Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




As canções da minha vida (19)

por Pedro Correia, em 10.07.20

114873286.jpg

 

BARCO NEGRO

1955

 

Há canções no cinema capazes de nos tocar a tal ponto que relegam o enredo para segundo plano. Aconteceu-me algumas vezes enquanto espectador. Mas talvez nunca com tanta intensidade como num filme francês, rodado por Henri Verneuil (1920-2002) em Lisboa. Esta longa-metragem de 1955 é hoje lembrada não pelos seus méritos cinematográficos, que são escassos, mas por ter impulsionado a ascensão internacional de Amália Rodrigues. Bastaria para que eu, amaliano militante, a incluísse na minha galeria de títulos estimáveis da Sétima Arte.

Amália tem um papel relativamente importante no filme, interpretando-se a si própria. Surge aliás em quinto lugar na ficha artística, logo após Daniel Gélin (que no ano seguinte surgiria em O Homem que Sabia Demais, de Alfred Hitchcock), Françoise Arnoul, Trevor Howard (célebre pela sua aparição em O Terceiro Homem, obra-prima do cinema britânico) e Marcel Dalio (do elenco de Casablanca). E a sua presença vocal manifesta-se desde o instante inicial: enquanto decorre o genérico, sobre panorâmicas de Lisboa, é a voz dela que escutamos. Cantando Foi Deus, um dos mais belos temas do seu riquíssimo reportório.

Os Amantes do Tejo – baseado na obra homónima do escritor Joseph Kessel, publicada um ano antes – conta-nos a história de Pierre, ex-membro da resistência francesa refugiado em Lisboa, onde trabalha como taxista, após ter cumprido pena de prisão no país natal por ter assassinado o amante da mulher in flagrante delicto. Um dia transporta Kathleen, turista por quem se apaixona, não resistindo a confessar-lhe o seu segredo. Mas também ela é perseguida por uma sombra do passado. O romance está condenado a terminar mal.

 

O que importa aqui, no entanto, é a presença magnética de Amália. O filme subsiste como objecto de culto por causa dela, só por causa dela. E nunca foi tão etérea e tão carnal em simultâneo como nos minutos em que canta – com a voz da alma – o arrepiante Barco Negro, original brasileiro a que David Mourão-Ferreira (1927-1996) emprestou o seu talento poético.

«De manhã, temendo que me achasses feia, / Acordei tremendo deitada na areia. / Mas logo os teus olhos disseram que não / E o sol penetrou no meu coração. / Vi depois, numa rocha, uma cruz / E o teu barco negro dançava na luz. / Vi teu braço acenando entre as velas já soltas. / Dizem as velhas na praia que não voltas: / São loucas! / São loucas!»

Amália actua numa casa de fados, acompanhada por Jaime Santos, Domingos Camarinha e Santos Moreira, seus guitarristas à época. Às tantas, um miúdo pergunta a Kathleen se está a gostar. «Muito. Só tenho pena de não saber português», responde ela. «É sobre a mulher de um pescador que morreu no mar. Todas as noites ela desce à praia e fala-lhe como se ele não tivesse morrido», esclarece o garoto. Pierre/Gélin traduz depois para francês o poema de Mourão-Ferreira. Como se tivesse sido escrito para Kathleen: «Tu es toujours là, toujours là, toujours là…»

 

18455322.jpg

Barco Negro nasceu de um acto de censura. No original brasileiro, de 1943, intitulava-se Mãe Preta e culminava desta forma: «Enquanto a chibata batia no seu amor / Mãe preta embalava o filho branco do senhor.»

Proibida pelo regime salazarista, a canção composta por Caco Velho (Matheus Nunes, 1920-1971) e Piratini (Antônio Amábile, 1906-1953) era uma denúncia óbvia do racismo que na adaptação fadista derivou para a tragédia de um pescador engolido pelo mar.

Amália trabalhara antes no cinema – enquanto protagonista de Capas Negras (Armando de Miranda, 1947), Fado (Perdigão Queiroga, 1948) e Vendaval Maravilhoso (Leitão de Barros, 1949). E já tinha prestígio internacional. Na década de 40 mantivera-se quatro meses no cartaz do luxuoso Copacabana Palace, onde estreou Ai Mouraria. Em 1953 actuara ao longo de 14 semanas no nightclub La Vie en Rose, em Nova Iorque, e no ano seguinte foi atracção no Mocambo, em Hollywood. Privara com Danny Kaye e Eddie Fisher, cantara com Lena Horne e Nat King Cole. Mas para ela as portas de França só se abriram com a enorme repercussão deste filme, onde também interpreta – sob o título Solidão – a célebre Canção do Mar, com música de Ferrer Trindade, aqui igualmente com versos de Mourão-Ferreira.

Os franceses renderam-se à rainha do fado. Nesse mesmo ano, a editora discográfica Columbia lançou em Paris um EP que juntava Barco NegroSolidão Falaste Corazón (uma ranchera mexicana) e Lisboa Não Sejas Francesa, popular tema de Raul Ferrão e José Galhardo.

Em 1956, Amália cantou pela primeira vez no Olympia de Paris: a partir daí o mundo francófono não deixaria de lhe prestar tributo.

 

Além de tudo isto, é evidente o interesse documental do filme de Verneuil pelos seus numerosos exteriores rodados em Lisboa.

