17:23

É isso. Urbanos, ou nem tanto. Muitos são suburbanos. Com falta de urbanidade. E profundamente ignorantes do País, que não conhecem nem querem conhecer.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 09.04.2019 às 17:19

Este problema de falar do tempo por não haver notícias, não será como o do Governo só convidar malta de família, malta "chegada", porque , como diz o Rui Zink, "Os portugueses saem pouco"?...
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 09.04.2019 às 17:21

Eheh. Boa frase, essa do Rui Zink. E bem certeira.
Sem imagem de perfil

De Anonimus a 09.04.2019 às 17:37

Se o primeiro nevão de Inverno ou o primeiro dia de praia em Junho são notícia de abertura, porque não destacar chuva em Abril?
Bom tempo, está sempre. Nem que seja para regar as plantas. Aliás, "bom" tempo no Inverno é chuva e frio.

PS: é sempre hilariante ver aquelas reportagens na Guarda, com o/a jornalista a perguntar se não sentem o frio, e os indígenas a encolherem os ombros e a responderem que está apenas fresquito





Imagem de perfil

De Pedro Correia a 09.04.2019 às 21:45

Tem toda a razão no seu P. S.
Simplesmente hilariante.
E continua a acontecer, uma vez e outra e outra.
Para encher chouriços à falta de notícias dignas desse nome.
Sem imagem de perfil

De Tiro ao Alvo a 09.04.2019 às 21:04

"Em Abril, águas mil", diz o povo.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 09.04.2019 às 21:46

Até por isso estas "notícias" são absurdas.
E chuva em Julho?
E em Agosto?
E noutro mês qualquer?
E o granizo, coitado, não merece destaque?
E o nevoeiro?
E a geada?

Caramba, o melhor mesmo é comprar o Borda d' Água. Dá notícias dessas, logo em Janeiro, para o ano inteiro.

Comentar post



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D