Um espectador português do século XXI não deixará de acompanhar com interesse as imagens da nossa capital desse tempo em que ainda havia sinaleiros a regular o trânsito, as carroças eram frequentes, os pregões das varinas e dos ardinas ecoavam em qualquer canto da cidade, as fragatas sulcavam o rio e os eléctricos integravam o quotidiano dos Restauradores.

Paisagens que se mantiveram incólumes (o castelo, o miradouro de Santa Catarina, São Pedro de Alcântara, o cais da Rocha de Conde Óbidos) em contraste com edifícios que o camartelo alfacinha para sempre sepultou (como o luxuoso Hotel Aviz, situado onde hoje se encontra o Sheraton: ali se hospedava em permanência o multimilionário Calouste Gulbenkian).

 

Para mim tem um interesse adicional: 1955 foi o ano em que os meus pais se casaram. Gosto da longa-metragem de Verneuil também nessa perspectiva: permite-me conhecer com algum pormenor a Lisboa desse tempo, vários anos antes de eu nascer.

O meu pai, à época trabalhador-estudante, era funcionário da Direcção-Geral de Saúde, com entrada numa das arcadas do Terreiro do Paço. É o primeiro local onde avistamos Amália e Pierre/Gélin.

Nunca deixarei de ver o filme sem espreitar com redobrada atenção aquela cena. E aproveito para confessar também um segredo: ainda não perdi a esperança de um dia lá descobrir o meu pai, que sempre recordo a cantarolar o estribilho final desta canção da vida dele, agora uma das canções da minha vida.

 

«Eu sei, meu amor, / Que nem chegaste a partir / Pois tudo em meu redor / Me diz que estás sempre comigo.»

 


18 comentários

Imagem de perfil

De Vorph "ги́ря" Valknut a 10.07.2020 às 09:31

Um artigo digno da Rolling Stone, ou pelo menos da Blitz. :)
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 12.07.2020 às 01:17

A minha ambição é escrever um dia para o 'Borda d'Água'...
Imagem de perfil

De Maria Dulce Fernandes a 10.07.2020 às 10:29

O meu pai era fascinado pelo fado em geral e pela Amália em particular. Este filme era muitas vezes tema de conversa o que me aborrecia imenso, primeiro, porque não conhecia e depois porque a minha mãe acabava invariavelmente a chorar. Só vi o fime uma vez em VHS já adulta , porque alguém emprestou a cassete.
Este seu fantástico texto teve o condão de me avivar a memória do filme e de ouvir o meu pai recontá-lo uma outra vez. Vou ver se o encontro para o poder rever.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 12.07.2020 às 01:19

A minha ideia ao escrever estes textos é um pouco também essa, Maria Dulce. Levar outras pessoas a descobrir ou redescobrir algo que possa ter passado despercebido.
Imagem de perfil

De Isabel Paulos a 10.07.2020 às 11:10

O post além de transmitir conhecimento, acaba por sensibilizar até quem está longe de ser amaliana.
É com esta bela prosa que o Pedro Correia converte os mais empedernidos à leitura do DO.
Imagem de perfil

De Vorph "ги́ря" Valknut a 10.07.2020 às 12:10


O Pedro para além de uma cultura esmagadora e de uma memória arrasadora é um Cavalheiro, um Lord :)
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 12.07.2020 às 01:19

'Lord Jim' é, por coincidência, um dos meus livros de cabeceira neste momento.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 12.07.2020 às 01:23

Muito obrigado pelas generosas palavras, Isabel.
Imagem de perfil

De Francisco Carita Mata a 10.07.2020 às 12:47

Excelente trabalho. Parabéns! Ainda vi Amália, pessoalmente, na Cinemateca. Tenho um texto autografado. Hei-de escrever um postal sobre o assunto, quando tiver acesso ao texto e ao disco dela, cada um em diferentes localidades e eu numa outra. A narrativa do seu postal acaba por nos emocionar. Como sempre, saudações cordiais e votos de muita saúde.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 12.07.2020 às 01:21

Conservo um precioso autógrafo de Amália, que ela me concedeu quando eu tinha 11 anos, num intervalo dum espectáculo em que me atrevi a procurá-la no camarim.
Um dia hei-de contar essa história aqui.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 10.07.2020 às 12:53

Amália e o fado em geral são-me profundamente desagradáveis
A 6 de Outubro de 1999, vivi um acontecimento bastante traumático.
No mesmo dia morria a fadista e portanto durante muito tempo só se ouvia Amália em todo o lado.
Passadas duas décadas, ainda não consigo ver nem ouvir nada relacionado com o tema
Dno
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 12.07.2020 às 01:22

Já passaram 20 anos, é tempo de virar a página.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 10.07.2020 às 16:22

Pedro, esse segredo de tentar descobrir o seu pai no filme já foi revelado num outro postal há uns anos; lembro-me perfeitamente de ter trocado comentários acerca dessa sua busca...
🌻
Maria
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 12.07.2020 às 01:21

Foi seguramente logo após eu ter revisto o filme, já lá vão uns anos.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 12.07.2020 às 08:40

https://delitodeopiniao.blogs.sapo.pt/as-cancoes-no-cinema-15-7694785
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 12.07.2020 às 09:01

Série entretanto suspensa. Mas será reciclada: nada se perde, tudo se transforma.
Imagem de perfil

De Teresa Ribeiro a 13.07.2020 às 14:54

Estes teus textos deviam passar a papel. É uma pena se se perderem na nuvem digital.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 13.07.2020 às 15:01

Vão-se perder, Teresa. É o mais certo.
Nem o Sapo garante, à partida, que perdurem na nuvem.

Comentar post



O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D